sexta-feira, 29 de outubro de 2021

Biden, o "Bom Católico", diz que Francisco Autorizou ele a Receber Eucaristia. Cardeal Burke Previu e Reagiu.

 


Francisco recebeu Joe Biden hoje, a reunião começou ontem com controvérsia, pois o Vaticano restringiu a entrada da mídia, e disse que ia apenas disponibilizar imagens e fotos editadas. A mídia ficou furiosa.

A reunião, supostamente, foi para discutir o "tema urgentíssimo": mudança climática. 

Mas o que pesa no encontro entre Biden e Francisco é a questão do aborto. Biden se diz católico, mas aprova aborto sob demanda, faz defesa pública do aborto sem qualquer restrição e ainda luta na justiça contra qualquer governador dos EUA que faça lei em favor da vida.

A Conferência dos Bispos dos EUA continua "estudando" o "difícil" problema se uma pessoa pública que se diz católica que aprove tão grave crime contra a vida pode receber eucaristia.


Biden não se confessou com Francisco, nem disse que se arrepende de sua posição sobre aborto.

É uma ofensa inominável feita por Francisco que se comporta como ditador. Ele realmente não se vê limitado nem por Deus, quer, por exemplo, alterar até o Pai Nosso determinado pelo próprio Cristo.

Vou traduzir o que diz o texto do Foxnews sobre o que Biden disse:

Biden diz que o Papa Francisco lhe disse para continuar recebendo a comunhão, em meio a um escrutínio sobre as políticas pró-aborto

O presidente Biden disse que o Papa Francisco, durante seu encontro na sexta-feira na Cidade do Vaticano, disse a ele que ele deveria continuar a receber a comunhão, em meio a um escrutínio intensificado das políticas pró-aborto do presidente católico.

O presidente, após a reunião de aproximadamente 90 minutos, uma parte importante de sua viagem à Itália para o G20, disse aos repórteres detalhes de suas discussões.

Biden disse que Francisco lhe disse que ele deveria continuar recebendo a comunhão. O presidente disse que o papa abençoou seu rosário e acrescentou que eles discutiram o combate às mudanças climáticas como parte de sua agenda Construir Melhor.

...
"Acabamos de falar sobre o fato de que ele estava feliz por eu ser um bom católico", disse Biden. "E eu deveria continuar recebendo a comunhão."

Biden disse que o papa não lhe deu a comunhão durante a reunião.

O presidente se encontrou com o Papa Francisco várias vezes antes de seu encontro na sexta-feira - inclusive em setembro de 2015, quando o papa participou do Encontro Mundial das Famílias na Filadélfia e no Vaticano em 2016, quando o então vice-presidente Biden participou de uma cúpula de medicina regenerativa.

Biden é o primeiro presidente católico em mais de 50 anos. O presidente John F. Kennedy Jr. foi o último presidente católico.

Biden foi examinado por seu apoio às políticas de aborto. Durante o verão, a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB) votou esmagadoramente para redigir um documento formal sobre o significado da Eucaristia após um debate contencioso sobre se Biden e outros políticos que apóiam as políticas de aborto são dignos de receber a Comunhão. A contagem de votos foi de 168 bispos a favor, 55 contra e seis bispos se abstendo.

---


O texto que ele divulgou é muito bom, pois mostra como ele luta mesmo contra bispos e cardeais que apoiam o aborto há muito tempo. Agora luta contra Francisco.

O que é ruim e fica como "bode na sala", é que Burke não cita nem Biden, nem Francisco. Isso para mim é bem perturbador. Deveria ser dito claramente. Isso me lembra as reuniões que tenho no governo, quando se sabe claramente quem causou a perturbação no mercado, mas não se nomeia na reunião com medo de ser prejudicado internamente por questões políticas. Igreja não deve ser política. Sejamos sempre o sal da Terra e a Luz do Mundo, "quando é favorável e quando não é favorável" (como disse São Paulo).

Vou traduzir aqui parte do texto de Burke:

28 de outubro de 2021

Festa dos Santos Simão e Judas, Apóstolos

Louvado seja Jesus Cristo!

Queridos irmãos e irmãs em Cristo,

Nos últimos meses, a intenção da Igreja nos Estados Unidos da América esteve muito presente em minhas orações. Em sua reunião de novembro próximo, os Bispos dos Estados Unidos estarão considerando a aplicação do Cânon 915 do Código de Direito Canônico: “Aqueles que foram excomungados ou interditados após a imposição ou declaração da pena e outros que perseveram obstinadamente na morte manifesta o pecado não deve ser admitido à Sagrada Comunhão. ”[1] Suas deliberações abordarão, em particular, a situação de longo prazo e gravemente escandalosa dos políticos católicos que persistem em apoiar e fazer avançar programas, políticas e leis em grave violação da maioria preceitos fundamentais da lei moral, ao mesmo tempo que afirmam ser católicos devotos, especialmente apresentando-se para receber a Sagrada Comunhão. Ao orar pelos bispos e por minha pátria, os Estados Unidos da América, tenho pensado cada vez mais sobre a experiência da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos há mais de 17 anos, em seu encontro de verão em Denver em junho de 2004, em abordando o mesmo problema. É uma experiência que vivi intensamente.

Achei importante oferecer as seguintes reflexões como uma ajuda a todos nós para abordarmos agora e no futuro uma questão tão crítica - uma questão de vida ou morte para os nascituros e de salvação eterna para os políticos católicos envolvidos - em minha terra natal , como em outras nações. Eu queria oferecer essas reflexões muito antes, mas a recuperação de recentes dificuldades de saúde impediu a redação dessas reflexões até agora.

O contexto da reunião dos Bispos dos Estados Unidos em junho de 2004 foi a campanha do senador John Kerry para a presidência dos Estados Unidos. O senador Kerry afirmava ser católico, ao mesmo tempo que apoiava e promovia o aborto sob demanda no país. Na época, eu era arcebispo de Saint Louis (nomeado em 2 de dezembro de 2003 e empossado em 26 de janeiro de 2004). Como tinha sido minha prática como Bispo de La Crosse (nomeado em 10 de dezembro de 1994 e empossado em 22 de fevereiro de 1995), admoestei o senador Kerry a não se apresentar para receber a Sagrada Comunhão porque, após ter sido devidamente advertido, ele persistiu em o pecado objetivamente grave de promover o aborto obtido diretamente. Não fui o único bispo a adverti-lo assim.

..

Conhecendo minha obrigação moral em matéria de tão graves consequências, definida no cân. 915, comecei a entrar em contato com os legisladores da Diocese de La Crosse, pedindo para me encontrar com eles para discutir a total incoerência de sua posição a respeito do aborto procurado com a fé católica que professavam. Infelizmente, nenhum deles estava disposto a se encontrar comigo. Um deles manteve certa correspondência comigo, insistindo que sua posição a respeito do aborto era consistente com a fé católica, seguindo o conselho errôneo apresentado por certos professores dissidentes de teologia moral, adeptos da escola herética do proporcionalismo, em uma cúpula realizada no Hyannisport composto da Família Kennedy no verão de 1964. A documentação do encontro pode ser encontrada em um livro de Albert R. Jonsen que acompanhou um dos dissidentes professores europeus de teologia moral e esteve presente durante todo o encontro. [2]

Quanto à recusa dos legisladores em se reunir comigo, devo observar que considero, na melhor das hipóteses, ingênuo o refrão comum de que o que é necessário é mais diálogo com os políticos e legisladores católicos em questão. Em minha experiência, eles não estão dispostos a discutir o assunto porque o ensino da lei natural, que necessariamente é também o ensino da Igreja, está fora de discussão. Em alguns casos, também, tive a forte impressão de que eles não estavam dispostos a discutir o assunto porque simplesmente não queriam que suas mentes e corações mudassem. A verdade é que o aborto obtido é a destruição consciente e voluntária de uma vida humana.

Quando eu era arcebispo de Saint Louis, um legislador católico concordou em se encontrar comigo, embora, como seu pároco também atestou, não se apresentasse para receber a Sagrada Comunhão. Ele começou a reunião mostrando-me uma foto de sua família. Pelo que me lembro, sua esposa e ele tiveram quatro filhos. À medida que nossa conversa avançava, perguntei-lhe como, depois de me mostrar com tanto orgulho a foto de seus filhos, ele podia votar regularmente a favor de matar bebês no útero. Ele imediatamente abaixou a cabeça e disse: “Está errado. Eu sei que está errado. ” Enquanto o exortava a agir de acordo com sua consciência, que ele acabara de expressar, tive que admirar o fato de que, pelo menos, ele admitiu o mal em que estava envolvido e não tentou se apresentar a mim como um católico devoto. . Sobre a realidade objetiva da prática do aborto como a mais grave violação do primeiro preceito da lei natural, que salvaguarda a inviolabilidade da vida humana inocente e indefesa, nada há sobre o que dialogar. O tema do diálogo deve ser a melhor forma de prevenir esse mal na sociedade. Tal prevenção nunca pode envolver a promoção real do mal.

Com o anúncio de minha transferência da Diocese de La Crosse para a Arquidiocese de Saint Louis em 2 de dezembro de 2003, a imprensa secular viajou para a Diocese de La Crosse, a fim de encontrar material para a criação de uma imagem negativa do novo Arcebispo antes de sua chegada à Arquidiocese. Considerando que, antes de minha transferência, não havia discussão pública de minhas intervenções pastorais com os legisladores em questão, como é totalmente apropriado, o assunto tornou-se público em dezembro de 2003 e janeiro de 2004. Ao colocar a questão da aplicação do cân. 915 perante o corpo de Bispos na reunião de junho de 2004, a ação pastoral que eu havia realizado na Diocese de La Crosse e estava começando a desenvolver na Arquidiocese de Saint Louis foi posta em sério risco. Para ilustrar o fato, durante um intervalo na reunião, encontrei, em uma escada, um dos eminentes membros da Conferência dos Bispos, que balançou o dedo para mim, declarando: Você não pode fazer o que tem feito sem a aprovação da Conferência dos Bispos. Para ser claro, outros bispos estavam seguindo uma ação pastoral semelhante. Respondi à sua declaração assinalando que, quando morrer, comparecerei perante o Senhor para prestar contas do meu serviço como Bispo, não perante a Conferência dos Bispos.

Aqui, devo observar que a ação pastoral realizada nada teve a ver com interferir na política. Foi direcionado para a salvaguarda da santidade da Sagrada Eucaristia, para a salvação das almas dos políticos católicos em questão - que estavam pecando gravemente não só contra o Quinto Mandamento, mas também estavam cometendo sacrilégio ao receber indignamente a Sagrada Comunhão - e para a prevenção do grave escândalo por eles causado. Quando intervi pastoralmente com políticos católicos, isso foi feito de maneira apropriadamente confidencial. Certamente, não dei publicidade ao assunto. Foram antes os políticos que acharam útil apresentar-se como católicos praticantes, na esperança de atrair os votos dos católicos, que divulgaram o assunto para fins políticos.

A discussão durante a reunião de junho de 2004 foi difícil e intensa. Sem entrar nos detalhes da discussão, parecia não haver consenso entre os Bispos, embora houvesse entre alguns dos Bispos mais influentes o desejo de evitar qualquer intervenção com políticos católicos que, segundo a disciplina do cân. 915, não deve ser admitido para receber a Sagrada Comunhão. Por fim, o presidente, o então bispo Wilton Gregory da Diocese de Belleville, reenviou o assunto para uma Força-Tarefa sobre Bispos Católicos e Políticos Católicos sob a presidência do então Cardeal Theodore McCarrick, que se opôs claramente à aplicação do cân. 915 no caso de políticos católicos que apoiam o aborto procurado e outras práticas que violam gravemente a lei moral. A Força-Tarefa era composta por um grupo de bispos com visões diversas sobre o assunto. Em qualquer caso, com o tempo, a Força-Tarefa foi esquecida e a questão crítica não foi tratada pela Conferência dos Bispos. Quando o bispo Gregory anunciou a Força-Tarefa, o bispo sentado ao meu lado observou que agora podíamos ter certeza de que a questão não seria tratada. 

No contexto da lembrança da reunião de Denver da Conferência Episcopal dos Estados Unidos em junho de 2004, é importante para mim relatar duas outras experiências pessoais relacionadas.

Primeiro, na primavera de 2004, enquanto eu estava em Washington, DC, para atividades pró-vida, eu me encontrei em particular por 45 minutos com um dos funcionários mais graduados do governo federal, um cristão não católico que se manifestou grande respeito pela Igreja Católica. No decorrer de nossa conversa, ele me perguntou se, em vista das graves dificuldades de saúde do Papa São João Paulo II, a eleição de um novo Papa poderia significar uma mudança no ensino da Igreja sobre o aborto procurado. Expressei alguma surpresa com sua pergunta, explicando que a Igreja nunca pode mudar seu ensino sobre o mal intrínseco do aborto provocado porque é um preceito da lei natural, a lei escrita por Deus em cada coração humano. Ele respondeu que fez a pergunta porque havia concluído que o ensino da Igreja sobre o assunto não poderia ser tão firme, já que ele poderia nomear para mim 80 ou mais católicos no Senado e na Câmara dos Representantes, que regularmente apóiam a legislação pró-aborto.

A conversa em questão foi um testemunho eloquente do grave escândalo causado por tais políticos católicos. De fato, contribuíram de maneira significativa para a consolidação de uma cultura da morte nos Estados Unidos, na qual o aborto obtido é simplesmente um fato da vida cotidiana. O testemunho da Igreja Católica sobre a beleza e a bondade da vida humana, desde seu primeiro momento de existência, e a verdade de sua inviolabilidade foi gravemente comprometida a ponto de os não católicos acreditarem que a Igreja mudou ou mudará o que é, em fato, um ensinamento imutável. Enquanto a Igreja, cumprindo a missão de Cristo, seu Cabeça, para a salvação do mundo se opõe totalmente ao ataque à vida humana inocente e indefesa, a Igreja Católica nos Estados Unidos parece aceitar a prática abominável, de acordo com uma visão totalmente secularizada da vida humana e da sexualidade.

A esse respeito, soube que o argumento da verdade sobre a vida humana muitas vezes é ineficaz, uma vez que a cultura não tem consideração pela verdade objetiva, exaltando as visões do indivíduo, por mais contrárias à razão que possam ser. Talvez, a abordagem adotada na assistência às mães e pais que contemplam o aborto deva ser adotada em uma escala mais ampla, ou seja, a visualização de um ultrassom da minúscula vida humana em seu início. Em minha experiência, quando mães e pais pensam em obter uma visão do aborto, primeiro, tal ultrassom, a grande maioria deles não procede ao aborto. A imagem visível da beleza e da bondade da vida humana os convence do mal do aborto. Esses ultrassons devem ser facilmente visualizados, especialmente por aqueles que são responsáveis ​​por conduzir o testemunho essencial da Igreja à vida e por aqueles que são responsáveis ​​pelas políticas, programas e leis da nação, que devem proteger e promover a vida humana, e não cuidar de sua destruição.

O segundo evento aconteceu durante minha visita a Roma no final de junho e início de julho de 2004, a fim de receber do Papa João Paulo II o pálio do Arcebispo Metropolitano de São Luís. Dada a difícil experiência do encontro em Denver, no início do mês de junho, fui aconselhado a visitar a Congregação para a Doutrina da Fé, a fim de ter certeza de que minha prática pastoral era coerente com o ensino e a prática da Igreja. Fui recebido em audiência pelo então Prefeito da Congregação, Sua Eminência, o Cardeal Joseph Ratzinger, e pelo então Secretário da Congregação, Arcebispo, agora Cardeal, Angelo Amato, e um oficial da Congregação de língua inglesa. O Cardeal Ratzinger garantiu-me que a Congregação havia estudado minha prática e não encontrou nada questionável sobre ela. Ele apenas me advertiu para não apoiar publicamente candidatos a cargos públicos, algo que, de fato, eu nunca havia feito. Ele expressou alguma surpresa com a minha dúvida sobre o assunto, apresentando uma carta que havia escrito aos bispos dos Estados Unidos, na qual abordou a questão de forma completa. Ele perguntou se eu tinha lido sua carta. Eu disse a ele que não havia recebido a carta e perguntei se ele poderia gentilmente fornecer uma cópia para mim. Ele sorriu e sugeriu que eu o lesse em um blog popular, pedindo ao oficial de língua inglesa que fizesse uma fotocópia do texto conforme A carta em questão apresenta de maneira autorizada o ensino e a prática constantes da Igreja. O fracasso em distribuí-lo aos bispos dos Estados Unidos certamente contribuiu para o fracasso dos bispos em junho de 2004 de tomar as medidas adequadas na implementação do cân. 915. Agora, fui informado de que se afirma que a carta era confidencial e, portanto, não pode ser publicada. A verdade é que foi publicado, já no início de julho de 2004, e que claramente o Prefeito da Congregação, que o escreveu, não se incomodou em nada com o fato.

Já se passaram dezessete anos desde a reunião da Conferência Episcopal dos Estados Unidos em Denver, no mês de junho de 2004. A questão mais séria da aplicação do cân. 915 do Código de Direito Canônico aos políticos católicos que apóiam e promovem programas, políticas e legislação em grave violação da lei natural aparentemente permanece uma questão para a Conferência dos Bispos. Na verdade, a obrigação de cada Bispo é uma questão de disciplina universal da Igreja, no que diz respeito à fé e à moral, sobre a qual a Conferência dos Bispos não tem autoridade. De fato, vários bispos compreenderam seu sagrado dever nesta matéria e estão tomando as medidas cabíveis. A Conferência Episcopal desempenha um importante papel de apoio ao Bispo diocesano, mas não pode substituir a autoridade que lhe pertence propriamente. É o Bispo diocesano, não a Conferência, que aplica o direito universal a uma situação particular. [4]

O trabalho da Conferência dos Bispos é ajudar os Bispos individualmente no cumprimento de seu sagrado dever, de acordo com o cân. 447 do Código de Direito Canônico: “Uma conferência de bispos, uma instituição permanente, é um grupo de bispos de alguma nação ou de certo território que exercem conjuntamente certas funções para os fiéis cristãos de seu território, a fim de promover o bem maior que o A oferta da Igreja à humanidade, sobretudo através de formas e programas de apostolado devidamente adaptados às circunstâncias do tempo e do lugar, segundo as normas do direito ”. [5] O que mais corresponde à promoção do“ bem maior que a Igreja oferece a humanidade ”do que a salvaguarda e promoção da vida humana criada à imagem e semelhança de Deus, [6] e redimida pelo Preciosíssimo Sangue de Cristo, Deus Filho Encarnado, [7] corrigindo o escândalo dos políticos católicos que publicamente e promover obstinadamente o aborto procurado.

Convido-vos a rezar comigo pela Igreja nos Estados Unidos da América e em todas as nações, para que, fiel à missão de Cristo, seu Esposo, seja fiel, límpida e intransigente na aplicação do cân. 915, defendendo a santidade da Sagrada Eucaristia, salvaguardando as almas dos políticos católicos que violariam gravemente a lei moral e ainda se apresentariam para receber a Sagrada Comunhão, cometendo sacrilégio e prevenindo o mais grave escândalo causado pelo descumprimento da norma de lata. 915.

Que Deus abençoe você e suas casas. Por favor, ore por mim e especialmente pela recuperação da minha saúde.

                                                            Atenciosamente no Sagrado Coração de Jesus

                                                            e o Imaculado Coração de Maria,

                                                            e no mais puro coração de São José,

Raymond Leo Cardeal BURKE

[1] “Can. 915 Ad sacram communionem ne admittantur excommunicati et interdicti post irrogationem vel statementem poenae aliique in manifesto gravi peccato obstinate perseverantes. ”

[2] Cfr. Albert R. Jonsen, The Birth of Bioethics (Nova York: Oxford University Press, 1998), pp. 290-291.

[3] Cfr. https://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/7055.html; Tradução do inglês:

https://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/7055bdc4.html?eng=y

[4] Cfr. posso. 447; e Ioannes Paulus PP. II, Litterae Apostolicae Motu proprio datae, Apostolos suos, De theologica et iuridica natura conferentiarum Episcoporum, 21 Maii 1998, Acta Apostolicae Sedis 90 (1998) 641-658.

[5] “Can. 447 Episcoporum conferentia, institutum quidem permanens, est coetus Episcoporum alicuius nationalis vel certi territorii, munera quaedam pastoralia coniunctim pro christifidelibus sui territorii exercentium, ad maius bonum provehendum, quod hominibus praebeti, tempori hominibus praebeti, tempori apatas et apóstolis, praesertim e apóstolo ad normam iuris. ”

[6] Cfr. Gen 1, 27.

[7] Cfr. 1 Pet 1, 2,19; 1 Jo 1,7; Rm 3, 25; Ef 1, 7; e Hb 9, 12; e Rev 1, 5.aparecia integralmente no blog.


5 comentários:

Isac disse...

... quando morrer, comparecerei perante o Senhor para prestar contas do meu serviço como Bispo, não perante a Conferência dos Bispos - foi a resposta de D Burke a quem o interpelou - corretíssima.
Nesse ponto correlacionado à permissão da S Comunhão a políticos que apóiam abertamente o aborto, conceder-lha é profanação, aumentar os pecados aos comungantes e a si, como cardeal pior ainda sendo pastor, cardeal, bispo ou sacerdote, é no mínimo incorrer em gravíssimo pecado, assim como de escândalo aos que são católicos assumidos, facilitando aos incautos até apoiá-los!
Que vergonha para os religiosos apoiadores de Biden, talvez estariam indiretamente apoiando a NOM e PCs, pois esses são abortistas oficiais, caso do PT, destituindo dois deputados resolutos a serem pró vida e assumidos - enxotados do partido - sorte desses!

Adilson disse...

Destaco: "Biden não se confessou com Francisco".

Isso diz muita coisa! É profundo e tenebroso, pois, de fato, como já disse esse blog: o atual papa é a consequência máxima do CV II. E vou além: é a consequência de um abandono que começou muito antes.

Observemos, esse "Biden não se confessou com Francisco" não nem novidade e nem deveria preocupar as pessoas, pois isso já era previsível, pois sempre esteve diante de nossos olhos e claro evidente. Onde? Ora, antes do papa Francisco as paróquias já haviam eliminado os confessionários e as águas-bentas.

Pior: isso nem preocupava, nem escandalizava nem enfurecia as novas gerações de padres nas décadas de 70 e 80.

Só com o advento da internet é que houve algumas reações.

Conclusão: ora, se o tal "Biden não se confessou com Francisco" já rolava solto sob os bispados, e com incentivo de bispos, agora esse imperativo chegou ao topo da hierarquia da Igreja.

Infelizmente já dominaram tudo, tudinho mesmo.

A nós, os que ficarmos de pé cabe praticar o Rosário, pois é fato: quando algo vir sobre a humanidade, esse algo não selecionar o clero desobediente, omisso e que optou por ser inimigo da Igreja. Não, não! Vai pegar todo mundo, quem tem culpa e quem não. Como na Revolução de 1789.

Bom, geralmente os bons pagam mais. Quem não se lembra do martírio das carmelitas?

Adilson disse...

Dr Pedro, tudo o que tá acontecendo me fez lembrar hoje de um texto magnífico de Machado de Assis chamado a Igreja do Diabo. Se não o leu, creio que esse é um momento, dado o feriado.

Embora seja mera literatura sem qualquer pretensão a uma distopia, mas lendo o texto, não há como não ficarmos intrigado.

Será que escritores do passado faziam certas conjecturas sobre o horizonte da possibilidade da Igreja ser golpeada por dentro por meio de ideias? O fragmento abaixo chega ser incômodo ao observarmos tudo o que vem acontecendo:

"- Vá, pois, uma igreja, concluiu. Escritura contra Escritura, breviário contra breviário. Terei a minha missa, com vinho e pão à farta, as minhas prédicas, bulas, novenas e todo o demais aparelho eclesiástico."

Isac disse...

TER OU NÃO SE CONFESSADO COM FRANCISCO, QUE ADIANTARIA?
Pelo que sei, à absolvição dos pecados, a confissão só é válida se houver arrependimento e resolução de não mais os cometer; caso contrário, a confissão é inválida!
Nesse caso, o penitente comete sacrilégio, sai muito pior que entrou, além de existirem penalidades canônicas para o confessor que absolve, sabendo que o penitente é contumaz naquele pecado, cometê-lo-á pertinazmente, portanto, sabe das más disposições posteriores dele, caso Biden, NOMista e contumaz defensor do aborto!
Se Francisco ao acaso ousasse confessá-lo, sendo membro Biden do PT americano, talvez automaticamente já excomungado latae sententiae, censurariam-no duramente!
Ele não se exporia tão facilmente às repreensões que lhe adviriam - seria o mais certo!

Pedro Erik disse...

Obrigado pela dica de leitura, meu caro Adilson.

Abraço