domingo, 1 de agosto de 2021

Vídeo e Texto - Arcebispo Viganò Responde ao Traditionis Custodes.



No vídeo acima, arcebispo Viganò faz sua declaração (realmente esplêndida) sobre o documento Traditionis Custodes de Francisco. Abaixo, tem o texto que ele disse. É um texto bem grande, para se traduzir agora, mas vocês podem clicar aqui para a versão em português traduzido pelo Google Translate 

Viganò após sua análise certeira, pede que as ações seja coordenadas para se contrapor às ações de Francisco, que ele denuncia como pontífice que espalha mentiras (como sobre a pesquisa para supostamente fundamentar o documento) e mesmo heresias. Ele pede finalmente que aqueles que se opõem a Francisco se convertam realmente a Jesus Cristo, busquem a santidade.

Vejamos o que ele disse:

Archbishop Viganò Responds to the Theft of the Mass of All Ages by Pope Francis

por Carlo Maria Viganò

Traditionis custodes: this is the incipit [“beginning” or “first words”] of the document with which Francis imperiously cancels the previous Motu Proprio Summorum Pontificum of Benedict XVI. 

The almost mocking tone of the bombastic quotation from Lumen Gentium will not have escaped notice: just when Bergoglio recognizes the Bishops as guardians of the Tradition, he asks them to obstruct its highest and most sacred expression of prayer. Anyone who tries to find within the folds of the text some escamotage [“sleight of hand” or “trickery”] to circumvent the text should know that the draft sent to the Congregation for the Doctrine of the Faith for revision was extremely more drastic than the final text: a confirmation, if ever it were needed, that no particular pressure was needed from of the historical enemies of the Tridentine Liturgy – beginning with the scholars of Sant’Anselmo – to convince His Holiness to try his hand at what he does best: demolishing. Ubi solitudinem faciunt, pacem appellant. [They make a wasteland and call it peace. – Tacitus, Agricola]

Francis has once again disavowed the pious illusion of the hermeneutic of continuity, stating that the coexistence of the Vetus and Novus Ordo is impossible because they are expressions of two irreconcilable doctrinal and ecclesiological approaches. On the one hand there is the Apostolic Mass, the voice of the Church of Christ; on the other there is the Montinian “Eucharistic celebration,” the voice of the conciliar church. And this is not an accusation, however legitimate, made by those who express reservations about the reformed rite and Vatican II. Rather it is an admission, indeed a proud affirmation of ideological adherence on the part of Francis himself, the head of the most extremist faction of progressivism. His dual role as pope and liquidator of the Catholic Church allows him on the one hand to demolish it with decrees and acts of governance, and on the other hand to use the prestige that his office entails to establish and spread the new religion over the rubble of the old one. It matters little if the ways in which he acts against God, against the Church and against the Lord's flock are in stark conflict with his appeals to parrhesia, to dialogue, to building bridges and not erecting walls: the church of mercy and the field hospital turn out to be empty rhetorical devices, since it ought to be Catholics who benefit from them and not heretics or fornicators. In reality, each of us is well aware that Amoris Laetitia's indulgence towards public concubinage and adulterers would hardly be imaginable towards those “rigid” ones against whom Bergoglio hurls his darts as soon as he has the opportunity.
After years of this pontificate, we have all understood that the reasons given by Bergoglio for declining a meeting with a Prelate, a politician or a conservative intellectual do not apply to the molester Cardinal, the heretic Bishop, the abortionist politician, or the globalist intellectual. In short, there is a blatant difference in behavior, from which one can grasp the partiality and partisanship of Francis in favor of any ideology, thought, project, scientific, artistic or literary expression that is not Catholic. Anything that even only vaguely evokes anything Catholic seems to arouse in the tenant of Santa Marta an aversion that is disconcerting to say the least, if only in virtue of the Throne on which he is seated. Many have noted this dissociation, this sort of bipolarity of a pope who does not behave like a Pope and does not speak like a Pope. The problem is that we are not faced with a sort of inaction from the Papacy, as could happen with a sick or very old Pontiff; but rather with a constant action that is organized and planned in a sense diametrically opposed to the very essence of the Papacy. Not only does Bergoglio not condemn the errors of the present time by strongly reaffirming the Truth of the Catholic Faith – he has never done this! – but he actively seeks to disseminate these errors, to promote them, to encourage their supporters, to spread them to the greatest possible extent and to host events promoting them in the Vatican, simultaneously silencing those who denounce these same errors. Not only does he not punish fornicating Prelates, but he even promotes and defends them by lying, while he removes conservative Bishops and does not hide his annoyance with the heartfelt appeals of Cardinals not aligned with the new course. Not only does he not condemn abortionist politicians who proclaim themselves Catholics, but he intervenes to prevent the Episcopal Conference from pronouncing on this matter, contradicting that synodal path which conversely allows him to use a minority of ultra-progressives to impose his will on the majority of the Synod Fathers.

The one constant of this attitude, noted in its most brazen and arrogant form in Traditionis Custodes, is duplicity and lies. A duplicity that is a facade, of course, daily disavowed by positions that are anything but prudent in favor of a very specific group, which for the sake of brevity we can identify with the ideological Left, indeed with its most recent evolution in a globalist, ecologist, transhuman and LGBTQ key. We have come to the point that even simple people with little knowledge of doctrinal issues understand that we have a non-Catholic pope, at least in the strict sense of the term. This poses some problems of a canonical nature that are not inconsiderable, which it is not up to us to solve but which sooner or later will have to be addressed.

Idological Extremism 

Another significant element of this pontificate, taken to its extreme consequences with Traditionis Custodes, is Bergoglio’s ideological extremism: an extremism that is deplored in words when it concerns others, but which shows itself in its most violent and ruthless expression when it is he himself who puts it into practice against clergy and laity connected to the ancient rite and faithful to Sacred Tradition. Towards the Society of Saint Pius X he shows himself willing to make concessions and to establish a relationship as “good neighbors,” but towards the poor priests and faithful who have to endure a thousand humiliations and blackmail in order to beg for a Mass in Latin, he shows no understanding, no humanity. This behavior is not accidental: Archbishop Lefebvre’s movement enjoys its own autonomy and economic independence, and for this reason it has no reason to fear retaliation or commissioners from the Holy See. But the Bishops, priests and clerics incardinated in dioceses or religious Orders know that hanging over them is the sword of Damocles of removal from office, dismissal from the ecclesiastical state, and the deprivation of their very means of subsistence.

The Experience of the Tridentine Mass in Priestly Life

Those who have had the opportunity to follow my speeches and declarations know well what my position is on the Council and on the Novus Ordo; but they also know what my background is, my curriculum in the service of the Holy See and my relatively recent awareness of the apostasy and the crisis in which we find ourselves. For this reason, I would like to reiterate my understanding for the spiritual path of those who, precisely because of this situation, cannot or are not yet able to make a radical choice, such as celebrating or attending exclusively the Mass of St. Pius V.  Many priests discover the treasures of the venerable Tridentine Liturgy only when they celebrate it and allow themselves to be permeated by it, and it is not uncommon for an initial curiosity towards the “extraordinary form” – certainly fascinating due to the solemnity of the rite – to change quickly into the awareness of the depth of the words, the clarity of the doctrine, the incomparable spirituality that it gives birth to and nourishes in our souls.  There is a perfect harmony that words cannot express, and that the faithful can understand only in part, but which touches the heart of the Priesthood as only God can. This can be confirmed by my confreres who have approached the usus antiquior after decades of obedient celebration of the Novus Ordo: a world opens up, a cosmos that includes the prayer of the Breviary with the lessons of Matins and the commentaries of the Fathers, the cross-references to the texts of the Mass, the Martyrology in the Hour of Prime… They are sacred words – not because they are expressed in Latin – but rather they are expressed in Latin because the vulgate language would demean them, would profane them, as Dom Guéranger wisely observed. These are the words of the Bride to the divine Bridegroom, words of the soul that lives in intimate union with God, of the soul that lets itself be inhabited by the Most Holy Trinity. Essentially priestly words, in the deepest sense of the term, which implies in the Priesthood not only the power to offer sacrifice, but to unite in self-offering to the pure, holy and immaculate Victim. It has nothing to do with the ramblings of the reformed rite, which is too intent on pleasing the secularized mentality to turn to the Majesty of God and the Heavenly Court; so preoccupied with making itself understandable that one has to give up on communicating anything but trivial obviousness; so careful not to hurt the feelings of heretics as to allow itself to keep silent about the Truth just at the moment in which the Lord God makes himself present on the altar; so fearful of asking the faithful for the slightest commitment as to trivialize the sacred song and any artistic expression linked to worship. The simple fact that Lutheran pastors, modernists and well-known Freemasons collaborated in the drafting of that rite should make us understand, if not the bad faith and willful misconduct, at least the horizontal mentality, devoid of any supernatural impetus, which motivated the authors of the so-called “liturgical reform” – who, as far as we know, certainly did not shine with the sanctity with which the sacred authors of the texts of the ancient Missale Romanum and of the entire liturgical corpus shine.

How many of you priests – and certainly also many lay people – in reciting the wonderful verses of the Pentecost sequence were moved to tears, understanding that your initial predilection for the traditional liturgy had nothing to do with a sterile aesthetic satisfaction, but had evolved into a real spiritual necessity, as indispensable as breathing? How can you and how can we explain to those who today would like to deprive you of this priceless good, that that blessed rite has made you discover the true nature of your Priesthood, and that from it and only from it are you able to draw strength and nourishment to face the commitments of your ministry? How can you make it clear that the obligatory return to the Montinian rite represents an impossible sacrifice for you, because in the daily battle against the world, the flesh and the devil it leaves you disarmed, prostrate and without strength?

It is evident that only those who have not celebrated the Mass of St. Pius V can consider it as an annoying tinsel of the past, which can be done without. Even many young priests, accustomed to the Novus Ordo since their adolescence, have understood that the two forms of the rite have nothing in common, and that one is so superior to the other as to reveal all its limits and criticisms, to the point of making it almost painful to celebrate. It is not a question of nostalgia, of a cult of the past: here we are speaking of the life of the soul, its spiritual growth, ascesis and mysticism. Concepts that those who see their priesthood as a profession cannot even understand, just as they cannot understand the agony that a priestly soul feels in seeing the Eucharistic Species desecrated during the grotesque rites of Communion in the era of the pandemic farce.

The reductive vision of the liberalization of the mass

This is why I find it extremely unpleasant to have to read in Traditionis Custodes that the reason why Francis believes that the Motu Proprio Summorum Pontificum was promulgated fourteen years ago lay only in the desire to heal the so-called schism of Archbishop Lefebvre. Of course, the “political” calculation may have had its weight, especially at the time of John Paul II, even if at that time the faithful of the Society of Saint Pius X were few in number. But the request to be able to restore citizenship to the Mass which for two millennia nourished the holiness of the faithful and gave the sap of life to Christian civilization cannot be reduced to a contingent fact.

With his Motu Proprio, Benedict XVI restored the Roman Apostolic Mass to the Church, declaring that it had never been abolished. Indirectly, he admitted that there was an abuse by Paul VI, when in order to give authority to his rite he ruthlessly forbade the celebration of the traditional Liturgy. And even if in that document there may be some incongruent elements, such as the coexistence of the two forms of the same rite, we can believe that these have served to allow for the diffusion of the extraordinary form, without affecting the ordinary one. In other times, it would have seemed incomprehensible to let a Mass steeped in misunderstandings and omissions to be celebrated, when the authority of the Pontiff could have simply restored the ancient rite. But today, with the heavy burden of Vatican II and with the now widespread secularized mentality, even the mere liceity of celebrating the Tridentine Mass without permission can be considered an undeniable good – a good that is visible to all due to the abundant fruits it brings to the communities where it is celebrated. And we can also believe that it would have brought even more fruits if only Summorum Pontificum had been applied in all its points and with a spirit of true ecclesial communion.

The alleged “instrumental use” of the roman missal

Francis knows well that the survey taken among Bishops all over the world did not yield negative results, although the formulation of the questions made clear what answers he wanted to receive. That consultation was a pretext, in order to make people believe that the decision he made was inevitable and the fruit of a choral request from the Episcopate. We all know that if Beroglio wants to obtain a result, he does not hesitate to resort to force, lies, and sleight of hand: the events of the last Synods have demonstrated this beyond all reasonable doubt, with the Post-Synodal Exhortation drafted even before the vote on the Instrumentum Laboris. Also in this case, therefore, the pre-established purpose was the abolition of the Tridentine Mass and the prophasis, that is, the apparent excuse, had to be the supposed “instrumental use of the Roman Missal of 1962, often characterized by a rejection not only of the liturgical reform, but of Vatican Council II itself” (here). In all honesty, one can perchance accuse the Society of Saint Pius X of this instrumental use, which has every right to affirm what each of us knows well, that the Mass of Saint Pius V is incompatible with post-conciliar ecclesiology and doctrine. But the Society is not affected by the Motu Proprio, and has always celebrated using the 1962 Missal precisely by virtue of that inalienable right which Benedict XVI recognized, which was not created ex nihilo in 2007.

The diocesan priest who celebrates Mass in the church assigned to him by the Bishop, and who every week must undergo the third degree through the accusations of zealous progressive Catholics only because he has dared to recite the Confiteor prior to administering Communion to the faithful, knows very well that he cannot speak ill of the Novus Ordo or Vatican II, because at the first syllable he would already be summoned to the Curia and sent to a parish church lost in the mountains. That silence, always painful and almost always perceived by everyone as more eloquent than many words, is the price he has to pay in order to have the possibility of celebrating the Holy Mass of all time, in order not to deprive the faithful of the Graces that it pours down upon the Church and the world. And what is even more absurd is that while we hear it said with impunity that the Tridentine Mass ought to be abolished because it is incompatible with the ecclesiology of Vatican II, as soon as we say the same thing – that is, that the Montinian Mass is incompatible with Catholic ecclesiology – we are immediately made the object of condemnation, and our affirmation is used as evidence against us before the revolutionary tribunal of Santa Marta. 

I wonder what sort of spiritual disease could have struck the Shepherds in the last few decades, in order to lead them to become, not loving fathers but ruthless censors of their priests, officials constantly watching and ready to revoke all rights in virtue of a blackmail that they do not even try to conceal. This climate of suspicion does not in the least contribute to the serenity of many good priests, when the good they do is always placed under the lens of functionaries who consider the faithful linked to the Tradition as a danger, as an annoying presence to be tolerated so long as it does stand out too much. But how can we even conceive of a Church in which the good is systematically hindered and whoever does it is viewed with suspicion and kept under control? I therefore understand the scandal of many Catholics, faithful, and not a few priests in the face of this “shepherd who instead of smelling his sheep, angrily beats them with a stick”(here). 

The misunderstanding of being able to enjoy a right as if it were a gracious concession may also be found in public affairs, where the State permits itself to authorize travel, school lessons, the opening of activities and the performance of work, as long as one undegoes inoculation with the experimental genetic serum. Thus, just as the “extraordinary form” is granted on the condition of accepting the Council and the reformed Mass, so also in the civil sphere the rights of citizens are granted on the condition of accepting the pandemic narrative, the vaccination, and tracking systems. It is not surprising that in many cases it is precisely priests and Bishops – and Bergoglio himself – who ask that people be vaccinated in order to access the Sacraments – the perfect synchrony of action on both sides is disturbing to say the least. 

But where then is this instrumental use of the Missale Romanum? Should we not rather speak of the instrumental use of the Missal of Paul VI, which – to paraphrase Bergoglio’s words – is ever more characterized by a growing rejection not only of the pre-conciliar liturgical tradition but of all the Ecumenical Councils prior to Vatican II? On the other hand, is it not precisely Francis who considers as a threat to the Council the simple fact that a Mass may be celebrated which repudiates and condemns all the doctrinal deviations of Vatican II?

Other incongruences

Never in the history of the Church did a Council or a liturgical reform constitute a point of rupture between what came before and what came after! Never in the course of these two millennia have the Roman Pontiffs deliberately drawn an idelogical border between the Church that preceded them and the one they had to govern, cancelling and contradicting the Magisterium of their Predecessors! The before and after, instead, became an obsession, both of those who prudently insinuated doctrinal errors behind equivocal expressions, as well as of those who – with the boldness of those who believe that they have won, propagated Vatican II as “the 1789 of the Church,” as a “prophetic” and “revolutionary” event. Before 7 July 2007, in response to the spread of the traditional rite, a well-known pontifical master of ceremonies replied piquedly: “There is no going back!” And yet apparently with Francis one can go back on the promulgation of Summorum Pontificum – and how! – if it serves to preserve power and to prevent the Good from spreading. It is a slogan which sinisterly echoes the cry of “Nothing will be as it was before” of the pandemic farce.

Francis’ admission of an alleged division between the faithful linked to the Tridentine liturgy and those who largely out of habit or resignation have adapted to the reformed liturgy is revealing: he does not seek to heal this division by recognizing full rights to a rite that is objectively better with respect to the Montinian rite, but precisely in order to prevent the ontological superiority of the Mass of Saint Pius V from becoming evident, and to prevent the criticisms of the reformed rite and the doctrine it expresses from emerging, he prohibits it, he labels it as divisive, he confines it to Indian reservations, trying to limit its diffusion as much as possible, so that it will disappear completely in the name of the cancel culture of which the conciliar revolution was the unfortunate forerunner. Not being able to tolerate that the Novus Ordo and Vatican II emerge inexorably defeated by their confrontation with the Vetus Ordo and the perennial Catholic Magisterium, the only solution that can be adopted is to cancel every trace of Tradition, relegating it to the nostalgic refuge of some irreducible octogenarian or a clique of eccentrics, or presenting it – as a pretext – as the ideological manifesto of a minority of fundamentalists. On the other hand, constructing a media version consistent with the system, to be repeated ad nauseam in order to indoctrinate the masses, is the recurring element not only in the ecclesiastical sphere but also in the political and civil sphere, so that it appears with disconcerting evidence that the deep church and deep state are nothing other than two parallel tracks which run in the same direction and have as their final destination the New World Order, with its religion and its prophet. 

The division is there, obviously, but it does not come from good Catholics and clergy who remain faithful to the doctrine of all time, but rather from those who have replaced orthodoxy with heresy and the Holy Sacrifice with a fraternal agape. That division is not new today, but dates back to the Sixties, when the “spirit of the Council,” openness to the world and inter-religious dialogue turned two thousand years of Catholicity into straw and revolutionized the entire ecclesial body, persecuting and ostracizing the refractory. Yet that division, accomplished by bringing doctrinal and liturgical confusion into the heart of the Church, did not seem so deplorable then; while today, in full apostasy, they are paradoxically considered divisive who ask, not for the explicit condemnation of Vatican II and the Novus Ordo, but simply the tolerance of the Mass “in the extraordinary form” in the name of the much-vaunted multifaceted pluralism.

Significantly, even in the civilized world the protection of minorities is valid only when they serve to demolish traditional society, while such protection is ignored when it would guarantee the legitimate rights of honest citizens. And it has become clear that under the pretext of the protection of minorities the only intention was to weaken the majority of the good, while now that the majority is made up of those who are corrupt, the minority of the good can be crushed without mercy: recent history does not lack illuminating precdents in this regard. 

The tyrannical nature of Traditionis custodes

In my opinion, it is not so much this or that point of the Motu Proprio that is disconcerting, but rather its overall tyrannical nature accompanied by a substantial falsity of the arguments put forward to justify the decisions imposed. Scandal is also given by the abuse of power by an authority that has its own raison d’etre not in impeding or limiting the Graces that are bestowed on its adherents through the Church but rather in promoting those Graces; not in taking away Glory from the Divine Majesty with a rite that winks at the Protestants but rather in rendering that Glory perfectly; not in sowing doctrinal and moral errors but rather in condemning and eradicating them. Here too, the parallel with what takes place in the civil world is all too evident: our rulers abuse their power just as our Prelates do, imposing norms and limitations in violation of the most basic principles of law. Furthermore, it is precisely those who are constituted in authority, on both fronts, who often avail themselves of a mere de facto recognition by the rank and file – citizens and faithful – even when the methods by which they have taken power violate, if not the letter, then at least the spirit of the law. The case of Italy – in which a non-elected Government legislates on the obligation to be vaccinated and on the green pass, violating the Italian Constitution and the natural rights of the Italian people – does not seem very dissimilar to the situation in which the Church finds herself, with a resigned Pontiff replaced by Jorge Mario Bergoglio, chosen – or at least appreciated and supported – by the Saint Gallen Mafia and the ultra-progressive Episcopate. It remains obvious that there is a profound crisis of authority, both civil and religious, in which those who exercise power do so contrary to those whom they are supposed to protect, and above all contrary to the purpose for which that authority has been established. 

Analogies between the deep church and the deep state

I think that it has been understood that both civil society and the Church suffer from the same cancer that struck the former with the French Revolution and the latter with the Second Vatican Council: in both cases, Masonic thought is at the foundation of the systematic demolition of the institution and its replacement with a simulacrum that maintains its external appearances, hierarchical structure, and coercive force, but with purposes diametrically opposed to those it ought to have. 

At this point, citizens on the one hand and the faithful on the other find themselves in the condition of having to disobey earthly authority in order obey divine authority, which governs Nations and the Church. Obviously the “reactionaries” – that is, those who do not accept the perversion of authority and want to remain faithful to the Church of Christ and to their Homeland – constitute an element of dissent that cannot be tolerated in any way, and therefore they must be discredited, delegitimized, threatened and deprived of their rights in the name of a “public good” that is no longer the bonum commune but its contrary. Whether accused of conspiracy theories, traditionalism, or fundamentalism, these few survivors of a world that they want to make disappear constitutes a threat to the accomplishment of the global plan, just at the most crucial moment of its realization. This is why power is reacting in such an open, brazen, and violent way: the evidence of the fraud risks being understood by a greater number of people, of bringing them together in an organized resistance, of breaking down the wall of silence and ferocious censorship imposed by the mainstream media. 

We can therefore understand the violence of the reactions of authority and prepare ourselves for a strong and determined opposition, continuing to avail ourselves of those rights that have been abusively and illicitly denied us. Of course, we may find ourselves having to exercise those rights in an incomplete way when we are denied the opportunity to  travel if we do not have our green pass or if the Bishop prohibits us from celebrating the Mass of all time in a church in his Diocese, but our resistance to abuses of authority will still be able to count on the Graces that the Lord will not cease to grant us – in particular the virtue of Fortitude that is so indispensable in times of tyranny.

The normality that frightens

If on the one had we can see how the persecution of dissenters is well-organized and planned, on the other hand we cannot fail to recognize the fragmentation of the opposition. Bergoglio knows well that every movement of dissent must be silenced, above all by creating internal division and isolating priests and the faithful. A fruitful and fraternal collaboration between diocesan clergy, religious, and the Ecclesia Dei institutes is something he must avert, because it would permit the diffusion of a knowledge of the ancient rite, as well as a precious help in the ministry. But this would mean making the Tridentine Mass a “normality” in the daily life of the faithful, something that is not tolerable for Francis. For this reason, diocesan clergy are left at the mercy of their Ordinaries, while the Ecclesia Dei Institutes are placed under the authority of the Congregation of Religious, as a sad prelude to a destiny that has already been sealed. Let us not forget the fate that befell the flourishing religious Orders, guilty of being blessed with numerous vocations born and nurtured precisely thanks to the hated traditional Liturgy and the faithful observance of the Rule. This is why certain forms of insistence on the ceremonial aspect of the celebrations risk legitimizing the provisions of the commissar and play Bergoglio’s game. 

Even in the civil world, it is precisely by encouraging certain excesses by the dissenters that those in power marginalize them and legitimize repressive measures towards them: just think of the case of the no-vax movements and how easy it is to discredit the legitimate protests of citizens by emphasizing the eccentricities and inconsistencies of a few. And it is all too easy to condemn a few agitated people who out of exasperation set fire to a vaccine center, overshadowing millions of honest persons who take to the streets in order not to be branded with the health passport or fired if they do not allow themselves to be vaccinated.

Do not stay isolated and disorganized

Another important element for all of us is the necessity of giving visibility to our composed protest and ensuring a form of coordination for public action. With the abolition of Summorum Pontificum we find ourselves taken back twenty years. This unhappy decision by Bergoglio to cancel the Motu Proprio of Pope Benedict is doomed to inexorable failure, because it touches the very soul of the Church, of which the Lord Himself is Pontiff and High Priest. And it is not a given that the entire Episcopate – as we are seeing in the last few days with relief – will be willing to passively submit to forms of authoritarianism that certainly do not contribute to bringing peace to souls. The Code of Canon Law guarantees the Bishops the possibility of dispensing their faithful from particular or universal laws, under certain conditions. Secondly, the people of God have well understood the subversive nature of Traditionis Custodes and are instinctively led to want to get to know something that arouses such disapproval among progressives. Let us not be surprised therefore if we soon begin to see the faithful coming from ordinary parish life and even those far from the Church finding their way to the churches where the traditional Mass is celebrated. It will be our duty, whether as Ministers of God or as simple faithful, to show firmness and serene resistance to such abuse, walking along the way of our own little Calvary with a supernatural spirit, while the new high priests and scribes of the people mock us and label us as fanatics. It will be our humility, the silent offering of injustices toward us, and the example of a life consistent with the Creed that we profess that will merit the triumph of the Catholic Mass and the conversion of many souls. And let us remember that, since we have received much, much will be demanded of us.

Restitutio in integrum

What father among you, if his son asks him for bread, will give him a stone? Or if he asks for a fish, will give him a serpent instead? (Lk 11:11-12). Now we can understand the meaning of these words, considering with pain and torment of heart the cynicism of a father who gives us the stones of a soulless liturgy, the serpents of a corrupted doctrine, and the scorpions of an adulterated morality. And who reaches the point of dividing the flock of the Lord between those who accept the Novus Ordo and those who want to remain faithful to the Mass of our fathers, exactly as civil rulers are pitting the vaccinated and unvaccinated against one another.

When Our Lord entered Jerusalem seated on a donkey’s colt, while the crowd was spreading cloaks as He passed, the Pharisees asked Him: “Master, rebuke your disciples.” The Lord answered them: “I say to you that if these are silent, the stones will cry out” (Lk 19:28-40). For sixty years the stones of our churches have been crying out, from which the Holy Sacrifice has been twice proscribed. The marble of the altars, the columns of the basilicas, and the soaring vaults of the cathedrals cry out as well, because those stones, consecrated to the worship of the true God, today are abandoned and deserted, or profaned by abhorrent rites, or transformed into parking lots and supermarkets, precisely as a result of that Council that we insist on defending. Let us also cry out: we who are living stones of the temple of God. Let us cry with faith to the Lord, so that he may give a voice to His disciples who today are mute, and so that the intolerable theft for which the administrators of the Lord’s Vineyard are responsible may be repaired. 

But in order for that theft to be repaired, it is necessary that we show ourselves to be worthy of the treasures that have been stolen from us. Let us try to do this by our holiness of life, by giving example of the virtues, by prayer and the frequent reception of the Sacraments.  And let us not forget that there are hundreds of good priests who still know the meaning of the Sacred Unction by which they have been ordained Ministers of Christ and dispensers of the Mystery of God. The Lord deigns to descend on our altars even when they are erected in cellars or attics. Contrariisquibuslibet minime obstantibus [Anything to the contrary notwithstanding]

+ Carlo Maria Viganò, Archbishop

28 July 2021

Ss. Nazarii et Celsi Martyrum, 

Victoris I Papae et Martyris ac 

Innocentii I Papae et Confessoris



sexta-feira, 30 de julho de 2021

Papa Francisco como Pai Abusivo - Disso Eu Entendo, Infelizmente

 


Li ontem no site One Peter Five um texto chamado Can We Love Pope Francis? (É Possível Amar o Papa Francisco?). O autor, Kennedy Hall, argumenta que Francisco é como um pai abusivo, e assim a solução para lidar com isso é simplesmente não se importar com o que ele diz e se afastar dele.

Infelizmente, eu tenho muita experiência com pai abusivo. Este meu post será muito pessoal. Mas acho que pode ajudar a entender sobre como lidar com Francisco. O que vou dizer aqui pode parecer agressivo, mas peço ao leitor que tome como verdade dita por uma pessoa que sabe exatamente o que está dizendo.

Vou descrever meu pai, vocês podem substituir pelo Papa Francisco para ver se faz sentido.

Meu pai, durante a minha infância foi um não-pai, e durante a minha juventude e vida adulta foi um anti-pai. Agiu abertamente contra minha pessoa e contra minhas irmãs. Agiu contra aqueles que deveria cuidar.

Meu pai detestava ser pai e mesmo ser avô. Desprezava tudo isso.

Ele era completamente ignorante e obtuso, não era possível conversar com ele sobre qualquer coisa que envolvesse uma raciocínio mínimo. Só aceitava pessoas que concordassem com ele. 

Sofri muito durante toda a minha vida e ainda sofro. Seu último ato, que descobri depois de sua morte foi um um crime financeiro contra mim e minhas irmãs. Até hoje, quase dez anos depois de sua morte, ainda não consegui resolver isso. O mal de um pai abusivo se estende.

Meu pai em vida me disse palavras agressivas e de abandono. Teve muitas chances de se redimir, mas, pelo contrário, ficou pior no tempo.

Um pai não pode ser substituído, uma mãe não pode fazer a parte de pai. No meu caso, me tornei, nas palavras de minha mãe, o pai de minha mãe. Meu apoio na juventude veio com meu avô, da melhor forma que um avô pode ser, mas sem conseguir substituir um pai. Outro apoio, foi a religião católica, nunca a abandonei, nem com sugestão de pessoas que eu amava sugerindo outra coisa,

Sofri muito e sofro por conta do fato que tive um pai abusivo? "You bet" (pode acreditar que sim)

Me senti muito perdido na vida em vários momentos? You bet.

Tive que recomeçar várias vezes? You bet.

Fiz besteira na vida por conta de completo abandono? You Bet

A dor que senti vai passar e vou superar isso? Não, "these tears are going nowhere". Apenas aprendi a conviver, aprendi a aceitar que se leva lágrimas no coração.

O que meu pai me fez em ajudou como pessoa? Não. Não mesmo. Como diz repetidamente a filósofa católica Elizabeth Anscombe, de um mal não se pode gerar um bem. Certa vez, meu pai me disse que o mal que ele me fez foi o que levou a ter sucesso. Reagi fortemente e neguei isso. Meu sucesso se deve a Deus, a mim e àqueles que me ajudaram. Ele foi um peso que ainda carrego.

Cheguei ao fundo do poço na vida? Sim.

Como eu consegui superar? Justamente depois de chegar ao fundo do poço, em um momento que não conseguia nem sentar no banco da igreja, sentava no chão a implorar  a Nossa Senhora das Graças para interceder por mim. A partir daí, depois de um bom tempo, cheguei a finalmente me sentir bem na vida.

O que eu fiz diante de um pai abusivo? Me afastei dele, mesmo contra as recomendações de minha própria mãe. 

Sofri sem apoio dele?  Sim, muito, mas ele nunca me deu apoio, como podia esperar por isso?

Venci na vida (pelos critérios humanos)? Sim, fiz coisas que não poderia imaginar nem nos melhores sonhos de juventude.

Lutei contra meu pai abusivo? Sim, até hoje luto, mesmos depois dele morto. 

Essa luta me fez bem? Sim, especialmente quando protegia a mim mesmo, a minha mãe e a minhas irmãs. Era muito claro que ele era anti-pai, era lutar ou me destruir.

Eu rezo pela alma de meu pai? Sim. E rezo também pelas almas de meu avô e de minha avó. 

Meu pai merece minhas orações?  Não é uma questão de merecer. 

Há uma diferença óbvia com papa Francisco, no entanto.  Os cardeais podem tirar Francisco de lá.





quinta-feira, 29 de julho de 2021

A Corrupção Moral e Financeira na Igreja: Dois Cardeais


Finalmente, o laicizado ex-cardeal Theodore McCarrick, acusado por muitos, incluindo arcebispo Viganò, como pedófilo e abusador sexual de seminaristas, foi criminalmente acusado. Francisco era muito próximo de McCarrick o tinha nomeado para lidar com as questões chinesas. Foi avisado por Viganò em 2013 das tantas acusações contra McCarrick, mas Francisco não fez nada, até que em 2019, ficou impraticável para Francisco diante das acusações públicas contra McCarrick e ele foi laicizado. Mas o caso McCarrick não pega só Francisco, há muito se sabe dos crimes dele, São João Paulo II e Bento XVI muito provavelmente estavam cientes de muita coisa.

No vídeo, Dr. Marshall nos diz que ao laicizar McCarrick, Francisco se livrou de ter de julgá-lo, pois ele é o único que pode julgar cardeais. Isso também evitou as penalidades canônicas contra McCarrick. Francisco fez o mais fácil e menos problemático para ele: laicizou McCarrick.


Dr. Marshall documentou todo o caso McCarrick em seu livro Infiltration.

McCarrick foi arcebispo de Washington, vivia junto do poder, é comum ver fotos de McCarrick com Bush ou Obama (aliás, desconfio que está havendo uma limpa de fotos comprometedoras dele na internet, pois existe uma foto clássica de McCarrick nos jardins da Casa Branca com Obama, e não consegui achar de maneira nenhuma. Outro dia também fiquei muito tempo procurando um registro muito conhecido de Francisco, como cardeal Bergoglio na Argentina, celebrando missas junto pessoas vestidas de mickey mouse e não achei de maneira nenhuma).

 McCarrick é aquele tinha o mais alto cargo na hierarquia católica a ser acusado criminalmente por pedofilia nos EUA.



Cardeal Angelo Becciu começou a julgado nesta semana por gigantesca corrupção financeira com dinheiro dos fiéis. Consideram o julgamento dele o julgamento do século. Francisco era próximo dele, o nomeou para cargos, depois os retirou do cargo, retirou a capacidade dele como cardeal, depois fez oração junto com ele (sinalizando proximidade), depois se mostrou contra (em suma, atos peronistas de Francisco, aquelas ações confusas, que tem base para qualquer julgamento). O Cardeal Becciu se diz inocente e diz que continuará fiel a Francisco. Tem até mulher envolvida.

Rezemos. Que tudo veja a luz. Há muitos terríveis pecados escondidos em batinas.


quarta-feira, 28 de julho de 2021

Associação - O Guardião dos Guardiães (Custos Custodes Custodiet)

O Padre John Zuhlsdorf (Padre Z) anunciou ontem a formação de um associação informal chamada "Custos Traditionis" (Guardião da Tradição). Esta associação informal é feita para oração e penitência dedicada a duas petições oferecidas à Bem-aventurada Virgem Maria, que são:

  • o amolecimento dos corações daqueles que interpretam o Traditionis Custodes (bispos, oficiais da Congregação Romana);
  • a anulação, reversão ou alteração importante do Traditionis Custodes.

O nome da associação lembra um provérbio de Juvenal, "Quis custodiet ipsos custodes?  (Quem nos protege do protetor? Ou quem nos guarda dos guardiães?). 

"Custos" é singular de "custodes", em latim, e significar guardião.

Quem vigia os clérigos são os leigos, muitas vezes na história vimos isso, devemos ser custos dos custodes.

Os membros da associação devem:

  • recitar a bela e poderosa oração Memorare DIARIAMENTE;
  • fazer um ato de penitência física ou material pelas duas intenções acima UMA VEZ POR SEMANA

Tenho apenas noções básicas de latim, mas arrisquei no "custos custodes custodiet" do título, hehehe.

Para participar da associação informal visite o site do Padre Z. Padre Z está fazendo um trabalho excelente neste momento tão triste da Igreja Católica. Merece todo apoio.

Padre Z oferece botons, canecas e camisas com o nome da assciação e com a Memorare. A camisa vem com a Memorare nas costas escrita em várias línguas. Mas vou reclamar lá, pois tentei comprar uma camisa e não consegui. Não havia opção para envio para o Brasil. Vamos ver se Padre Z me responde.

Talvez, alguém diga: "lá vai um americano tentando ganhar dinheiro usando a crise na Igreja". Bom, ah se todos tentassem ganhar dinheiro em apoio a Igreja. Outra coisa, quando eu estive em Fátima, vi que havia muitas lojas de material religioso. Daí, achei que ia comprar um linda camisa de Fátima. Fui em várias lojas e só me decepcionei. Camisas feias e de péssima qualidade. Mesmo assim comprei duas. Uma delas já joguei fora, não aguentou nem uma lavagem. A outra quase não uso.

Achei a camisa do Custos Traditionis bem cara para a taxa de câmbio brasileira. Fica por volta de 200 reais. Pode-se comprar outras coisas, no entanto, em apoio. 

Aqui vai a oração Memorare, em português e latim. 

Em Português

Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria,
que nunca se ouviu dizer
que algum daqueles que têm recorrido à vossa proteção,
implorado a vossa assistência,
e reclamado o vosso socorro,
fosse por Vós desamparado.
Animado eu, pois, com igual confiança,
a Vós, ó Virgem entre todas singular,
como à Mãe recorro, de Vós me valho e,
gemendo sob o peso dos meus pecados,
me prostro a vossos pés.
Não rejeiteis as minhas súplicas,
ó Mãe do Verbo de Deus humanado,
mas dignai-Vos de as ouvir propícia,
e de me alcançar o que vos rogo.
Amém.

Em Latim

MEMORARE, O piissima Virgo Maria,
non esse auditum a saeculo,
quemquam ad tua currentem praesidia,
tua implorantem auxilia,
tua petentem suffragia,
esse derelictum.
Ego tali animatus confidentia,
ad te, Virgo Virginum, Mater, curro, ad te venio,
coram te gemens peccator assisto.
Noli, Mater Verbi, verba mea despicere;
sed audi propitia et exaudi.
Amen.


terça-feira, 27 de julho de 2021

Documentário: A Missa de Todas as Eras (The MASS OF THE AGES)


Lindo vídeo sobre uma trilogia que será lançada sobre a missa tridentina. Fantástico. Documentário terá sua premiere no próximo dia 15 de agosto nos EUA.

Descobri isso hoje vendo o último vídeo do Dr. Marshall que entrevistou Cameron O'Hearn que faz parte da produção da trilogia. É um ótimo vídeo também porque Marshall discute a importância da "TLM" (traditional latim mass), tanto no "T", como "L", como "M", que traz diferente significado do que chamar de "extraordinary form" (forma extraordinária). 

Hoje também eu li que pesquisa recente mostra crescimento da missa latina nos EUA. Tenho a impressão que Francisco tentou colocar um dilúvio em um copo de papel, como diz aquela música "Don't Dream it's Over" do grupo Crowded House (aliás, essa parte da letra da música foi parar no título de artigo que escrevi sobre o Islã, hehehe).

A pesquisa foi apresentada pela revista The Crisis Magazine, que fez entrevistas antes e depois do documento de Francisco.


Viva Cristo Rei!!

ICXC NIKA


Vídeo: Burke e Muller Comentando sobre Traditionis Custodes.


Muito interessante e importante entrevista aos cardeais Muller e Burke.

Destaco uma parte que é debatida a partir do 7 minutos do vídeo, que trata do fato de que o documento de Francisco diz que a sua decisão é baseada em pesquisa entre os bispos do mundo que teriam respondido a um questionário criticando a missa em latim.

O entrevistador (Raymond Arroyo) relata que uma jornalista descobriu que apenas 30% dos bispos responderam a tal questionário e que a maioria dos bispos que responderam tinham posição neutra ou favorável à missa em latim, apesar de que o questionário tinha um viés contra a missa em latim.

Não tem como documento de Francisco ficar pior, além de cruel e errado teologicamente e historicamente (como dizem os cardeais no vídeo), ainda é mentiroso.

Para quem não entende inglês, resumo o que os cardeais disseram, abaixo:

1) Cardeal Muller falou que a Igreja sempre teve diversas formas de liturgia;

2) Cardial Burke diz que a liturgia do Vaticano II não é a que nós vemos na Novo Ordo, era bem mais tradicional, defendendo o latim e estabelecendo os tipos de instrumentos musicais que podem ser usados;

3) Cardeal Burke diz que há muito amor e fé entre os fiéis que participam da missa latim no mundo todo, que não entende a agressão do documento contra a missa em latim. 

4) Fala-se do questionário, que mencionei acima;

5) Cardeal Burke e Muller não veem nenhuma razão em suprimir a missa latina, que nunca foi condenada pela Igreja;

6) Cardeal Muller diz que os extremistas, sejam do Novo Ordo ou da missa latina, não podem condenar as formas de liturgia.

7) Cardeal Burke diz que há muitos problemas canônicos com o Traditionis Custodes. A começar com o fato do documento dizer que o que ele ordena deve ser executado "imediatamente", uma coisa absurda.

8) Cardeal Burke também diz que não é possível que a missa do Vaticano II sejaa única missa possível, como diz Francisco no documento. Não é possível canonicamente. Burke simplesmente diz que não entende essa parte do documento, diz que "isso não pode ser verdade".

9) Cardeal Burke diz que o documento é muito cruel e revolucionário ("harsh", que pode ser traduzido como duro, grosseiro, e "revolutionary").

10) Cardeal Muller argumenta que o documento trouxe um contradição entre papas. Diz que é preciso voltar e elaborar uma teologia adequada ("sound theology").




sábado, 24 de julho de 2021

Juan Manuel de Prada usou GK Chesterton para Combater Francisco. Outros Padres e Teólogos Também Criticaram Francisco

Vi hoje um site chamado New Liturgical Movement, que traz uma lista de artigos sobre o Traditionis Custodes de Francisco

O melhor site para clérigos acompanharem os acontecimentos, acho que é o do Padre John Zuhlsdorf, que traz testemunhos e reações de padres e bispos até no twitter, como o excelente depoimento do bispo Reed sobre o amor de sua mãe pelo missal em latim e a reação do bispo Tobin, que disse que Francisco usou uma motoserra contra a missa tridentina. Se era para tirar os radicais, bastava um bisturi. Disse que ainda é necessário entender o que quer Francisco, enquanto se mantém a missa tridentina para os fiéis. Vejam abaixo:


De todos os artigos que li, o melhor que vi até agora foi o da FSSPX, de Dom Davide Pagliarini. Esse sim não faz nenhuma cortesia a Francisco, seu foco é dizer que vai lutar até a morte pela Missa de Cristo.

Depois deste, vem o texto de Cardeal Burke, pois ele esclarece um ponto central que muitos falham. Burke deixou claríssimo que Francisco não tem poder para abolir a missa tradicional. Coloquei a tradução do texto do Burke aqui no blog.

Todos os outros textos deveriam levar isso como ponto de partida. Por exemplo, Edward Feser, um filósofo que respeito muito, fez um bom texto sobre o documento de Francisco, mas falhou na conclusão ao não entender esse ponto de Burke.

Da lista de artigos trazidos pelo New Liturgical Movement, eu gostei muito do de Juan Manuel de Prada, um renomado escritor espanhol.

Ele usou uma frase de Chesterton para combater o documento de Francisco. Chesterton disse que "a Igreja nos pede para tirar o chapéu e não a cabeça para se entrar nela".

Juan Manuel de Prada disse que Francisco está nos pedindo que tiremos nossas cabeças. Isso não se pode aceitar!!

Palmas para esse grande escritor!

Leiam o texto de Juan Manuel, clicando aqui.

Hoje eu também li um apelo de um fiel contra o documento de Francisco. O apelo foi publicado no Wall Street Journal.

A lista do New Liturgical Movement traz outros artigos muito bons e me parece que está sendo acrescida a medida que se tem mais artigos interessantes e importantes.


sexta-feira, 23 de julho de 2021

Cardeal Burke: Francisco Não Tem Poder sobre a Liturgia de Cristo.


Em um texto excelente, cardeal Burke responde passo a passo sobre o documento Traditionis Custodes em que Francisco quer acabar com a liturgia da missa milenar anterior ao Concílio Vaticano II. 

Leiam o original, clicando aqui. Traduzo abaixo muito rapidamente, usando google translate, pode ser que não sai tudo corretamente.

Declaração sobre o Motu Proprio  «Traditionis Custodes»
Cardeal Burke
EM 22 DE JULHO DE 2021

Muitos fiéis - leigos, ordenados e consagrados - expressaram-me a profunda angústia que Motu Proprio  «Traditionis Custodes» lhes trouxe. Aqueles que estão apegados ao Usus Antiquior (Uso Mais Antigo) [UA], o que o Papa Bento XVI chamou de Forma Extraordinária, de Rito Romano estão profundamente desanimados com a severidade da disciplina que o Motu Proprio impõe e ofendidos pela linguagem que ele emprega para descrevê-los, suas atitudes e sua conduta. Como fiel, que também mantém um vínculo intenso com a UA, compartilho plenamente dos seus sentimentos de profunda dor.

Como Bispo da Igreja e como Cardeal, em comunhão com o Romano Pontífice e com a responsabilidade particular de assisti-lo na sua pastoral e governo da Igreja universal, apresento as seguintes observações:

1. A título preliminar, deve-se perguntar por que o texto latino ou oficial do Motu Proprio ainda não foi publicado. Pelo que sei, a Santa Sé promulgou o texto nas versões italiana e inglesa e, posteriormente, nas traduções alemã e espanhola. Visto que a versão em inglês é chamada de tradução, deve-se presumir que o texto original está em italiano. Se for esse o caso, existem traduções de textos significativos na versão inglesa que não são coerentes com a versão italiana. No Artigo 1, o importante adjetivo italiano, “unica”, é traduzido para o inglês como “único”, em vez de “apenas”. No Artigo 4, o importante verbo italiano, "devono", é traduzido para o inglês como "deveria", em vez de "deve".

2. Em primeiro lugar, é importante estabelecer, nesta e nas duas observações seguintes (nn. 3 e 4), a essência do conteúdo do Motu Proprio. Resulta da severidade do documento que o Papa Francisco emitiu o Motu Proprio para abordar o que ele percebe ser um grave mal que ameaça a unidade da Igreja, ou seja, a UA. De acordo com o Santo Padre, aqueles que adoram de acordo com esse uso fazem uma escolha que rejeita “a Igreja e suas instituições em nome do que é chamado de 'Igreja verdadeira'”, uma escolha que “contradiz a comunhão e alimenta a tendência divisionista ... contra o qual o apóstolo Paulo reagiu tão vigorosamente ”.

3. É claro que o Papa Francisco considera o mal tão grande que agiu imediatamente, não informando os Bispos com antecedência e nem mesmo prevendo a habitual vacatio legis, período de tempo entre a promulgação de uma lei e sua entrada em vigor. A vacatio legis proporciona aos fiéis e especialmente aos Bispos tempo para estudar a nova legislação relativa ao culto a Deus, aspecto mais importante da sua vida na Igreja, com vista à sua implementação. A legislação, de fato, contém muitos elementos que requerem estudo quanto à sua aplicação. 

4. Além disso, a legislação impõe restrições à UA, o que assinala a sua eliminação definitiva, por exemplo, a proibição da utilização de uma igreja paroquial para o culto segundo a UA e o estabelecimento de determinados dias para esse culto. Em sua carta aos Bispos de todo o mundo, o Papa Francisco indica dois princípios que devem guiar os Bispos na implementação do Motu Proprio. O primeiro princípio é “prover o bem daqueles que estão arraigados na forma anterior de celebração e precisam retornar no tempo devido ao rito romano promulgado pelos santos Paulo VI e João Paulo II”. O segundo princípio é "interromper a construção de novas paróquias pessoais ligadas mais ao desejo e desejos de padres individuais do que à necessidade real do‘ santo povo de Deus ’.”

5. Aparentemente, a legislação visa a correção de uma aberração atribuível principalmente à “vontade e vontades” de certos sacerdotes. A este respeito, devo observar, especialmente à luz do meu serviço como Bispo diocesano, não foram os sacerdotes que, pela sua vontade, exortaram os fiéis a solicitarem a Forma Extraordinária. De facto, estarei sempre profundamente grato aos numerosos sacerdotes que, não obstante os seus já pesados ​​compromissos, serviram generosamente os fiéis que legitimamente solicitaram a UA. Os dois princípios não podem deixar de comunicar aos fiéis devotos que têm um profundo apreço e apego ao encontro com Cristo através da Forma Extraordinária do Rito Romano que eles sofrem de uma aberração que pode ser tolerada por um tempo, mas deve ser finalmente erradicada.

6. De onde vem a ação severa e revolucionária do Santo Padre? O Motu Proprio e a Carta indicam duas fontes: primeiro, “os desejos expressos pelo episcopado” através de “uma consulta detalhada dos bispos” conduzida pela Congregação para a Doutrina da Fé em 2020, e, segundo, “a opinião de a Congregação para a Doutrina da Fé. ” Sobre as respostas à “consulta detalhada” ou “questionário” enviado aos bispos, o Papa Francisco escreve aos bispos: “As respostas revelam uma situação que me preocupa e entristece e me convence da necessidade de intervir”.

7. Quanto às fontes, deve-se supor que a situação que preocupa e entristece o Romano Pontífice existe geralmente na Igreja ou apenas em alguns lugares? Dada a importância atribuída à “consulta detalhada” ou “questionário”, e a gravidade do assunto que se trata, parece imprescindível que o resultado da consulta seja tornado público, juntamente com a indicação do seu caráter científico. Da mesma forma, se a Congregação para a Doutrina da Fé fosse de opinião que tal medida revolucionária deveria ser tomada, ela aparentemente teria preparado uma Instrução ou documento semelhante para abordá-la.

8. A Congregação conta com a perícia e a longa experiência de alguns funcionários - primeiro, servindo na Pontifícia Comissão Ecclesia Dei e depois na Quarta Seção da Congregação - que foram encarregados de tratar das questões relativas à UA. Deve-se perguntar se a “opinião da Congregação para a Doutrina da Fé” refletiu a consulta daqueles com maior conhecimento dos fiéis devotos da UA?

9. A respeito da percepção do grave mal constituído pela UA, tenho uma vasta experiência ao longo de muitos anos e em muitos lugares diferentes com os fiéis que regularmente adoram a Deus de acordo com a UA. Com toda a franqueza, devo dizer que esses fiéis, de forma alguma, rejeitam "a Igreja e suas instituições em nome do que é chamado de 'Igreja verdadeira'." Nem os descobri fora da comunhão com a Igreja ou divisivos dentro da Igreja. Pelo contrário, eles amam o Romano Pontífice, seus Bispos e sacerdotes, e, quando outros fizeram a escolha do cisma, eles quiseram permanecer sempre em plena comunhão com a Igreja, fiéis ao Romano Pontífice, muitas vezes à custa de grande sofrimento. Eles, de forma alguma, atribuem a uma ideologia cismática ou sedevacantista.

10. A Carta que acompanha o Motu Proprio afirma que a UA foi permitida pelo Papa São João Paulo II e posteriormente regulamentada pelo Papa Bento XVI com “o desejo de favorecer a cura do cisma com o movimento de Mons. Lefebvre. ” O movimento em questão é a Fraternidade São Pio X. Embora ambos os Romanos Pontífices desejassem a cura do cisma em questão, como deveriam todos os bons católicos, eles também desejavam manter em continuidade a UA para aqueles que permaneceram na plena comunhão do Igreja e não se tornou cismático. O Papa São João Paulo II demonstrou caridade pastoral, de várias maneiras importantes, para com os fiéis católicos ligados à UA, por exemplo, concedendo o indulto para a UA, mas também estabelecendo a Fraternidade Sacerdotal de São Pedro, uma sociedade de vida apostólica para padres ligados à o UA. No livro, Último Testamento em suas próprias palavras, o Papa Bento XVI respondeu à afirmação: “A reautorização da Missa Tridentina é muitas vezes interpretada principalmente como uma concessão à Fraternidade São Pio X,” com estas palavras claras e fortes: “ Isso é absolutamente falso! Foi importante para mim que a Igreja fosse uma só consigo mesma interiormente, com seu próprio passado; que o que antes era sagrado para ela não está de alguma forma errado agora ”(pp. 201-202). De fato, muitos que atualmente desejam adorar de acordo com a UA não têm experiência e talvez nenhum conhecimento da história e da situação atual da Sociedade Sacerdotal de São Pio X. Eles são simplesmente atraídos pela santidade da UA.

11. Sim, existem indivíduos e mesmo certos grupos que defendem posições radicais, mesmo como é o caso em outros setores da vida da Igreja, mas eles não são, de forma alguma, característicos do número cada vez maior de fiéis que desejam adorar Deus de acordo com a UA. A Sagrada Liturgia não é uma questão da chamada “política da Igreja”, mas o encontro mais completo e perfeito com Cristo para nós neste mundo. Os fiéis em questão, entre os quais numerosos jovens adultos e jovens casais com filhos, encontram Cristo, através da UA, que os aproxima cada vez mais de si através da reforma da sua vida e da cooperação com a graça divina que brota da sua glória. Coração perfurado em seus corações. Eles não precisam fazer um julgamento sobre aqueles que adoram a Deus de acordo com o Usus Recentior (o Uso Mais Recente, o que o Papa Bento XVI chamou de Forma Ordinária do Rito Romano) [UR], promulgado pela primeira vez pelo Papa São Paulo VI. Como um padre, membro de um instituto de vida consagrada, que serve a estes fiéis, me disse: Eu regularmente me confesso a um padre, de acordo com a UR, e participo, em ocasiões especiais, da Santa Missa de acordo com a UR. Ele concluiu: Por que alguém me acusaria de não aceitar sua validade?

12. Se houver situações de atitude ou prática contrária à sã doutrina e disciplina da Igreja, a justiça exige que sejam abordadas individualmente pelos Pastores da Igreja, pelo Romano Pontífice e pelos Bispos em comunhão com ele. A justiça é a condição mínima e insubstituível da caridade. A caridade pastoral não pode ser servida, se as exigências da justiça não forem observadas.

13. Um espírito cismático ou cisma real são sempre gravemente maus, mas não há nada na UA que fomente o cisma. Para nós que conhecemos a UA no passado, como eu, trata-se de um ato de culto marcado por uma bondade, verdade e beleza seculares. Eu conhecia sua atração desde a minha infância e de fato me apeguei muito a ela. Tendo tido o privilégio de assistir o sacerdote como servidor da missa desde os meus dez anos de idade, posso testemunhar que a UA foi uma grande inspiração da minha vocação sacerdotal. Para os que vêm pela primeira vez à UA, a sua rica beleza, sobretudo porque manifesta a ação de Cristo renovando sacramentalmente o Seu Sacrifício no Calvário, por meio do sacerdote que age em Sua pessoa, os aproximou de Cristo. Conheço muitos fiéis para os quais a experiência do Culto Divino segundo a UA inspirou fortemente a sua conversão à Fé ou a busca da plena comunhão com a Igreja Católica. Além disso, numerosos sacerdotes que voltaram à celebração da UA ou que a aprenderam pela primeira vez me disseram como ela enriqueceu profundamente sua espiritualidade sacerdotal. Isso sem falar nos santos ao longo dos séculos cristãos para os quais a UA alimentou uma prática heróica das virtudes. Alguns deram suas vidas para defender a oferta desta mesma forma de adoração divina.

14. Para mim e para outros que receberam tantas graças poderosas através da participação na Sagrada Liturgia, segundo a UA, é inconcebível que agora possa ser caracterizada como algo prejudicial à unidade da Igreja e à sua própria vida. A este respeito, é difícil compreender o significado do artigo 1 do Motu Proprio: “Os livros litúrgicos promulgados por São Paulo VI e São João Paulo II, em conformidade com os decretos do Concílio Vaticano II, são os únicos (unica, na versão italiana que aparentemente é o texto original) expressão da lex orandi do Rito Romano. ” A UA é uma forma viva do Rito Romano e nunca deixou de sê-lo. Desde o momento da promulgação do Missal do Papa Paulo VI, em reconhecimento da grande diferença entre a UR e a UA, a continuação da celebração dos Sacramentos, segundo a UA, foi permitida para certos conventos e mosteiros e também para certos indivíduos e grupos. O Papa Bento XVI, na sua Carta aos Bispos do Mundo, que acompanha o Motu Proprio «Summorum Pontificum», deixou claro que o Missal Romano em uso antes do Missal do Papa Paulo VI, «nunca foi juridicamente revogado e, consequentemente, em princípio , sempre foi permitido. ”

15. Mas o Romano Pontífice pode revogar juridicamente a UA? A plenitude do poder (plenitudo potestatis) do Romano Pontífice é o poder necessário para defender e promover a doutrina e a disciplina da Igreja. Não é um “poder absoluto” que incluiria o poder de mudar a doutrina ou erradicar uma disciplina litúrgica que está viva na Igreja desde o tempo do Papa Gregório o Grande e até antes. A interpretação correta do Artigo 1 não pode ser a negação de que a UA é uma expressão sempre vital da "lex orandi do Rito Romano". Nosso Senhor, que deu o maravilhoso dom da UA, não permitirá que seja erradicado da vida da Igreja.

16. É preciso lembrar que, do ponto de vista teológico, toda celebração válida de um sacramento, pelo próprio fato de ser um sacramento, é também, para além de qualquer legislação eclesiástica, um ato de culto e, portanto, também um ato de culto. profissão de fé. Nesse sentido, não é possível excluir o Missal Romano, segundo a UA, como expressão válida da lex orandi e, portanto, da lex credendi da Igreja. É uma questão de uma realidade objetiva da graça divina que não pode ser mudada por um mero ato da vontade mesmo da mais alta autoridade eclesiástica.

17. O Papa Francisco declara em sua carta aos Bispos: “Em resposta aos seus pedidos, tomo a firme decisão de revogar todas as normas, instruções, permissões e costumes que precedem o presente Motu proprio, e declaro que os livros litúrgicos promulgados pelo os santos Pontífices Paulo VI e João Paulo II, em conformidade com os decretos do Concílio Vaticano II, constituem a única [única] expressão da lex orandi do Rito Romano ”. A revogação total em questão, na justiça, requer que cada norma individual, instrução, permissão e costume sejam estudados, para verificar se ela “contradiz a comunhão e alimenta a tendência divisiva ... contra a qual o apóstolo Paulo tão vigorosamente reagiu”.

18. Aqui, é necessário observar que a reforma da Sagrada Liturgia realizada pelo Papa São Pio V, de acordo com as indicações do Concílio de Trento, foi bem diferente do que aconteceu depois do Concílio Vaticano II. O Papa São Pio V essencialmente ordenou a forma do Rito Romano como ele já existia há séculos. Da mesma forma, alguma ordenação do Rito Romano foi feita ao longo dos séculos pelo Pontífice Romano, mas a forma do Rito permaneceu a mesma. O que aconteceu após o Concílio Vaticano II constituiu uma mudança radical na forma do Rito Romano, com a eliminação de muitas das orações, gestos rituais significativos, por exemplo, as muitas genuflexões, e os frequentes beijos no altar, e outros elementos que são ricos na expressão da realidade transcendente - a união do céu com a terra - que é a Sagrada Liturgia. O Papa Paulo VI já lamentou a situação de forma particularmente dramática pela homilia que proferiu na festa dos Santos Pedro e Paulo em 1972. O Papa São João Paulo II trabalhou durante todo o seu pontificado e, em particular, durante os seus últimos anos, para discursar abusos litúrgicos graves. Tanto os Pontífices Romanos, como também o Papa Bento XVI, se esforçaram para conformar a reforma litúrgica aos ensinamentos atuais do Concílio Vaticano II, uma vez que os proponentes e agentes do abuso invocaram o “espírito do Concílio Vaticano II” para se justificar.

19. O artigo 6 do Motu Proprio transfere a competência dos institutos de vida consagrada e das sociedades de vida apostólica consagradas à UA à Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica. A observância da UA está no âmago do carisma desses institutos e sociedades. Embora a Congregação seja competente para responder às questões relativas ao direito canônico para tais institutos e sociedades, não é competente para alterar seu carisma e constituições, a fim de acelerar a eliminação aparentemente desejada da UA na Igreja.

Existem muitas outras observações a serem feitas, mas estas parecem ser as mais importantes. Espero que possam ser úteis a todos os fiéis e, em particular, aos fiéis que cultuam segundo a UA, na resposta ao Motu Proprio «Traditionis Custodes» e à Carta aos Bispos que o acompanha. A severidade desses documentos gera naturalmente uma profunda angústia e até mesmo uma sensação de confusão e abandono. Oro para que os fiéis não cedam ao desânimo, mas, com a ajuda da graça divina, perseverem no amor à Igreja e aos seus pastores e ao amor pela Sagrada Liturgia.

A este respeito, exorto os fiéis a rezar com fervor pelo Papa Francisco, pelos Bispos e pelos sacerdotes. Ao mesmo tempo, de acordo com o cân. 212, §3, “[a] segundo o saber, a competência e o prestígio que possuem, têm o direito e mesmo às vezes o dever de manifestar aos sagrados pastores a sua opinião sobre assuntos que digam respeito ao bem da Igreja e dar a conhecer a sua opinião aos restantes fiéis cristãos, sem prejuízo da integridade da fé e da moral, com reverência para com os seus pastores e atenta ao bem comum e à dignidade das pessoas ”. Finalmente, em gratidão a Nosso Senhor pela Sagrada Liturgia, o maior dom de Si mesmo para nós na Igreja, que eles continuem a salvaguardar e a cultivar o antigo e sempre novo Uso Mais Antigo ou Forma Extraordinária do Rito Romano.


Raymond Leo Cardeal Burke
Roma, 22 de julho de 2021
Festa de Santa Maria Madalena, Penitente