quarta-feira, 14 de abril de 2021

Padre Stravinskas: Os Ataques de Francisco contra Padres e Seminaristas

Por que Francisco gosta tanto de falar mal de padres e seminaristas, ao ponto de chamá-los de "monstrinhos"? O padre Stravinskas se faz essa pergunta e conta quatro casos recentes de ataques de Francisco contra padres e seminaristas. Ele também mostra pesquisa em que bispos dizem que nenhum seminarista está sendo estimulado a ser padre pelo atual pontificado. Pelo contrário, Francisco destrói as vocações, desestimula.

Eu costumo achar que Francisco tem uma característica que tinha Obama, a característica de alguém que detesta aquilo que lidera, como um pai que detesta sua própria família. 

Obama não cessava de falar mal de seu próprio país, de rebaixá-lo em relação aos outros, seja em relação à história do país, seja em relação ao próprio momento dos Estados Unidos. E assim, Obama mostrava até desrespeito pelo próprio povo americano, considerando-o racista e inculto.

Substitua a palavra Obama pela a de Francisco, a palavra Estados Unidos pela a da Igreja, e as palavras racista e inculto, por carreirista e pervertido moral. E teremos a versão Obama no Vaticano.

Vou traduzir rapidamente aqui parte das palavras do padre Stravinskas sobre o ódio que Francisco destila contra os próprios padres, publicadas no The Catholic World Report (relevem erros de tradução, como sempre, faço sempre às pressas)

Olhando as Traves nos olhos dos Sacerdote

padre Peter Stravinskas

Na Quinta-feira Santa deste ano, dia preeminente da Sagrada Eucaristia e do Sagrado Sacerdócio, o meu pensamento regressou - com saudade - aos vinte e sete anos do pontificado de São João Paulo II e às suas cartas da Quinta-feira Santa “aos meus amados sacerdotes . ” Padres e seminaristas os esperavam ansiosamente. Em nossa Comunidade, nos reuniríamos na Quinta-feira Santa ao meio-dia para rezar a oração do meio-dia, ao final da qual lemos em voz alta a missiva do Papa para aquele ano. Em seguida, seguiu-se uma refeição festiva, para a qual muitos clérigos locais se juntaram a nós para celebrar a bondade de Deus para conosco ao nos tornar "dispensatores mysteriorum Dei" (dispensadores dos mistérios de Deus).

Essa recordação tornou ainda mais triste a constante negatividade dirigida a nós sacerdotes pelo atual Papa. Esse “sentimento” não é algo exclusivo de mim. Isso ficou claro em um projeto de pesquisa que está sendo feito para a Universidade de Notre Dame por Francis X. Maier. Devo observar que ele não apenas tem sido um amigo próximo e colaborador por cerca de quarenta anos, mas é um dos poucos "burocratas" eclesiásticos leigos que não é um "aspirante a padre" e que genuinamente ama e respeita os padres (até quando alguns de nós podem tornar isso difícil de fazer).

Sobre o estudo. Temos permissão para escutar as observações dos bispos sobre o Papa Francisco, entre muitos outros tópicos. “Nas palavras de um bispo perplexo do oeste do Mississippi, 'É como se Francisco gostasse de cutucar nosso olho.'” “Cutucar nosso olho” - uma maneira bastante simples de cristalizar um sentimento comum entre clero.

E quanto aos seminaristas? O pesquisador Maier compartilha o seguinte: “Quando pressionado, nenhum dos bispos que eu questionei poderia relatar um único seminarista diocesano inspirado a seguir a vida sacerdotal pelo atual Papa. Ninguém teve qualquer prazer em reconhecer isso. ” Novamente, isso se compara à minha própria experiência em palestras e retiros que dei a vários seminaristas. De fato, em minha direção espiritual aos seminaristas, também tive a nada invejável tarefa de tentar convencê-los (e também aos jovens sacerdotes) a não desistir do sacerdócio, tantos desanimados de Francisco.

Talvez o mais surpreendente para muitos seja que seminaristas que conheço, muitos dos quais mal haviam feito sua Primeira Comunhão nos últimos anos do papado de João Paulo, o nomeiam como seu modelo de vida e ministério sacerdotal; Bento XVI é também muito valorizado pelos nossos seminaristas - muitos dos quais mantêm um silêncio respeitoso sobre o atual Pontífice, para que não mostrem desrespeito ou mesmo desdém. Isso é bastante revelador. Também explica por que o número do seminário caiu tanto, precisamente nos últimos oito anos. Francamente, por que um jovem encontraria inspiração em um homem que até chamava os seminaristas de “monstrinhos”?

Eu trago este assunto desagradável porque apenas nas duas semanas antes da Semana Santa, os padres receberam quatro “cutucadas” papais.

O primeiro, é claro, foi a proibição de celebrações individuais da Santa Missa na Basílica de São Pedro, sobre a qual escrevi aqui na CWR. Esse decreto criou uma tempestade de indignação em todo o mundo. O cardeal Raymond Burke foi o primeiro prelado a sair do paddock a condenar o ataque insultuoso à hospitalidade sacerdotal. Desde então, ele foi acompanhado pelos cardeais Walter Brandmüller e Gerhard Müller e pelo cardeal Robert Sarah, até recentemente, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. O indomável cardeal Joseph Zen também entrou na lista. Não é uma pequena ironia que o Papa que não gosta de missas privadas na Basílica de São Pedro tenha abandonado aquela basílica para uma Missa privada na Quinta-feira Santa (de todos os dias!) Na capela do apartamento do desgraçado Cardeal Giovanni Angelo Becciu!

A segunda indicação do desprezo papal pelos padres foi sua decisão de cortar os salários dos cardeais, bispos e padres que trabalhavam na Cúria Romana, mas não dos empregados leigos. Isso pode exigir alguma explicação para que os leitores americanos entendam a tremenda injustiça. O típico leigo americano pode ter reagido com aprovação, “Afinal”, alguém ficaria tentado a dizer, “os padres não têm despesas com leigos. Alojamento e comida grátis e todas as outras coisas necessárias fornecidas também. ” Mas não pensem assim tão rápido.

O clero que trabalha na Cúria recebe um salário, no entanto, alojamento e alimentação não estão incluídos; para isso, eles estão por conta própria. Por exemplo, se um padre mora na residência Santa Marta (onde vive o Papa Francisco), até a metade de seu salário vai para pagar sua casa e alimentação. Lembro-me bem de quando um bispo amigo meu foi chamado para servir em Roma e recebeu um apartamento do Vaticano, que havia sido lamentavelmente abandonado e precisava de muitos reparos, bem como reforma. O projeto era de responsabilidade exclusiva do novo inquilino. Além disso, um bispo ou cardeal geralmente terá um sacerdote-secretário morando com ele e talvez uma ou mais irmãs para ajudar nas várias tarefas domésticas; a manutenção desse pessoal deve ser paga diretamente pelo prelado. Em outras palavras, o clero que trabalha no Vaticano tem as mesmas responsabilidades financeiras que os trabalhadores leigos - mas o Papa penalizou apenas o clero. Além das considerações financeiras, o clero da Cúria muitas vezes vive a milhares de quilômetros de suas casas e famílias, fazendo enormes sacrifícios pessoais pelo bem da Igreja. Claro, em mais de uma ocasião, Francisco exortou aqueles padres a voltarem para casa (onde eles provavelmente pertencem!).

O terceiro “golpe no olho” aconteceu quando Francisco deu uma audiência aos padres estudantes do colégio filipino, em comemoração ao sexagésimo aniversário da instituição e aos 500 anos de evangelização das Filipinas. No decorrer do discurso, 3 o Papa os advertiu a não “alçarem voo em um passado‘ ideal ’” (em outras palavras, não sejam “conservadores”). Além disso, não para “imaginar as designações de‘ prestigioso ’que o bispo certamente desejará confiar a você após seu retorno ... Não, isso não! Isso é fantasia ”(Tradução: não espere colocar em prática o treinamento especial que você está recebendo - porque isso teria cheiro de“ clericalismo ”ou“ carreirismo ”); Enfim, não “falar mal” uns dos outros (por que ele presumiria que esses jovens padres fariam isso?). Então, três olhos negros no que deveria ter sido uma ocasião alegre.

O último “empurrão no olho” veio durante uma audiência papal dada à comunidade sacerdotal do Pontifício Colégio Mexicano em 29 de março. Francisco os advertiu para “não se fecharem em suas casas, escritórios ou hobbies”. Ele continuou: “O clericalismo é uma perversão”. Ele então passou a menosprezar o doutorado. Novamente, por que sempre as presunções negativas?

Este Papa tem um “problema” com uma forte identidade sacerdotal, que ele iguala com “clericalismo” (o que é de fato uma falha, pois busca privilégios em vez de oferecer serviço) . Para ser claro: não há nada de errado com um Papa apresentando pontos para reflexão e aprimoramento sacerdotal, mas a interminável batida negativa dos tambores é um fator importante para o baixo moral entre o clero e certamente uma influência prejudicial para os jovens que contemplam o Sagrado Sacerdócio. Essas “cutucadas” impossibilitam os sacerdotes de ouvir qualquer coisa boa que esse Papa possa dizer sobre nós e nossa vocação.

Quando São João Paulo assumiu a cadeira de Pedro, o sacerdócio estava em sua fase mais baixa desde a Reforma Protestante. Na verdade, mais homens abandonaram sua sagrada vocação na esteira do Concílio Vaticano II do que no século dezesseis - cerca de 100.000 deserções do Sacerdócio Sagrado, pela maioria das estimativas. Além disso, conceitos terríveis do ministério sacerdotal foram ensinados nos seminários por mais de uma década, poluindo assim uma geração de padres, assim como infectando milhares de já ordenados. Seguindo seu próprio conselho: “Não tenha medo”, João Paulo deu um passo à frente com entusiasmo.

...


Continuem lendo, clicando aqui, são palavras de quem realmente entende o tal "Efeito Francisco" na Igreja.



4 comentários:

Adilson disse...

Dr Pedro, só uma dúvida o que pretende dizer por "carreirista"? Fiquei na dúvida.

Pedro Erik disse...

Carreirista é alguém que só pensa em poder e grana, só pensa em subir de posição na hierarquia. Francisco vive acusando padres, bispos...de só pensar em poder.

Abraço

Isac disse...

Seria o papa Francisco adepto do "CHAME OS OUTROS DO QUE V É E ACUSE OS OUTROS DO QUE V FAZ"?
Sei não: os procedimentos do papa Francisco passariam-nos a impressão que não se simpatiza com a Igreja católica tradicional de forma alguma, mas compartilharia de fato com os esquerdistas, muçulmanos e B'nai B'rith!

Isac disse...

Se tiver um tempinho, até nosso confiável profeta D Viganò, favoravelmente, foi colocado no lugar certo:
http://santamariadasvitorias.org/o-fim-dos-tempos-e-o-grande-reset/