sábado, 25 de maio de 2019

A Homilia do Papa sobre Tradições. Dirimindo Dúvidas.


Alguns dos meus ilustres leitores levantaram a hipótese de que a reportagem do Breibart pode não ter feito jus ao que disse o Papa Francisco, no post que fiz ontem.

Bem, então vamos analisar a homilia inteira e ver isso de perto, olhando a homilia descrita no site do Vaticano.

Primeiro de forma geral, a homilia traz as características do Papa Francisco, presentes em seus discursos e encíclicas, quais sejam:

1) A muleta do "Deus é amor", muleta de 90% dos padres latino-americanos. A ideia de "Deus é amor" nunca vem com muita qualificação;

2) Tentativa de relacionar qualquer assunto com os "pobres", pobres no sentido material, outra muleta latino-americana;

3) Ambiguidade e falta de lógica argumentativa.

O parágrafo chave da reportagem do Breibart que mostrei ontem é o parágrafo terceiro (em negrito abaixo).

A primeira coisa que se tem nesse parágrafo é que ele é mal escrito, posssui uma linguagem de negativos e afirmativos juntos que perturbam o entendimento.

Vou traduzir o parágrafo:

"Vamos começar com o último ponto, a coragem da renúncia. O resultado dessa grande disputa não foi o de impor algo novo, mas de deixar ir algo antigo. Mas aqueles primeiros cristãos não abandonaram coisas que não eram importantes: era sobre tradições e importantes preceitos religiosos que eram caros ao povo escolhido. O que estava em jogo era a identidade religiosa. No entanto, eles escolheram que a proclamação do Senhor veio primeiro e foi isso que contou mais do que qualquer coisa. Para o bem da missão, proclamar que Deus é Amor a todos de uma forma transparente e credível, até mesmo aquelas convicções e tradições humanas que são mais um obstáculo que uma ajuda, podem e devem ser deixadas de lado. Nós também precisamos redescobrir juntos a beleza da renúncia, acima de tudo de nós mesmos. São Pedro diz que o Senhor “purificou os seus corações pela fé” (veja Atos 15,9). Deus purifica, simplifica, muitas vezes faz as coisas crescerem, tirando, não acrescentando, que é o que faríamos. A fé verdadeira purifica dos apegos. Seguir o Senhor requer andar depressa e andar depressa, você precisa se aliviar, mesmo que isso custe. Como Igreja, não somos chamados a empreendimentos comerciais, mas a empreendimentos evangélicos. Ao nos purificarmos, ao nos reformarmos devemos evitar o gattopardismo, isto é, fazer parecer que algo mudou quando na realidade nada mudou. Isso acontece quando, por exemplo, para acompanhar os tempos, a superfície é retocada, mas é apenas maquiagem para fazer algo parecer novo. O Senhor não quer ajustes cosméticos; Ele quer a conversão do coração que acontece através da renúncia. Sair de si mesmo é a reforma fundamental."

Vejam o encadeamento lógico:

1) Primeiro diz que no Atos dos Apóstolos temos a ideia de "coragem da renúncia", de deixar a velha tradição ir;

2) Mas logo diz que os apóstolos, os primeiros cristãos, não fizeram isso. Não abandonaram o que não era importante. Eles não fizeram porque estavam preocupados com a identidade da religião;

3) Mas em seguida o Papa diz que esses apóstolos colocaram o "Deus é amor" acima das tradições (o que de cara contradiz o item 2);

4) Daí, o Papa vai dizer que devemos também a aprender a abandonar as convicções  e tradições humanas "que não ajudam". "Essas convicções e tradições podem e devem ser abandonadas", nas palavras do Papa.

5) Depois diz que Cristo deseja a renúncia, deseja que nos aliviemos daquilo que "não ajuda".

Em suma, o entendimento do Breibart está correto.

O resto da homilia recai sobre aquelas muletas que falei anteriormente, em um discurso vago.

Abaixo vai toda a homilia, tendo como fonte o Vaticano.



Holy Mass for the opening of the 21st General Assembly of “Caritas Internationalis”, 23.05.2019
Homily of the Holy Father
The Word of God, in the Reading for the day from the Acts of the Apostles, narrates the first big reunion in the history of the Church. An unexpected situation had come up: the pagans were embracing the faith. And so a question arose: do they need also to adapt themselves, like the others, to the norms of the ancient Law? It was a difficult decision to make and the Lord was no longer present. It could be asked: why hadn’t Jesus left some recommendation that could have at least resolved this first “big dispute” (Acts 5,7)? Even a small suggestion would have been enough for the Apostles, who had been with Him every day for years. Why hadn’t Jesus given rules that were always clear which would have led to rapid resolutions?
This is the temptation to efficiency, of thinking that the Church is all right if it has everything under control, if it lives without disturbances, with its agenda always in order. But the Lord does not work that way, in fact, he does not send a response from heaven to the Apostles, he sends the Holy Spirit. And the Spirit does not come bearing an agenda, he comes as fire. Jesus does not want the Church to be a perfect model, which is pleased with its own organization and is capable of defending its own good name. Jesus did not live like that, but as one on a journey, without fearing life’s surprises. The Gospel is our programme of life. It teaches us that questions should not be confronted with a ready-to-use recipe and that faith is not a road map, but it is a “Way” (Acts 9,2) to travel together, always together, with a spirit of trust. From the account in Acts we learn three essential elements for the Church on its way: the humility of listening, the charism of the whole, the courage of renunciation.
Let’s begin with the last point, the courage of renunciation. The outcome of that big dispute was not that of imposing something new, but of letting go of something old. But those first Christians did not abandon things that didn’t count: it was about traditions and important religious precepts that were dear to the chosen people. What was at stake was religious identity. Yet, they chose that the proclamation of the Lord came first and that was what counted more than anything. For the good of the mission, to proclaim that God is Love to everyone in a way that was transparent and credible, even those human convictions and traditions which are more an obstacle than a help, can and must be let go of. We too need to rediscover together the beauty of renunciation, above all of ourselves. Saint Peter says that the Lord “purified their hearts by faith” (see Acts 15,9). God purifies, simplifies, he often makes things grow by taking away, not by adding, which is what we would do. True faith purifies from attachments. To follow the Lord requires walking quickly and to walk quickly you need to lighten yourself, even if it costs. As a Church, we are not called to commercial undertakings, but to evangelical enterprises. In purifying ourselves, in reforming ourselves we must avoid gattopardismo, that is, making it seem that something has changed when in reality nothing has changed. This happens when, for example, to keep up with the times, the surface is touched up, but it is only make-up to make something seem new. The Lord does not want cosmetic adjustments; He wants the conversion of the heart which happens through renunciation. Going out of oneself is the fundamental reform.
Let us see how the first Christians arrived there. They arrived at having the courage of renunciation beginning with the humility of listening. They practiced being disinterested in themselves: we see that each person allows the other to speak and is willing to change their own convictions. Only the one who allows the voice of another to truly enter within him or herself knows how to listen. When interest in others grows, disinterest in oneself grows. One becomes humble by following the path of listening, which holds you back from wanting to be affirmed, from resolutely advancing your own ideas, from seeking consensus by any means. Humility is born when, rather than speaking, one listens; when you stop being at the centre. It then grows through humiliations. It is the path of human service, the one that Jesus trod. It is on this path of charity that the Spirit descends and directs.
For the person who wants to travel the paths of charity, the humility of listening means ears turned to the least. Let us turn our gaze once again to the first Christians: everyone became silent to listen to Barnabas and Paul. They were the last to have arrived, but they allow them to report all that God had accomplished through them (see v. 12). Listening to everyone’s voice is always important, especially the littlest and the last. In the world, those who have more possibilities speak the most, but it must not be like this among us because God loves to reveal himself through the smallest and the least. And He asks everyone not to look at anyone from top down.
Lastly, listening to life: Paul and Barnabas recount experiences, not ideas. The Church discerns like this; not before the computer, but before the peoples’ experiences. People before programmes, with the humble gaze of one who seeks the presence of God in others, who does not inhabit in the greatness of that which we accomplish, but in the littleness of the poor persons that we meet. If we do not look directly at them, we will end up looking always at ourselves and exploiting them in order to affirm ourselves.
From the humility of listening to the courage of renunciation, it all passes through the charism of the whole. In fact, in the discussion the early Church had, unity always prevails over differences. Each one prefers not their own preferences and strategies but that of being and feeling a part of the Church of Jesus, gathered around Peter, through charity, which does not create uniformity, but communion. No one knew everything, non possessed charisms in their entirety, but each one possessed the charism of the whole. This is essential because true good cannot be done unless people care for each other. What was the secret of these Christians? They had different sensibilities and leanings, there were even strong personalities, but there was the strength of loving each other in the Lord. We see this in James, who, at the moment when he draws the conclusions, he says few words of his own, but many from the Word of God (cfr vv. 16-18). He allows the Word of God to speak. While the voices of the devil and the world lead to division, the voice of the Good Shepherd forms one sole flock. This is how the community is founded on the Word of God and remains in His love.
“Remain in my love (John 15,9): this is what Jesus asks in the Gospel. But how? We need to stay near Him, the Bread that is broken. It is helpful to staying before the tabernacle and before many living tabernacles who are the poor. The Eucharist and the poor, a non-moving tabernacle and moving tabernacles: there one remains in love and absorbs the mentality of the Bread that is broken. There one understands the “as” of which Jesus speaks: “As the Father has loved me, so I have loved you” (ibid.). And how did the Father love Jesus? Giving Him everything, not withholding anything for himself. We say it in the Creed: “God from God, light from light”; He gave Him everything. When, instead, we withhold from giving, when we prefer defending our own interests, we do not act as God acts, we are not one Church, free and freeing. Jesus asks that we remain in Him, not in our ideas, to let go of the pretense of controlling and managing; He asks us to trust in others and to give ourselves to the other. Let us ask the Lord that he free us from efficiency, from worldliness, from the subtle temptation of worshiping ourselves and our bravura. Let us ask the grace of welcoming the way indicated by the Word of God: humility, communion, renunciation.

13 comentários:

Emanoel Truta disse...

Bravo Pedro, bravo.
Obrigado por expôs claramente.
Pois confesso, fiquei confuso. Infelizmente, o Papa só gera confusão.
Depois de sua explanação fico claro a reportagem do breibart.
Que Deus continue lhe abençoando.

Muito obrigado!

Viva Cristo Rei!

Adilson disse...

Boa noite, Pedro.

Estou lendo com calma e creio que amanhã ainda postarei outros comentários. Você fez um ótimo trabalho e nos trazer esses comentários. Por que o portal do Vaticano não publicou o texto original em italiano? É possível encontrar no próprio site a homilia na lingua em que o papa a pronunciou?

Pedro Erik disse...

É uma honra receber seu agradecimento, meu amigo.
Amém.

Viva Cristo Rei!

Abraço,
Pedro

Pedro Erik disse...

Deve ter publicado em italiano. Mas eu só leio em inglês ou espanhol.

Abraço,
Pedro

Patriarca do Sertão disse...

Boa noite
Li atentamente o comentário sobre a homilia do Papa na abertura do Congresso Internacional da Caritas.
Li a análise feita nesse blogger.
Eu aprendi com um bom bispo católico que o Papa que o Espírito Santo escolheu para conduzir a Igreja foi Francisco.
Ele é o Papa. A ele obediência, respeito e oração.
Ganharei tempo rezando pela Igreja, pelo Papa, bispos e clero.
Com isso, não quero dizer que não exista “erros” no que o mesmo possa dizer. Mas na história da Igreja não foi só ele. Houveram outros!
Estudei filosofia, teologia e antes de tudo sou Cristão e amo a Igreja.
Mas não quero demonizar o Papa pelos seus erros e nem condená-lo! Não! Há um justo juiz e Senhor!
Em relação a homilia do Papa a mesma está sendo dirigida aos participantes do Congresso da Caritas. Há um público específico. Uma assembleia seletiva. Mesmo que todos na Igreja tenha acesso ao que ele disse, creio que os que lá estão, espero que compreendam.
Respeito quem pense diferente, mas precisamos rezar mais e confiar a Hierarquia da Igreja ao Espírito Santo!

Pedro Erik disse...

Ok, sugiro apenas que leia o que Papa Bento disse sobre a relação Espírito Santo e eleição de um papa. Em poucas, o Espírito Santo não (repito, não) "escolhe" papa.

Rezemos pela Igreja

Abraço

Adilson disse...

O texto do papa () tem um estilo está mais para um engajamento político que para uma homilia católica. É muito apelativo. Pedro, esse trecho que você traduziu é de dar calafrios; referindo aos santos discípulos na proclamação do evangelho ele diz:

..."Para o bem da missão, proclamar que Deus é Amor a todos de uma forma transparente e credível, até mesmo aquelas convicções e tradições humanas que são mais um obstáculo que uma ajuda, podem e devem ser deixadas de lado."

Adilson disse...

Uma observação do comentário do tal "Patriarca do Sertão" (seria bom você se apresentar com seu nome, meu nobre):

Sinceramente, você só se assustou e se colocou numa defensiva contraditória: você não analisou e não apontou nada sobre a homilia do papa. Você disse que "estudou filosofia, teologia e antes de tudo sou Cristão e amo a Igreja". Tá! Tudo bem. O autor do blog também; o autor do blog também é católico e ama a Igreja. Por que você está afirmando algo de que ninguém disse o contrário?

Você disse: "Eu aprendi com um bom bispo católico que o Papa que o Espírito Santo escolheu para conduzir a Igreja foi Francisco." O Espírito Santo não escolhe papa, pois se um papa comete erros graves como papa Francisco vem comentendo, então em quem vamos por a culpa? No Espírito Santo? Ninguem é louco de fazer isso. Te pergunto: os bispos que te ensinaram isso, por acaso te ensinaram que ao se conversar com outra pessoa sobre um assunto sério é bom se identificar como uma pessoa, apresentando principalmente o nome?

Você disse: "Com isso, não quero dizer que não exista “erros” no que o mesmo possa dizer. Mas na história da Igreja não foi só ele. Houveram outros!" Meu colega, você acha que o autor do Blog não sabe disso? Por que você está tirando essa conclusão se na presente postagem isso não foi colocado em discussão? Pela tua colocação, então os erros do papa Francisco são justificáveis, pelo fato da existência de muitos papas que erraram no passado: é isso? Mas você não acha que o fato da História da Igreja ter registrado outros papas errantes, o papa Francisco não deveria evitar erros, uma vez que agora ele acessível onde os outros papas erraram?

Você conclui: "...mas precisamos rezar mais e confiar a Hierarquia da Igreja ao Espírito Santo!" Meu nobre, por acaso você acha que este blog não confia na Igreja e não reza por Ela e por seus ministros? Você acha que aqui tem alguma criança petulante fazendo birra? O que você realmente quer dizer por "confiar"? Confiar é simplesmente agir cegamente e não apontar erros? Por acaso papa Francisco está acima da Tradição da Igreja, dos exemplos e ensinos dos santos? Meu amigo, Ananias e Safira foram fulminados! São Paulo repreendeu São Pedro! Houve problemas e conflitos entre eles, ocorrendo, inclusive, muitas separações nas missões. Os santos da Igreja, como Santa Catarina de Senna, apontou erros nos sacerdotes e até repreendeu-os, e isso não a colocou como inimigo da Igreja.

Só concluo o seguinte: você tá confundindo o papado com a santidade da Igreja e Suas Tradições e o magistério dos santos. Pelos teus comentários, creio que você quer submeter a Santa Igreja Apostólica ao clero: a Igreja e Sua Tradição e Missão estão acima deles: milhares de cristão e sangues perderam suas vidas protegendo a Tradição e pregando contra o pecado manifestado nas milhares nações. Se a Igreja não preserva o rigo da Tradição o paganismo a as loucuras das ciências modernas e humanas serão o único sistema "moral" a ser praticado. A Igreja NÃO PODE TOLERAR ISSO. É a Igreja ou o mundo.

Isac disse...

*Será, D Claudio Hummes, que o deus Tupã constante em seu hino iluminará as mentes e abençoará o Sínodo Panamazônico e o papa Francisco sem o execrar, ou quereria estar no lugar do Senhor Deus em tantas oportunidades, optando por novos rumos na fé, relegislando?
... "Alguns pregadores manterão silêncio sobre a verdade, enquanto outros irão pisoteá-la e negá-la. A santidade de vida será desprezada até pelos que exteriormente a professam, pois, nesses dias, Nosso Senhor Jesus Cristo enviar-lhes-á não um pastor verdadeiro mas um destruidor".
Pela distância temporal, torna-se difícil provar ou negar a autenticidade dessa profecia, no entanto, por seu conteúdo, acaba por ser um impacto, motivo de reflexão e oração, atendendo à conjuntura atravessada pela Igreja Católica presente, sintonizada nos itens citados, havendo comentaristas dizendo o papa Francisco seria o castigo por opção de muitos ex católicos às ideologias, dando margem à abordagem acima.
Seria a volta desde dúvidas e ambiguidades nos textos até ao politeísmo do mundo pagão dos Tupã, Alah, Baal, Moloc da vida etc?
*https://fratresinunum.com/2019/05/24/saiu-o-hino-do-sinodo-pan-amazonico/

Ricardo Lima disse...

As pessoas se esquecem que DEUS é Amor, mas também é Justiça.

E Justiça é dar a cada um de nós aquilo que nós merecermos.

Portanto, se eu, ao morrer, merecer o inferno, para lá irei.

Pode ser algo cruel para os tempos atuais? Com certeza. Mas, muitas vezes, a verdade é áspera.

Porém, é melhor uma verdade áspera, do que uma mentira reconfortante.

Emanoel Truta disse...

Caro amigos, boa tarde!

Infelizmente, dizer a verdade hoje e preparar-se para ser atacado.
Mesmo quando alguém, com muita caridade, como o Pedro fez, nos tenta mostrar algo mais claro é atacado.
Mas para resumir e responder ao Patriarca do Sertão, lembre-se caro amigo que o próprio São Pedro nos dá a media de obediência: "Antes obedecer a Deus do que aos homens"(Atos dos Apóstolos).
E isso foi bem depois de Nosso Senhor Jesus Cristo repreende-lo: " 31 E começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do Homem padecesse muito, fosse rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas, e fosse morto, mas ressuscitasse depois de três dias. 32. E falava-lhes abertamente dessas coisas. Pedro, tomando-o à parte, começou a repreendê-lo. 33. Mas, voltando-se ele, olhou para os seus discípulos e repreendeu a Pedro: “Afasta-te de mim, Satanás, porque teus sentimentos não são os de Deus, mas os dos homens”." (São Marcos 8, 31-33).


Bem meus amigos, que o Divino Espírito Santo nos guie em meio a tanta confusão.

Viva Cristo Rei!

Patriarca do Sertão disse...

Aos que criticaram o meu comentário e na “prepotência de serem os protagonistas da verdade”, subscrevo o que diz a Constituição Christus Dominus, sobre o Papa e os Bispos e retifico que o Espírito Santo não escolhe, mas sim CONSTITUI os Bispos da Igreja Católica Apostólica Romana:
“Por outro lado, porém, também os Bispos, constituídos pelo Espírito Santo, sucedem aos Apóstolos como pastores das almas e, juntamente com o Sumo Pontífice e sob a sua autoridade, foram enviados a perpetuar a obra de Cristo, pastor eterno”.

Pedro Erik disse...

Caro Patriarca do Sertão,

Aqui vai o que disse Bento XVI sobre o assunto, neste particular acho que ele está certo, afinal, como mostrou o livro de Eamon Duffy sobre os papas, já tivemos péssimos papas.

Bento XVI disse, quando perguntado, em 1997, se o Espírito Santo era o responsável pela eleição de um papa:

“Eu não diria isso no sentido que o Espírito Santo escolhe o papa, porque há muitos exemplos contrários que mostram que o Espírito Santo não teria escolhido. Eu diria que o Espírito Santo não assume exatamente o controle do caso, mas sim como um bom educador, por assim dizer, nos deixa muito espaço, muita liberdade, sem que nos abandone totalmente. Assim, o papel do Espírito Santo deve ser entendido em um sentido muito mais elástico, não é que ele dite o candidato para quem se deve votar. Provavelmente, a única garantia que ele oferece é que a coisa não vai ser totalmente arruinada” .

Ok?

Abraço,
Pedro Erik