terça-feira, 16 de abril de 2024

Escárnio Brasileiro Esconde Nossa Estupidez e é Luciferiano

 


Hoje li uma frase excepcional de Jordan Peterson:

"Derision is how the Luciferian intellect protects itself against the evidence of its own stupidity."

Tradução: "O escárnio é o modo que o intelecto luciferiano se protege contra a evidência de sua própria estupidez".

Pensei comigo mesmo: isso explica o Brasil.

Virtualmente toda nossa cultura é a cultura do escárnio. Eu hoje moro na cidade do poeta Gil Vicente, um dos maiores poetas portugueses da história. Por coincidência, o primeiro parágrafo de meu livro Ética Católica para Economia, é sobre o livro "Auto da Barca do Inferno" de Gil Vicente. Gil Vicente é conhecido por revelar as mazelas dos membors da sociedade de forma brilhante e com muito escárnio. 

Mas não se pode ter uma cultural toda e qause sempre formada pelo escárnio, onde todo o valor das coisas, mesmo as coisas de Deus e sagradas (coisa que Gil Vicente respeitava muito) é tratado com escárnio.

Rcentemente, vi uma propaganda da nova novela da globo em que um comediante irá fazer o papel de prefeito, e pelo o que vi representará um ladrão, preguiçoso e mentiroso. Quantas vezes você já viu esse personagem em livros, novelas e filmes brasileiros? O brasileiro geralmente "ama" o personagem e se identifica e ainda o defende e o inveja.

Quantos filmes, novelas e livros fazem escárnio no Brasil, na maioria das vezes de forma baixa e vil?

Se  o escárnio é o modo de Lúcifer de proteger a própria estupidez. Nosso povo esconde muita estupidez de forma luciferiana. Como sair disso? Com muitoa fé e temor a Deus.



segunda-feira, 15 de abril de 2024

Jovens Países Ricos Querem Socialismo. Mas Não Sabem o Que É, Nem Querem Pagar

 

A estupidez em definição das coisas é o atributo mais demolidor da sociedade tanto em países ricos como em países pobres. Há uma crise educacional generalizada que obviamente provoca e provocará desastres. As pessoas não sabem o que significam termos como democracia, comunismo, socialismo, capitalismo, fascismo, etc. 

No vídeo, acima a excelente jornalista do Wall Street Journal Mary Anastasia O'Grady apresentou pesquisa sobre a popularidade do socialismo nos Estados Unidos, Austrália, Canadá e Reino Unido, países riquíssimos que (em tese) fornecem a melhor educação do planeta. É impressionante ver jovens de países ricos que não sabem definir socialismo e também não querem pagar pelo que significa o que eles pensam que é socialismo.  E claro, eles não entendem de fatos tributários elementares, como ricos possuem muito mais capacidade de evasão fiscal e mesmo de procurar países que tributam menos.

Imaginem uma pesquisa dessa feita no Brasil. Pela minha experiência com alunos de faculdade privada, quando eu pergunto algo como o que é socialismo, eles não respondem com definição e sim com nomes tipo Cuba, China, Marx. Não saberiam escrever no papel claramente.

Vejam gráficos abaixo relativos aos países ricos.

1) Apoio ao socialismo na população geral


2) Apoio ao socialismo entre os jovens de 18 a 24 anos


3) Como população geral entende que significa socialismo


4) Como população geral quer se pague pelo custo do socialismo que têm na cabeça




sexta-feira, 12 de abril de 2024

Dignidade Humana é Infinita?



Eu estou no meio de mais uma tese de doutorado, e bem cansado deste tristíssimo pontificado, então resolvi que ia me poupar e não ia ler o novo documento do Vaticano Dignitas Infinitas, escrito pelo cardeal "Tucho" e assinado em concordância pelo papa Francisco. O texto  argumenta que o ser humano tem dignidade infinita. A ideia me pareceu bem estranha. Mas tinha decidido não me adentrar no documento depois de escrever dois livros e criticar minuciosamente os textos do Papa Francisco e estar cheio de tarefas com a tese e o trabalho.

No entanto, acabo vendo críticas aqui e ali.


O que vou fazer aqui é traduzir o que Feser disse e disponibilizar o vídeo de Marshall coma análise do documento.

Mas em suma de tudo: não, o ser humano não tem dignidade infinita sem qualquer mérito e sem Deus. Precisa das duas coisas. Ser humano pode não ter dignidade nenhuma.  Então, o documento tem erro nos seus fundamentos.

Abaixo vão o texto de Feser e o vídeo de Marshall

por Edward Feser

Esta semana o Dicastério para a Doutrina da Fé (DDF) publicou a Declaração Dignitas Infinita, sobre o tema da dignidade humana. Estou tão cansado quanto qualquer um com a circunstância de que agora se tornou comum que novos documentos emitidos pelo Vaticano sejam alvo de críticas. Mas se as falhas realmente existirem, então não deveríamos culpar o mensageiro. E este último documento apresenta dois problemas graves: um com a sua premissa básica e outro com algumas das conclusões que dele retira.

Pena de morte

Para começar com este último, apresso-me a acrescentar que a maioria das conclusões são incontestáveis. São simplesmente reiterações do ensinamento católico de longa data sobre o aborto, a eutanásia, as nossas obrigações para com os pobres e os migrantes, e assim por diante. O documento é especialmente útil e corajoso ao condenar veementemente a barriga de aluguel e a teoria do género, o que não lhe valerá nenhum elogio por parte dos progressistas que o Papa é frequentemente acusado de estar demasiado pronto a apaziguar.

Existem outras passagens que são mais problemáticas, mas talvez sejam melhor interpretadas como imprecisas e não como novas. Por exemplo, afirma-se que “é muito difícil hoje em dia invocar os critérios racionais elaborados em séculos anteriores para falar da possibilidade de uma 'guerra justa'”. Isto pode parecer marcar o início de uma inversão do ensino tradicional que tem foi reiterado tão recentemente quanto o atual Catecismo. No entanto, Dignitas Infinita também “reafirma o direito inalienável à autodefesa e a responsabilidade de proteger aqueles cujas vidas estão ameaçadas”, temas que declarações recentes da doutrina da guerra justa já enfatizaram.

A única conclusão inegavelmente gravemente problemática que Dignitas Infinita extrai da sua premissa fundamental diz respeito à pena de morte. O Papa Francisco já esteve muito perto de declarar a pena capital intrinsecamente imoral quando alterou o Catecismo em 2018, de modo que agora diz que “a pena de morte é inadmissível porque é um ataque à inviolabilidade e à dignidade da pessoa”. Mas isso deixou em aberto a possibilidade de que o que se queria dizer é que se trata de um ataque à inviolabilidade e à dignidade da pessoa, a menos que certas circunstâncias se mantenham, tais como a impossibilidade prática de proteger outros do agressor sem executá-lo (mesmo que esta leitura seja uma um pouco tenso). O novo documento do DDF vai mais longe e declara categoricamente que “a pena de morte… viola a dignidade inalienável de cada pessoa, independentemente das circunstâncias” (ênfase adicionada).

Isto simplesmente não pode ser conciliado com as Escrituras e com o ensinamento consistente de todos os papas que falaram sobre o assunto antes do Papa Francisco. Isso inclui o Papa São João Paulo II, apesar da sua conhecida oposição à pena capital. No Evangelium Vitae, até João Paulo ensinou apenas:

A punição… não deve ir ao extremo da execução do infrator, exceto em casos de absoluta necessidade: em outras palavras, quando não seria possível defender a sociedade de outra forma. Hoje, porém, como resultado de melhorias constantes na organização do sistema penal, tais casos são muito raros, se não praticamente inexistentes.

E a versão original do Catecismo promulgada por João Paulo II afirmava:

O ensinamento tradicional da Igreja reconheceu como fundado o direito e o dever da autoridade pública legítima de punir os malfeitores através de penas proporcionais à gravidade do crime, não excluindo, em casos de extrema gravidade, a pena de morte. (2266)

Em suma, João Paulo II (tal como as Escrituras e como todos os papas anteriores que falaram sobre o assunto) sustentou que algumas circunstâncias podem justificar a pena capital, enquanto o Papa Francisco ensina agora que nenhuma circunstância pode alguma vez justificar a pena capital. Isso é uma contradição direta. Agora, Joseph Bessette e eu, em nosso livro By Man Shall His Blood Be Shed: A Catholic Defense of Capital Punishment, mostramos que a legitimidade em princípio da pena de morte foi de fato ensinada infalivelmente pelas Escrituras e pela tradição da Igreja. . Também defendi essa afirmação em outras ocasiões, como neste artigo. Portanto, se o Papa Francisco está de facto a ensinar que a pena capital é intrinsecamente errada, é claro que é ele quem está errado, e não as Escrituras e os papas anteriores.

Se os defensores do Papa Francisco negarem isto, então estão logicamente empenhados em sustentar que os papas anteriores erraram. De qualquer forma, algum papa errou, de modo que não fará sentido que os defensores do Papa Francisco finjam que estão simplesmente defendendo a autoridade magisterial papal. Defender o Papa Francisco é rejeitar o ensinamento dos papas anteriores; defender esses papas anteriores é rejeitar o ensinamento do Papa Francisco. Não há como defender todos eles de uma vez.

Isto não é de forma alguma inconsistente com a doutrina da infalibilidade papal, porque essa doutrina diz respeito a definições ex cathedra, e nada do que o Papa Francisco disse equivale a tal definição (como o Cardeal Fernández, Prefeito do DDF, reconheceu explicitamente). Mas refuta aqueles que afirmam que todos os ensinamentos papais sobre a fé e a moral são infalíveis, e aqueles que sustentam que, mesmo que nem todos esses ensinamentos sejam infalíveis, nenhum papa ensinou realmente o erro. Só por essa razão, a Dignitas Infinita é um documento de significado histórico, embora não pelas razões que o Papa Francisco ou o Cardeal Fernández teriam pretendido.

Dignidade e pena de morte

O outro problema do documento, como já disse, diz respeito à premissa com que começa. Essa premissa é mencionada em seu título e é declarada nas primeiras linhas da seguinte forma:

Cada pessoa humana possui uma dignidade infinita, inalienavelmente fundamentada no seu próprio ser, que prevalece em e para além de cada circunstância, estado ou situação que a pessoa possa encontrar. Este princípio, que é plenamente reconhecível mesmo pela razão, está subjacente ao primado da pessoa humana e à protecção dos direitos humanos… [Assim] a Igreja… insiste sempre no “primado da pessoa humana e na defesa da sua ou sua dignidade além de qualquer circunstância.”

A parte mais surpreendente desta passagem – na verdade, eu diria a parte mais chocante – é a afirmação de que a dignidade humana é infinita. Voltarei a isso. Mas primeiro observe os outros aspectos do seu ensino. A Declaração implica que esta dignidade decorre da própria natureza humana, e não da graça. Isso está implícito no fato de ser totalmente cognoscível apenas pela razão (em oposição à revelação divina especial). É ontológico e não adquirido por natureza, refletindo o que um ser humano é e não o que ele ou ela faz. Por esta razão, não pode ser perdido, não importa o que se faça, em “todas as circunstâncias, estados ou situações que a pessoa possa encontrar”. E, mais uma vez, a dignidade que se diz que os seres humanos possuem desta forma também é considerada infinita por natureza.

Não é surpresa, portanto, que a Declaração deva mais tarde dizer o que faz em relação à pena de morte. De acordo com a revisão do Catecismo do Papa Francisco, a pena de morte é “um ataque à inviolabilidade e à dignidade da pessoa”. Mas a Dignitas Infinita afirma que esta dignidade existe em “todas as circunstâncias, estados ou situações que a pessoa possa encontrar”. Isso implica que ela é mantida independentemente do mal que a pessoa tenha cometido e de quão perigosa ela seja para os outros. Assim, se devemos “insistir sempre… na primazia da pessoa humana e na defesa da sua dignidade para além de todas as circunstâncias”, seguir-se-ia que a pena de morte seria inadmissível em todas as circunstâncias.

Isto por si só implica que há algo errado com as premissas da Declaração. Pois é, mais uma vez, o ensinamento infalível das Escrituras e de todos os papas anteriores que a pena de morte pode, em algumas circunstâncias, ser justificável. Portanto, se o ensinamento da Declaração sobre a dignidade humana implica o contrário, é esse ensinamento que é falho, e não as Escrituras e nem dois milénios de ensinamento papal consistente.

Há também o problema de que, em defesa da sua concepção de dignidade humana, a Declaração recorre a passagens bíblicas, entre outros lugares, de Gênesis, Êxodo, Deuteronômio e Romanos. Mas todos estes quatro livros contêm endossos explícitos à pena capital!. Portanto, a sua concepção de dignidade humana não é claramente a mesma que a da Declaração. Talvez o defensor da Declaração sugira que estes textos bíblicos erraram no tópico específico da pena capital. Um problema com isso é que a Igreja sustenta que as Escrituras não podem ensinar erros em questões de fé ou moral. Então, essa tentativa de contornar a dificuldade seria heterodoxa. Mas outro problema é que esta medida prejudicaria o uso que a própria Declaração faz destes textos bíblicos. Pois se Gênesis, Êxodo, Deuteronômio e Romanos estão errados sobre algo tão sério como a pena de morte, por que deveríamos acreditar que eles estão certos sobre qualquer outra coisa, como a dignidade humana?

Neste ponto, o defensor da Declaração poderia sugerir que estamos a interpretar mal estas passagens bíblicas se pensarmos que apoiam a pena capital. Um problema com esta sugestão é que ela é aparentemente estúpida. Durante milénios, teólogos judeus e cristãos compreenderam consistentemente que o Antigo Testamento sancionava a pena capital, e a Igreja sempre entendeu tanto as passagens do Antigo Testamento como Romanos como sancionando-a. Pretender que só agora finalmente os compreendemos com precisão desafia o bom senso (e baseia-se em argumentos totalmente implausíveis, como Bessette e eu mostramos no nosso livro). Mas também contradiz o que a Igreja disse sobre a sua própria compreensão das Escrituras. A Igreja afirma que em questões de interpretação das Escrituras, ninguém é livre para contradizer a opinião unânime dos Padres ou o entendimento consistente da Igreja ao longo de milénios. E os Padres e a tradição consistente da Igreja sustentam que as Escrituras ensinam que a pena de morte pode, em algumas circunstâncias, ser lícita. (Veja o livro para saber mais sobre esse assunto também.)

Dignidade infinita?

Mas mesmo deixando tudo isso de lado, atribuir “dignidade infinita” aos seres humanos é altamente problemático. Se falarmos estritamente, é óbvio que só Deus pode ser considerado como tendo dignidade infinita. Dignitas transmite “valor”, “dignidade”, “mérito”, “excelência”, “honra”. Tente substituir “dignidade” por estas palavras na frase “dignidade infinita” e pergunte se o resultado pode ser aplicado aos seres humanos. Os seres humanos têm “mérito infinito”, “excelência infinita”, “dignidade infinita”? A própria ideia parece blasfema. Somente Deus pode ter qualquer uma dessas coisas.

Ou consideremos os atributos que conferem dignidade especial às pessoas, como autoridade, bondade ou sabedoria, onde quanto mais perfeitamente manifestarem esses atributos, maior será a sua dignidade. Pode-se dizer que os seres humanos possuem “autoridade infinita”, “bondade infinita” ou “sabedoria infinita”? Obviamente não, e obviamente é somente a Deus quem essas coisas podem ser atribuídas. Então, como poderiam os seres humanos ter dignidade infinita?

Tomás de Aquino faz várias observações relevantes. Ele nos diz que “a igualdade da justiça distributiva consiste em distribuir várias coisas a várias pessoas em proporção à sua dignidade pessoal” (Summa Theologiae II-II.63.1). Naturalmente, isso implica que algumas pessoas têm mais dignidade do que outras. Então, como poderiam todos os seres humanos ter dignidade infinita (o que implicaria que nenhum tem mais do que qualquer outro)? Ele também diz que “ao pecar o homem se afasta da ordem da razão e, conseqüentemente, cai da dignidade de sua masculinidade” (Summa Theologiae II-II.64.2). Mas se uma pessoa pode perder a sua dignidade, como podem todas as pessoas ter uma dignidade infinita?

Alguns dirão que aquilo de que Tomás de Aquino está a falar nessas passagens é apenas a dignidade adquirida e não a dignidade ontológica – isto é, a dignidade que reflecte o que fazemos ou algum estatuto especial que contingentemente passamos a ter (que pode mudar), em vez de dignidade. que reflete o que somos por natureza. Mas isso não funcionará como uma interpretação de outras coisas que Tomás de Aquino diz. Por exemplo, ele observa que “a dignidade da natureza divina supera qualquer outra dignidade” (Summa Theologiae I.29.3). Obviamente, ele está falando aqui sobre a dignidade ontológica de Deus. E, naturalmente, Deus tem dignidade infinita, se alguma coisa acontecer. Portanto, se a sua dignidade ontológica excede a nossa, como poderíamos ter uma dignidade ontológica infinita?

Tomás de Aquino também escreve:

Ora, é mais digno para uma coisa existir em algo mais digno do que ela mesma do que existir por direito próprio. E assim, por este mesmo facto, a natureza humana é mais digna em Cristo do que em nós, visto que em nós ela tem a sua própria personalidade, no sentido de que existe por direito próprio, enquanto em Cristo ela existe na pessoa do Verbo. (Summa Theologiae III.2.2, tradução Freddoso)

Ora, se a dignidade da natureza humana é aumentada em virtude de estar unida a Cristo na Encarnação, como poderia ela já ser infinita por natureza? Depois, há o facto de Tomás de Aquino negar explicitamente que a dignidade humana seja infinita:

Mas nenhum mero homem tem a dignidade infinita necessária para satisfazer com justiça uma ofensa contra Deus. Portanto, deveria haver um homem de infinita dignidade que sofresse a penalidade por todos, de modo a satisfazer plenamente os pecados do mundo inteiro. Portanto, o Verbo unigénito de Deus, verdadeiro Deus e Filho de Deus, assumiu uma natureza humana e nela quis sofrer a morte para purificar todo o género humano endividado pelo pecado. (De Rationibis Fidei, Capítulo 7)

Certamente, Tomás de Aquino também admite que há um sentido em que algumas coisas além de Deus podem ter dignidade infinita, quando escreve:

Do fato de que (a) a natureza humana de Cristo está unida a Deus, e que (b) a felicidade criada é o gozo de Deus, e que (c) a Santíssima Virgem é a mãe de Deus, segue-se que eles têm uma certa dignidade que brota da bondade infinita que é Deus. (Summa Theologiae I.25.6, tradução Freddoso)

Mas note-se que a dignidade infinita em questão deriva de uma certa relação especial com a dignidade infinita de Deus – envolvendo a Encarnação, a visão beatífica e a maternidade divina de Maria, respectivamente – e não da natureza humana como tal.

Também são relevantes as observações de Tomás de Aquino sobre o tema do infinito. Ele diz que “além de Deus nada pode ser infinito”, pois “é contra a natureza de uma coisa feita ser absolutamente infinito” de modo que “Ele não pode fazer nada ser absolutamente infinito” (Summa Theologiae I.7.2). Como, então, os seres humanos poderiam, por natureza, ter dignidade infinita?

Alguns poderiam responder dizendo que Tomás de Aquino não é infalível, mas isso perderia o foco. Pois não se trata apenas do facto de a teologia de Tomás de Aquino ter uma tremenda autoridade dentro do catolicismo (embora a tenha, e isso não deixa de ser importante aqui). É que ele destaca pontos do próprio ensinamento católico sobre a natureza da dignidade, a natureza dos seres humanos e a natureza de Deus que tornam altamente problemático falar dos seres humanos como tendo “dignidade infinita”. Não adianta apenas dizer que ele está errado. O defensor da Declaração deve-nos um argumento que mostre que está errado, ou que mostre que o discurso de “dignidade infinita” pode ser conciliado com o que ele diz.

Possíveis defesas?

Uma sugestão que alguns fizeram no Twitter é que outras observações feitas por Tomás de Aquino sobre o infinito podem resolver o conflito. Pois na passagem que acabamos de citar, ele também escreve:

Outras coisas além de Deus podem ser relativamente infinitas, mas não absolutamente infinitas. Pois no que diz respeito ao infinito aplicado à matéria, é manifesto que tudo o que existe realmente possui uma forma; e assim sua matéria é determinada pela forma. Mas porque a matéria, considerada como existindo sob alguma forma substancial, permanece em potencial para muitas formas acidentais, o que é absolutamente finito pode ser relativamente infinito; como, por exemplo, a madeira é finita de acordo com a sua própria forma, mas ainda assim é relativamente infinita, na medida em que tem potencialidade para um número infinito de formas. Mas se falamos do infinito em referência à forma, é manifesto que aquelas coisas cujas formas estão na matéria são absolutamente finitas e de modo algum infinitas. Se, contudo, quaisquer formas criadas não forem recebidas na matéria, mas forem auto-subsistentes, como alguns pensam que é o caso dos anjos, estas serão relativamente infinitas, na medida em que tais tipos de formas não são terminados, nem contraídos por qualquer matéria. Mas porque uma forma criada que assim subsiste tem ser, e ainda assim não é seu próprio ser, segue-se que seu ser é recebido e contratado a uma natureza determinada. Portanto, não pode ser absolutamente infinito. (Suma Teológica I.7.2)

O que Tomás de Aquino está dizendo aqui é que há um sentido em que a matéria é relativamente infinita e um sentido em que um anjo é relativamente infinito. O sentido em que a matéria é relativamente infinita é que ela pode, pelo menos em princípio, assumir, sucessivamente, uma forma após outra, ad infinitum. O sentido em que um anjo é relativamente infinito é que ele não é limitado pela matéria.

Mas há vários problemas com a sugestão de que esta passagem pode ajudar-nos a compreender a noção de que os seres humanos têm “dignidade infinita”. Primeiro, Tomás de Aquino diz explicitamente que as coisas “cujas formas estão na matéria são absolutamente finitas e de forma alguma infinitas”. Por exemplo, embora a matéria que constitui uma determinada árvore seja relativamente infinita, na medida em que pode assumir diferentes formas ad infinitum (a forma de uma escrivaninha, a forma de uma cadeira, e assim por diante), a própria árvore tem a forma de uma árvore. uma árvore não é de forma alguma infinita. Agora, um ser humano é, como uma árvore, um composto de forma e matéria. Portanto, as observações de Aquino implicariam que, mesmo que a matéria que constitui o corpo seja relativamente infinita, na medida em que pode assumir sucessivamente diferentes formas ad infinitum, o próprio ser humano não é de forma alguma infinito. Obviamente, então, isto seria contrário a considerar a natureza humana como relativamente infinita na sua dignidade.

Além disso, não está claro como os exemplos específicos que Tomás de Aquino dá deveriam ser relevantes para a questão em questão. O sentido em que ele diz que a matéria é relativamente infinita é, mais uma vez, que ela pode assumir diferentes formas sucessivamente ad infinitum – primeiro uma forma, depois uma segunda, depois uma terceira, e assim por diante. Mas é claro que, em qualquer momento específico, a matéria não tem um número infinito de formas. Então, como isso forneceria um modelo para seres humanos com “dignidade infinita”? A ideia é que eles têm apenas uma dignidade finita em um determinado momento, mas continuarão a tê-la em momentos posteriores, sem fim? Certamente não é isso que se entende por “dignidade infinita”. Isso implicaria que mesmo algo com a menor dignidade possível num determinado momento teria “dignidade infinita”, desde que simplesmente persistisse com essa dignidade mínima para sempre!

O exemplo do anjo também não ajuda. Novamente, o sentido em que os anjos são relativamente infinitos, diz Tomás de Aquino, é que eles não são limitados pela matéria. Mas os seres humanos são limitados pela matéria. Portanto, isto não ajuda em nada a explicar como poderíamos ser relativamente infinitos em dignidade.

Outra sugestão, mais tola, que alguns fizeram no Twitter é que podemos entender que os seres humanos têm “dignidade infinita” à luz da teoria dos conjuntos, que nos diz que alguns infinitos podem ser maiores que outros. A ideia parece ser que, embora Deus tenha dignidade infinita, também se pode dizer inteligivelmente que a temos, desde que a dignidade de Deus tenha a ver com uma infinidade maior do que a nossa.

O problema com isto é que o “infinito” que é atribuído a Deus e à sua dignidade (e à dignidade humana, aliás) nada tem a ver com os infinitos estudados pela teoria dos conjuntos. A teoria dos conjuntos trata de coleções de objetos (como números), que podem ter tamanho infinito. Mas quando dizemos que Deus é infinito, não estamos falando de nenhum tipo de coleção. Não estamos dizendo, por exemplo, que o poder infinito de Deus tem algo a ver com o fato de ele possuir uma coleção infinita de poderes. O que se quer dizer é apenas que ele tem poder causal para fazer ou realizar tudo o que é intrinsecamente possível. E a sua dignidade infinita também não tem nada a ver com qualquer tipo de coleção (como uma coleção infinitamente grande de unidades de dignidade, seja lá o que isso signifique). A teoria dos conjuntos é simplesmente irrelevante.

Outra defesa sugerida é apelar ao facto de o Papa São João Paulo II ter usado uma vez a frase “dignidade infinita” num discurso do Angelus em 1980. Na verdade, a própria Declaração toma nota disto. Mas há vários problemas aqui. Em primeiro lugar, a observação de João Paulo II foi apenas um comentário passageiro feito no curso, um discurso informal pouco conhecido e de pouco peso magisterial, dedicado a outro tema. Não foi um tratamento teológico formal cuidadosamente formulado sobre a natureza da dignidade humana, especificamente. Nem João Paulo II colocou qualquer ênfase especial na frase ou tirou dela conclusões importantes, como faz a nova Declaração. Por exemplo, ele nunca concluiu que, uma vez que a dignidade humana é “infinita”, a pena de morte deve ser excluída em todas as circunstâncias. Pelo contrário, apesar da sua forte oposição pessoal à pena de morte, sempre reconheceu que poderia haver circunstâncias em que esta fosse permitida e que esse era o ensinamento tradicional da Igreja. Não há razão alguma para considerar que a referência ao discurso do Angelus é algo mais do que uma observação improvisada e vagamente redigida. Além disso, mesmo que fosse mais do que isso, isso não faria com que os problemas que venho expondo aqui desaparecessem magicamente.

Alguns sugeriram que a observação da Declaração sobre a pena de morte não equivale, de facto, a dizer que a pena capital é intrinsecamente errada. O que isso implica, afirmam eles, é apenas que é sempre intrinsecamente contrário à dignidade humana. Mas isso, dizem eles, deixa em aberto que às vezes pode ser permitido fazer o que é contrário à dignidade humana.

Mas há duas razões pelas quais isso não pode estar certo. Em primeiro lugar, a Dignitas Infinita não diz que aquilo que viola a nossa dignidade é inaceitável, exceto quando tais ou tais condições se verificam. Pelo contrário, diz que a Igreja “insiste sempre… na defesa da dignidade [da pessoa humana] para além de qualquer circunstância”. Diz que a “dignidade infinita” do homem é “inviolável”, que “prevalece em e para além de todas as circunstâncias, estados ou situações que a pessoa possa encontrar” e que o nosso respeito por ela deve ser “incondicional”. Enfatiza repetidamente que as “circunstâncias” são irrelevantes para o que o respeito pela dignidade exige de nós, e fá-lo precisamente porque afirma que a nossa dignidade é “infinita”. Afirmar que a dignidade humana tem implicações tão radicais de “sem excepções” é o objectivo da Declaração, o objectivo principal de dar grande importância à expressão “dignidade infinita”.

Em segundo lugar, a Declaração faz questão especial de agrupar a pena de morte com males como “assassinato, genocídio, aborto, [e] eutanásia”. Diz: “Aqui também se deve mencionar a pena de morte, pois esta também viola a dignidade inalienável de cada pessoa, independentemente das circunstâncias”. Obviamente, se a pena de morte realmente viola a dignidade humana em todas as circunstâncias, tal como o fazem o homicídio, o genocídio, o aborto, a eutanásia, etc., então não está menos absolutamente excluída do que eles. E, obviamente, a Declaração não nos permitiria dizer que há casos em que o homicídio, o genocídio, o aborto e a eutanásia possam ser permitidos, apesar de serem afrontas à dignidade humana.

Hipérbole?

A melhor defesa que alguns fizeram da Declaração é que a frase “dignidade infinita” é mera hipérbole. Mas embora esta seja a melhor defesa, isso não a torna uma boa defesa. Em primeiro lugar, os documentos magisteriais devem utilizar termos com precisão. Isto é especialmente verdadeiro no caso de um documento proveniente do FDUC, cuja função é precisamente esclarecer questões doutrinárias. É simplesmente escandaloso que um documento destinado a esclarecer uma questão doutrinária – especialmente um que, segundo nos dizem, está em preparação há anos – utilize um termo teológico chave de uma forma vaga e potencialmente altamente enganosa (e, de facto, coloque ênfase especial nesse significado vago, até mesmo no próprio título do documento!)

Mas, em segundo lugar, a ideia de que a frase pretende ser uma mera hipérbole não é simplesmente uma leitura natural da Declaração. Pois não se trata apenas de uma ênfase especial ser colocada na própria frase. É também que é dada ênfase especial às implicações radicais da frase. Dizem-nos que é precisamente porque a dignidade humana é “infinita” que as conclusões morais afirmadas pela Declaração são válidas “além de todas as circunstâncias”, “além de todas as circunstâncias”, “em todas as circunstâncias”, “independentemente das circunstâncias”, e assim por diante. sobre. Se você não levar a sério a parte “infinita”, então perderá a base para levar a sério a parte “além de todas as circunstâncias”. Eles andam de mãos dadas. Portanto, a leitura “hipérbole” simplesmente mina todo o sentido do documento.

O facto de esta linguagem extrema da “dignidade infinita” do homem ter agora levado o papa a condenar a pena de morte de uma forma absoluta – e, portanto, a contradizer as Escrituras e todos os ensinamentos papais anteriores sobre o assunto – mostra quão graves são as consequências do uso de linguagem teológica. imprecisamente. E isso pode não ser o fim. Questionado numa conferência de imprensa sobre a Declaração sobre as implicações da “dignidade infinita” do homem para a doutrina do Inferno, o Cardeal Fernández não negou a doutrina. Mas ele também disse: “’Com todos os limites que a nossa liberdade realmente tem, não será que o Inferno está vazio?’ Esta é a pergunta que o Papa Francisco às vezes faz”. Questionado sobre o ensinamento do Catecismo de que o desejo homossexual é “intrinsecamente desordenado”, o cardeal disse: “É uma expressão muito forte e precisa ser muito explicada. Talvez pudéssemos encontrar uma expressão ainda mais clara, para entender o que queremos dizer… Mas é verdade que a expressão poderia encontrar outras palavras mais adequadas.” Quando os clérigos colocam especial ênfase na ideia de que a dignidade humana é infinita, então há uma vasta gama de ensinamentos católicos tradicionais que eles serão tentados a suavizar ou a encontrar alguma forma de contornar.

A retórica exagerada sobre a dignidade humana sempre foi, em qualquer caso, especialmente propensa a abusos. Como escreveu certa vez Allan Bloom, “a própria expressão dignidade do homem, mesmo quando Pico della Mirandola a cunhou no século XV, tinha um tom blasfemo” (The Closing of the American Mind, p. 180). Da mesma forma, Jacques Barzun salientou que “a palavra dignidade [de Pico] pode, naturalmente, ser interpretada como um desprezo pelo apelo do Evangelho à humildade e como uma negação da realidade do pecado. O humanismo é, portanto, encarregado de inverter a relação entre o homem e Deus” (From Dawn to Decadence, p. 60).

Alguns historiadores considerariam isto injusto para com o próprio Pico, mas o que quero dizer não é sobre ele. Pelo contrário, trata-se de como as pessoas modernas em geral, a partir da Renascença, se tornaram cada vez mais embriagadas com a ideia da sua própria dignidade – e, correspondentemente, cada vez menos conscientes do facto de que o que há de mais grave no pecado não é isso. isso nos desonra, mas desonra a Deus. Isto, e não a sua própria dignidade, é o que as pessoas modernas mais precisam de ser lembradas. Portanto, embora não seja errado falar de dignidade humana, é preciso ser cauteloso e colocar sempre a tónica na dignidade divina e não na nossa dignidade. Afirmo que colocar uma palavra como “infinito” na frente desta última realiza o inverso disso.

E afirmo que um sinal claro de que a retórica da dignidade humana foi longe demais é que levou as mais altas autoridades da Igreja a contradizer o ensinamento da própria Palavra de Deus (sobre o tema da pena de morte). Tal erro é possível quando os papas não falam ex cathedra. Mas é extremamente raro e sempre gravemente escandaloso.

---
Vídeo de Dr. Taylor Marshall










domingo, 7 de abril de 2024

Filme História de Vendee: Cristãos contra a Revolução Francesa.

 



A Revolução Francesa influenciou para pior sistemas políticos, filosofias e a religião. Qualquer análise do início do comunismo, do liberalismo burguês explorador, do ateísmo filosófico ou da libertinagem deve mencionar a influência dessa péssima revolução. Fico abismado quando vejo católicos saudando a revolução francesa (que matou milhares do clero e roubou os bens da Igreja) ou Napoleão (que matou milhares e, inclusive, sequestrou dois papas). Nunca exalte o "liberte, fraternite, igualite", foi um erro medonho gigantesco que nos assombra até hoje .

A História da  Batalha de Vendee (ou Vendeia) é belíssima. Sou fascinado por ela. Aqui, os cristãos se levantaram contra Revolução Francesa durante a revolução, entre os anos 1793 e 1795. Foi o povo cristão que se revoltou contra essa praga revolucionária.

Certa vez, eu comprei um filme sobre a Batalha mas era medonho e infantilizado. Mas agora minha sede por representações sobre a Batalha vai ser saciada um pouco. Temos o filme Vaincre ou Mourir (algo com Derrota ou Morte),  que mostra a Batalha de Vendeee, retratando a história de um de seus principais generais, François-Athanase Charette de la Contrie.

A TV Remnant disponibilizou o filme a todos com legenda em inglês. Cliquem aqui


sábado, 6 de abril de 2024

O Bingo "Justifique Heresias do Papa Francisco"


Qual dessas justificativas você já ouviu quando perguntou a um padre ou a um católico desesperado para apoiar Francisco sobre uma frase ou comportamento claramente errados de Francisco em termos de Doutrina Católica? 

Temos de cima para baixo a começar pela esquerda no Bingo "Justifique Heresias do Papa Francisco"  que vi no site The American Catholic.

  1. É erro de Tradução
  2. Você é sedevacantista
  3. Ele nos ensina a sermos humildes
  4. O jornalista não é confiável 
  5. Reformar a curia é difícil 
  6. Por que você desrespeita o papado 
  7. Bento XVI disse a mesma coisa
  8. Temos que estar onde o povo está 
  9. Só tem um pulmão. É doente
  10. Você não é formado em direito canónico 
  11. Ele não mudou nenhuma doutrina 
  12. Você odeia os pobres
  13. Misericórdia 
  14. Os fariseus criticaram Jesus também 
  15. Nós temos que ler Francisco por meio de Bento XVI 
  16. Jesus jantou com pecadores também 
  17. Não destrua o espírito 
  18. Papa Francisco é meu herói 
  19. Ele fez missa latina na Argentina 
  20. Eu rezarei por você 
  21. Hermenêutica da continuidade 
  22. Viés da mídia 
  23. Você é mais católico que o papa? 
  24. Só ele deve saber 
  25. Jesus desafiou os confortáveis 

Para mim as respostas mais comuns são  a 1, 2, 3, 4, 6, 12, 13, 18, 20, 22 e 23. 

E para você?

domingo, 31 de março de 2024

Biden Declara Domingo de Pascoa como Dia dos Transgêneros

 


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, desgraçadamente determinou que o dia de hoje, que é Domingo de Páscoa, é Dia da Visibiidade dos Transgênero. Além disso, Biden proibiu que crianças pintassem os ovos de Páscoa com motivos religiosos na Casa Branca.

Acho que ele que se diz católico não poderia ter escolhido pior dia para ofender a Cristo e aos cristãos.

Cardeais e clero já estavam pedindo a excomunhão de Biden por seu apoio extremo ao aborto, agora Biden mostra que não está nem aí, pois sabe do apoio do Papa Francisco a ele e que a mídia destesta Cristo e o cristianismo.


Que Deus nos fortaleça na luta em defesa do amor divino. Precisamos mostrar que os cristãos defendem Cristo. Precisamos derrotar todos que ofendem a Nosso Senhor Jesus Cristo. É guerra e é o pior tipo de guerra, a guerra pelas almas. Mundo se destrói, dominado pelo satanismo.

Viva Cristo Rei! 


sábado, 30 de março de 2024

Judas e o Papa Francisco

 



Toda semana santa, durante o pontificado de Francisco, repete-se o fato de que Francisco diz que Judas foi perdoado por Cristo. Mais um vez ocorreu isto este ano

Estimulados por Francisco, gente que antes do pontificado de Francisco era completamemte conservadora teologicamente, agora contorce a Doutrina para se adequar às palavras de Francisco, começa a aceitar essa heresia, que se relaciona com a heresia do universalismo (todos seriam salvos).

O pontificado de Francisco me fez deixar de acompanhar esse tipo de gente, como Jimmy Akin e o Padre Robert Barron. Infelizmente, para mim, eles se perderam em adoração a um homem e não a Cristo.


Traduzo texto abaixo de Feser abaixo:



por Edward Feser.

Num artigo recente no Catholic Answers intitulado “Hope for Judas?” Jimmy Akin diz-nos que embora achasse convincente a visão tradicional de que Judas está condenado, agora parece-lhe que “não temos provas conclusivas de que Judas está no inferno, e ainda há um raio de esperança para ele. ” Mas há uma diferença entre esperança e ilusão. E com todo o respeito por Akin, parece-me que, dadas as evidências, a visão de que Judas pode ter sido salvo ultrapassa a linha entre a primeira e a segunda.
Evidência bíblica

A razão pela qual se afirma tradicionalmente que Judas está no inferno é que este parece ser o ensino claro de diversas passagens bíblicas, incluindo as palavras do próprio Cristo. Em Mateus 26:24, Jesus diz sobre Judas: “Ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Teria sido melhor para aquele homem se ele não tivesse nascido”  (Marcos 14:21 registra a mesma observação.) Na melhor das hipóteses, é extremamente difícil ver como isso poderia ser verdade para alguém que se arrependeu e foi salvo. Faz todo o sentido, porém, se Judas foi condenado. Mateus também nos diz que o último ato de Judas foi cometer suicídio (27:5), o que é um pecado mortal.

A evidência do evangelho de João não parece menos conclusiva. Rezando ao Pai pelos seus discípulos, Jesus, referindo-se novamente a Judas, diz que “nenhum deles está perdido, senão o filho da perdição” (17,12). É desnecessário dizer que é extremamente difícil ver como Judas poderia estar “perdido” e “perdido” e ainda assim ser salvo.

Depois, há os Atos dos Apóstolos. Relata que Pedro, referindo-se à morte de Judas e à necessidade de substituí-lo, disse: “Porque está escrito no livro dos Salmos: 'Fique desolada a sua habitação, e não haja quem nela habite' e 'Seu cargo deixe que outro ocupe'” (1:20). Isto implica o oposto de um destino feliz para Judas, e um versículo posterior confirma este julgamento pessimista. Somos informados de que Matias foi escolhido “para ocupar o lugar neste ministério e apostolado do qual Judas se desviou porque quis ir para o seu próprio lugar” (1:25). Como observa o comentário de Haydock, a referência parece ser “ao seu próprio lugar de perdição, para onde ele se dirigiu” (p. 1435).

Comentando a observação de Cristo em Mateus 26:24, Akin sugere que ela pode ter sido entendida como um aviso e não como uma predição. Nesta interpretação, Jesus estava apenas dizendo que seria melhor para o seu traidor não ter nascido se ele não se arrependesse. Mas isso deixa em aberto que Judas realmente se arrependeu. E, de fato, afirma Akin, temos evidências de que Judas se arrependeu logo no capítulo seguinte do Evangelho de Mateus, que nos diz:

Quando Judas, seu traidor, viu que estava condenado, arrependeu-se e devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e aos anciãos, dizendo: “Pequei ao trair sangue inocente”. (27:3-4)

Mas há vários problemas com este argumento. A primeira é que simplesmente não é plausível supor que as palavras de Cristo foram entendidas apenas como um aviso e não como uma previsão sobre o verdadeiro destino de Judas. Que seria melhor para os condenados não terem nascido é verdade para todos os que podem não se arrepender – você, eu, Judas, e, nesse caso, Pedro, que também traiu Jesus (e que, sabemos, realmente se arrependeu). E, no entanto, Cristo não faz esta observação sobre Pedro ou sobre qualquer outra pessoa, mas apenas sobre Judas. A implicação óbvia é que as palavras se aplicam a Judas de uma forma que não se aplicam a mais ninguém, e isso só pode ser o caso se ele for de fato condenado.

Um segundo problema é que Akin ignora outras passagens bíblicas relevantes. No Evangelho de João, Cristo diz que Judas está “perdido” e é um “filho da perdição”. Estas são observações peremptórias sobre o que acontece, e não sobre o que aconteceria se Judas não se arrependesse. Além disso, ele diz estas coisas ao Pai, não a Judas ou a qualquer outro discípulo. Portanto, dificilmente se pode dizer que são avisos para alguém. Depois, há as observações de Pedro em Atos, que implicam um destino infeliz para Judas e foram feitas após a morte de Judas, de modo que também não podem ser meros avisos sobre o que aconteceria se ele não se arrependesse.

Um terceiro problema é que a passagem citada por Akin tem sido tradicionalmente entendida como atribuindo a Judas um arrependimento meramente natural pelo que ele fez, e não a tristeza sobrenatural ou a contrição perfeita que seriam necessárias para a salvação. Isto é evidenciado pelo que acontece imediatamente após a passagem citada por Akin: “Eles disseram [a Judas], ‘O que é isso para nós? Cuide disso você mesmo.’ E, jogando as moedas de prata no templo, ele partiu; e ele foi e se enforcou” (27: 4-5). Como observa o comentário de Haydock, o Papa São Leão observa, portanto, que Judas mostrou apenas “um arrependimento infrutífero, acompanhado de um novo pecado de desespero” (p. 1311). Haydock observa que São João Crisóstomo também interpreta a passagem de Mateus como atribuindo apenas um arrependimento imperfeito a Judas.

Na verdade, Akin observa que “o suicídio nem sempre resulta no inferno porque uma pessoa pode não ser totalmente responsável por sua ação devido à falta de conhecimento, ou a fatores psicológicos, e porque 'de maneiras que só ele conhece', Deus pode ajudar a pessoa se arrependa.” Isto é verdade, mas não significa que tenhamos quaisquer motivos sérios para duvidar que o suicídio de Judas, especificamente, tenha resultado em condenação. Por um lado, não há nenhuma evidência real nas Escrituras de que Judas encontrou arrependimento sincero pouco antes do momento da morte. A própria ideia é, na melhor das hipóteses, pura especulação infundada. Mas por outro lado, e como já vimos, existem passagens bíblicas que fornecem provas positivas de que Judas foi de fato condenado. E, novamente, é assim que têm sido tradicionalmente interpretados.

Evidências da tradição

Autoridades posteriores reiteraram esta clara indicação das Escrituras de que Judas está condenado. Já observamos que o Papa São Leão Magno e São João Crisóstomo fazem isso. Papa Leão  discorre sobre o tema da seguinte forma:

A este perdão o traidor Judas não pôde alcançar: pois ele, o filho da perdição, a cujo direito estava o diabo, entregou-se ao desespero antes que Cristo cumprisse o mistério da redenção universal. Pois na medida em que o Senhor morreu pelos pecadores, talvez até ele pudesse ter encontrado a salvação se não tivesse se apressado em se enforcar. Mas aquele coração maligno, que agora estava entregue a fraudes ladrões, e agora ocupado com desígnios traiçoeiros, nunca havia entretido nada com as provas da misericórdia do Salvador... O perverso traidor recusou-se a entender isso, e tomou medidas contra si mesmo, não no autocondenação do arrependimento, mas na loucura da perdição, e assim aquele que vendeu o Autor da vida aos Seus assassinos, mesmo ao morrer aumentou a quantidade de pecados que o condenou.

Da mesma forma, em A Cidade de Deus, Santo Agostinho escreve:

Será que execramos com justiça o feito de Judas, e será que a própria verdade declara que, ao enforcar-se, ele mais agravou do que expiou a culpa daquela traição mais iníqua, visto que, ao desesperar-se da misericórdia de Deus em sua tristeza que causou a morte, ele não deixou para si mesmo não lugar para uma penitência curativa? … Pois Judas, quando se matou, matou um homem ímpio; mas ele passou desta vida acusado não apenas da morte de Cristo, mas também da sua própria: pois embora ele tenha se matado por causa de seu crime, matar-se foi outro crime. (Livro I, Capítulo 17)

É verdade que Orígenes e São Gregório de Nissa tinham esperança de que Judas se arrependesse. Mas estes Padres também flertaram notoriamente com o universalismo (que todos seriam salvos), que a Igreja desde então condenou, e isto torna suspeita a sua compreensão das passagens bíblicas relevantes para este tópico específico.

Em De Veritate, São Tomás de Aquino escreve:

No caso de Judas, o abuso da graça foi o motivo da sua reprovação, pois ele foi reprovado porque morreu sem a graça. Além disso, o fato de ele não ter tido graça quando morreu não se deveu à relutância de Deus em dá-la, mas à sua relutância em aceitá-la – como tanto Anselmo como Dionísio salientam. 

 

O Catecismo do Concílio de Trento promulgado pelo Papa São Pio V, no seu tratamento da penitência, diz: “[Alguns] entregam-se a tal melancolia e tristeza, que abandonam completamente toda esperança de salvação… Tal certamente era a condição de Judas, que, arrependido, se enforcou, e assim perdeu alma e corpo” (p. 264). E no tratamento do sacerdócio, o Catecismo diz:

Alguns são atraídos ao sacerdócio pela ambição e pelo amor às honras; enquanto há outros que desejam ser ordenados simplesmente para que possam abundar em riquezas... Eles não obtêm nenhum outro fruto do seu sacerdócio do que o que Judas obteve do Apostolado, que só lhe trouxe a destruição eterna. (pág. 319)

A Igreja também nunca rezou pela alma de Judas no seu culto formal. Pelo contrário, a liturgia tradicional da Quinta-feira Santa contém a seguinte oração:

Ó Deus, de quem Judas recebeu o castigo da sua culpa, e o ladrão a recompensa da sua confissão, concede-nos o efeito da Tua clemência: que como nosso Senhor Jesus Cristo na Sua paixão deu a cada um uma recompensa diferente de acordo com os seus méritos, assim, Ele pode nos libertar de nossos antigos pecados e nos conceder a graça de Sua ressurreição. Quem vive e reina.

Outras autoridades poderiam ser citadas, mas isso é suficiente para deixar claro que tem sido opinião comum na história da Igreja que Judas está no inferno. Na verdade, a Igreja tem estado tão confiante sobre isto que a suposição de que Judas está condenado tem sido tradicionalmente reflectida até na sua catequese e no seu culto.

Agora, isso seria extremamente estranho se realmente houvesse algum motivo sério para esperar que Judas seja salvo. Como nos lembra o Código de Direito Canônico, “a salvação das almas… deve ser sempre a lei suprema na Igreja” (1752). E Cristo nos ordenou a famosa ordem de orar pelos nossos inimigos (Mateus 5:44). Como então, consistente com o ensinamento de Cristo e com a sua lei suprema, poderia a Igreja, durante dois milênios, deixar de rezar pela alma de Judas se realmente houvesse alguma esperança para a sua salvação? A Igreja também garante aos pecadores que não há pecado, por mais grave que seja, que não possa ser perdoado se apenas um estiver verdadeiramente arrependido. Que melhor ilustração disto poderia haver do que o arrependimento do próprio traidor de Cristo – se é que ele realmente se tinha arrependido? E, no entanto, a Igreja não só nunca apresentou Judas como um sinal de esperança, mas, pelo contrário, apontou-o como uma ilustração do que espera aqueles que recusam a misericórdia de Cristo.

A única evidência da tradição que Akin cita em defesa da sua própria posição são algumas observações do Papa São João Paulo II e do Papa Bento XVI. Em particular, ele observa que João Paulo uma vez afirmou que não é “certo” a partir de Mateus 26:24 que Judas seja condenado. E Bento XVI, observa Akin, observou certa vez que “não cabe a nós” fazer um julgamento sobre o suicídio de Judas.

Mas esta dificilmente é uma resposta poderosa ao caso das Escrituras e da tradição que resumi. Por um lado, a observação de João Paulo II não foi feita no contexto de um documento magisterial, mas sim no livro de entrevistas Crossing the Threshold of Hope. É apenas a expressão da sua opinião como teólogo privado. Além disso, é apenas uma afirmação sobre Mateus 26:24 e não aborda as considerações que indicam que a passagem realmente mostra que Judas está condenado. Nem João Paulo II aborda outras passagens bíblicas relevantes, ou as evidências da tradição posterior.

O comentário de Bento XVI foi feito durante uma audiência geral, que tem um baixo grau de autoridade em comparação com as passagens relevantes das Escrituras, dos Padres e do resto da tradição citada acima. Além disso, Bento também reconhece que “Jesus pronuncia um julgamento muito severo sobre [Judas]”, e prossegue contrastando o destino de Judas com o de Pedro:

Após sua queda, Pedro se arrependeu e encontrou perdão e graça. Judas também se arrependeu, mas o seu arrependimento degenerou em desespero e tornou-se assim autodestrutivo. Para nós é um convite a recordar sempre o que diz São Bento no final do capítulo quinto fundamental da sua “Regra”: “Nunca desesperares da misericórdia de Deus”.

Escusado será dizer que estas observações de Bento XVI tendem a apoiar, em vez de minar, a visão tradicional de que o suicídio de Judas mostra que ele tinha sucumbido ao pecado do desespero.

“Então você está me dizendo que há uma chance?”

Pode parecer frívolo, quando se trata de um assunto tão sério, aludir a um filme de comédia grosseira como Dumb and Dumber. Mas contém uma frase tão adequada que correrei o risco. Em uma cena famosa, o personagem de Jim Carrey pergunta a uma garota que ele tem uma queda sobre a probabilidade de um dia ela retribuir seus sentimentos. Ela diz que as chances são de “uma em um milhão”. Ao que ele responde: “Então você está me dizendo que há uma chance! SIM!!"

O que ela realmente quer dizer, é claro, é que as probabilidades são tão extremamente baixas que, na prática, não há chance alguma. Mas a lição que ele tira é que, como ela não disse que as chances são zero, ele tem motivos razoáveis para ter esperança.

Jimmy Akin é um cara inteligente por quem só tenho respeito, então certamente não o estou comparando ao personagem de Jim Carrey! Mas nesta questão específica, parece-me que ele, tal como outros que resistiram à visão tradicional de que Judas está condenado, estão a cometer um erro semelhante ao que esse personagem comete. Porque, supõem eles, a evidência das Escrituras e da tradição não implica estritamente que Judas esteja condenado, julgam que é razoável esperar que não o seja. Na verdade, eles olham para o que as evidências dizem e respondem: “Então você está me dizendo que há uma chance!” E, como o personagem de Carrey, eles não entendem completamente o assunto.



quinta-feira, 28 de março de 2024

Igreja Ortodoxa Russa Condena Formalmente e Fortemente o Fiducia Supplicans

 


Os católicos vivem a humilhação se serem protegidos por outra Igreja, pois as lideranças da Igreja Católica se rebaixam para o mundo.

Recentemente, o Papa Francisco fez um aceno de apoio a Rússia na guerra contra a Ucrânia. Recentemente, foi revelado em nova autobiografia de Francisco que apoia o casamento civil gay, porque, segundo Francisco "quem vivem o dom do amor podem ter cobertura jurídica". Um pouco antes, Francisco assinou o documento Fiducia Supplicans que tenta estabelecer a benção a casais homossexuais. 

Por outro lado, recentemente Francisco disse que a coisa "piu brutta" (mais feia) do mundo é a ideologia de gênero.

Como conciliar isso? Francisco desde o começo do pontificado ficou famoso por dizer "quem sou eu para julgar os homossexuais" e por receber constantemente gays e transgêneros para mostrar apoio. Além disso, nunca condenou nenhum padre que se mostre gay ou que abençoe a casais gays de forma liturgica e sempre elevou aos mais altos cargos no Vaticano aqueles que se posicionam em favor do gayzismo, enquanto persegue o clero tradiciobalista. 

O Fiducia Supplicans é o ápice de apoio de Francisco ao gayzismo. 

A recente frase do papa Francisco contra ideologia de gênero foi lida por apoiadores do gayzismo como sendo dita pelo papa mas que teria sido escrita por outra pessoa. Não vou por esse caminho. 

Francisco é primordialmente o papa da confusão, a confusão é diabólica, perturba a fé, isso é principalmente o que faz Francisco. Além disso, Francisco tem tradição peronista, peronista não tem princípio fala de acordo com a audiência. 

Os fatos falam por si, Francisco apoia o gayzismo, sua frase é apenas uma homenagem à virtude que só traz confusão.

A Igreja Ortodoxa Russa entendeu isso, desprezou o apoio que Francisco acenou para Putin e condenou o Fiducia Supplicans nos mais altos termos e reconheceu que muitos bispos e padres católicos reagiram contra o Fiducia Supplicanss 

O texto da Igreja Ortodoxa Russa é do último dia 25 de Março de 2024, não foi traduzido oficialmente para o inglês. Mas vou usar  Google Translate para traduzir para o Português abaixo:


Sobre a atitude ortodoxa em relação à nova prática de abençoar “casais em situação instável e casais do mesmo sexo” na Igreja Católica Romana

Introdução

A nova prática de abençoar “casais em situação não resolvida e casais do mesmo sexo” é apresentada no documento “Fiducia supplicans” (latim para “Invocar Confiança”) adotado pela Congregação para a Doutrina da Fé da Igreja Católica Romana . O documento foi publicado em recursos oficiais do Vaticano em 18 de dezembro de 2023. Foi assinado pelo Prefeito da Congregação, Cardeal Manuel Fernández, e pelo Secretário do Departamento Doutrinário, Armando Matteo, e aprovado e assinado pelo Papa Francisco.

A Declaração “Fiducia supplicans” é uma resposta às perguntas do público católico sobre o documento da Congregação para a Doutrina da Fé sobre a bênção de “casais do mesmo sexo”, datado de 22 de fevereiro de 20212, que afirmava explicitamente a impossibilidade de abençoar “uniões do mesmo sexo”. No novo documento da Congregação para a Doutrina da Fé, aprovado pelo Papa, esta posição inequívoca é alterada: propõe-se reconhecer a bênção dos casais em “situação instável” e a “coabitação entre pessoas do mesmo sexo” como possível sob certas condições.

As ideias expressas na declaração de “Fiducia supplicans” representam um desvio significativo do ensinamento moral cristão e requerem análise teológica.

1. Sobre os entendimentos “clássico” e “ampliado” de bênção neste documento

O atributo chave da bênção, segundo a declaração, é o foco deste ato na “glorificação de Deus e no benefício espiritual do Seu povo”. A compreensão “clássica” da bênção “exige que o que é abençoado corresponda à vontade de Deus expressa no ensinamento da Igreja”.

Contudo, a lógica adicional da declaração visa “expandir” e “enriquecer” a compreensão clássica do significado das bênçãos. A base para este novo entendimento é a opinião do Papa Francisco sobre a possibilidade de “formas de bênção solicitadas por uma ou mais pessoas que não carreguem uma concepção errada sobre o casamento”. Esta opinião foi expressa nas “Respostas às perguntas propostas por dois cardeais” publicadas no site oficial do Vaticano em 20237. Incluía um apelo “a não perder a caridade pastoral... e a não sermos 'juízes que apenas negam, negam, excluem'”, o que levou a Congregação para a Doutrina da Fé a formular “uma contribuição especial e inovadora para a significado pastoral das bênçãos, o que lhes permite ampliar e enriquecer a sua compreensão clássica do ponto de vista litúrgico".

A “ampliação” da compreensão das bênçãos baseia-se apenas na tese de que múltiplas atitudes morais “podem obscurecer o poder incondicional do amor de Deus no qual se baseia o gesto de bênção”. Com base nesta tese, os autores da declaração propõem evitar situações em que “uma simples bênção exija as mesmas condições morais que para receber os sacramentos”.

A ausência de exigências morais para os bem-aventurados é justificada pelo desejo de não ofuscar o amor de Deus. Contudo, o amor de Deus pelo homem não pode servir de base para abençoar casais que vivem em coabitação pecaminosa. Deus ama o homem, mas também o chama à perfeição: “Sede perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5:48). O amor de Deus pelo homem chama-o a renunciar ao pecado que destrói a sua vida. Por conseguinte, a pastoral da pessoa deve combinar harmoniosamente uma indicação clara da inadmissibilidade de um estilo de vida pecaminoso com um amor que conduz ao arrependimento.

O documento não esclarece o que significa uma “situação instável”. Uma vez que “casais do mesmo sexo” são destacados como uma categoria separada, pode-se presumir que por “situação instável” queremos dizer tal coabitação de um homem e uma mulher que não é santificada pelo sacramento do Casamento.

O documento Fiducia suplicans nada diz sobre a necessidade de “resolver” canonicamente o relacionamento antes de receber a bênção. Consequentemente, estamos a falar de introduzir uma certa forma de legitimação indirecta daquilo que, no fundo, é ilegítimo, apesar da cláusula contida no documento de que, ao pedir tal bênção, uma pessoa em coabitação “instável” alegadamente “não pretende legitimar qualquer coisa, mas apenas abre a sua vida a Deus, pede a Sua ajuda para viver melhor, e também invoca o Espírito Santo para que os valores do Evangelho possam ser vividos com maior fidelidade.

O conceito de pecado aparece diversas vezes na declaração, mas exclusivamente no contexto das discussões sobre o amor, o perdão e a bênção de Deus: “o pecado do mundo é enorme, mas não é infinito”; “portanto, somos mais importantes para Deus do que todos os pecados que possamos cometer”; “Quando uma pessoa percebe os dons do Senhor e o Seu amor incondicional, mesmo em situações de pecado, principalmente quando uma oração é ouvida, o coração do crente louva a Deus e O abençoa”; “a própria liturgia da Igreja chama-nos a uma atitude tão confiante mesmo no meio dos nossos pecados”; “mesmo que o seu relacionamento com Deus seja prejudicado pelo pecado, você sempre pode pedir bênçãos estendendo a mão a Ele, como Pedro fez durante a tempestade.”

A Declaração nada diz sobre a luta contra o pecado, sobre a renúncia a um estilo de vida pecaminoso, ou sobre a assistência pastoral ao crente na superação do pecado. O texto da declaração está compilado de tal forma que dela se pode concluir que um estilo de vida pecaminoso não serve como obstáculo à comunhão com Deus. A Declaração silencia completamente sobre o sacramento do Arrependimento como uma fonte necessária para receber a graça Divina para todos que desejam corrigir tudo em suas vidas que seja inconsistente com a vontade de Deus.

A opinião do Papa Francisco sobre os motivos de quem pede bênçãos, expressa na declaração, merece especial atenção: “Quando uma pessoa pede uma bênção, recorre a Deus em busca de ajuda, esta é uma oração para viver melhor, confiar em o Pai, que pode nos ajudar a viver melhor.”. Em relação à situação da bênção de um casal que vive numa união pecaminosa, não podemos concordar que todos os que vêm buscar a bênção sejam guiados precisamente por este motivo. Para as pessoas que estão cientes do perigo espiritual de sua condição e desejam recorrer a Deus em busca de ajuda, seria mais natural e correto buscar bênçãos e ajuda espiritual não como casal, mas individualmente, a fim de fortalecer sua determinação de quebrar com um estilo de vida pecaminoso. É provável que um casal que pede bênçãos sem expressar o desejo de renunciar a um estilo de vida pecaminoso queira receber a legitimação da sua relação, que não corresponde às normas da vida cristã, para acalmar a sua consciência.

2. Sobre a bênção dos “casais do mesmo sexo”

Os autores da declaração afirmam que a Igreja Católica parte da compreensão do casamento como “união exclusiva, estável e indissolúvel entre um homem e uma mulher, naturalmente aberta ao nascimento de filhos. Esta compreensão do casamento corresponde ao ensino ortodoxo, expresso, em particular, no documento da Igreja Ortodoxa Russa “Sobre os aspectos canônicos do casamento na igreja”: “A Igreja categoricamente não reconhece e não reconhece uniões de pessoas do mesmo sexo como o casamento, independentemente do seu reconhecimento ou não reconhecimento pela lei civil, bem como outras formas de coabitação que não correspondam à definição anteriormente dada de casamento como a união entre um homem e uma mulher”.

Contudo, além de afirmar a inviolabilidade da compreensão do casamento como união entre um homem e uma mulher abençoada pela Igreja, o texto da “Fiducia supplicans” proclama a possibilidade de abençoar “casais do mesmo sexo”. Toda a secção do documento dedicada a estas bênçãos está em conflito radical com o ensino moral cristão.

O documento, de facto, equipara a coabitação entre pessoas do mesmo sexo à coabitação heterossexual extraconjugal. Entretanto, a coabitação extraconjugal entre pessoas de sexos diferentes está reflectida no direito canónico da Igreja Católica, enquanto a bênção de “casais do mesmo sexo” é um fenómeno novo.

Para receber a bênção, as pessoas em tal convivência não necessitam, segundo o documento, de qualquer mudança no estilo de vida. Sem quaisquer condições prévias, aqueles “que, reconhecendo-se desamparados e necessitados da Sua ajuda, não reivindicam a legitimidade do seu estatuto, mas pedem que tudo o que é verdadeiro, bom e humanamente válido nas suas vidas e relações seja complementado, curado e elevados pela presença do Espírito Santo" possam receber a bênção que é enviada "para que as relações humanas amadureçam e cresçam na fidelidade à mensagem evangélica, libertem-se da imperfeição e da fraqueza e expressem-se na dimensão mais ampla do amor divino" .

Esta aplicação da compreensão “ampliada” das bênçãos aos “casais do mesmo sexo” causa um desacordo fundamental. Se a bênção tem como objetivo curar os relacionamentos humanos pela presença do Espírito Santo, então tal cura, neste caso, só pode ser a cessação dos relacionamentos pecaminosos. Para “amadurecer e crescer na fidelidade à mensagem do evangelho”, tal casal deve abandonar relacionamentos que não sejam consistentes com essa mensagem. Caso contrário, a bênção se tornará uma desculpa para o pecado. Assim, a lógica da declaração pode ser avaliada como contrária ao ensinamento moral cristão.

Deve-se notar também que as pessoas em uniões pecaminosas são chamadas de “despossuídos”, como se um defeito moral não implicasse a sua escolha consciente e livre. A ênfase muda da compreensão do fato de o pecador tomar uma decisão moral para a natureza desastrosa de sua situação.

O documento Fiducia suplicans não define a “coabitação entre pessoas do mesmo sexo” como pecaminosa. Um exemplo oposto neste caso pode ser a posição da Igreja Ortodoxa Russa, que deu uma compreensão das relações entre pessoas do mesmo sexo no documento “Fundamentos de um Conceito Social”, onde a homossexualidade é direta e inequivocamente chamada de “dano pecaminoso à natureza humana, que é superado no esforço espiritual que leva à cura e ao crescimento pessoal de uma pessoa.” .

O documento equipara a bênção de “casais do mesmo sexo” à bênção de casais em “situação instável”. Em ambos os casos, esta bênção é levada para além do quadro do sacramento do Matrimónio, bem como para além do quadro dos ritos litúrgicos fixos. Além disso, as recomendações práticas contidas no documento não são menos ambíguas do que as posições teológicas das quais derivam.

Nas palavras do documento, “a prudência e a sabedoria pastoral podem ditar que, evitando formas graves de tentação ou constrangimento entre os fiéis, o ministro ordenado se junte às orações daquelas pessoas que, embora numa união que não se compara a casamento, desejam confiar-se ao Senhor e à sua misericórdia, invocar a sua ajuda e ser orientados para uma maior compreensão dos seus desígnios de amor e de verdade». A forma de bênção utilizada para pessoas em “situações instáveis” e para “casais do mesmo sexo” “não deve ser reforçada ritualmente pelas autoridades eclesiásticas, para não causar confusão com a bênção inerente ao sacramento do casamento.”

Por outras palavras, os autores da declaração vêem o perigo não na “situação instável” ou na “coabitação entre pessoas do mesmo sexo” em si, mas na tentação, constrangimento ou confusão que pode surgir entre os crentes como resultado do facto de a bênção dado pelo padre se assemelhará externamente ao sacramento do casamento. Para evitar as mesmas consequências, a declaração especifica que a bênção de tais casais “não faz parte do rito litúrgico”.

A saída para a contradição entre, por um lado, o ensino da Igreja sobre o casamento como uma união entre um homem e uma mulher e, por outro, a prática “inovadora” de abençoar “casais do mesmo sexo” que está sendo introduzida, é vista pelos autores da declaração de que tais bênçãos deveriam ser “espontâneas””: “A sensibilidade pastoral do clero ordenado também deve ser desenvolvida para administrar espontaneamente bênçãos que não estão contidas no De Benedictionibus”.

O clero é assim directamente encorajado a inventar ritos não encontrados na colecção litúrgica De Benedictionibus (Sobre as Bênçãos), que contém ritos de bênção para pessoas de diferentes grupos sociais e estatutos. A bênção de “casais do mesmo sexo”, bem como de casais em relacionamentos “instáveis”, é equiparada à bênção de vários grupos sociais. Contudo, esta abordagem ignora novamente a necessidade de que aquilo que está sendo abençoado concorde com a vontade de Deus. Em vez disso, os sacerdotes são convidados a abençoar “espontaneamente” os casais que vivem em coabitação que é contrária ao ensinamento moral da Igreja.

A preocupação de que “estas bênçãos não ritualizadas... não se tornem um acto litúrgico ou paralitúrgico como um sacramento” aparece repetidamente no documento sob várias formas. Mas a explicação para esta preocupação é dada da seguinte forma: “Seria um grave empobrecimento, pois submeteria um gesto de grande valor na piedade popular a um controle excessivo, que privaria os ministros da liberdade e da espontaneidade na pastoral da vida das pessoas”. 

Em outras palavras, como decorre do documento, o perigo não é que a bênção de tais casais pareça uma aprovação de coabitação ilegal do ponto de vista da Igreja, mas apenas se estiver próxima das formas litúrgicas estabelecidas. , dará formalismo excessivo ao ato, que é pensado como “espontâneo”.

É por esta razão, segundo os autores do documento, que “o ritual de bênção de casais em situação não resolvida não deve ser incentivado nem oferecido”. Esta bênção “nunca deve ser realizada em conjunto ou em conexão com uma cerimônia de casamento civil. Nem devem ser usados ​​trajes, gestos ou palavras condizentes com o casamento. O mesmo se aplica aos casos em que a bênção é solicitada por um casal do mesmo sexo.” Tal bênção, segundo o documento, pode ser ensinada em contextos como “uma visita a um santuário, um encontro com um sacerdote, uma oração feita em grupo ou durante uma peregrinação”.

Todas as recomendações acima representam uma tentativa de evitar o reconhecimento da “coabitação entre pessoas do mesmo sexo” como pecaminosa, de evitar indicar a necessidade de abandonar um estilo de vida pecaminoso e, em vez disso, criar a ilusão de que uma escolha consciente em favor de um estilo de vida pecaminoso não priva um casal da bênção de Deus.

3. Reação à declaração no mundo católico

A declaração “Fiducia supplicans” causou ampla ressonância no mundo católico. Representantes da ala liberal da Igreja Católica e das minorias sexuais responderam positivamente a isso. Ao mesmo tempo, muitos católicos tradicionais estão profundamente decepcionados com a declaração. Várias estruturas locais da Igreja Católica também manifestam o seu desacordo com isso.

Em particular, a declaração da Arquidiocese Católica de Astana, datada de 19 de dezembro de 2023, diz: “Tal bênção contradiz direta e seriamente a Revelação de Deus e os inextricáveis ​​dois mil anos de ensino e prática da Igreja Católica. Abençoar casais em situações casuais e casais do mesmo sexo é um grave abuso do santíssimo nome de Deus, pois é invocado na união pecaminosa oficial de adultério ou ato homossexual.”

A Conferência dos Bispos Católicos da Nigéria, numa declaração datada de 20 de dezembro de 2023, sublinhou que “o ensinamento da Igreja Católica sobre o casamento permanece inalterado. Assim, não é possível no ensino da Igreja abençoar as uniões entre pessoas do mesmo sexo.”34

De acordo com a declaração da Conferência dos Bispos Católicos Húngaros de 27 de dezembro de 2023, “todas as pessoas, independentemente da sua identidade de género e orientação sexual, podem ser abençoadas individualmente, mas as bênçãos gerais dos casais que vivem juntos numa parceria simples, não religiosa o casamento ou o casamento entre pessoas do mesmo sexo devem ser sempre evitados.” união"35.


A declaração da Conferência dos Bispos Católicos da Bielorrússia, datada de 1 de fevereiro de 2024, afirma: “A Igreja Católica na Bielorrússia não pretende implementar na prática a possibilidade proposta pela Declaração de abençoar casais que vivem em união irregular e casais do mesmo sexo. .. Uma bênção extra-litúrgica pode ser dada a todos que a solicitarem. No entanto, é sempre necessário evitar abençoar especificamente os casais que vivem num casamento dito civil, bem como aqueles que vivem em casamentos canonicamente inválidos ou casais do mesmo sexo. Tal bênção pode ser percebida por outros crentes como consentimento para pecar.”36

A mensagem informativa sobre a reunião LIX da Assembleia Plenária da Conferência dos Bispos Católicos da Rússia (KKER), realizada de 28 a 29 de fevereiro de 2024, afirma: “Tendo em conta os mal-entendidos que surgiram em relação à declaração de Fiducia supplicans, KKER considerou necessário enfatizar que a doutrina católica sobre família e casamento permanece inalterada... Para evitar tentações e confusões, KKER chama a atenção para o fato de que são abençoadas qualquer tipo de casal que persista em relacionamentos não regulamentados do ponto de vista da moralidade cristã (coabitação, segundo casamento, mesmo sexo) são inaceitáveis.”37

Conclusões

A Declaração de Fiducia supplicans, embora declare formalmente a fidelidade à compreensão cristã do sacramento do Matrimônio e da prática das bênçãos, na verdade postula um afastamento acentuado desta fidelidade. Como pode ser visto na análise acima, este afastamento significa uma rejeição do ideal moral cristão.

A introdução de uma nova compreensão, além da compreensão “clássica” das bênçãos (associada ao cumprimento da vontade de Deus por aqueles que são abençoados), não é fundamentada pelas Sagradas Escrituras no texto do documento. Não pode haver tal justificação, uma vez que, em essência, a prática introduzida de bênçãos está em contradição radical com o ensino moral bíblico.

Do ponto de vista teológico, a compreensão unilateral e incompleta do amor de Deus pelo homem, refletida nesta declaração, parece muito perigosa. Nessa compreensão, os conceitos de pecado e arrependimento são, na verdade, afastados do relacionamento entre Deus e o homem, o que leva a uma lógica tão paradoxal quando pessoas em relacionamentos pecaminosos recorrem não ao arrependimento e ao trabalho espiritual, mas a alguma forma de bênção na esperança. de receber “cura” e “elevação”. Ao mesmo tempo, a declaração não articula o facto de que a “cura” e a “exaltação” devem ser precedidas pelo menos pela intenção de renunciar a relações pecaminosas.

No contexto dos processos que ocorrem na comunidade cristã, este documento pode ser percebido como um passo em direção ao pleno reconhecimento das “uniões do mesmo sexo” pela Igreja Católica Romana como norma, o que já aconteceu em vários países protestantes. comunidades.

Todos os crentes, incluindo aqueles com aspirações homossexuais, necessitam de cuidado pastoral. No entanto, esta pastoral não deve ter como objetivo legitimar um estilo de vida pecaminoso, mas sim curar a alma dos sofredores, como está justamente escrito sobre isso nos “Fundamentos do Conceito Social da Igreja Ortodoxa Russa”: “Aspirações homossexuais, como outras paixões que atormentam o homem caído, são curadas pelos Sacramentos, oração, jejum, arrependimento, leitura das Sagradas Escrituras e obras patrísticas, bem como pela comunicação cristã com os crentes que estão prontos para fornecer apoio espiritual. Ao mesmo tempo que trata as pessoas com tendências homossexuais com responsabilidade pastoral, a Igreja ao mesmo tempo resiste resolutamente às tentativas de apresentar uma tendência pecaminosa como uma “norma”38.

Apesar de a declaração “Fiducia supplicans” ser um documento interno da Igreja Católica, a Igreja Ortodoxa Russa considera seu dever responder a tais inovações radicais que rejeitam as normas divinamente reveladas da moralidade cristã. A Igreja, com amor maternal e condescendência aceitando cada pecador individual que pede a sua bênção, não pode abençoar “casais do mesmo sexo” de qualquer forma, pois isso significaria o consentimento real da Igreja a uma união que é de natureza pecaminosa.


quarta-feira, 27 de março de 2024

Padre: Aprenda a Celebrar a Missa Latina

 


O site Mass of the Ages (Missa de Todos os Tempos) está disponibilizando um curso gratuito para ensinar padres a celebrar missas latinas. Achei sensacional. Para os padres brasileiros, no entanto, precisam saber inglês para acompanhar as lições. São mais de vinte episódios de aula que ensinam em detalhes a celebração, desde o missal e o altar.

Cliquem aqui procurem a imagem acima e cliquem em Priest Training


terça-feira, 26 de março de 2024

Rapper Católico E-Knock - The Passion (A Paixão de Cristo)


Nunca ouço rappers, mas ao parar para ver a letra desse rap do rapper católico E-Knock tive que colocar no blog,

Belíssima letra. Cristo consegue purificar qualquer música.

sexta-feira, 15 de março de 2024

Rússia, em Guerra, Festeja Papa Francisco

 



Rússia não deixou escapar o aniversário de pontificado de Francisco para lhe agradecer o apoio na guerra, dizendo que ele é "um dos poucos líderes políticos do mundo com um ponto de vista realmente estratégico".

Francisco está do lado de gente como Lula (e também Bolsonaro) e Maduro. Esses líderes políticos globais com ótima estratégia para a destruição da humanidade.

Alguns podem dizer que Francisco está do lado de Orbán da Hungria. Mas eu tive a graça de visitar a Hungria já com a guerra iniciada e perguntei aos sempre informados taxistas (hehehe) o que achavam da guerra. Detalhe: Hungria faz fronteira com a Ucrânia. As informações que eu tive era que haviam muitos ucranianos na Hungria, que o Orbán estava fornecendo apoio todos, apesar de que os ucranianos preferiam ir para Alemanha onde tinham mais apoio de benesses estatais. E que Orbán estava certo em tentar conter os impactos da guerra. 

O que quero dizer é que por estar tão perto do conflito, a análise sobre Orbán deve ser feita com mais cuidado. Eu não tenho tempo para me dedicar ao tema.