terça-feira, 23 de outubro de 2018

A Igreja Católica na China será Clandestina Tanto do Governo como do Vaticano


Ontem, li que o cardeal Burke disse que o acordo do Vaticano com a China é uma "traição aos mártires e fiéis chineses". Hoje leio, um artigo de Sandro Magister que descreve quem são os dois bispos chineses que participam do Sínodo da Família e qual será o efeito do acordo.

Ler os dois artigos é muito doloroso. Eu mesmo já estou tão consumido pela destruição da Igreja feita no pontificado de Francisco, que penso inúmeras vezes em deixar de escrever no blog.

Burke também disse que o colégio de cardeias não se reúne há quatro anos e que nem boa parte deles. Francisco criou 59 dos 124 cardeais.

Magister vai ao fundo na crítica ao acordo, dizendo que enquanto o acordo é secreto as consequências são claras e ainda diz:

1) Os dois bispos chineses que participam do sínodo são indicação do partido comunista da China, sendo que um deles escapou de ser excomungado.

2) Ele traz a opinião de um especialista em China, chamado Jean Chaerbonnier, que avalia duas consequências com o acordo:

             a) todas a nomeações de bispos supostamente católicos serão feitas pelo partido comunista, no âmbito da tal "Associação Patriótica" e o papa não vai vetar;

           b) a Igreja Católica da China que não aceita intervenção do governo chinês terá que ser também clandestina contra o próprio Vaticano.

Leiam os dois textos, se tiverem estômago.

Tá difícil demais.

Rezemos.




8 comentários:

Isac disse...

Nada de desanimar frente a essas situações calamitosas!
Merecedores de castigos estamos a rodo, pois hoje se promove quase apenas o material-ateísmo: que se arranjem os que preferenciarem o niilismo e nós tentemos ser cristãos da Igreja de sempre; aos oportunistas, apreciem a igreja reformada, a "católica", a ideológica!
Depois, que se expliquem ao Juiz dos juízes - se tiverem condições!

Pedro Erik disse...

Obrigado, meu caro Isac, pelo apoio.
Abraço,

Emanoel Truta disse...

Caro Pedro,
Nada de desanimar, seu trabalho e muito importante.
Sabe não sei se já leu o discurso de encerramento do concílio Vaticano 2, mas acho que lá está a resposta para os males que assolam a Igreja hoje. Deixamos de cultuar a Deus para cultuar o homem.Caso tenha interesse de uma olhada no site do Vaticano o referido discurso de Paulo VI. No início da Carta aos Romanos São Paulo já nos alerta isto.
Abraço
Viva Cristo Rei!

Anônimo disse...

No seu excelente post de tempos atrás, "o que é ser homem", há duas frases que foram marcantes para mim:
1) Os mesmos traços masculinos que causam destruição também destroem tiranias;
2) A maldade humana (estupro, assassinato, guerra) tem dois pontos em comum: homens ruins que as causam; e homens fracos que não os detêm.

Fico a pensar em quem seria o responsável por deter o papa Francisco. Teríamos nós, leigos, alguma possibilidade?
Acho que deveriam ser os cardeais, mas por que não o fazem? Será que Burke e cia não perceberam que a via diplomática não é suficiente para converter Francisco?
Se os Aliados esperassem colher algum resultado diplomático contra o Eixo, certamente o resultado da guerra seria outro...
E o que a Igreja está vivendo é mais ou menos isso: uma guerra mundial - bispos contra bispos, destruição da doutrina, profanação do sangue dos verdadeiros santos e mártires.

Além de rezar, o que podemos fazer?

Abraço,
Gustavo.

Pedro Erik disse...

Obrigado, meu caro Emanoel, pelas palavras.

Estou aqui rezando, cuidando de minha saúde mental e espiritual, e pedindo que Cristo me inspire na reação às tristezas do nosso tempo.

Abraço,
Pedro

Pedro Erik disse...

Pois é, meu amigo, Gustavo. Outro dia eu li o bispo Schneider dizer que não adianta pedir retratação formal ao Papa Francisco pois ele não ia se retratar e capaz dele piorar suas medidas. Perdão, ao ilustre bispo Schneider, mas acho esse um discurso de covarde.

Não sei o pensamento de Burke, já o encontrei pessoalmente, tive a oportunidade de lhe entregar meu livro, mas ele tem se restringido publicamente a apenas algumas frases contra o pontificado de Francisco.

Há alguns leigos e outros bispos se levantando mais firme, mas nada de posição formal do clérigos da Igreja contra o pontificado.

Além de rezar devemos cerrar fileiras com aqueles que amam e defendem a Igreja. E reagir aos erros seja nas nossas paróquias, no Vaticano ou na internet.

Vou aqui rezando para continuar nessa luta.

Abraço,

Pedro

Anônimo disse...

Conte com minhas orações, amigo. Peço que reze por mim também.
Um abraço,
Gustavo.

Pedro Erik disse...

Muitíssimo obrigado, meu caro amigo. Sim, você e sua família estão em minhas orações.

Abraço,
Pedro Erik