quinta-feira, 24 de junho de 2021

De Mattei vs Viganò. Conservadores Brigam Estupidamente


Esta semana conservadores foram surpreendidos por um texto do ilustre professor Roberto De Mattei contra o arcebispo Viganô.

Depois de extensamente elogiar Viganò, De Mattei acusou Viganò de não ser ele mesmo a partir de 2019, de não escrever por ele mesmo, de alguém escrever por ele, por conta do tom dos textos contra as ações estatais relativas à pandemia.

Por que conservador tão ilustre senta um dia em frente ao seu computador e escreve um ataque tão bobo contra outro conservador. Ora, na pior das hipótese, caso Viganò tenha usado alguém para escrever por ele, ele assinou o texto, então o texto dele. Viganò não estava escrevendo uma dissertação  de mestrado ou tese de doutorado, na qual há exigência de que o texto seja completamente autoral.

Claro que Viganò respondeu da mesma forma. Extensamente elogiou De Mattei, mas negou completamente as acusações, disse que bastava De Mattei lhe questionar diretamente e aproveitou para atacar De Mattei por este se sujeitar aos ditames estatais frente à pandemia.

De Mattei insistiu dizendo que encontrou a fonte de Viganò (diz que foi um blog).

E dois editores de Viganò responderam que De Mattei está complemente errado, Viganò é um só, e escreve por ele, desde sempre.

Em suma, uma imensa bobagem.

Se você não gosta do que um amigo seu escreve, primeiro converse com seu amigo no privado. 

E a querela é de uma bobagem sem tamanho. Ao que parece a questão que está por trás é a vacina. De Mattei deveria ter sido direto na questão e não usar acusações bobas.

Está faltando problema na Igreja?


9 comentários:

Anônimo disse...

Ontem eu havia lido sobre o imbróglio acima e fiquei com sentimentos parecidos.

Sobre Viganò eu adquiri um distanciamento pois por vezes achei seus alinhamentos temerários, e não posso estar em comunhão com a linguagem incorreta por ele utilizada ao tratar o Papa Francisco como simples "Bergoglio".

Fato esse que percebo também com alguns leigos e acho muito perigoso. Falo isso pois isso vai diretamente contra o IV (Honrar Pai e Mãe). Como aprendemos no Catecismo, se existe o conhecimento e intenção, esse ato torna-se pecado mortal e perde-se a salvação. Não trata-se aqui de "detalhe", mas de algo muito sério.

Sermos críticos do Papa ou críticos do CVII não nos dá carta branca para o desrespeito.

Já vi justificativas que dizem que não há nada de errado, pois o próprio Papa Francisco retirou o título de vigário de Cristo em documentos recentes.

E a resposta a isso Nosso Senhor Jesus Cristo é quem nos dá:

"Vocês ouviram o que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, lhes digo: Não se vinguem dos que lhes fazem mal. Se alguém lhe der um tapa na cara, vire o outro lado para ele bater também."

Evangelho de São Mateus 5:38-39

Marcelo Matteussi disse...

Pedro, o que o demônio mais faz, a meu sentir, no meio de grupos que buscam viver retamente é a semeadura da discórdia. Há pouco tempo me inseri em um novel grupo de estudos católicos aqui da minha cidade, todas almas que buscam o verdadeiro catolicismo sem a contaminação pestilenta do modernismo e do progressismo. Uma das primeiras coisas que eu falei foi: vamos tomar cuidado, porque o inimigo vai plantar a discórdia entre nós. É preciso sempre e o tempo todo lembrar disso para não cair nessa armadilha. E como as almas que buscam a retidão caem nisso. É iterativo!!

Isac disse...

FRENTE A DESMERECER D VIGANÒ, DE MATTEI DEVERIA CALAR-SE!
D Viganò é um autêntico profeta, atacá-lo, de qualquer forma, seria criar uma desnecessária divisão na Igreja, logo entre os conservadores, e o que dissera não implicaria deficitariamente contra a doutrina da Igreja!
Apoiar os ditames dos governantes sujeitos aos globalistas, é bom em certos casos crer neles, com ressalvas, por não serem ao todo crédeis; geralmente deles apenas aparecem abrangentes desvios de conduta por influencers da NOM!
Não teria deixado de ser um escândalo!

Pedro Erik disse...

Não é bem assim com essa passagem, meu caro Anônimo.

Leia Cidade de Deus de Agostinho, Suma Teológica de Aquino ou mesmo meu livro de Guerra Justa.

Abraço

Anônimo disse...

Dr. Pedro,

Conheço a literatura indicada (com exceção do seu livro) e não entendi em que ponto a passagem está incorreta no contexto de meu comentário inicial. Agradeço se puderes pontuar qual problema existe na citação pois seu comentário ficou um pouco vago.

Apenas para relembrar, critico em Viganò o desrespeito ao não chamar o Papa Francisco com o título devido, mas como "Bergoglio" como sinal claro de detrimento.

E para tanto, pontuo que mesmo o Papa Francisco muitas vezes diminuindo o Papado, qualquer pessoa abaixo dele não pode usar isso como justificativa para desonrar ao Papa. Mesmo que hipoteticamente o próprio Papa dissesse que não quer ser chamado de Papa, jamais devemos proceder dessa forma.

E falo isso mesmo sendo muito resistente ao Papa Francisco e enxergo pouca catolicidade nele.

E aqui entra a citação.
Não devemos devolver na mesma moeda (olho por olho). Mas fazermos o correto que é a caridade. Nesse caso, tratar o Papa Francisco com o respeito devido ao cargo no qual foi confiado.

Se em sua visão meu comentário está incorreto, agradeço suas ponderações.

Pedro Erik disse...

Caro Anônimo,

Como você conhece a literatura que indiquei deve saber que não se deve ler Mat 5:38 isoladamente, caso contrário os cristãos já teriam sido eliminados da face da Terra e a Igreja Católica não apoiaria a guerra justa (cujo pai é o próprio Agostinho), nem a pena de morte (apoiada por Santo Agostinho e São Tomás).

Como Agostinho e Aquino respondem, deve-se saber que o próprio Cristo nem sempre deu a outra face (ver João 18:19-23 e outras passagens que foge dos ataques de judeus). Agostinho usa várias passagens. São Francisco de Assis usou Mat 5:29:30 durante a Quinta Cruzada.

No meu livro eu trago várias outras passagens que mostram o pensamento de Cristo e do cristianismo (envolvendo Velho Testamento) de forma mais ampla.

Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Olá caro Pedro,

Entendi seu ponto e imaginei que traria sob a ótica da Guerra Justa.

Porém creio que no contexto do meu comentário isso não se aplica. Como colocado acima, a passagem citada diz respeito unicamente ao desrespeito contra o Papa, nada além disso.

Qualquer pessoa (membro do clero ou leigo) não possui autorização para desonrar/distituir o Papa. Somente uma autoridade constituída para tal, no caso um novo Papa colocando-o como anti-Papa, e com isso anulando as ações desse possível anti-Papa.

A resistência é legítima como atesta São Paulo, Santo Atanásio, São Gregório Nanzianzeno entre outros.

Mas resistência jamais deve vir acompanhada de desrespeito ou desonra.

Reitero, meu comentário é contra o tratamento dado ao Papa Francisco pelo Arcebispo Viganò chamando-o de simples "Bergoglio". Isso é escandaloso e muitos leigos seguem a Viganò nesse erro.

É necessário se aprofundar no que diz o IV Mandamento, creio que sejam questões simples que tem sido desprezadas por católicos. Algo que inclusive vejo como comum na caixa de comentários.

Do que adiante criticarmos a Alemanha com seu caminho Sinodal, criticarmos a maldita colegialidade, sendo que leigos também seguem uma linha de anarquia ao se referir ao Papa como desejam?

Nesse simples detalhe demonstram não respeitar a própria Igreja que dizem defender.

Devemos sim resistir e apontar os erros, mas não existe justificativa alguma para o desrespeito ou desonra.

Na dúvida, sugiro consultar os melhores livros sobre Confissão que detalham o que é o IV Mandamento "Honrar Pai e Mãe", ou conversar com um bom Padre que possa dar as devidas orientações quanto ao mandamento.

Reitero: Quem sabendo disso continua a desrespeitar ao Papa pode ocorrer em pecado mortal e perder a salvação por isso.

Não são poucos os Santos que em revelações privadas detalham que muitos se perderem por questões muito simples. (Santo Afonso, São Luis)

Desrespeitar ao Papa é desrespeitar ao Próprio Nosso Senhor Jesus Cristo. Ou então não somos mais católicos e não acreditamos mais no Papado, sendo o Papa um simples leigo como nós e que deve ser tratado sem distinção alguma.

Pedro Erik disse...

Calma, para não exaltar tanto papas e o papado, meu caro.

Afinal Cristo chamou o primeiro papa de Satanás, e São Paulo repreendeu ele (incidente de Antioquia).

Tudo depende do que o homem revestido de vigário de Cristo faz. A Igreja ja teve papas heréticos.

Abraço

Anônimo disse...

Sim Caro Pedro, nisso concordamos. Não é lícito exaltar tanto os Papas, e ao mesmo tempo cuidar para não colocar o Papado maior de Quem instituiu tal cargo.

Até em sintonia no comentário anterior também citei São Paulo, justamente porque concordo que possa sim existir erros do Papa (Como São Pedro errou).

Mas aqui vale a analogia quanto à Igreja Católica.

Uns dizem que a a Igreja é "Santa e pecadora". (o que para mim é uma frase ridícula)

Não, a Igreja Católica é Santa.
E o Papado, Santo também.

Nossa discussão é porque eu defendo o Papado como Santo. E como tal, devemos honrar a quem ocupa chamando-o corretamente, por mais incorreto que ele seja.

O Papado como cargo deve ser defendido e honrado.

Nisso Papa Francisco poderá fazer o que quiser para diminuir seu cargo e querer se tornar apenas mais um no colégio de bispos.

Isso cairá por terra rapidamente, ou então Nosso Senhor Jesus Cristo no Juízo Final deixará isso muito claro a todos os vivos e ressuscitados.

Particularmente, tenho esperança de ver ainda em vida um Papa verdadeiramente católico que colocará tudo nos eixos.

Citando Santo Dom Bosco:

"Não griteis: "Viva Pio IX!". Não bradeis: "Viva Leão XIII!" mas, pelo contrário, clamai: "Viva o Papa!"".

Obrigado pela discussão sadia.