quarta-feira, 19 de maio de 2021

Papa Francisco - o Neoliberal. Funcionários do Vaticano Reclamam do Papa


Cadê aquela estória dos três Ts (terra, teto e trabalho para todos) que Francisco pede que todos os países deveriam proporcionar? O Vaticano também é um Estado, só para lembrar. 

Papa Francisco está sendo acusado de praticar ações típicas do neoliberalismo, doutrina econômica que Francisco ojeriza e já denunciou tantas vezes, como aqui.

É interessante ver também que palavras bonitas que ele costuma usar, como "futuro sustentável", na prática impacta prejuízo para os mais simples. 

Funcionários do Vaticano escreveram carta a Francisco reclamando dos cortes de salários e de direitos trabalhistas e criticando o tal "futuro sustentável"

Vou traduzir a carta que foi publicada no site Marco Tosatti. Vejam abaixo:

Vaticano, 20 de maio de 2021

 Santidade,

 Permitimo-nos dirigir a vossa amável atenção para expressar pesar e profundo desânimo pelas disposições do Motu Proprio de 24 de março, cujo texto vos foi proposto pelos Superiores do Secretariado da Economia.

 Apesar do honroso propósito de cobrir, ao menos parcialmente, o déficit orçamentário da Santa Sé através da introdução do corte nos salários de Cardeais, eclesiásticos, religiosos, superiores leigos (apenas algumas categorias e na cota básica), bem como o suspensão das prestações bienais de antiguidade dos trabalhadores, um leitor atento não pode escapar às incoerências que ainda persistem no Vaticano e que tornam esta disposição demasiado desequilibrada em detrimento dos trabalhadores honestos.

Em primeiro lugar, o "futuro sustentável" é uma meta difícil de ser alcançada imediatamente.  Desejar fazê-lo em curto prazo só pode envolver uma intervenção muito invasiva sobre os direitos dos trabalhadores, privando-os dos benefícios de que já gozam de forma limitada, principalmente seguindo o Ofício nº 004445 G.N.  do Secretário de Estado de 13 de fevereiro de 2014. O congelamento das contratações (com inevitável sobrecarga de trabalhadores já em serviço), a suspensão das promoções e alterações do nível funcional (apesar do aumento das responsabilidades laborais), o não pagamento das horas extraordinárias, a livre recuperação das horas obrigatoriamente passadas em casa durante o período de bloqueio com a impossibilidade de trabalhar com inteligência, e agora o corte dos intervalos de antiguidade de dois anos, só agravam as condições de trabalho dos funcionários do Vaticano.  Não podemos deixar de mencionar o conceito de "justa recompensa" que é falado no Evangelho de Mateus (Mt 20,1-16) ou "a devida recompensa" que é referido em Jr 22:13 ou Tia 5.4.  Quanto mais teremos que sacrificar para pagar por um déficit orçamentário que certamente não deriva de nosso delito?

Os direitos de antiguidade devem compensar tudo o que o Vaticano, em comparação com as empresas privadas, não contempla (bônus de produtividade, promoções com base nos objetivos alcançados, sistema meritocrático de seleção e crescimento profissional, etc.).  Acreditamos que o contexto atual não se presta a acolher intervenções tão radicais, pelo menos enquanto não forem implementadas mudanças previdentes e perspicazes, capazes de transformar a estrutura em profundidade.  Com grande tristeza, devemos constatar que muitas das propostas de reforma apresentadas pelo Conselho de Economia em matéria de Recursos Humanos não foram seriamente consideradas.

Acreditamos estar de acordo com Vossa Santidade ao apelar aos princípios da Doutrina Social da Igreja, incluindo o respeito pela dignidade do indivíduo e a promoção de uma sociedade justa, para pedir a suspensão de algumas dessas medidas restritivas em pessoal, especialmente a reintegração de dois anos com efeito retroativo.  Além disso, não se pode ignorar as dificuldades econômicas que as famílias de hoje são chamadas a enfrentar devido à pandemia.  Continuando nesta direção, Santidade, o sistema se tornará cada vez mais privativo, antimeritocrático e desincentivo.  De acordo com as teorias mais básicas da psicologia do trabalho, essas estratégias não só não rendem no longo prazo, em termos de motivação, satisfação pessoal e produção, mas são um bumerangue em termos de desempenho.

Em particular, os problemas críticos que emergem de nosso sistema são:

1. Tratamento desigual

Nem todos os órgãos parecem cumprir as disposições expressas na circular do Cardeal Secretário de Estado de 13 de fevereiro de 2014 acima mencionada. Muitos departamentos continuaram a contratar pessoal, a conceder níveis funcionais e a pagar horas extras. Outros, por outro lado, bloquearam completamente o crescimento do quadro de funcionários, em todos os aspectos, mesmo mantendo-os no estado em que foram contratados vários anos antes. Dentro do mesmo órgão, no entanto, existem diferenças claras de tratamento para com os funcionários que não são mais toleráveis.

2. Privilégios a serem abolidos

O verdadeiro problema é que o Vaticano se baseia em um sistema de privilégios que são prejudiciais tanto econômica quanto em termos reputacionais. Um capítulo à parte merece a análise do tratamento de que parecem beneficiar os gestores leigos, cujos pretensos contratos "fora do par" nunca deixam de causar espanto, que vão de 6.000 a 10.000 a 25.000 euros por mês. Demais para um sistema como o nosso, que deve basear-se no espírito de "serviço à Igreja". Em nossa opinião, seria necessário investigar o assunto e possivelmente reformar. O que é mais grave, no que se refere ao Motu Proprio, é a exclusão das categorias mais abastadas da redução dos salários, apesar da referência, na carta apostólica, a critérios de "proporcionalidade e progressividade". Na verdade, os níveis C2 e C3 de gerentes leigos não foram incluídos. Além disso, alguns deles são enquadrados como arte. 11, portanto excluídos. Precisamente por serem beneficiários de contratos decididamente onerosos para o Estado do Vaticano, também eles deveriam ser afetados pelas novas disposições, visto que operam em território vaticano neste momento histórico tão infeliz. Além disso, os níveis C e C1 preocupam-se apenas com a parcela básica de seus vencimentos. Assim, por exemplo, se um gestor ganha 10.000 euros por mês e está classificado no nível C1, a redução do seu vencimento incidirá não na totalidade, mas apenas nos cerca de 3.200 euros que representam a remuneração base. Fazendo alguns cálculos rápidos em termos de porcentagem, nenhuma proporcionalidade pode ser vista. 

O que estamos pagando, Santidade? Para os cofres do óbolo para os pobres, para aumentar os salários dos líderes leigos ou para os consultores externos caríssimos que usam regularmente? Além disso, esses gestores podem contar com uma série de vantagens excepcionais. Em primeiro lugar, ocupam esplêndidos apartamentos APSA, localizados nas zonas mais prestigiadas de Roma, sem pagar qualquer renda à Administração em questão (pode ser feito um cálculo da renda perdida de aluguel para propriedades ocupadas por "privilégio") e sem tirar sobre quaisquer custos de reestruturação, ao contrário de nós, funcionários que pagamos por tudo. Além do aluguel gratuito, gostaríamos de mencionar as máquinas para uso particular, descontos em compras, secretárias dedicadas a elas, reembolsos de diversos tipos de despesas.

3. Métodos

Não se pode deixar de mostrar amargura face à forma como os Superiores da Secretaria decidiram atingir este objetivo, tão mortificante para os trabalhadores, sem os questionar de modo algum e permitir-lhes uma disputa. Está bem sacrificar-se por um bem comum, desde que o faça na proporção das possibilidades económicas do indivíduo e depois de resolvidas as enormes questões críticas que caracterizam todo o sistema e que lhe fazem desperdiçar muito dinheiro.

4. Conclusões

Ao reiterar a necessidade de criar um sistema mais encorajador e menos punitivo para os funcionários do Vaticano, que passe por uma reflexão séria sobre os Recursos Humanos e a implementação de uma reforma estrutural, pedimos, Santidade, a reintrodução dos períodos de dois anos em um curto espaço de tempo com efeito retroativo e consequente esterilização dos efeitos na pensão, bem como uma rígida classificação salarial dos gestores leigos dentro de limites muito específicos, condizentes com o espírito de serviço e sacrifício a que apelamos sempre quando nos dirigimos a nós colaboradores.

Cientes da sua compreensão e permitindo-nos apresentar a proposta de ir ao encontro da nossa pequena delegação, aproveitamos para nos confirmar com um sentimento de profunda estima.


4 comentários:

Anônimo disse...

Creio que boa parte dos leitores (assim como o próprio Pedro) não compactuam com a teoria da Sé Vacante.

Hoje inclusive (19/05) comemoramos o dia de São Pedro Celestino, que com 70 anos foi *forçado* a sair da vida monástica para ser Papa. Função que abdicou alguns meses depois. Foi literalmente Santo, não por conta do Papado ou da Renúncia. Mas porque levou a risca as lições de humildade e austeridade que seu pai São Bento ensinou. Vários foram ao deserto para viverem como ele, e disso surgiu então a ordem dos "Celestinos".

Como é colocado na leitura de hoje, a ordem foi extinta na Revolução Francesa.

A mesma, que com a francomaçonaria ecoava o "Liberté, Égalité, Fraternité"

A Sé não está Vacante. Temos Papa. Seu nome é Papa Francisco.

Que o Papa Francisco ouça esses leigos, e atue corretamente na busca pela justiça, a começar por dentro de casa.

Rezemos pelo Papa Francisco, para que nos confirme na fé.

Rezemos pela Igreja.

Rezemos para que o Clero Maçom, que comanda o Vaticano nos mais altos postos, achem seu caminho para Damasco e se convertam.

Ou então, que a Virgem Santíssima pise o quanto antes na cabeça dessa serpente maldita. Serpente que tornou o nosso Templo Santo num covil de ladrões.

Horácio Ramalho disse...

Saudações Professor! Fico me perguntando se o Santo Padre vai de fato responder a tais demandas dos funcionários do Vaticano. Isso porque ele ainda não respondeu os Dúbia dos senhores cardeais. Por mais doloroso que seja para mim dizer isso, pois reconheço que sou um pecador, o Papa necessita de nossas orações para se converter. Vários teólogos e outras pessoas muito mais ricas em conhecimento sobre a doutrina da Igreja e seu desenvolvimento, apontam para várias ações do Papa, em uma série de matérias, que vão contra as Escrituras, a Tradição e o Magistério perene da Santa Igreja de Cristo. E se um pecador ignorante como eu fica desconfortável com palavras e atos do Pontífice em relação a vários aspectos de nossa fé, é porque algo realmente está errado. Rezemos muito pela conversão do Papa e de todos os sacerdotes. Mas mantenhamos a esperança, que é Cristo: imoral, indestrutível, invencível, infinito. O Deus Uno e Trino que não nos abandona!!!

Pedro Erik disse...

Amém, caríssimos Anônimo e Gustavo.

Salve Maria!

Anônimo disse...

Olá, Pedro!


Acredito que é acertado o controle sobre os gastos do Vaticano promovido pelo Papa Francisco. A Igreja deve deve ter disciplina nos seus gastos e ter responsabilidade com o dinheiro que possui.

Se os funcionários do Vaticano foram privados de "terra, trabalho e teto" e se não tem capacidade financeira para viverem dignamente, realmente o Vaticano está cortando no lugar errado. Entretanto, ao que me parece, não é isso que acontece.

A reclamação parece mais um lobby de descontentes com cortes de privilégios, funcionários que defendem seus interesses particulares acima da boa gestão financeira da Igreja. Além destes funcionários descontentes, também se juntam à reclamação outros que, ideologicamente, se posicionam contra o Papa Francisco em diversos temas, em uma estratégia de enfraquecer a imagem do Santo Padre.

Esse discurso parece muito com o que se usa no Brasil também. A casta mais alta do funcionalismo sempre usa os mais pobres quando se avizinha uma reforma que atacará seus privilégios. O papel do funcionário público é essencial e deve ser valorizado, mas é inegável que há vários privilégios imorais na casta mais alta.

Que o dinheiro tirado dos privilégios seja usado para ajudar os mais pobres e os mais fragilizados, como Jesus ensinou nos Evangelhos.



Grande abraço,

Jonas