quinta-feira, 11 de junho de 2020

Viganò Escreveu sobre Vaticano II - "Início da Falsa Igreja" (veja tradução deste texto histórico)



É um texto histórico, obrigatório para qualquer estudo sobre Vaticano II.

Steve Skojec acusou Viganò de escrever cartas demais, de parecer um comentarista religioso. Mas depois que leu este novo texto de Viganó, Skojec pediu desculpas e o chamou de profeta. 

Viganò está certamente do lado da Verdade de Cristo na gigantesca crise do pontificado de Francisco com comportamento dúbio de Bento XVI.

Vou traduzir aqui o texto de Viganò, que foi primeiro publicado em italiano no site de Marco Tosatti, e depois colocado em inglês por Skojec Se ocorrer algum problema na tradução, me alertem, por favor.

Aqui vai a versão que fiz em português do texto de Viganò sobre o Vaticano II. O texto é sensacional, profundo, cheio de referências a documentos da Igreja. Em suma, é um texto Histórico que deve ser debatido em todas as escolas de teologia do mundo.

----

9 de junho de 2020

Santo Efrém

     Li com grande interesse o ensaio de Sua Excelência AthanasiusSchneider publicado no LifeSiteNews em 1º de junho, posteriormente traduzido para o italiano por Chiesa e post concilio, intitulado "Não há vontade divina positiva ou direito natural à diversidade de religiões". O estudo de Sua Excelência resume, com a clareza que distingue as palavras daqueles que falam de acordo com Cristo, as objeções contra a presumida legitimidade do exercício da liberdade religiosa que o Concílio Vaticano II teorizou, contradizendo o testemunho das Escrituras Sagradas e a voz da Tradição, bem como o Magistério Católico, que é o fiel guardião de ambos.

             O mérito do ensaio de Sua Excelência reside, antes de tudo, na compreensão do nexo de causalidade entre os princípios enunciados ou implícitos pelo Vaticano II e seu conseqüente efeito lógico nos desvios doutrinais, morais, litúrgicos e disciplinares que surgiram e se desenvolveram progressivamente para os nossos dias.

                O monstrum gerado nos círculos modernistas poderia a princípio ter sido enganoso, mas cresceu e se fortaleceu, de modo que hoje se mostra pelo que realmente é em sua natureza subversiva e rebelde. A criatura que foi concebida naquela época é sempre a mesma e seria ingênuo pensar que sua natureza perversa poderia mudar. As tentativas de corrigir os excessos conciliares - invocando a hermenêutica da continuidade - não deram certo: Naturam expellas furca, tamen usque recurret [Ao se tentar comandar a natureza com a força de um forcado; ela voltará – alternativa: “Ainda que a expulses com um forcado, a natureza voltará a aparecer” (Drive Nature out with a pitchfork, she'll come right back)] (Horace, Epist. I, 10,24). A Declaração de Abu Dhabi - e, como observa com razão o bispo Schneider, seus primeiros sintomas no panteão de Assis - “foi concebida no espírito do Concílio Vaticano II”, como Bergoglio confirma com orgulho.

            Esse “espírito do Concílio” é a licença de legitimidade com que os inovadores se opõem a seus críticos, sem perceber que é precisamente confessar esse legado que confirma, não apenas quão errôneas são as presentes declarações, mas também a matriz herética que supostamente as justifica. Em uma inspeção mais detalhada, nunca na história da Igreja um Concílio apresentou a si mesmo como um evento histórico excepcional que era diferente de qualquer outro concílio: nunca se falou de um "espírito do Concílio de Nicéia" ou de "espírito do Concílio de Ferrara-Florença ”, muito menos o“ espírito do Concílio de Trento ”, assim como nunca tivemos uma era“ pós-conciliar ”depois de Latrão IV ou Vaticano I.

                A razão é óbvia: esses Concílios eram todos, indiscriminadamente, a expressão em uníssono da voz da Santa Mãe Igreja, e por essa mesma razão a voz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Significativamente, aqueles que mantêm a novidade do Vaticano II também aderem à doutrina herética que coloca o Deus do Antigo Testamento em oposição ao Deus do Novo Testamento, como se pudesse haver contradição entre as Pessoas Divinas da Santíssima Trindade. Evidentemente, essa oposição quase gnóstica ou cabalística é funcional para a legitimação de um novo sujeito voluntariamente diferente e oposto à Igreja Católica. Os erros doutrinais quase sempre traem algum tipo de heresia trinitária e, portanto, é retornando à proclamação do dogma trinitário que as doutrinas que se opõem a ele podem ser derrotadas: ut in confessione veræ sempiternæque deitatis, et in Personis proprietas, et in essentia unitas, et in majestate adoretur æqualitas: Professando a verdadeira e eterna Divindade, adoramos o que é apropriado para cada Pessoa, sua unidade em substância e sua igualdade em majestade.

            O bispo Schneider cita vários cânones dos Concílios Ecumênicos que propõem, em sua opinião, doutrinas que hoje são difíceis de aceitar, como, por exemplo, a obrigação de distinguir judeus por suas roupas ou a proibição de cristãos servirem senhores muçulmanos ou judeus. Entre esses exemplos, há também a exigência da traditio instrumentorum declarada pelo Concílio de Florença, que mais tarde foi corrigida pela Constituição Apostólica de Pio XII, Sacramentum Ordinis. O bispo Athanasius comenta: “Podemos esperar e acreditar com razão que um futuro Papa ou Concílio Ecumênico corrigirá a declaração errônea feita” pelo Vaticano II. Parece-me um argumento que, embora feito com a melhor das intenções, mina o edifício Católico desde a sua fundação. Se, de fato, admitimos que possa haver atos magisteriais que, devido a uma sensibilidade alterada, sejam suscetíveis de revogação, modificação ou interpretação diferente com o passar do tempo, inevitavelmente caímos sob a condenação do Decreto Lamentabili e acabamos oferecendo justificativa àqueles que, recentemente, precisamente com base nessa suposição errônea, declararam que a pena de morte “não está de acordo com o Evangelho” e, portanto, alteraram o catecismo da Igreja Católica. E, pelo mesmo princípio, de certa maneira, poderíamos sustentar que as palavras do Beato Pio IX em Quanta Cura foram de alguma maneira corrigidas pelo Vaticano II, assim como Sua Excelência espera que possa acontecer para Dignitatis Humanae. Entre os exemplos que ele apresenta, nenhum deles é gravemente errôneo ou herético: o fato de o Concílio de Florença ter declarado que o traditio instrumentorum era necessário para a validade das Ordens Sacras não comprometeu de modo algum o ministério sacerdotal na Igreja, que pudessem tê-la levado a conferir ordenações de forma inválida. Também não me parece que se possa afirmar que esse aspecto, por mais importante que tenha sido, tenha levado a erros doutrinários por parte dos fiéis, algo que ocorreu apenas no Concílio mais recente. E quando, no curso da história, várias heresias se espalharam, a Igreja sempre interveio prontamente para condená-las, como aconteceu no tempo do Sínodo de Pistóia em 1786, que de certa forma antecipava Vaticano II, especialmente onde aboliu a Comunhão fora de Missa, introduziu a língua vernacular e aboliu as orações do cânon recitadas em submissa voce; mas ainda mais quando teorizou sobre a base da colegialidade episcopal, reduzindo a primazia do papa a uma mera função ministerial. Reler os atos desse Sínodo nos deixa espantados com a formulação literal dos mesmos erros que encontraremos mais tarde, de forma crescente, no Concílio presidido por João XXIII e Paulo VI. Por outro lado, assim como a Verdade vem de Deus, o erro é alimentado e se alimenta do adversário, que odeia a Igreja de Cristo e seu coração: a Santa Missa e a Santíssima Eucaristia.

        Chega um momento em nossa vida em que, pela disposição da Providência, somos confrontados com uma escolha decisiva para o futuro da Igreja e para nossa salvação eterna. Falo da escolha entre entender o erro no qual praticamente todos nós caímos, quase sempre sem más intenções, e querer continuar olhando para o outro lado ou justificar a nós mesmos.

        Também cometemos o erro, entre outros, de considerar nossos interlocutores como pessoas que, apesar da diferença de suas idéias e de sua fé, ainda eram motivadas por boas intenções e que estariam dispostas a corrigir seus erros se pudessem se abrir para a nossa Fé. Juntamente com numerosos Padres do Concílio, pensamos no ecumenismo como um processo, um convite que chama dissidentes à única Igreja de Cristo, idólatras e pagãos ao único Deus Verdadeiro e o povo judeu ao Messias prometido. Mas a partir do momento em que foi teorizado nas comissões conciliares, o ecumenismo se configurou de uma maneira que estava em oposição direta à doutrina anteriormente expressa pelo Magisterium.

            Pensamos que certos excessos eram apenas um exagero daqueles que se deixaram levar pelo entusiasmo pela novidade; acreditamos sinceramente que ver João Paulo II cercado por encantadores-curandeiros, monges budistas, imãs, rabinos, pastores protestantes e outros hereges, comprovava a capacidade da Igreja de reunir pessoas para pedir paz a Deus, mas este exemplo oficial iniciou uma sucessão desviante de panteões que eram mais ou menos oficiais, a ponto de ver os Bispos carregando sobre seus ombros o ídolo imundo da pachamama, escondido de forma sacrílega sob o pretexto de ser uma representação da maternidade sagrada.

               Mas se a imagem de uma divindade infernal foi capaz de entrar na igreja de São Pedro, isso faz parte de um crescendo que o outro lado previu desde o início. Muitos Católicos praticantes, e talvez também a maioria do clero Católico, hoje estão convencidos de que a Fé Católica não é mais necessária para a salvação eterna; eles acreditam que o Deus uno e trino revelado a nossos pais é o mesmo que o deus de Maomé. Já há vinte anos, ouvimos isso repetido nos púlpitos e nas catedrais episcopais, mas recentemente ouvimos isso sendo afirmado com ênfase, mesmo no trono mais alto.

           Sabemos bem que, invocando o ditado nas Escrituras Littera enim occidit, spiritus autem vivificat [A letra traz a morte, mas o espírito dá vida (2 Cor 3: 6)], os progressistas e modernistas astutamente sabiam como esconder expressões equívocas nos textos conciliares, que na época pareciam inofensivos para a maioria, mas que hoje são revelados em seu valor subversivo. É o método empregado no uso da frase “subsiste em”: dizer uma meia-verdade para não ofender o interlocutor (assumindo que é lícito silenciar a verdade de Deus por respeito à Sua criatura), mas com a intenção de poder usar o meio erro que seria dissipado instantaneamente se toda a verdade fosse proclamada. Assim, “Ecclesia Christi subsistit na Ecclesia Catholica” não especifica a identidade dos dois, mas a subsistência de um no outro e, por consistência, também em outras igrejas: aqui está a abertura para celebrações interconfessionais, orações ecumênicas e o inevitável fim de qualquer necessidade da Igreja na ordem da salvação, em sua unicidade e em sua natureza missionária.

            Alguns podem se lembrar que as primeiras reuniões ecumênicas foram realizadas com os cismáticos do Oriente e muito prudentemente com outras seitas protestantes. Excluindo Alemanha, Holanda e Suíça, no início os países de tradição Católica não tinham celebrações mistas com pastores protestantes e padres Católicos juntos. Lembro-me de que na época se falava em remover a penúltima doxologia do Veni Creator para não ofender os ortodoxos, que não aceitam o Filioque. Hoje ouvimos as suratas do Alcorão recitadas nos púlpitos de nossas igrejas, vemos um ídolo de madeira adorado por irmãs e irmãos religiosos, ouvimos bispos negarem o que até ontem pareciam ser as desculpas mais plausíveis para tantos extremismos. O que o mundo quer, por instigação da Maçonaria e seus tentáculos infernais, é criar uma religião universal humanitária e ecumênica, da qual é banido o Deus restritivo que adoramos. E se é isso que o mundo quer, qualquer passo na mesma direção pela Igreja é uma escolha infeliz que se voltará contra aqueles que acreditam que podem zombar de Deus. As esperanças da Torre de Babel não podem ser ressuscitadas por um plano globalista que tem como objetivo o cancelamento da Igreja Católica para substituí-la por uma confederação de idólatras e hereges, unidos pelo ambientalismo e pela irmandade universal. Não pode haver fraternidade senão em Cristo, e somente em Cristo: qui non est mecum, contra me est. (quem não está comigo, está contra mim).

            É desconcertante que poucas pessoas estejam cientes dessa corrida rumo ao abismo e que poucas percebam a responsabilidade dos mais altos níveis da Igreja em apoiar essas ideologias anticristãs, como se os líderes da Igreja quisessem garantir que tivessem um lugar e um papel no “pensamento alinhado”. E é surpreendente que as pessoas persistam em não querer investigar as causas da crise atual, limitando-se a lamentar os excessos atuais como se não fossem a conseqüência lógica e inevitável de um plano orquestrado décadas atrás. Se pachamama pode ser adorado em uma igreja, devemos isso a Dignitatis Humanae. Se temos uma liturgia protestante e às vezes até paganizada, devemos isso à ação revolucionária de Mons. Annibale Bugnini e às reformas pós-conciliares. Se a Declaração de Abu Dhabi foi assinada, devemos a Nostra Aetate. Se chegamos ao ponto de delegar decisões às Conferências Episcopais - mesmo em grave violação da Concordata, como aconteceu na Itália -, devemos isso à colegialidade e à sua versão atualizada, a sinodalidade. Graças à sinodalidade, nós estivemos às voltas com Amoris Laetitia tendo que procurar uma maneira de impedir que aparecesse o óbvio para todos: que esse documento, preparado por uma impressionante máquina organizacional, pretendia legitimar a Comunhão para os divorciados e coabitantes, assim como “Querida Amazônia” será usada para legitimar mulheres sacerdotes (como no caso recente de uma “vigária episcopal” em Freiburg) e a abolição do Celibato Sagrado. Os prelados que enviaram o Dubia a Francisco, em minha opinião, demonstraram a mesma ingenuidade piedosa: pensando que Bergoglio, quando confrontado com a contestação razoavelmente argumentada do erro, entenderia, corrigiria os pontos heterodoxos e pediria perdão.

            O Concílio foi usado para legitimar os desvios doutrinais mais aberrantes, as inovações litúrgicas mais ousadas e os abusos mais inescrupulosos, enquanto a Autoridade permanecia calada. Esse Concílio foi tão exaltado que foi apresentado como a única referência legítima para Católicos, clérigos e bispos, obscurecendo e conotando com um senso de desprezo a doutrina que a Igreja sempre havia ensinado com autoridade e proibindo a liturgia perene que, por milênios, nutriu a fé de uma linha ininterrupta de fiéis, mártires e santos. Entre outras coisas, este Concílio provou ser o único que causou tantos problemas interpretativos e tantas contradições com relação ao Magistério anterior, não há outro Concílio - do Concílio de Jerusalém ao Vaticano I - que não se harmonize perfeitamente com todo o Magistério ou que exija muita interpretação.

            Confesso com serenidade e sem controvérsia: fui uma das muitas pessoas que, apesar de muitas perplexidades e medos que hoje se provaram absolutamente legítimos, confiavam na autoridade da Hierarquia com obediência incondicional. Na realidade, penso que muitas pessoas, inclusive eu, não consideraram inicialmente a possibilidade de que pudesse haver um conflito entre obediência a uma ordem da Hierarquia e fidelidade à própria Igreja. O que tornou tangível essa separação antinatural, de fato eu diria perversa entre a Hierarquia e a Igreja, entre obediência e fidelidade, foi certamente esse mais recente pontificado.

    Na Sala das Lágrimas, adjacente à Capela Sistina, enquanto Mons. Guido Marini preparou o rocchetto branco, mozzetta e estola papais para a primeira aparição do papa “recém-eleito”, Bergoglio exclamou: “Sono finite le carnevalate! [Os carnavais acabaram!]”, Recusando desdenhosamente as insígnias que todos os papas até então aceitaram humildemente como o traje distintivo do vigário de Cristo. Mas essas palavras continham a verdade, mesmo que fosse involuntariamente: em 13 de março de 2013, a máscara caiu dos conspiradores, que estavam finalmente livres da presença inconveniente de Bento XVI e descaradamente orgulhosos de finalmente terem conseguido promover um cardeal que encarnava seus ideais, sua maneira de revolucionar a Igreja, de tornar a doutrina maleável, a moral adaptável, a liturgia adulterável e a disciplina descartável. E tudo isso foi considerado, pelos próprios protagonistas da conspiração, a conseqüência lógica e a aplicação óbvia do Vaticano II, que segundo eles haviam sido enfraquecidas pelas críticas expressas por Bento XVI. A maior afronta daquele pontificado foi a liberalidade de permitir a celebração da venerada Liturgia Tridentina, cuja legitimidade foi finalmente reconhecida, refutando cinquenta anos de sua ostracização ilegítima. Não é por acaso que os apoiadores de Bergoglio são as mesmas pessoas que viram o Concílio como o primeiro evento de uma nova igreja, antes da qual havia uma religião antiga com uma liturgia antiga.

            Não é por acaso: o que esses homens afirmam com impunidade, escandalizando os moderados, é o que os Católicos também acreditam, a saber: que, apesar de todos os esforços da hermenêutica da continuidade que naufragou miseravelmente no primeiro confronto com a realidade da crise atual, é inegável que a partir do Vaticano II uma igreja paralela foi construída, sobreposta e diametralmente oposta à verdadeira Igreja de Cristo. Essa igreja paralela obscureceu progressivamente a instituição divina fundada por Nosso Senhor, a fim de substituí-la por uma entidade espúria, correspondente à religião universal desejada, que foi primeiramente teorizada pela Maçonaria. Expressões como novo humanismo, fraternidade universal, dignidade do homem são as palavras de ordem do humanitarismo filantrópico que nega o Deus verdadeiro, da solidariedade horizontal com vaga inspiração espiritualista e do irenismo ecumênico que a Igreja condena inequivocamente. “Nam et loquela tua manifestum te facit [até o teu discurso te denuncia]] (Mt 26, 73): esse recurso muito frequente e até obsessivo ao mesmo vocabulário do inimigo revela a adesão à ideologia que ele inspira; enquanto, por outro lado, a renúncia sistemática da linguagem clara, inequívoca e cristalina da Igreja confirma o desejo de se destacar não apenas da forma Católica, mas também de sua substância.

            O que ouvimos há anos enunciado, vagamente e sem conotações claras, do trono mais alto, nós finalmente encontramos agora elaborado em um manifesto propriamente, tido por verdadeiro e adequado aos partidários do atual pontificado: a democratização da Igreja, não mais através da colegialidade inventada por Vaticano II, mas pelo “caminho sinodal” inaugurado pelo Sínodo sobre a Família; a demolição do sacerdócio ministerial pelo enfraquecimento, com exceção do celibato eclesiástico, e a introdução de figuras femininas com deveres quase sacerdotais; a passagem silenciosa do ecumenismo direcionada aos “irmãos separados” para uma forma de panecumenismo que reduz a Verdade do Deus Triúno Único ao nível de idolatria e das superstições mais infernais; a aceitação de um diálogo inter-religioso que pressupõe o relativismo religioso e exclui a proclamação missionária; a “desmitologização” do papado, perseguida por Bergoglio como tema de seu pontificado; a progressiva legitimação de tudo o que é politicamente correto: teoria de gênero, sodomia, casamento homossexual, doutrinas malthusianas, ecologismo, imigração ... Se não reconhecermos que as raízes desses desvios são encontradas nos princípios estabelecidos pelo Concílio, será impossível encontrar uma cura: se nosso diagnóstico persistir, contra todas as evidências, excluindo a patologia inicial, não podemos prescrever uma terapia adequada.

            Essa operação de honestidade intelectual requer uma grande humildade, antes de tudo reconhecer que há décadas somos levados ao erro, de boa-fé, por pessoas que, estabelecidas em autoridade, não sabem como vigiar e guardar o rebanho de Cristo: alguns por viver em silêncio, outros por terem muitos compromissos, alguns por conveniência e, finalmente, outros por má-fé ou mesmo intenções maliciosas. Esses últimos que traíram a Igreja devem ser identificados, afastados, convidados a emendar e, se não se arrependem, devem ser expulsos do recinto sagrado. É assim que um verdadeiro pastor age, quem tem o bem-estar das ovelhas e quem dá a vida por elas; tivemos e ainda temos muitos mercenários, para quem o consentimento dos inimigos de Cristo é mais importante do que a fidelidade à sua Esposa.

          Assim como honestamente e serenamente obedeci a ordens questionáveis ​​sessenta anos atrás, acreditando que elas representavam a voz amorosa da Igreja, também hoje com igual serenidade e honestidade reconheço que fui enganado. Ser coerente hoje em dia, perseverando no erro, representaria uma escolha miserável e me tornaria cúmplice dessa fraude. Reivindicar uma clareza de julgamento desde o início não seria honesto: todos sabíamos que o Concílio seria mais ou menos uma revolução, mas não poderíamos imaginar que isso seria tão devastador, mesmo para o trabalho daqueles que deveriam impedir isso. E se até Bento XVI ainda poderíamos imaginar que o golpe de estado do Vaticano II (que o cardeal Suenens chamou de "o 1789 da Igreja") sofreu uma desaceleração, nestes últimos anos, mesmo os mais ingênuos entre nós entenderam que o silêncio por medo de causar cisma, o esforço para reparar os documentos papais no sentido Católico, a fim de remediar a ambiguidade pretendida, os apelos e dubias feitos a Francisco que permaneceram eloquentemente sem resposta, são todos uma confirmação da situação da mais grave apostasia a que estão expostos os níveis mais altos da Hierarquia, enquanto o povo cristão e o clero se sentem irremediavelmente abandonados e são vistos pelos bispos quase com aborrecimento. 

        A Declaração de Abu Dhabi é o manifesto ideológico de uma ideia de paz e cooperação entre religiões que poderia ter alguma possibilidade de ser tolerada se viesse de pagãos privados da luz da fé e do fogo da caridade. Mas quem tem a graça de ser um Filho de Deus em virtude do Santo Batismo deve ficar horrorizado com a ideia de poder construir uma versão blasfema e moderna da Torre de Babel, buscando reunir a única e verdadeira Igreja de Cristo, herdeira da as promessas feitas ao Povo Escolhido, com aqueles que negam o Messias e com aqueles que consideram a própria ideia de um Deus Triúno uma blasfêmia. O amor de Deus não conhece medidas e não tolera compromissos, caso contrário, simplesmente não é Caridade, sem a qual não é possível permanecer Nele: qui manet in caritate, em Deo manet, et Deus in the [quem permanece em amor permanece em Deus e Deus nele] (1 Jo 4:16). Pouco importa se é uma declaração ou um documento magisterial: sabemos bem que as mens (intenções) subversivas dos inovadores brincam com esse tipo de bobagem para espalhar erros. E sabemos bem que o objetivo dessas iniciativas ecumênicas e inter-religiosas não é converter aqueles que estão distantes da única Igreja em Cristo, mas desviar e corromper aqueles que ainda mantêm a Fé Católica, levando-os a acreditar que é desejável que se tenha uma grande religião universal que reúna as três grandes religiões abraâmicas "em uma única casa": este é o triunfo do plano maçônico em preparação para o reino do anticristo! Se isso se materializa através de uma Bula dogmática, uma declaração ou uma entrevista com Scalfari em La Repubblica, importa pouco, porque os apoiadores de Bergoglio esperam suas palavras como um sinal ao qual respondem com uma série de iniciativas que já foram preparadas e organizadas bem antes. E se Bergoglio não segue as instruções que recebeu, fileiras de teólogos e clérigos estão prontos para lamentar a "solidão do Papa Francisco" como premissa para sua demissão (lembro, por exemplo, de Massimo Faggioli em um de seus ensaios recentes). Por outro lado, não seria a primeira vez que eles usariam o Papa quando ele concordasse com seus planos e se livrariam dele ou o atacariam assim que ele não o fizesse.

            No domingo passado, a Igreja celebrou a Santíssima Trindade, e no Breviário nos oferece a recitação do Symbolum Athanasianum, agora proibido pela liturgia conciliar e já reduzido a apenas duas ocasiões na reforma litúrgica de 1962. As primeiras palavras desse Symbolum, agora desaparecido, permanece inscrito em letras de ouro: “Quicumque vult salvus esse, ante omnia opus é uteat Catholicam fidem; quam nisi quisque integram inviolatamque servaverit, absque dubio in aeternum peribit" - Todo aquele que deseja ser salvo, antes de tudo, é necessário que ele mantenha a fé Católica; Pois, a menos que uma pessoa tenha mantido toda essa fé e inviolável, sem dúvida ela perecerá eternamente. ”

 

 + Carlo Maria Viganò


7 comentários:

Adilson disse...

meu primeiro comentário para esta postagem:

SANTO DEUS! SANTO DEUS! SANTO DEUS! Desculpa essa expressão, dr Pedro! É que lembrei daquele seriado bobo "Batman e Robin", quando a presença cristã ainda permeava os diálogos de roteiros.

Minha primeira conclusão desta belíssima postagem: Mons Lefebvre estava certíssimo, mas uma imensa massa de clérigos preferiram se subordinar à jogada psicológica dos inimigos da Igreja de usarem a tal "obediência à hierarquia" da Igreja, ainda que significasse suicídio. A obediência de não "ofender". E o pior é que com o advento da internet, é LITERAL o acesso a tudo o que se diz, o que se faz e o que se pratica contra a Igreja. Ou seja, não há mais controle, qualquer pessoa, católico ou não católico, está vendo tudo. Mesmo assim, o que se vê: a negação dos sentidos.

Pedro Erik disse...

Verdade, amigo. Talvez o único problema do texto é não reconhecer Lefebvre e muitos outros que alertaram na época.

Abraço,
Pedro Erik

Emanoel Truta disse...

Boa tarde, amigos!

Viva Cristo Rei!

Acabei de ler o texto de Mons. Viganó, é um testamento de alguém que pela graça de Deus, como muitos outros, como Dom Lefrebre, Dom Antônio de Castro Mayer, Gustavo Corção, para citar alguns, conseguiram, mesmo que depois de 60 anos, como o mesmo afirma, vê o que foi o CVII.

Eu, em meus 33 anos de vida, confesso que só acordei e vi, também pela graça de Deus e com o auxílio da Imaculada Conceição, apenas a 7 anos atrás e depois daquele 11/02/2013, pós renúncia de Bento XVI, que algo estava errado.

Graças a Deus, meus amigos, depois de ler, principalmente, sobre Nossa Senhora de Fátima e as Encíclicas Mirari Vos, Gregório XVI, e a Mortalium Animus, do Papa Pio XI, consegui ver um pouco o que acontecia, sem falar nos textos de Gustavo Corção.

Hoje, com esse texto de Mosenhor Viganó, com o conhecimento de quem conheceu e viveu tudo que ocorreu nos últimos 60 anos, posso dizer que é uma graça muito grande que o Bom Deus tem nos dado.

Que o Bom Deus nos ajude e a Imaculada Conceição, que em Fátima, já alertara o que poderia acontecer em 1960, agora tão claro, na Igreja e no Mundo, nos proteja e nos guarde em seu Imaculado Coração.

Viva Cristo Rei!

Viva o Imaculado Coração de Maria!

Que o Bom Deus proteja e abençoe Mons. Viganó!

Emanoel

Wadson disse...


O texto está no Diesirae.pt. Texto muito elucidativo Vigano descreve o perigo de corrigir documentos dos concílios mesmo o Vaticano II. Segundo ele existe o perigo de darmos munições para o adversário. Por isso Bento XVI sempre insistiu na hermenêutica da continuidade. Pior que apelar para um espírito do concílio é um concílio que pode ser rasgado como querem os bispos do caminho sinodal alemão.

Anônimo disse...

Nada mais e nada menos que Marcel Lefebvre, já nos alertou há décadas.
Os católicos não deram ouvidos, preferiram se imbecializar, se protestantizar.
Agora é tarde. O fim do mundo já chegou.

Isac disse...

ESPERAREM MAIS O QUÊ? NECESSITAM A MAIS APÓS LEREM MEDITADO A FUNDO O *"UM ANO DE PONTIFICADO, UM ANO DE CONFUSÃO"?
Depois que o papa João XXIII teria proclamado, afirmando que "doravante a Igreja não condenará ninguém" abriu as portas uma a uma aos inimigos mais radicais da Igreja!
Hoje, toda a confusão reinante espalhada em tudo provém desse péssimo princípio erroneo, sempre em novos acréscimos e reinterpretações diversas, crendo-se haverem varios maçons, comunistas e protestantes infiltrados na Igreja, todos, farinhas do mesmo saco!
Idem, o relativismo atual dos anos 60 adiante, respirável ubiquamente, proveniente disso e seguimento adiante por Paulo VI que ambos relacionariam com a maçonaria - comentam por aí...
Nesse ínterim, ao papa Francisco das esquerdas e muçus-judeus dispensam-se comentarios.
Depois, veio a Igreja "em saída para a periferia", confirmando-se!
De fato, saiu da Igreja de 2000 anos e aderiu à sua, como cada idolátrica e imunda seita protestante, bem sabemos, e mesmo o provável maçon D Hummes, arrumado ou ajudando as bases para eleição do papa Francisco e noutra, profanando a S Comunhão dando a Pérola S Eucaristia a seu amigo íntimo, o mega porco Lula!
Perguntando-lhe eu anos atrás se era maçon, silenciou-se, me bloqueou-me desde então, seria do estilo D Valentim.
Pena que mesmo os bispos e cardeais às dubia não lhe foram mais incisivos, mais rígidos, tratando o papa Francisco com muitas delicadezas, parecendo-se amedrontados, temerosos, usando excesso de senhorios e submicionismos e o papa Francisco esquivou-se esses questionadores dele seriam-lhe uns fracotes, submissionarios etc, dele e c'est fini!
* http://sinaisdoreino.com.br/?cat=9&id=1511

Ana Maria disse...

Que lucidez!
O mesmo pensamento de um Gustavo Corção e de Monsenhor Lefebvre.
Deus seja louvado!