sábado, 5 de março de 2011

Partidos Políticos Piratas


A bandeira que vai acima é de um partido político,  o Pirate Party, pois é, ele existe, foi criado no ano passado. O partido diz que a plataforma é melhorar a comunicação mundial eliminando as leis de patentes autorais. Isso para mim é pilhar o conhecimento e o dinheiro alheios. O Wikipedia diz que um desses partidos está ativo no Brasil. Seria apenas mais um.
 
Um das coisas que mais me entristece no Brasil é ver que não temos partidos políticos, com ideologias definidas e princípios claros. Todos se misturam, usam quaisquer ideologias e princípios para se manterem no poder. Isso ocorre no exterior? Sim, mas tudo é uma questão de medida e no Brasil a medida azedou muito a fórmula. Nos países desenvolvidos, os políticos tendem a eliminar os princípios para ficarem no comando, mas eles sofrem penalidades eleitorais quando fazem isso. Os eleitores nesses países são mais fiéis às ideologias que eles votaram e condenam os políticos que não a segue. Parece que no Brasil todos os partidos políticos são partidos piratas, eles estão aí para abocanhar o dinheiro público da maneira mais fácil e rápida, sem seguir regras, e, o pior, o povo continua votando neles.

Esse blog nasceu no dia 13 de maio do ano passado, e o primeiro post que escrevi estava estimulado por uma uma cena política esdrúxula na Inglaterra.  Era a entrevista que mostrava a suposta "união" dos conservadores com os da extrema esquerda inglesa, representada pelo partido liberal-democrata. Isso só foi possível porque o conservador não é conservador em seus princípios ideológicos, os liberais-democratas também não e os dois queriam chegar ao poder.

Na oportunidade, eu disse que o resultado disso seria o fim do partido conservador como alternativa de valores. Os eleitores desse partido iriam se bandear para o Ukip, partido pequeno mas que mantém mais firmeza de princípios. Eu ainda disse que achava que a coalizão não iria chegar a 2011.

Acertei a primeira previsão com louvor, mas errei a segunda. Posso argumentar que na verdade eu não errei a segunda pois os liberais democratas estão desaparecendo da coalizão, eles perderam completamente o apoio popular, por isso não significam nenhuma força de poder dentro do governo. O que o líder deles, Nick Clegg, diz nem o governo leva a sério.

Os liberais democratas agora são menos populares que o partido mais odiado pela imprensa inglesa (BNP) e ficaram em um humilhante sexto lugar nas últimas eleições no distrito Barnsley Central, ficando atrás até de um candidato independente.  Os conservadores vieram apenas em terceiro. Os dois foram ultrapassados pelo Ukip e a eleição foi vencida pelo partido que tanto conservadores como liberais-democratas quiseram tira do poder na eleição de 2010, o partido trabalhista.

O povo inglês mostra nas últimas pesquisas que quer um partido realmente conservador. Eu acho que ele quer pelo menos verdadeiros partidos, com princípios claros. Assim como eu acho que nós precisamos no Brasil, mas nossos eleitores não estão convencidos disso.

Mas parece que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (foto abaixo), vai criar mais um partido político pirata no Brasil. 

2 comentários:

André disse...

Nossa, eu não sabia que o Partido Liberal era de extrema-esquerda. Bom, política britânica não é o meu forte, mas Winston Churchill já pertenceu ao Partido Liberal! Eu pensei que esse partido representasse o centro, algo como o PMDB, que sempre prefere estar do lado que "está ganhando".

Mas é uma coisa bastante deprimente ver o Partido Conservador fazer uma aliança com esse tipo de gente. Eu pensei em dizer que Margaret Thatcher estaria se revirando no túmulo se soubesse de uma coisa dessas, mas daí me lembrei que ela está viva. David Cameron com certeza é a versão inglesa de um RINO.

Quanto a Gilberto Kassab, este está cavando sua própria cova no cenário político. Como é que alguém pode ser tão burro? Seria cômico se não fosse trágico! E tudo porque ele quer concorrer ao governo de São Paulo em 2014. Se ele tivesse um pouco mais de miolos, saberia que a coisa mais prudente a fazer seria esperar mais um pouquinho... Mas não!

Pense comigo, Pedro. Em 2012, Kassab terminaria seu mandato de prefeito. Sua gestão não foi lá essas coisas, mas enfim. Dois anos depois, ele poderia arriscar e tentar o Palácio dos Bandeirantes. Isso seria suicídio, a não ser que Alckmin consiga a indicação para concorrer à presidência (é bem difícil com todo esse "Movimento Aécio Neves", mas é uma possibilidade). Na pior das hipóteses, Alckmin e Kassab dividiriam o eleitorado conservador paulista, o que poderia ser bem vantajoso para um petista como Mercadante ou Marta. Se este imbecil resolver mesmo levar essa ideia adiante, ele pode ocasionar a vitória do PT aqui em São Paulo, uma calamidade sem proporções.

Mas se fosse um pouquinho mais inteligente, ele veria que a melhor opção seria o Senado. Aqui no Brasil, os senadores não têm a devida visibilidade como nos EUA, mas sem dúvida essa seria uma excelente escolha. O PSDB já conseguiu eleger um senador pelo estado ano passado, Aloysio Nunes, e eu tenho certeza de que poderiam abrir mão de lançar um candidato próprio para agradar ao segundo partido mais poderoso da coligação. Kassab já tem em seu favor uma trajetória política e um eleitorado cativo. Você acha que as mesmas pessoas que votam em Serra e Alckmin aqui em São Paulo votariam em algum candidato do PT? Olhe só o próprio exemplo do Aloysio Nunes, que saiu de míseros 2% nas primeiras pesquisas e se tornou o senador mais votado da história! Isso prova que a imensa maioria do povo paulista é conservadora e, apesar de às vezes eleger um tipo como Tiririca, repudia certos pagodeiros espancadores de mulheres.

E veja quem ele provavelmente enfrentaria: Eduardo Suplicy. Cá entre nós, não seria muito difícil. Eu até hoje não sei como esse homem conseguiu se eleger três vezes. Mas pode ser que ele queira se aposentar, o que abriria caminho para Mercadante tentar recuperar a cadeira perdida em 2010. Um pouco mais complicado, mas ainda assim relativamente fácil. Como se vê, Kassab tem tudo para uma eventual candidatura ao Senado.

Em 2018, estaria tudo pronto. Com Alckmin terminando seu segundo mandato e preparando-se para candidatar-se à Alvorada mais uma vez (caso Aécio perca em 2014), quem melhor que Kassab para assumir a cadeira deixada vaga pelo governador? A não ser, é claro, que o próprio Aloysio Nunes resolva também entrar no jogo, mas isso é só um detalhe.

Qualquer pessoa razoavelmente esperta poderia traçar uma estratégia parecida. Kassab prefere sair da base oposicionista, fundar um novo partido de fachada e entrar para a ala do governo. Tudo bem, será aniquilado nas urnas. A única coisa que me incomoda é o enfraquecimento da oposição. Do jeito que anda a situação, eu tenho um pressentimento horrível de que os poucos partidos decentes que ainda restam serão engolidos pelo populismo petista. É uma visão muito pessimista, eu sei, mas é o que vejo no momento.

Abraços, André.

Pedro Erik disse...

Grande André,

Concordo com sua análise política. Incrível como a oposição brasileira facilita o caminho petista. Chego a pensar que os caras combinam com o PT. Será também que o exemplo Ciro Gomes não mostrou que negociar com base governista é a morte política?

Acho que o Kassab não tem muita força sem o PSDB. Ele, para mim, vai desaparecer politicamente.

Mas, em resumo, acho que só temos partidos piratas, sem ideologia, sem princípios. Mas no fundo temos um povo sem essas duas coisas. Um povo pirata. Os partidos só refletem isso.

Grande abraço e ótimo carnaval,
Pedro Erik