segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Papa Francisco Quer Mudar o Pai Nosso


Isso mesmo, ele não gosta de parte da tradução milenar que se tem da oração que foi ensinada pelo próprio Cristo.

No seminário que eu fui em Oxford, um palestrante falou de uma igreja cristã que cortava partes da Bíblia que não se adequavam ao pensamento moderno. E muitos na plateia acharam lindo isso.

Mas essa do Papa pode ser pior do que isso, pois a Oração do Pai Nosso resume de forma belíssima toda a Bíblia e o mistério divino do livre arbítrio.

O Papa não gosta da parte que se diz em inglês: "não nos leve à tentações", prefere a versão que já se tem em português:  "não nos deixeis cair em tentação".

Ele acha que Deus não nos leva a tentações.

Bom, mas na verdade a versão grega original e de sempre é a que se diz em inglês.

Daqui a pouco ele vai dizer que Deus não permite o mal e que não existe livre arbítrio.

Desde as mais antigas traduções do grego para o latim, Vulgata, é assim que é traduzido: não nos leve à tentações.

Podem parecer traduções similares, mas há diferenças e como foi Cristo quem nos ensinou, como mexer nisso?

Vejam o relato disso no site do American Catholic.

O site  Catholic Report tentou salvar o Papa dessa mais uma confusão que ele nos coloca, mas acho que não conseguiu. Leiam vocês mesmos e tomem suas próprias conclusões.


2 comentários:

Isac disse...

De fato, existem uns contorcionistas em certos sites até hoje com unhas e dentes defendendo a de sempre, de se ter dó: o papa Francisco não queria dizer isso, mas aquilo, bem à la paxtores protestantes!
Et ne nos inducas in tentationem, como no latim, ideal seria rezar sempre nessa lingua, como o Credo niceno-constantinopolitano, portanto não jeito que ele quer; não teria autoridade para o Pater.
... *A própria base da unidade da Igreja, disse Schneider, é a verdade - a verdade do Evangelho. Infelizmente, hoje quem se atreve a falar a verdade "é classificado como um inimigo da unidade" - como aconteceu com São Paulo.
Aqueles que têm medo de enfraquecer a unidade da Igreja criticando os ensinamentos do Papa Francis devem lembrar que o Papa é servo da Igreja, disse Schneider. "Ele é o primeiro que tem que obedecer de forma exemplar a todas as verdades do Mistério imutável e constante, porque ele é apenas um administrador e não um dono das verdades católicas ..." O Papa deve "se ligar constantemente e Igreja a obediência à palavra de Deus ", acrescentou.
Schneider disse também que quando um papa tolera erros e abusos generalizados, os bispos não devem se comportar como os "funcionários servos" do papa...
A questão de nos "levar à tentação", enquadraria-se quem endurecesse a tal ponto o coração que Ele mesmo lhe envia o espírito de sedução para enlamear-se cada vez mais nos erros: "Ele usará de todas as seduções do mal com aqueles que se perdem, por não terem cultivado o amor à verdade que os teria podido salvar. Por isso, Deus lhes enviará um poder que os enganará e os induzirá a acreditar no erro". 2 Tes 2 10-11.
*19/09/2017 Mike Hickson - LifeSiteNews.

Pedro Erik disse...

Ótima análise, caríssimo Isac. Obrigado.
Abraço,
Pedro