sexta-feira, 3 de junho de 2016

Papa Francisco vai Celebrar a Reforma Protestante. Pode? Deveria? Eu Rezo que Ele Não Vá.


Quantos santos católicos condenaram a Reforma Protestante? Quantos santos católicos morreram por causa dela? Quantas propriedades da Igreja foram destruídas ou roubadas pela Reforma Protestante?

Se eu fosse colocar o nome desses santos e catalogar as propriedades perdidas e destruídas, eu não terminaria de escrever nem em três dias, trabalhando 24 horas. Passeie pelas igrejas anglicanas na Inglaterra, por exemplo, e pergunte de quem era aquela igreja antes da Reforma Protestante. Faça o mesmo na Suécia, na Alemanha...

Chesterton considerava a Reforma Protestante como um "barbaric breakdown" (quebra bárbara histórica), como o acontecimento histórico mais destrutivo da história da humanidade, responsável pelo individualismo (egoísmo) exagerado que temos hoje em dia e também como uma superstição religiosa. Ele considerava que os reformadores (Lutero, Calvino, etc.) escolheram uma característica da Doutrina da Igreja Católica para ressaltar (graça de Deus ou poder de Deus ou a importância da Bíblia ou o pecado humano) e tentaram destruir todas as outras graças e sacramentos do catolicismo. Para Chesterton, a Reforma Protestante destruiu a única liga de nações que tinha chances de existir com eficiência, a liga de nações católicas.

Ele disse:

“I am firmly convinced that the Reformation of the sixteenth century was as near as any mortal thing can come to unmixed evil. Even the parts of it that might appear plausible and enlightened from a purely secular standpoint have turned out rotten and reactionary, also from a purely secular standpoint. By substituting the Bible for the sacrament, it created a pedantic caste of those who could read, superstitiously identified with those who could think. By destroying the monks, it took social work from the poor philanthropists who chose to deny themselves, and gave it to the rich philanthropists who chose to assert themselves. By preaching individualism while preserving inequality, it produced modern capitalism. It destroyed the only league of nations that ever had a chance. It produced the worst wars of nations that ever existed. It produced the most efficient form of Protestantism, which is Prussia. And it is producing the worst part of paganism, which is slavery.” – New Witness, June 20, 1919


Em suma, a Reforma Protestante é uma enorme heresia destrutiva em inúmeros aspectos.

A foto acima é muito conhecida, mostra o Papa Francisco, quando era cardeal na Argentina, se rebaixando para a benção de protestantes.

Agora, o Vaticano confirma que o Papa Francisco irá iniciar as celebrações dos 500 anos sobre a Reforma Protestante na Suécia no próximo mês de outubro.

É um Papa celebrando o cisma, a heresia.

Os Jesuítas nasceram para combater a Reforma Protestante. O Papa Francisco é Jesuíta.  O que Santo Inácio de Loyola pensa dessa ação do Papa?

Será que ele participará do coro: "Viva Lutero", Viva Calvino"?

Rezemos. Eu estou rezando para que o Papa desista de fazer isso. 

Que Santo Inácio de Loyola, São Roberto Berlamino, São Edmund Campion (todos jesuítas que lutaram contra o protestantismo e até morreram por causa do protestantismo, no caso de Campion) intercedam.




3 comentários:

Anônimo disse...

Esse sujeito que se passa por "papa" é um agente do comunismo internacional com a missão de destruir a Igreja Catolica Tradicional.

Um canalha que apoia sodomitas, casamento gay, aborto
um herege que oscula o Alcorão, da asilo a familia islamica e deixa as familias cristã a propria sorte,
Bergoglio é o Satanaz !
è a maior ameaça a Fé Mundial Catolica
A maior FRAUDE colocada no Vaticano pela Nova ordem Mundial.
Que Deus nos proteja deste demonio, o mais perigoso da historia da Igreja.

FORA BERGOGLIO!
FORA COMUNISTA ATEU!

Vic disse...

PRÁ QUEM APRECIA RELATIVISMO, PROTESTANTISMO É IDEAL!
O cardeal G Müller disse sobre a Reforma Protestante - catolicismo macaqueado, seitas marginais à Igreja - e os tradicionais avalizam, pois a "Reforma" de Lutero redundou no sectarismo de milhares de grupos, além de dissidentes entre si!
*"Estritamente falando, nós, católicos, não temos nenhum motivo para celebrar o dia 31 de outubro de 1517, data que se considera o início da Reforma que conduz à ruptura da cristandade ocidental.
Se estamos convencidos de que a Revelação se conservou íntegra e inalterada através da Escritura e da tradição na doutrina da Fé, nos Sacramentos, na constituição hierárquica da Igreja por direito divino, fundada sobre o sacramento da Ordem sagrado, não podemos aceitar que existam motivos suficientes para se separar da Igreja"
*IHU - Como o Cardeal Müller relê o Papa;

RICARDO DA SILVA LIMA disse...

Não, não pode, nem deveria.

Sinceramente, creio que o Papa Francisco é muito sentimental, e isto é muito ruim para pessoas que, como ele, estão em cargos de liderança.

Quer dizer: ele, com certeza, deve saber tudo o de ruim e horrível que surgiu da heresia protestante, e vai comemorar tal ato? Ele deve "sentir" que isto é uma coisa boa, é a única explicação plausível que eu vejo para tal abominação.

DEUS queira que ele recupere a lucidez, e volte atrás.