sábado, 14 de maio de 2011

Padres Idiotas Brasileiros Apóiam Casamento Gay



Não consigo entender por que padres católicos que são contra a doutrina da própria Igreja não deixam a Igreja. Meu Deus, já existem muitas igrejas protestantes que aceitam gays e mulheres como pastores, casamentos gays e aborto. A Igreja Episcopal americana, por exemplo, aceita padres gays. Aceitar o aborto é muito comum em várias seitas cristãs.

Para mim, a Igreja Católica deveria demiti-los, se não deixassem a Igreja.

Li hoje no O Globo que padres católicos brasileiros apóiam a decisão do STF em aceitar o casamento gay. E os padres ainda dizem que a Igreja Católica não é liderada pelo Papa, meu Deus do céu.

A grande diferença entre a Igreja Católica e as igrejas protestantes é justamente essa: todos os católicos devem se submeter a doutrina da Igreja, na qual o Papa é infalível em matéria de doutrina da fé. Isso pode parecer um fardo mas na verdade, para mim, é a grande virtude do catolicismo.

Outro dia eu vi no blog Aggie Catholics um debate sobre "falando línguas", isto é,  um debate sobre pessoas do movimento carismático católico que em suposto estado de transe começam a falar em outras línguas. A brilhante resposta do comentarista é que a Igreja Católica tem dois princípios: 1) não abandona a possibilidade de ser um atitude que vem do Espírito Santo; e 2) a pessoa que faz isso deve submeter aos preceitos da Igreja, caso contrário, ela deseja ser vista como profeta isolada da Igreja e demonstra que a preocupação é ser líder religioso (São Paulo já alertou para isso).

O que quero dizer é que se submeter aos preceitos da Igreja é uma forma de humildade espetacular que ajuda no caminho para Deus. E serve para todos, do santo ao leigo, passando pelos papas. Por isso, acho que a liderança da Igreja é uma das grandes forças do catolicismo. Elimina boa parte dos falsos profetas.

Sobre a condenação ao homossexualismo, já falei disso aqui no blog, quando discuti 12 questões teológicas.  Era o oitavo ponto, que mostra que há fortes elementos contra o homossexualismo na Bíblia e nem comento as doutrinas da Igreja que defendem a formação da família com o homem e a mulher. Aqui vai de  novo: 

Costuma-se dizer que "propriamente interpretada, a Bíblia não condena os homossexuais. Ela é contra a promiscuidade, seja de homossexuais ou heterossexuais. Por isso, não há razão para não se aceitar o relacionamento homossexual"

Para mostrar que há sim na Bíblia passagens explícitas contra atos homossexuais, apresentamos passagens tanto do Velho como do Novo Testamento.

Do Velho Testamento em Levítico (18:22):

"Não te deites com um homem, como se fosse com uma mulher: é uma abominação."

Ainda no Velho Testamento, em Gênesis (19: 4-10) mostra-se que os homens de Sodoma eram homossexuais que queriam fazer sexo com homens dentro da casa de Lot. Veja a passagem:

"Ainda eles (os anjos) não se tinham deitado, quando os homens da cidade rodearam a casa (de Lot). Eram os homens de Sodoma, desde os jovens até aos velhos, o povo todo, sem exceção.   
Chamaram Lot e disseram-lhe: «Onde estão os homens que vieram para a tua casa esta noite? Trá-los para termos relações com eles». Lot veio à porta e, fechando-a atrás de si, disse-lhes: «Meus irmãos, peço-vos: não façais esse mal. Vede! Eu tenho duas filhas que ainda são virgens; eu vo-las trarei: fazei com elas o que achardes melhor. Mas não façais nada a estes homens (anjos), porque eles estão hospedados em minha casa». Mas eles responderam: «Sai daí! Este indivíduo veio como imigrante e agora quer ser juiz! Pois bem! Nós vamos fazer-te pior do que a eles». E empurraram Lot, tentando arrombar a porta. Os visitantes (anjos), porém, estenderam os braços e puxaram Lot para dentro, fechando a porta. Quanto aos homens que estavam à porta, feriram-nos com a cegueira, do menor ao maior, de modo que não conseguiam encontrar a entrada."

Esse fato é confirmado no Novo Testamento (Judas 1:7):

"De igual modo, Sodoma e Gomorra e as cidades vizinhas, que igualmente se entregaram à libertinagem e correram atrás de vícios contra a natureza; elas servem de exemplo, sofrendo as penas de um fogo eterno."

Também no Novo Testamento, São Paulo nos fala em Romanos (1: 26-27):

"Trocaram a verdade de Deus pela mentira e adoraram e serviram a criatura em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amén. Por isso, Deus entregou os homens a paixões vergonhosas: suas mulheres mudaram a relação natural em relação contra a natureza. Os homens fizeram o mesmo: deixaram a relação natural com a mulher e arderam de paixão uns com os outros, cometendo actos torpes entre si, recebendo dessa maneira em si próprios a paga pela sua aberração."

2 comentários:

Anônimo disse...

oi Pedro.
dah uma olhada nesse texto do Gustavo Corcao:
http://www.permanencia.org.br/drupal/node/464
nao sei se vc conhece o site, mas ali bebe-se de bons conhecimentos.
Luiz ECM (pedro simon bolivar)

Pedro Erik disse...

Caro Luiz,

Muito obrigado pelo texto, não conhecia o blog não. Gostei bastante. Eu já tive a oprtunidade de discutir esse tema, e é triste ver como o tal "iluminismo" do século XVIII ainda convence tanta gente.

Grande abraço,
Pedro Erik