sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Vamos "Worldexit". Devemos Resistir


O Brexit, saída da Reino Unido da União Europeia, venceu ontem. Não foi uma vitória do partido conservador, foi uma vitória popular. O povo britânico, na sua maioria, aprovou Brexit há três anos, para desespero de todos os esquerdistas, globalistas, progressistas do mundo. O partido conservador inglês, que pode ser tudo menos conservador, muitas vezes atrapalhou o Brexit neste período. Boris Johnson não estaria aí se não fosse a imensa incompetência da sua antecessora e colega de partido.

Além do Brexit, nós precisamos é de um Worldexit, precisamos resistir ao mundo terrível em que vivemos,em que se mata crianças nos ventres maternos aos milhões, em que não se sabe nem qual é o sexo do homem e da mulher, em que uma adolescente de 16 anos sem nada oferecer vira símbolo moral do mundo.

Um mundo em que temos um Papa que costuma atacar praticamente todos os dogmas da religião, justamente por idolatrar o mundo, com todas suas instituições anti-religiosas (ONU, União Europeia, China) e inclusive aquela adolescente de 16 anos.  

Worldexit não é abandonar o mundo, mas se sentir estrangeiros no mundo, como cristãos (como Cristo nos alertou), e resistir ao mundo. É levar Cristo ao mundo, sabendo que o mundo vai nos odiar pois "Si de mundo fuissetis, mundus quod suum erat diligeret: quia vero de mundo non estis, sed ego elegi vos de mundo, propterea odit vos mundus." ("Se fôsseis do mundo, o mundo vos amaria como sendo seus. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo vos escolhi, por isso o mundo vos odeia." João 15:19)

Hoje em dia quem ler livros de Chesterton, Dietrich von Hildebrand, Belloc, Brague, Anthony Esolen, Theodore Dalrymple, Jordan Peterson, Dante, Cervantes, Shakespeare, e Peter Kreeft, não deixa de sentir um desespero ao olhar para o mundo em que vivemos.

No último livro que li de Esolen (Manual Politicamente Incorreto da Civilização Ocidental) ele se pergunta se o mundo pode se salvar. Responde que nenhuma civilização em decadência na história jamais teve tanto acesso à sua própria salvação como a de hoje, justamente porque qualquer um com acesso a internet tem acesso grátis a verdades mais básicas da humanidade no seu computador escritas por gigantes da literatura mundial.

Bom, eu olho para os meus alunos e para os professores que convivo não vejo a menor chance deles pesquisarem estes grandes da literatura mundial, em geral propagam bobagens ilógicas e anti-cristãs..

Acho que a maior chance do mundo se salvar está nos erros do próprio mundo. Há tamanha estupidez e os erros são tão nítidos que se torna quase inevitável a salvação. Seria um imenso Ufa!

Assim como Jeremy Corbyn era um erro estúpido demais para os ingleses e eles tiveram que votar em Boris Johnson e no Brexit.

Quando se pesquisa por "resistência" na internet a ideia está impregnada de esquerdismo. Mas isso já mostra o mundo em que vivemos, os verdadeiros cristãos resistem ao mundo desde o início, pois o próprio Cristo alertou: "Si mundus vos odit, scitote quia me priorem vobis odio habuit." (Se o mundo vos odeia, sabeis que ele me odiou primeiro antes de aprender a lhe odiar, João 15:18).

Vamos Worldexit!


quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

"Europa Torce por Boris Johnson, Pois é Capitalista-Corporatista"


Hoje tem eleições no Reino Unido, como eu trabalhei com o assunto, já morei no país, e mesmo comecei esse blog motivado por uma eleição de lá, eu me interesso pelo tema.

Desde que morei lá, eu gosto dos artigos de Ambrose Evans-Pritchard, no jornal The Telegraph.

Hoje, ele nos traz um artigo sobre as eleições, em que nos diz que a União Europeia, apesar de toda a sua vertente esquerdista globalista, pró-abiorto, pró-gay, anti-militarismo, etc, está torcendo pelo conservador Boris Johnson.

A primeira coisa a se saber é que o Partido Conservador inglês, não é conservador, é também pró-aborto, pró-gay. A diferença em relação ao esquerdismo é que é mais nacionalista.

Evans-Pritchard nos diz que a União Europeia está torcendo e até rezando por Boris Johnson. A União Europeia, para ele, não é esquerdista, é "capitalista-corporatista" e assim, detestaria esquerdistas radicais, que pregam a destruição da OTAN e elogiam Mao Tse Tung, como o adversário de Johnson, Jeremy Corbin.

Corbin realmente é uma aberração em pessoa, um anti-semita, anti-capitalista, anti-OTAN, que elogia Mao, Che Guevara, qualquer esquerdista radical.

A União Europeia torceria por Boris porque está também perdendo muito dinheiro com a falta de definição do Brexit.

Mas eu diria que Evans-Pritchard tem razão se pensarmos que capitalistas podem sim ser esquerdistas, e até esquerdistas e globalistas radicais, a depender dos seus negócios. O que dificilmente eles serão é conservadores.

Em suma, faltou a ele reconhecer que Boris não é assim "de direita conservador". Não existe nem partido dessa vertente no Reino Unido, infelizmente.

Vejam abaixo parte do texto de Evans-Pritchard.


All is forgiven: Europe's leaders pray for Boris, horrified by thoughts of a Corbyn upset
·         AMBROSE EVANS-PRITCHARD

One thing is certain as voting day finally arrives: Europe is rooting for Boris Johnson.  The more seats, the better. 

Nobody in high office will say it. A few Commission diehards might still hope to overturn Brexit  - or still imagine that such a reconquest would be digestible - but the overwhelming view in the great capitals is that further years of British civil war and cross-Channel brinkmanship risk a strategic debacle. 

They can only roll their eyes at the naïveté of Hugh Grant and the Beautiful People, as if tactical voting can surgically deliver the right hung Parliament: that is to say a revocation referendum, without that little extra problem of an anti-NATO Marxist, one who thinks that Mao’s Great Leap Forward was a success, finds no fault with Vladimir Putin, and excoriates Western self-defence. 


Never forget that the EU has become - structurally and legally - a corporatist-capitalist alliance that forbids its members to pursue genuinely left-wing policies. Syriza learned this the hard way in Greece.   
  

“If they wake up on Friday morning to a Corbyn government, the mood in Brussels will be close to panic,” said Andrew Duff, a veteran EU insider and president of the federalist Spinelli Group. “It would be a disaster. They don’t want a timebomb thrown into the European security system.”

“They are praying for a government with a big majority that can end this bloody nonsense, and that means Boris. They don’t have any respect for the Remainer coalition,” he said.

It is the same message from Sir Ivan Rogers, former chief Brexit negotiator and now author of serial broadsides against the British political establishment. “Remainers who think the clock can be put back are, I think, in denial about where mainstream Continental elite opinion is,” he said.

The wishful thinking of blue sky Brexiteers finds its symmetry in Westminster’s pro-European menagerie. “Most of the EU elites now see a Johnson outright victory as the quickest route to getting the Withdrawal Agreement through. If he wants to overstate what changes he achieved .. so be it. ‘Whatever he needs to say…’ they shrug,” says Sir Ivan.

The EU diplomatic fraternity think a fat majority should allow Boris to pull off another of his conjuring tricks. It lets him jettison Jacobite trouble-makers - in EU eyes - and those pushing for a sovereign Brexit. It clears the way for the great pivot back to Europe: a customs union by the back door, dressed up as a patriotic victory with inimitable Borisian chutzpah. 

Europe is in any case exhausted. It has paid a higher economic price than it expected by pushing Theresa May too far on the Irish backstop and precipitating her downfall. That misjudgment caused another year of cliff-edge showdowns, frozen investment, and a depressed sterling exchange rate that has undercut a weakened Germany already in industrial crisis. 

Britain has got its condign punishment, of course, but so has Deutschland Inc, vulnerable because of its reliance on Anglo-Saxon demand and a perennial trade surplus to stay afloat. German industrial output has dropped 5.3pc over the last year, and not just because of China. Over the last five quarters the UK has grown by an accumulated 1.5pc (mediocre, yes) but Germany has grown by just 0.5pc.  

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Trump Vai Publicar Lei Contra Anti-Semitismo nas Universidades


Ih, se a lei for ser posta na prática, demitirá inúmeros professores de humanas. Quando eu estudei em Cambridge, no Reino Unido, havia um professor tão radical ao ponto de colocar a bandeira da Palestina na janela de um prédio histórico da universidade e ninguém tinha coragem de mandar ele tirar de lá.  Se ele colocasse a bandeira de Israel, não passaria um dia lá.

A lei proíbe financiamento do governo a universidades  e faculdades que propaguem o anti-semitismo.

Além disso,  com a lei (tipo um decreto lei) o governo Trump vai designar o judaísmo não apenas como uma religião, mas também como uma nacionalidade. Assim, evita questões jurídicas, quando alguém disfarça o anti-semitismo atacando ou boicotando Israel.

A lei vai ajudar ao Trump ser ainda mais odiado nas universidades, mas Trump "could not care less" (não está nem aí).

Reconheço vários problemas em Israel (como encontro em qualquer país), mas quando eu encontro alguém que detesta raivosamente Israel, isso pra mim é uma barreira intransponível de amizade. Não conseguirei ser amigo dessa pessoa.

Abaixo vai o relato da notícia no The Jerusalem Post.

Trump to issue executive order to fight antisemitism on college campuses
Title VI prohibits discrimination on the basis of race, color or and national origin in programs and activities receiving federal financial assistance.

DECEMBER 11, 2019 13:43

Israeli Foreign Minister Israel Katz praised US President Donald Trump on Wednesday ahead of his expected issuance of an executive order later in the day invoking Title VI of the Civil Rights Act of 1964 to fight antisemitic rhetoric on college campuses. 
The new executive order would also label Judaism as a nationality in addition to a religion, so it would fall into the category of Title VI and, according to Katz, "enable a more effective fight against the anti-Israel boycott movement on campus.

"I congratulate US President Donald Trump on his intention to sign a presidential order to combat antisemitism on US university and college campuses, and to prevent funding from going to those institutions that will not prevent antisemitism," Katz continued.
The move will also direct federally funded agencies to consider the International Holocaust Remembrance Alliance definition of antisemitism in cases of discrimination.
 
"I urge more countries to adopt similar measures," Katz said. 

Title VI prohibits discrimination on the basis of race, color and national origin in programs and activities receiving federal financial assistance. The Department of Education could cut federal funding for institutions that fail to remedy antisemitic incidents that fall under the title, once the order is made.

A senior administration official said on Tuesday that antisemitism on campuses is often hidden in an anti-Israel agenda. If campuses that receive money from the government adopt the IHRA definition of antisemitism in cases of discrimination, students who will feel that they are being bullied on college campuses would be able to complain to their institution's administration, who will then need to decide if the incident is considered antisemitic. 



terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Vídeo: A História da Representação do Natal



Faltou no vídeo a lembrança de que São Francisco fez o primeiro presépio de Natal.

Mas tudo bem, o maior fato da história da humanidade ocorreu em Belém, a encarnação de Deus. Hoje, em temos um mundo que cada vez mais despreza Nosso Senhor Jesus Cristo, inclusive dentro de sua própria Igreja, de forma cada vez mais terrível.

Mas celebremos o advento do Salvador, com São Nicolau, presépios, luzes, árvores de Natal, cancões de Natal e presentes para nossa família e para os próximos.


segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

domingo, 8 de dezembro de 2019

Francisco Iguala Trump a Herodes que Matou Crianças


Trump é saudado nos EUA
 como o presidente mais pró-vida da história dos EUA (por suas leis contra o aborto e o financiamento ao aborto, por suas indicações de juízes pró-vida, por ser o primeiro presidente a participar da marcha pró-vida), é o presidente que luta contra a ideologia de gênero na ONU e no mundo, é o presidente que exalta Deus e Cristo em celebrações de Natal (ao contrário de Obama, que escondia Deus e Cristo), é o presidente que aniquilou a ameaça do Estado Islâmico, é o presidente que deu mais empregos aos latinos na história dos EUA.

Mas Francisco acha que ele é Herodes, que matou crianças para tentar impedir o nascimento do "rei dos judeus".

Pois, para Francisco, Trump colocou um muro que separa as crianças dos seus pais mexicanos e não colocou um muro contra as drogas na fronteira do México.

Dá para comentar essas afirmações de Francisco? Não, não dá, são idiotas demais, nem o mais estúpido opositor de Trump chegou a tamanha asneira.

Mas para começar, crianças são usadas por "coiotes" para entrar nos EUA, justamente porque os EUA protegem as crianças. País que arriscam seus filhos em deserto tenebroso sabem disso. Quando crianças são encontradas aparecem muitos "pais" falsos. Trump não separa famílias, procura reuni-las, ficar nos EUA aí é outro assunto.

Sobre drogas, Trump está implorando para que o México deixe ele entrar lá para que ele possa combater os cartéis de drogas.

Em suma, só uma pessoa completamente gagá ou extremista radical porra-louca diria  tamanha besteira.

Vejam parte texto do Breibart.


Pope Francis Compares Trump to Herod, Who Tried to Kill Jesus


ROME — Pope Francis has compared U.S. President Donald Trump to the murderous King Herod who massacred innocent children in ancient Palestine while trying to kill the baby Jesus, a Jesuit journal revealed Thursday.

Speaking with his brother Jesuits during his recent visit to Thailand, the Argentinian pope minced no words in his thinly veiled condemnation of the U.S. president and his administration, suggesting that like a modern-day Herod, Mr. Trump separates families at the border while allowing drugs to freely flow into the country.

"In other parts there are walls that even separate children from parents. Herod comes to mind,” Francis said. “Yet for drugs, there’s no wall to keep them out.”

“I must admit that I am shocked by some of the narratives I hear in Europe about borders,” the pope said. “Populism is gaining strength.”
“The phenomenon of refugees has always existed, but today it is better known because of social differences, hunger, political tensions and especially war. For these reasons, migratory movements are intensifying,” he said.


terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Livro Ética Católica para Economia: Bíblia, Teólogos e Ciência Econômica.



Caros amigos do blog, tenho o enorme prazer de comunicar que acabo de publicar meu livro "Ética Católica para Economia: Bíblia, Teólogos e Ciência Econômica". O livro tem prefácio do ministro Ives Gandra Martins Filho.

Foram mais de 2 anos de muito trabalho e muita, muita, leitura mesmo, para realizar este livro.

Acima, vocês têm o vídeo promocional do livro.

O livro está à venda no site da Editora Appris, no momento, e em breve em mais outros sites.


Contra o Cristianismo Efeminado, Bonzinho e Covarde - Filósofo Ed Feser


O filósofo católico Edward Feser escreveu um artigo chamado "against candy-ass christianity". É dificil traduzir "candy-ass", para o português, mas seria uma pessoa com tendência efeminadas, uma bunda mole, boazinha e covarde. Do tipo que diz coisas como: "todo mundo é bom"; "nunca condenemos ninguém"; "nunca tenha ódio, o ódio só traz desgraça"; "guerras não servem para nada"; "nunca tenha raivas das pessoas, elas só buscam a felicidade delas".  Coisas que, infelizmente, você já viu muito padre e até Francisco dizer. Esses padres sempre querem nos provar que Cristo era assim, um candy-ass.

O ponto de partida da argumentação de Feser é um filme estrelado por Tom Hanks, mas isso é irrelevante para o tema.

Feser vai criticar são argumentos dos candy-ass.

Ele lembra que Cristo agiu agressivamente no templo e com raiva, que Cristo ensinou um código moral mais austero do que o ensinado pelos fariseus; e que Cristo ameaça os pecadores impenitentes com a fogueira e o ranger de dentes do inferno.

Além disso, Feser lembra o que disse São Tomás de Aquino sobre a raiva e sobre os efeminados na Summa Teologica.

Aqui vão as passagens da Summa Teologica de São Tomás citadas por Feser:

Passagem II-II 158.1, que nos mostra que a ira e a vingança podem ser para o bem e vim de Deus:

"Como diz Crisóstomo: Quem se ira sem causa será réu, quem o fizer com causa não será réu – pois, sem a ira não aproveita a doutrina, a justiça não triunfa nem se reprimem os crimes. Logo, irar–se nem sempre é mau. SOLUÇÃO. – A ira, propriamente falando, é uma paixão do apetite sensitivo, e dela é que tira a sua denominação o apetite irascível, como dissemos quando tratamos das paixões. Ora, devemos considerar, em matéria de paixões. da alma, que de dois modos elas podem implicar o mal. – Primeiro, pela espécie mesma da paixão; e essa espécie é considerada segundo o objeto da paixão. Assim, a inveja, pela sua espécie mesma, implica um certo mal, pois, é a tristeza causada pelo bem de outrem, o que por si repugna a razão. Por isso, a inveja basta nomeá–la para despertar a ideia do mal, como diz o Filósofo. Ora, tal não se dá com a ira, que é o desejo da vingança; pois a vindicta podemos desejá–la como um bem ou como um mal. – De outro modo, há mal numa paixão, quantitativamente, isto é, por excesso ou defeito da mesma. E assim, a ira pode ser má, quando alguém se ira mais ou menos do que o exigiria a razão reta. Mas, o irar–se de acordo com a razão reta é meritório. 

Desejar a vingança como um mal daquele a quem infligimos um castigo, é ilícito. Mas, desejar a vingança, para corrigir um vício e salvar o bem da justiça, é meritório. Ora, tal pode ser o fim do apetite sensitivo, enquanto movido pela razão. E quando a vindicta se realiza segundo a ordem racional, ela vem de Deus, de quem é ministro o poder de castigar, como diz o Apóstolo." 


Passagem II-II 158.8, que nos diz que a falta de raiva pode ser pecado e significar ausência do julgamento da  razão:

"Como diz Crisóstomo: Quem se ira sem causa peca. Pois, a paciência irracional semeia vícios, nutre a negligência e excita ao mal não só os maus, mas também os bons. SOLUÇÃO. – A ira pode ser compreendida em dois sentidos. – Primeiro, como um simples movimento da vontade, que leva o irado a infligir uma pena, não por paixão mas, por um juízo racional. Por onde, a falta de ira sem dúvida é pecado. E neste sentido é que Crisóstomo a considera, quando diz: A iracúndia que tem uma causa não é iracúndia mais juízo. Pois, por iracúndia propriamente se entende a comoção da paixão. Ora, a ira de quem se encoleriza com causa não nasce da paixão. Por isso, diz–se que julga e não, que está irado. – Noutro sentido, a ira é tomada pelo movimento do apetite sensitivo, que é acompanhado de paixão, em virtude de uma alteração do corpo. E esse movimento resulta necessariamente no homem de um simples movimento da vontade; porque naturalmente o apetite inferior segue o movimento do apetite superior, se não houver nenhuma repugnância. Por onde, não pode totalmente deixar de existir o movimento da ira no apetite sensitivo, salvo por eliminação, ou fraqueza do movimento voluntário. Portanto e consequentemente, também a falta da paixão da ira é viciosa; como o é a ausência do movimento voluntário que nos leva a punir, segundo o juízo da razão.

A paixão da ira, como todos os movimentos sensitivos, são úteis para nos fazerem executar mais prontamente o que a razão nos dita. Do contrário o apetite sensitivo nos seria inútil; e contudo a natureza nada faz em vão."


Passagem II.II 114.1, sobre afabilidade com os outros. Aquino nos diz que não devemos ser todo sorrisos para com os pecadores, para ficarmos bem com eles, pois assim estaríamos consentindo com o pecado:

"por conseguir um bem ou excluir algum mal, não evitará o virtuoso contristar aqueles com quem convive, como adverte o Filósofo. Por isso, diz o Apóstolo: Ainda que vos entristeci com a minha carta, não me arrependo disso. E em seguida: Folgo, não de vos haver entristecido, mas de que a Vossa tristeza vos trouxe à penitência. Por onde, aos que são propensos ao pecado não lhes devemos fazer rosto agradável para o agradar não pareça que lhes consentimos no pecado e de certo modo lhes insuflemos a audácia no pecar. Donde o dizer da Escritura: Tens filhas? Conserva a pureza dos seus corpos e não mostres para elas o teu rosto risonho."


Passagem II.II 115.1, contra fazermos adulações aos pecadores:

"Como dissemos a amizade referida, ou afabilidade, embora tenha como fim principal causar prazer aqueles com quem convivemos, contudo, quando é necessário, para conseguir um bem ou evitar um mal, não teme contristar. Por onde, quem quer de todos os modos falar a outrem para lhe causar prazer, excede o modo devido de fazer e portanto peca por excesso. E se o fizer com a só intenção de causar prazer, chama–se complacente, segundo o Filósofo; se porém tirar algum proveito, chama–se lisonjeiro ou adulador. Mas, comumente a palavra adulação costuma ser aplicada só aqueles que, excedendo o modo devido da virtude, querem agradar aos outros, na convivência ordinária, com palavras e obras."

Passagem II.II.138.1, onde São Tomás de Aquino fala do ato de ser efeminado, pecado daqueles que facilmente abandonam o bem que deviam realizar porque isso os tiraria da zona de conforto, dos seus prazeres  mundanos:

"Como dissemos a perseverança é digna de louvores por nos fazer não abandonar um bem que exige soframos dificuldades e trabalhos diuturnos. Ao que diretamente se opõe quem facilmente abandona um bem por causa das dificuldades sobrevenientes, que não pode arrostar. O que constitui por essência a efeminação; pois, efeminado se chama quem facilmente cede ao obstáculo. Ao contrário, não é julgado tal quem cede ao que fortemente o contraria; pois, até os muros cedem à máquina que os percute. Por isso, não se considera efeminado quem cede a obstáculos que se lhe contrapõem com desusada violência. Donde o dizer o Filósofo: O deixar–se alguém vencer de prazeres intensos e extraordinários ou de grande sofrimento, longe de provocar o nosso espanto, despertará a nossa indulgência, contanto que tenha feito esforços para resistir. Ora, é manifesto que a ameaça dos perigos se nos contrapõe mais gravemente do que o desejo dos prazeres. Por isso, diz Túlio: Não é admissível que quem não foi vencido pelo medo o seja pelo prazer; nem que seja vencido pelo prazer quem não se deixou vencer ao sofrimento. Pois, o prazer, por natureza, nos atrai mais fortemente do que nos afasta da ação o sofrimento resultante da privação do prazer, porque, estar privado do prazer é uma deficiência. Por isso, segundo o Filósofo, efeminado propriamente se chama quem abandona o bem por causa dos sofrimentos causados pela privação dos prazeres, como quem cede a um pequeno impulso."

Feser também menciona o papa Leão XIII que condenou aqueles que dizem que a Igreja deve se sujeitar aos espírito dos tempos para atrair mais adeptos, justamente o que o Vaticano II tentou fazer e obviamente não conseguiu.

Por fim, Feser lembra uma passagem da Bíblia em Ezequiel 33: 8-9, no qual Deus alerta àqueles que devem guiar os fiéis (os padres, hoje em dia):

"Quando eu disser ao ímpio: "Ó ímpio, certamente hás de morrer" e tu não o desviares do seu caminho ímpio, o ímpio morrerá por causa da sua iniqüidade, mas o seu sangue o requererei de ti. Por outra parte, se procurares desviar o ímpio do seu caminho, para que se converta, e ele não se converter do seu caminho, ele morrerá por sua iniqüidade, mas tu terás salvo a tua vida."

Ei padres, prestem atenção na responsabilidade disso que vai acima, vocês são responsáveis pelas almas dos seus fiéis até para salvar a alma de vocês.