terça-feira, 1 de junho de 2021

Feser - O Que é a Igreja Católica com Clérigos Heréticos?


Você está cada vez mais assustado com as heresias que são propagadas por clérigos da Igreja Católica, a começar por seus mais importantes representantes? Eu mesmo acho que nunca na história dos papas (já li alguns livros sobre os papas, com o excelente livro Santos e Pecadores de Eamon Duffy) tivemos situação tão herética divulgada a partir de Francisco. Ele, na minha humilde opinião, deveria ser anátema para a Igreja, mesmo porque já assinou publicamente heresias gravíssimas, dentre muitas outras ações muito problemáticas, algumas descritas no meu e-book, sem falar que Francisco persegue abertamente os clérigos que mais amam a Igreja, enquanto exalta clérigos, políticos e ativistas que odeiam a Igreja. E claramente temos dezenas de bispos e padres heréticos e até criminosos denunciados diariamente.

Mas eu nunca pensei em sair da Igreja Católica. A Igreja é o que eu sou. E obviamente não vou entregá-la para heréticos. Pelo contrário, a Igreja é a luz do mundo e meu objetivo é defendê-la. 

Hoje, li um excelente artigo do filósofo católico Edward Feser que discute o assunto de católicos abandonando a Igreja por conta de crimes e heresias de clérigos. 

É um texto que merece ser lido e relido.

Vou traduzir aqui abaixo:

Não Abandone sua Mãe

Por Edward Feser 

Na teologia católica, a Igreja não deve ser identificada com um mero agregado de seus membros, nem mesmo aqueles membros que ocupam cargos eclesiásticos em um determinado momento.  Ela é uma instituição que existia antes de qualquer um de seus membros atuais e continuará a existir quando eles forem embora.  Mas mais do que isso, ela é uma pessoa corporativa, que pode ser considerada como pensando e desejando, e que tem direitos e deveres e outras características pessoais.  Ainda mais especificamente, ela é uma pessoa de natureza feminina, a Esposa de Cristo e a Santa Mãe dos fiéis, nutrindo-os por meio do sacramento e da doutrina de uma forma análoga à nutrição materna de seus filhos.

Por isso, o caráter da Igreja não deve ser buscado em um instantâneo dos membros que existem em uma determinada geração, mas sim nos atributos que persistem ao longo do tempo.  Em particular, sua doutrina - a “mente da Igreja” - não pode ser encontrada no corpo de opiniões teológicas que prevalecem entre leigos, teólogos, padres ou bispos em algum período da história.  Em vez disso, deve ser encontrado no ensino formal do Magistério ao longo do tempo, tanto extraordinário (decretos oficiais definitivos de concílios, papas e semelhantes) quanto ordinário (o ensino consistente e constantemente reiterado de séculos que, simplesmente em virtude dessas consistência e reiteração, é autorizada mesmo quando não transmitida em decretos conciliares, declarações ex cathedra e semelhantes). Da mesma forma, a santidade do caráter da Igreja não deve ser necessariamente encontrada nos atributos morais que prevalecem entre os membros ou o clero de uma geração específica.  Em vez disso, deve ser encontrada em sua tendência consistente por dois milênios de produzir santos.

Se um homem sofre por semanas com um braço quebrado ou uma gripe persistente, não o julgamos, por esse motivo, como de saúde fraca.  Nem fazemos isso, mesmo que tais condições ocorram de tempos em tempos.  Alguém com boa saúde em geral pode sofrer crises de doença.  E da mesma forma, a indefectibilidade e santidade da Igreja não são prejudicadas pelo fato de que em algumas gerações ela é especialmente aflita com membros e líderes que são tolos, perversos ou de outra forma falham com sua Mãe e seu esposo divino.  A Igreja, como se diz, pensa em séculos.  E essa é a escala em que ela deve ser entendida.

Naturalmente, o cético terá todos os tipos de perguntas, mas entrar em detalhes sobre quais tipos de erros são compatíveis com a alegação de infalibilidade da Igreja não é o assunto deste post.  Abordei esses assuntos em outro lugar (vejam os links abaixo).  Esta postagem é dirigida principalmente àqueles que concordam, ou pelo menos simpatizam com as afirmações que a Igreja Católica faz sobre si mesma, mas que estão escandalizados com a crise moral e teológica pela qual ela está passando.  E é ocasionado pelos comentários recentes de Rod Dreher sobre o cri de coeur (choro de coração) do escritor católico tradicionalista Steve Skojec sobre o estado da Igreja.

Dreher deixou a Igreja Católica pela Ortodoxia Oriental alguns anos atrás, depois de cobrir o escândalo de abuso sexual do clero como jornalista, e compreensivelmente ter ficado horrorizado tanto com o mal perpetrado pelos abusadores quanto com o fracasso da hierarquia em responder adequadamente a ele.  Skojec está chocado com esse abuso também, e também com a heterodoxia que, nos últimos anos, não apenas passou despercebida pelas mais altas autoridades da Igreja, mas foi positivamente auxiliada e estimulada por algumas delas.  Mas ele também lamenta a insularidade, a hipocrisia, a ineficácia e a suscetibilidade a idéias políticas malucas que vê entre muitos de seus colegas tradicionalistas.  E seu artigo foi ocasionado por indignação com algum tratamento miserável que ele diz que sua família foi submetida em sua paróquia tradicionalista.  Skojec não chega a dizer que vai deixar a Igreja, mas Dreher sugere que Skojec deve considerar seguir sua própria liderança e mudar para a Ortodoxia Oriental.

Não sei nada sobre as pessoas que Skojec acusa de abuso espiritual e, portanto, não faço comentários sobre a justiça de suas acusações ou sobre sua situação pessoal, além de dizer que ele está obviamente sofrendo e me sinto mal por ele e desejo-lhe o melhor.  E embora os católicos tradicionalistas sejam em geral injustamente caluniados, é claro que há malucos e pessoas insulares e hipócritas entre eles (como há dentro de qualquer grupo) e que as crises políticas e eclesiásticas dos últimos anos exacerbaram isso.  Eu também não questiono a sinceridade de Dreher, e está claro para qualquer pessoa que tenha lido seu trabalho ao longo dos anos que ele sofreu muito com o que descobriu enquanto relatava o escândalo de abuso sexual.

O drama de Dreher

 Eu, no entanto, questiono o julgamento de Dreher, que é manifestamente ruim, e não é um exemplo para Skojec ou qualquer outra pessoa seguir.  Como ele mesmo admitiu, a decisão de Dreher de deixar a Igreja foi motivada pela emoção, e não pela razão.  Pelo que posso dizer, ele nem mesmo afirma ter qualquer resposta aos argumentos que uma vez o convenceram da verdade do catolicismo.  Em vez disso, ele fala sobre como seu coração foi partido pelo mal feito pelos abusadores, a hipocrisia e corrupção da hierarquia e o autoengano de companheiros católicos bem-intencionados.  Ele fala sobre ver que seu próprio compromisso com o catolicismo foi prejudicado pelo orgulho e pela justiça própria.  Ele nos diz que para ser um bom cristão não basta ter bons argumentos e seguir a letra da lei.  Ele nos diz que nos dias antes de deixar a Igreja, ele ficou tão cheio de raiva que "o cegou para as coisas boas e sagradas da Igreja Católica", e que partir para a Ortodoxia proporcionou uma espécie de libertação que levou  para uma espiritualidade mais saudável.

Bem, isso é bastante justo.  O problema é que isso simplesmente não implica de forma alguma que as afirmações da Igreja Católica sejam falsas, e Dreher sabe disso.  Novamente, ele não oferece contra-argumentos em resposta aos argumentos que uma vez considerou convincentes.  Ele também admite que exatamente as mesmas doenças que viu quando ainda era católico podem afligir, e têm afligido, todos os outros movimentos, organizações e igrejas, incluindo a Ortodoxia Oriental.  Conseqüentemente, ele essencialmente reconhece que não tem qualquer base racional para o que fez, mas foi conduzido por uma resposta emocional à sua própria situação pessoal.

Como todas as pessoas que agem contrariamente à razão, Dreher tenta racionalizar seu ato, com clichês sobre como somos criaturas de emoção e não apenas intelecto, como seguir regras e produzir argumentos organizados não é suficiente, etc. Claro, isso é tudo confuso.  O próprio Dreher não ficaria impressionado com esse tipo de retórica se fosse oferecida por alguém que discordasse dele.  Por exemplo, Dreher é um cristão que adota os ensinamentos teológicos e morais tradicionais da fé.  Se alguém rejeitasse tudo isso com base em alguma experiência ruim ou crise emocional, e continuasse sobre como somos criaturas de emoção, como as regras não são suficientes, etc., Dreher não consideraria isso um bom motivo para duvidar do  verdade do Cristianismo.  Ele diria que sente por tal pessoa e não o julga, mas que, em última análise, tal pessoa está simplesmente enganada. O que ele parece não perceber é que a mesma coisa pode ser dita sobre ele.  Como alguém que compreensivelmente, mas erroneamente rejeita o Cristianismo por causa de experiências pessoais dolorosas, Dreher compreensivelmente, mas erroneamente rejeita o Catolicismo por causa de suas próprias experiências pessoais dolorosas. 

Sem dúvida, Dreher pensa que há mais do que isso, mas ele explicitamente se recusa a oferecer qualquer base racional para pensar que há mais do que isso.  E quando você começa evitando a razão, você perde por definição o argumento.  Dreher consideraria tal julgamento friamente lógico, mas é claro, isso é precisamente para duplicar o erro, em vez de mostrar que não é um erro.  Os seres humanos são criaturas racionais por natureza.  Sim, somos mais do que isso, mas a questão é que não somos menos do que isso.  Conseqüentemente, embora uma visão de mundo sólida deva satisfazer nossas emoções, se também não pode passar no teste da justificação racional, então necessariamente flutua livre da realidade objetiva.  Dreher sabe disso, e corretamente condena o subjetivismo quando o vê na Teoria Crítica da Raça, extremismo transgênero e outras ideologias e movimentos malignos.  Ele simplesmente não vê isso em si mesmo.  É por essa dissonância cognitiva que, apesar de evitar a razão, Dreher vem há anos tentando justificar sua evasão da razão e, portanto, só consegue se amarrar em nós.

Não digo isso para condenar Dreher, que parece ser um cara legal e de cuja escrita eu gostei e tirei proveito ao longo dos anos.  Mas deve ser dito quando ele está tentando levar outros a cometer o mesmo erro que ele cometeu.

 Calendário de Providência

É fácil para os escritores cujo foco está na política e nos eventos atuais escandalizar-se e ficar impacientes com muita facilidade.  Isso provavelmente é especialmente verdade entre nós, americanos.  Nosso idealismo de “cidade brilhante na colina” exige perfeição em nossas instituições, líderes e concidadãos.  Quando não conseguimos, nossa mentalidade quer uma solução para o problema e quer agora.  Quando a satisfação não está próxima, nossa mentalidade de "não pise em mim" ameaça expulsar os vagabundos quando podemos e pegar nossas bolinhas de gude e ir para outro lugar quando não pudermos.

Bem, simplesmente não é assim que a providência divina funciona, como as escrituras e a história da Igreja deixam claro.  Cristo nos avisa repetidamente que enfrentaremos sofrimento, perseguição, martírio, falsos mestres e um grau de maldade que ameaçará esfriar nossa caridade, e que isso faz parte do acordo quando pegamos nossa cruz e o seguimos.  Por que ficamos surpresos quando isso acontece?  Supomos que ele realmente não quis dizer isso?

Skojec está escandalizado pelo fato de que a confusão e heterodoxia fomentadas pelas muitas declarações doutrinariamente problemáticas do Papa Francisco ainda não foram remediadas, apesar de ele ter estado no cargo por oito anos.  Isso é bastante ridículo.  Oito anos não é nada em termos de história da Igreja.  O caos absoluto introduzido no governo da Igreja pelo lunático Sínodo do Cadáver do Papa Estêvão VI durou décadas.  O mesmo aconteceu com o caos do Great Western Schism.  Os erros do papa Honório não foram condenados até quarenta anos após sua morte.  Outros exemplos poderiam ser facilmente dados.  Poucas pessoas se lembram desses eventos agora, porque as coisas acabaram se resolvendo tão completamente que agora parecem manchas.  Se o mundo ainda estiver aqui daqui a séculos, o reinado caótico do Papa Francisco terá a mesma aparência para os católicos do futuro.

Depois, é claro, há o martírio que os primeiros cristãos sofreram durante séculos, que os cristãos das últimas décadas sofreram sob o comunismo e o islamismo e que inúmeros cristãos sofreram nos séculos intermediários.  Desnecessário dizer que isso é pior do que ser tratado com mesquinharia por outros católicos hipócritas ou ser decepcionado por bispos irresponsáveis.

De maneira nenhuma pretendo zombar da dor evidente de Skojec ou Dreher.  Pelo contrário, sinto por eles.  Mas a dor pode nos cegar para a razão e nosso dever.  E pode nos cegar para o fato de que não sofremos sozinhos, que Cristo permite que soframos apenas porque Ele próprio o sofreu.  Precisamos colocar o sofrimento em perspectiva, uni-lo ao sofrimento de Cristo e aceitá-lo em espírito de penitência e solidariedade com os que sofrem, especialmente com aqueles que sofrem pior.  Precisamos ter em mente que, na Igreja como um todo, Cristo acertará as coisas em seu próprio tempo.  E precisamos nos concentrar no fato de que naquela parte da Igreja sobre a qual cada um de nós tem controle - ou seja, o estado de nossas próprias almas - precisamos suportar apenas 90 anos  que é o máximo que a maior parte  nós temos.

É pessoal

Dreher, Skojec e outros escandalizados com o estado da Igreja ainda podem achar isso muito sem sangue e impessoal.  Justo.  Volto, então, ao ponto com que comecei, que é que a Igreja é uma instituição pessoal.  Quando um católico a abandona, não é como sair de um partido político, ou cancelar uma assinatura, ou decidir não mais usar os produtos de uma empresa.  É mais como romper um relacionamento com outro ser humano.

Mas, na verdade, é ainda pior do que isso.  Quando um católico deixa a Igreja porque está escandalizado com heresia, abuso sexual e assim por diante, é como fugir da cena quando sua mãe está sendo atacada, para que não se machuque.  É abandonar a Santa Mãe Igreja, a Esposa de Cristo, aos hereges e pervertidos, ao invés de ajudá-la contra eles e sofrer com ela enquanto a atacam.

O assunto não poderia ser menos acadêmico.  O que está em questão não é um mero erro intelectual.  É uma questão de lealdade pessoal ou traição.  Ou não acreditamos no que Cristo disse sobre a natureza da Igreja pela qual ele mesmo sofreu e morreu?

Referências  de Feser (textos que ele escreveu)

The Church permits criticism of popes under certain circumstances

Papal fallibility

Two popes and idolatry

The strange case of Pope Vigilius

Some comments on the open letter

Popes, heresy, and papal heresy

Why Archbishop Viganò is almost certainly telling the truth

Denial flows into the Tiber


6 comentários:

Wadson disse...

Obrigado Pedro pela tradução.

Anônimo disse...

Me perdoe Pedro por talvez simplificar uma discussão tão profunda. Mas permita-me fazer um breve comentário:

Os homens citados (Rod Dreher e Steve Skojec) estão propagando escândalos. Agem infelizmente como lobos. São servos maus como bem descreve Nosso Senhor Jesus Cristo.

Basicamente é isso.

Não temos que ter medo de dizer essas palavras. E temos por caridade que rezar por eles.

Já parei há tempos de seguir o Skojec, eventualmente ele dá espaço a comentários escandalosos, embora sim seu blog possua bons conteúdos, mas aqui é como ficar seguindo um "bom pastor luterano" porque ele diz coisas boas. Não devemos fazer isso.

E Rod Dreher a mesma coisa. Basta vez como ele finaliza seu artigo:

"Here is a man who is on the verge of losing Jesus. If he has to leave the Catholic Church to hold onto, or to discover Jesus, then he should do it."

Absurdo algum publicar algo assim, sugerindo alguém a abandonar a Igreja Católica para "encontrar Jesus".

É de uma irresponsabilidade pois além de Skojec milhares de pessoas irão ler isso.

Um pecado gravíssimo que se não confessado e reparado poderá custar a salvação dele.

"Então, se alguém vos disser: Eis, aqui está o Cristo! Ou: Ei-lo acolá!, não creiais."
São Mateus, 24

Emanoel Truta disse...

Boa noite Pedro!

Vou fazer uma comparação.
Por exemplo, posso comparar a Igreja Católica com minha mãe e meus irmãos com os fiéis da Igreja. Se por acaso, Deus não permita, algum de meus irmãos venha cometer um abuso sexual etc., isso não quer dizer que minha mãe (Igreja) aprova ou foi cúmplice. Mas minha mãe (Igreja) deve nesse caso corrigir meu irmão (fiel catolico) para que não venha cometer novamente. Acho que São Pedro Damião e São Pio v em seu tempo já mostraram como fazer.

Segundo, como você bem diz devemos lutar pela Igreja ela é nossa mãe e não queremos vê-La pagando por nossos erros e de nossos irmãos.

Não sei se fui feliz na analogia, mas para mim vejo a Igreja Católica como minha mãe.

Viva Cristo Rei!

Viva Cristo Rei!

Pedro Erik disse...

É isso ai, meu amigo.
Além de Mãe, é noiva de Cristo (de Deus).

Viva Cristo Rei!

Emanoel Truta disse...

Exatamente. Esposa de Jesus Cristo, Nosso Senhor e Nosso Deus.

Viva Cristo Rei!

Isac disse...

NADA DE DEIXAR A IGREJA, SOB HIPÓTESE ALGUMA E "ENCONTRAR" JESUS COMO NAS SEITAS OU NA APOSTASIA - ISSO É COISA DO SUTIL, ASTUTO E CHANTAGISTA DIABO!
A IGREJA DIFERE SUBSTANCIALMENTE DE SEUS MEMBROS, APENAS FÍSICOS, COM CORAÇÕES HERÉTICOS, ESSES QUE SE ARRANJEM E SE JUSTIFIQUEM!
Muitos, nas redes, têm considerado o papa Francisco, ou o anticristo ou precursor dele, esse, dizem outros mais sensatos; porém, que desde o V II a Igreja em seus papas, certos cardeais e bispos e milhares do clero, como os da TL, algumas e o atual papa Francisco muitas vezes nos entristeceram - seria um fato relevante e, desses casos, surgindo os deméritos sedevacantistas!
O CIC 675 e mais seguintes no-los esclarecem devidamente quanto ao presente momento; enquanto isso, o dom da fortaleza concedido pelo Espírito Santo e assistência de Jesus e da Mãe Maria nessas horas sinistras, nebulosas e tenebrosas que enfrentamos, é imprescindível para permanecermos incólumes!
Porém, que as vias para a vinda do anticristo já estariam devidamente quase ou pavimentadas, seria coerente!
"Alguns papas Deus nos dá, alguns Ele tolera, outros são por castigo" - São Vicente de Lérins!
E se o atual, ao acaso o for, castigo mais que justificado!
Salve a nossa Igreja de 2000 anos que nunca abandonaremos, dê o que der - N Senhora o ratifique!