sexta-feira, 10 de junho de 2011

Egito - Liberdade e Justiça?



Nesta semana, a Irmandade Muçulmana se juntou a Salafitas (islâmicos sunitas radicais) e formou um partido político pela primeira vez desde 1954. Escolheu o nome Partido da Liberdade e da Justiça (símbolo acima). A foto abaixo de uma Igreja cristã copta queimada por salafitas dá uma idéia da liberdade e da justiça que eles propõem.


Eu já tive a oportunidade de falar, respondendo a uma pergunta de uma comentarista, que o mundo está brincando com o Egito. Há uma grande risco envolvido na aliança que se vislumbra entre o Egito, o Hamas e  o Irã. A democracia facilita essa aliança, assim como levou ao poder o Hamas na Faixa de Gaza.

A união dentre Hamas e Fatah no mês passado foi celebrada justamente no Egito.Também no mês passado, a Irmandade Muçulmana se reuniiu com Ahmadinejad no Irã. A Irmandade deu apoio ao programa nuclear iraniano. Além disso, o Egito já enfrenta invasão de terroristas ligados a al-Qaeda em suas fronteiras.

Em 2005, candidatos ligados a Irmandade, mas agindo como independentes conseguiram 20% das cadeiras do parlamento. Agora, com a formação formal de um partido e com o impacto da saída de Mubarak, um completo domínio pela Irmandade é o horizonte mais provável. Abdel Moneim Abul Futuh, da Irmandade, já se lançou como candidato a presidente.

Para mostrar o caminho que a democracia irá levar, Pesquisa Gallup mostrou nesta semana que 69% dos egícpios acham que os clérigos devem aconselhar em questões legais e 14% acham que os clérigos muçulmanos devem estabelecer totalmente as leis. A pesquisa também mostrou que esta história de que a revolta que derrubou Mubarak veio do Facebook é balela, pois apenas 8% dos egípcios seguiram os acontecimentos pelas redes sociais, enquanto 81% seguiram pela TV estatal ou pela Al- Jazeera (rede do Catar), e pelo menos 30% são até analfabetos.

2 comentários:

André disse...

Olá, Pedro. Já faz tempo que não vejo como andam as coisas por aqui. Estou muito feliz de ver como o blog cresceu. Antes eu era o único a comentar por aqui, agora eu já tenho concorrência (hehe). Sei que prometi que escreveria pelo menos uma vez por semana, mas as coisas têm andado meio tensas para mim, principalmente em relação ao tempo.

Como estou morrendo de sono, vou direto ao ponto: eleições americanas. Faz tempo que você não escreve sobre o assunto. Que eu saiba, todos os favoritos (com exceção de Sarah Palin) já se declararam candidatos oficialmente. Não vou mentir e dizer que acho todos perfeitos, mas é óbvio que alguns se destacam. Gosto bastante do Herman Cain, a grande surpresa dessas prévias. Pawlenty e Santorum também me agradam. Ainda não sei muito sobre esse Jon Huntsman, mas ele não parece ser boa coisa. E, é claro, há o grande RINO: Romney. Não sei não. Por um lado, ele é o único que venceria Obama se as eleições fossem hoje. Por outro lado...

Entretanto, uma notícia chegou aos meus ouvidos que eu achei bastante excitante: estão especulando que Rick Perry, o governador do Texas, está prestes a entrar na disputa. É uma notícia fantástica! Pelo jeito, houve uma debandada em massa da já falida campanha de Gingrich. Dois assessores são homens leais de Perry. Há vários rumores de que ele vai para Iowa preparar sua campanha.

Você escreveu dois excelentes textos sobre o Texas, os dois sobre aborto. Acho que ficará feliz com essa notícia.

PERRY FOR PRESIDENT!!!

Abraços, André

Pedro Erik disse...

É isso André, estou acompanhando e torcendo para que Rick Perry entre na disputa.

Meu candidato favorito é outro Rick, o Santorum, mas ele não tem muito apoio e não é bem conhecido. Depois fico com Perry. Não gosto de Pawlenty, acho ele muito apagado (hoje Bill O'Reilly até pediu que fosse mais energético na campanha)

Perry tem bem mais chance. O estado do Texas é um tremendo sucesso economicamente e o cara tem exercido uma posição contra o aborto (alguns dizem que isso é novo, mas não estou preocupado com isso. Ele escolheu o lado certo).

Herman Cain é muito inteligente, mas tem respostas simples demais, é muito inexperiente. Gingrich já era e Palin seria louca de entrar na disputa.

Graças a Deus, o blog está crescendo, meu amigo, e seus comentários são excelentes, muito bem informados e muito bem escritos. Sinto a falta deles, com certeza.

Tenho uma ótima média de leitores diários, mas eu procuro não focar em número de leitores, procuro escrever o que estou com vontade, sem pensar se com isso vou atrair mais ou menos eleitores. Uso também o blog para escrever assuntos que quero manter registrados.

Eu, inclusive, sempre sou crítico quando a Igreja Católica procura ser mais "protestante", usando músicas e danças nas cerimônias, para atrair mais fiéis, esquecendo a doutrina. A doutrina católica é que a torna tão bonita, ela deveria focar nisso.

O número não importa o que importa é a qualidade. Veja, a Nancy Pelosi que defende aborto e casamento gay diz que é católica. Ela só faz número.

Grande abraço,
Pedro erik