domingo, 18 de julho de 2021

Padre David Nix: "A Culpa é de Bento XVI, o Hegeliano que Bifurca"

Texto excelente do Padre David Nix. Acho que católicos que exaltam Bento XVI não vão gostar, mas vale muito a reflexão que ele nos trouxe, inspirado por palavras do arcebispo Viganò.

Francisco cruelmente quis destruir de uma vez por todas a liturgia tradicional da missa católica. A culpa de tudo isso, segundo padre David Nix, deve ser colocada em Bento XVI, por conta do hegelianismo deste papa "emérito". 

Vou traduzir o que disse o padre Nix. mas permitam-me ilustrar a posição dele sobre Bento XVI, primeiro.

Eu estou relendo o livro "My Battle Against Hitler" de Dietrich von Hildebrand (livro maravilhoso que foi traduzido para o português pela Editora Ecclesiae), por conta de um texto que estou escrevendo. No livro, Hildebrand, que viveu o nazismo muito de perto em Munique, disse que o que mais atraia os intelectuais mais sofisticados alemãespara serem simpáticos a Hitler. Não era o antisemitismo, nem era o racismo, nem o nacionalismo. O que mais atraia era o "coletivismo Hegeliano", dinamismo nazista que eliminava o indivíduo em nome do Estado, que seria o motor de uma história inexoravelmente progressista, que caminha de forma tese, antítese e síntese. 

O filósofo alemão Hegel influenciou tanto o comunismo marxista, como o nazismo, sendo que as duas ideologias têm como berço justamente a Alemanha de Bento XVI.

Realmente, como mostra padre Nix, Bento XVI, como papa, elaborou muitas teses (Vaticano II, missa ordinária, papa ativo) e antiteses (hermenêutica da continuidade, rito extraordinário, papa contemplativo). Só que as sínteses não ocorreram e ficamos no erro.

Vamos ao que disse o padre David Nix. Traduzo, o texto dele abaixo. 

Leiam, é muito interessante, tanto teologicamente, como filosoficamente, como para se entender a mentalidade de Bento XVI.

“COMO SE A NOIVA DO CORDEIRO PUDESSE TER DUAS VOZES”

por Padre David Nix

O Dr. Taylor Marshall falou hoje sobre como o Papa Bento XVI tentou bifurcar tanto o Rito Romano (liturgia da missa) quanto o próprio Papado. Em outras palavras, parece que o Rito Romano foi bifurcado na “forma ordinária” e “forma extraordinária” no documento de 2007, Summorum Pontificum e parece que o papado foi dividido em dois como um “Papa contemplativo” e um “ativo Papa ”, como até o arcebispo do Vaticano, Georg Gänswein, explicou.

Esses erros na criação de novas (e impossíveis) realidades teológicas podem ser atribuídos ao que é chamado de "dialética hegeliana". O Arcebispo Viganò critica a filosofia do Papa Bento XVI de tentar criar novas realidades a partir de seu próprio cérebro:

"Sua abordagem filosófica hegeliana o levou a aplicar o esquema tese-antítese-síntese no contexto católico, por exemplo, considerando os documentos do Vaticano II (tese) e os excessos do período pós-conciliar (antítese) coisas a serem reconciliadas em sua famosa “hermenêutica da continuidade” (síntese);  também não é uma exceção a invenção do papado emérito, onde entre ser papa (tese) e não mais ser papa (antítese), o compromisso foi escolhido para permanecer papa apenas em parte (síntese)."

O Arcebispo Viganò está aqui dizendo que uma síntese da verdade e do erro produz apenas o erro. Ele então chega a escrever aqui no dia 9 de junho de 2021:

"Enganam-se, portanto, aqueles que acreditam ser possível manter juntas duas formas opostas de culto católico em nome de uma pluralidade de expressão litúrgica que é filha da mentalidade conciliar, nem mais, nem menos, do que é filha da "hermenêutica. de continuidade. ”"

De fato, concordo com o Arcebispo Viganò em sua crítica. E você sabe quem mais concorda com isso? Todos os esquerdistas de hoje que odeiam a Missa Apostólica e a Fé Apostólica. Mas seu renovado ataque contra a antiga liturgia é bom para nós, católicos apostólicos, porque agora estamos todos de acordo (exceto os tradicionalistas mornos que ficam lambendo suas feridas) que é impossível “unir duas formas opostas de culto católico em nome de uma pluralidade de expressão litúrgica.”

Felizmente, agora estamos vendo que “a pluralidade da expressão litúrgica” deve chegar ao fim de uma forma ou de outra. Existe apenas um Rito Romano. Existe apenas um Papa Romano. O engraçado é que os inimigos de Deus não percebem que estão ajudando a Deus e a promoção da Fé Apostólica em seu ataque mais recente. Eles estão nos fazendo ver. Sim, os inimigos de Deus estão nos fazendo escolher. Sim, eles estão separando os meninos dos homens, o joio do trigo.

Você pensaria que eu, entre todas as pessoas, escreveria um post em um blog em defesa do Summorum Pontificum durante esta semana de turbulência. Mas eu concordo plenamente com o Arcebispo Viganò, que critica Summorum Pontificum assim:

"A justa honra em que a liturgia tradicional deveria ser realizada foi temperada por ser colocada em nível de igualdade com a liturgia da reforma pós-conciliar, sendo a primeira definida como a "forma extraordinária" e a última como a "forma ordinária”, como se a Noiva do Cordeiro pudesse ter duas vozes - uma totalmente católica e outra equivocadamente ecumênica - com as quais falar em um momento à Divina Majestade e ao lado à assembléia dos fiéis."

Observe que Viganò está aqui implicando que devemos superar essa ilusão modernista de viver "como se a Noiva do Cordeiro pudesse ter duas vozes". Não, nós sabemos que a Noiva do Cordeiro ouve apenas uma voz: “Minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou vida eterna e eles nunca perecerão e ninguém os arrebatará da Minha mão. ”- João 10: 27-28

Portanto, acho que as notícias recentes do Vaticano hoje são tudo de que ironicamente agora precisamos para sair da ilusão de ouvir duas vozes: Devemos agora escolher. Não pode haver bifurcação do Rito Romano. Não pode haver bifurcação do papado. Isso ocorre porque “há um só corpo e um só Espírito - assim como você foi chamado para a única esperança que pertence ao seu chamado - um Senhor, uma fé, um batismo, um Deus e Pai de todos, que é sobre todos e através de todos e em todos. ”- Ef 4: 4-6


5 comentários:

Rafael P. disse...

Gostaria caro Pedro de elogiar a excelente escolha da imagem desse post.

Bento XVI não é flor que se cheire, porém disfarçava atrás do seu hegelianismo.

Francisco não faz esse esforço.

E gostaria de partilhar para vossa apreciação o texto de um blog muito pequeno e recente, porém tenho gostado da coerência e lucidez do autor:

https://suprapetram.org/2021/07/18/sobre-o-traditionis-custodes-um-rito-e-uma-religiao/

Luiz disse...


Eu vou fazer uma pergunta que não tem relação alguma com o texto.
O Francisco, mais uma vez, vai fechar os olhos para tudo o que o povo cubano está passando?

Isac disse...

TESE-ANTÍTESE GERAREM SÍNTESE? IMPOSSÍVEL!
A tese marxista de praticar o mal e disso provir um bem - de onde não sei - é inapelavelmente inaceitável!
Havendo Bento XVI, agora melhor conhecido nesse ponto de vista de tese-antítese gerar uma síntese na questão religiosa, dá no mesmo - idem o ante com o anti sintonizarem-se - só mesmo na mente demente ou interesseira por algum motivo de Hegel, para o qual o tempo é superior ao espaço!
Inexoravelmente, o conceito do papa Bento XVI decaiu bastante; tem-se de mudar de idéia a seu respeito, pois manter ao conceito anterior a seu respeito, compromete!

Emanoel Truta disse...

Boa tarde, Pedro!

Queria já ter comentado esse post a dias, mas o tempo e o covid não deixou.

Mas subscrevo as palavras a seguir: https://www.diesirae.pt/2021/07/a-hermeneutica-da-inveja-de-caim-contra.html?m=1.

Espero que essa leitura nos faça refletir.

Felizes aqueles que tem uma Missa de Sempre perto de sua casa: a missa dos santos feita pelo Santos dos Santos.

Infelizmente não tenho essa graça, mas a desejo para mim e para todos. Como dizia Gustavo Corção: cheguei atrasado e tudo.

Viva Cristo Rei!

Pedro Erik disse...

Obrigado, pelo link, caríssimo Emanoel.

Viva Cristo Rei!

Grande abraço, meu amigo.