domingo, 26 de junho de 2016

Trailer do Filme sobre Herói da Guerra Fria. Baseado Fatos Reais. O Espião Polonês que Salvou o Mundo.



Ryszard Kuklinski (foto acima com João Paulo II) nasceu em Varsóvia em 1930. seu pai foi da Resistência Polonesa contra os Nazistas, e morreu em um campo de concentração. Depois da guerra, Kuklinski conseguiu subir na carreira no exército polonês que estava dominada pelos comunistas da União Soviética. Ele chegou a trabalhar entre os generais poloneses.

Depois de ver como os soviéticos tratavam os poloneses e os tchecos e de descobrir que a União Soviética planejava uma Terceira Guerra Mundial, que sacrificaria todos os habitantes da Polônia, resolveu escrever uma carta para a embaixada dos Estados Unidos em Bonn e se tornou o mais importante espião da CIA dentro da Polônia.

É relatado que Kuklinski deu mais de 40 mil páginas de informações e fotografias dos soviéticos aos americanos. Incluindo o plano completo da União Soviética para atacar a OTAN. O site dedicado a Kuklinski diz as ações dele salvaram a Polônia duas vezes de invasão destrutiva pelos soviéticos. É possível comprar um dvd com muitos documentos do trabalho de espião feito por Kuklinski, inclusive sua carta de 1972 se oferecendo para ser espião para a CIA.

Em 1981, Kuklinski foi descoberto, mas a CIA conseguiu levar ele e sua família secretamente para os Estados Unidos. Pouco antes da lei marcial da Polônica contra o sindicato Solidariedade.

O diretor da CIA, William Casey, em carta ao Presidente Ronald Reagan, disse que "Em 40 anos ninguém fez mais prejuízos ao comunismo do que Kuklinski".

Apesar de morar nos Estados Unidos, mudar de nome e de endereços várias vezes, os dois filhos de Kuklinski morreram em circunstâncias suspeitas. Um foi atropelado por um caminhão sem placa e o motorista fugiu e o outro morreu quando pescava em dias de mar tranquilo.

Kuklinski nunca disse que as mortes foram vingança de comunistas, mas também nunca descartou essa hipótese.

Kuklinski morreu em 2004, na Flórida, recebeu honras militares da CIA e seu corpo foi levado para a Polônia. O local onde estar enterrado de vez em quando sofre ataques de comunistas raivosos com ele até hoje, com pichações no túmulo.

Você pode ler como a CIA é agradecida a Kuklinski, clicando aqui.

A Time revelou em 2001 que Reagan mandou repassar ao Papa João Paulo II as informações de Kuklinski.

Agora surgiu um fillme polonês sobre Kuklinski, chamado Jack Strong, que era seu codinome como espião. O filme é baseado no livro A Secret of Life que conta a história de Kuklinski.

Vejam trailer abaixo.





(Agradeço o início das informações obre Kuklinski ao site National Catholic Register)

4 comentários:

Vic disse...

Existe um outro similar, chamado Oleg Penkovsky, codinome “Hero”, é o homem que impediu que Guerra Fria se transformasse em uma Guerra Quente. Ele era um coronel da inteligência militar soviética, e ele foi a pessoa que informou o presidente John F. Kennedy que a Rússia Soviética estava indo instalar um sistema de mísseis intercontinentais em Cuba e fez Kennedy partir em cima de Krushev!
Os russos são especialistas em serem traiçoeiros, ameaçadores com fantasias e pegarem "vaca atolada", mas encarar os americanos de frente, jamais; são oportunistas, como os comunistas, fazendo jus ao que são!

Pedro Erik disse...

Obrigado, caríssimo Vic. Vou ver caso Oleg.
Abraço,
Pedro

Adilson disse...

Nobre Pedro, só hoje pude dedicar considerável atenção a esta incrível, rica e notória postagem. Lamento não ter comentado nesse dia. Infelizmente minha tenho muitas obrigações que me impedem ser um leitor assíduo e valorosamente concentrado em suas publicações. Já estou arquivando e guardando boa parte desse material tão formidável. Essa semana meu filho (16 anos) apresentou um trabalho em sua escola sobre o Genocídio Ucraniano baseado no documentário The Soviet Story, do cineasta letão, Edvins Snore. Ele me disse que a professora de "história" (petista) não sabia absolutamente nada sobre o tema e ainda tentou desacreditá-lo, mas ele se manteve forte. Enfim. Se eu tivesse me dedicado a esta postagem, eu o teria ajudado a enriquecer seu trabalho com este assunto. Perdo-me, meu nobre. Abraços!

Pedro Erik disse...

Nada a perdoar, meu amigo.
Parabéns ao seu filho.
Abraço,
Pedro