quinta-feira, 5 de agosto de 2021

Limite de Qualquer Papa: a Tradição. Até Cristo Respeitou a Tradição.

O Catolicismo se diferencia do protestantismo em muitas coisas (transubstanciação, contra sola fide, Nossa Senhora, santos, imagens de santos, purgatório...), mas uma que é muito importante é a doutrina católica de que a Tradição tem o mesmo peso magisterial que a Bíblia ou em outras palavras o catolicismo não é "sola scriputura".

Essa doutrina católica que põe a transmissão viva do Evangelho (Tradição) no mesmo patamar da Bíblia também tem outra importante função, qual seja: evita que a "monarquia" da Igreja, em que o Papa tem vastos poderes, se transforme em uma ditadura. Qualquer papa é limitado pelo que o disse Cristo e a Tradição (espelhada nas vidas e obras dos apóstolos e santos da Igreja).

Foi sobre isso que falou o teólogo Peter Kwasniweski no vídeo acima, em conferência na cidade de Litleton, Colorado, nos EUA. 

Kwasniweski foi bastante histórico e teologicamente profundo na sua análise. Sensacional. 

É um texto longo. Em resumo, Kwasniweski nos diz:

Se o papa pode mudar a liturgia da missa, ele pode mudar o dia do Natal. 

No  pontificado de Francisco, as duas correntes contra a Igreja se uniram: Francisco une em uma pessoa o espírito do Vaticano I e o espírito do Vaticano II, uma visão ultramontanista da liderança papal e uma orientação teológica modernista.

Aqui vai o texto da palestra dele abaixo traduzido, a partir do original disponibilizado no site Rorate Caeli. Leiam e usem como ensino de outros:

O Limite do Papa à Tradição como um Limite Legislativo: Respondendo à Apologética Ultramontanista” - Texto Completo da Palestra do Dr. Kwasniewski.

por Peter A. Kwasniewski

Os apologistas católicos fizeram um grande trabalho ao longo das décadas. Eles refutaram muitos protestantes, mórmons, testemunhas de Jeová ou, de outra forma  estranhamente, ajudaram judeus, muçulmanos, ateus, agnósticos, neopagãos e membros de todas as formas de religiões falsas a encontrar Cristo e entrar em Sua Igreja. Por isso, todos somos gratos, e que esse trabalho continue por muito tempo.

Mas os mesmos apologistas não se saem tão bem quando voltam seus olhos para assuntos intraeclesiais, particularmente quando se trata de explicar a natureza, propósito e limites da infalibilidade papal. Mesmo lá, os apologistas se dão bem quando estão justificando coisas maravilhosas como Humanae Vitae, pois seu ensino está de acordo com a lei natural e divina e a tradição da Igreja, e o trabalho do papa é defender tudo isso, independentemente das pressões contra isso. 

Ainda assim, quando os papas tomam decisões espetacularmente ruins ou ensinam coisas ambíguas ou "male soans" (que soam mal) ou materialmente erradas, esses apologistas são pegos de surpresa e de mãos vazias. Eles são tentados a ignorar o problema como uma exceção embaraçosa ou a apelar bravamente a um ultramontanismo impensado, como se a pura fanfarronice fosse de alguma forma encobri-lo.

Vimos muito deste último problema desde o lançamento do Motu proprio Traditionis Custodes. A maioria dos comentaristas, é verdade, cai em duas categorias mais óbvias: os progressistas que se regozijam descaradamente com a derrota dos tradicionalistas desagradáveis ​​e quase todos os outros que vêem a ação do Papa Francisco como injustificada, maliciosa, inflamatória, belicosa, impraticável e - pior pecado depois do Vaticano II - totalmente impastoral. Mas há uma multidão de apologistas que se autoproclamam que se apressaram em fazer podcasts defendendo o suposto direito do papa de criar, abolir e modificar a liturgia quase da maneira que ele quiser.

Esta palestra não será uma crítica extensa do Traditionis Custodes - que podem ser encontrados em muitos outros lugares neste momento.[1]. Em vez disso, quero explicar como chegamos a um ponto de tal absurdo que um Romano Pontífice pode ousar, com o golpe de uma caneta, consignar às margens e ao eventual esquecimento um patrimônio litúrgico ininterrupto de milênios e reivindicar que os novos ritos criadas pelo comitê de Paulo VI são a “única” (unica) lex orandi ou lei da oração da Igreja Católica - e o absurdo ainda maior de que apologistas católicos o defendam e seu suposto “direito” de fazê-lo.

A falha fundamental desses apologistas é que, como seus oponentes protestantes doppelgänger, eles caíram na técnica de texto de prova. Em vez de sola scriptura, geralmente é solo papa; onde o calvinista cita São Paulo sobre a justificação pela fé somente, o papal cita um ditado conciliar sobre a jurisdição papal universal. Na verdade, todos os polêmicos (incluindo tradicionalistas) têm uma tendência a revisar o texto, como se isso encerrasse um debate, quando, na realidade, apenas o inicia. Pois não se deve apenas citar uma passagem da Escritura, dos Padres, dos Doutores ou do Magistério, deve-se também entender quando, onde, por que e como foi declarado - em outras palavras, seu contexto. Alguns textos são claros o suficiente para fazerem o trabalho pesado para nós, mas outros são sutis, parciais, exagerados, discretos, etc., e precisam ser encaixados em seus lugares como pedras em uma parede. É a parede que procuramos, não as pedras individuais arrancadas dela.[2]

Assim, os apologistas católicos adoram citar o Pastor Aeternus do Concílio Vaticano I (1870) sobre a jurisdição do papa:

"Portanto, ensinamos e declaramos que, por decreto divino, a Igreja Romana possui uma preeminência de poder ordinário sobre todas as outras Igrejas, e que este poder jurisdicional do Romano Pontífice é episcopal e imediato. Tanto o clero quanto os fiéis, de qualquer rito e dignidade, tanto individual quanto coletivamente, são obrigados a se submeter a esse poder pelo dever de subordinação hierárquica e verdadeira obediência, e isso não apenas em questões relativas à fé e à moral, mas também naquelas que dizem respeito a disciplina e o governo da Igreja em todo o mundo. (Pastor Aeternus, cap. 3, n. 2)"

Apressam-se a citar a encíclica Mediator Dei de Pio XII (1947): “Só o Soberano Pontífice tem o direito de reconhecer e estabelecer qualquer prática relativa ao culto a Deus, de introduzir e aprovar novos ritos, bem como de modificar aqueles que julga exigir modificação ”(nº 58).[3]  O Código de Direito Canônico (1983) afirma o "poder ordinário supremo, pleno, imediato e universal do papa na Igreja" (Can. 331). Como observa John Monaco: “Como a administração dos sacramentos está dentro da disciplina da Igreja, não é surpreendente que o direito canônico designe a ordenação da liturgia ao papa (Can. 838 §2) e até mesmo conceda a ele o poder de 'aprovar ou definir os requisitos para sua validade '(Can. 841). ”[4]

Até agora tudo bem. Mas deixá-los assim é dar textos sem contexto.

Primeiro, a liturgia não pode ser reduzida a apenas uma questão de disciplina; diz respeito sempre à doutrina da fé e da moral como professada pela Igreja ao longo de toda a sua história e expressa no Magistério de cada época.[5]  O papa não é um solista, mas um membro de uma orquestra, e a partitura que ele toca já existe antes de ele assumir o cargo - quanto mais, mais tarde na história estaremos.

Em segundo lugar, a jurisdição papal sobre questões disciplinares não existe no vácuo: é um componente do ofício do papado, que tem sua própria natureza, propósito e deveres. O poder de introduzir, remover ou alterar ritos litúrgicos não é uma espécie de onipotência [Ockhamista] sem referência à sabedoria, bondade ou retidão: existem condições inerentes ao papado que delimitam e condicionam o poder, que dotam seu uso com autoridade ou a falta dela. [6]  É por isso que os historiadores podem fazer julgamentos sobre quando os papas exerceram bem ou mal seu poder, com prudência ou imprudência, com justiça ou injustiça.

Terceiro, só porque algo é declarado em um documento magisterial não significa que seja declarado da melhor maneira possível, ou de uma forma que não o exponha a um mal-entendido errôneo. Um exemplo revelador é ninguém menos que o Mediador Dei, no qual Pio XII em um ponto inverte o axioma tradicional lex orandi, lex credendi, dizendo que a lex credendi deve determinar a lex orandi, e que isso explica por que o papa pode modificar a liturgia para fazer com que expresse certas doutrinas mais claramente..[7]  De certa forma, isso é verdade: o que a liturgia já ensina, ainda que de forma tênue ou difusa, pode ser cristalizado em uma nova observância, como quando Pio XI em 1925 introduziu a festa da realeza de Jesus Cristo. Essa realeza já era professada por muito tempo pela Igreja e estava presente em toda a liturgia, mas o papa, em resposta ao secularismo moderno, desejava que a liturgia ensinasse essa verdade mais diretamente.[8] Seria falso, no entanto, dizer que um papa tem autoridade para traduzir qualquer fantasia que vier à sua cabeça, ou qualquer projeto teológico de estimação, em alguma expressão litúrgica - como (por exemplo) um Domingo Anti-Armas, ou a aprovação de uma casula da cor do arco-íris para simbolizar a inclusão LGBTQ. Podemos rir de tais exemplos e dizer "isso nunca poderia acontecer", mas a única razão pela qual pensamos assim é que reconhecemos implicitamente que o papa não é quem principal ou definitivamente define a lex credendi ou a lex orandi.[9]

Para compreender a relação entre o papado e a legislação litúrgica, devemos começar com a questão fundamental: qual é a obrigação do papa para com a tradição? Uma resposta exemplar a esta pergunta pode ser encontrada em uma fonte medieval antiga: o Atestado de Fé do Pontífice, ou “Juramento Papal”, contido no Liber Diurnus Romanorum Pontificum, um manual de formulários usado pela chancelaria pontifícia, alguns dos quais datam de antes até São Gregório Magno. [10]  Embora haja debate sobre o uso exato desse juramento no rito pelo qual um papa foi investido em seu cargo, não pode haver dúvida de que ele reflete a mente da cristandade, no sentido de que resumiu o que se esperava de um papa, bem como a forma como os papas se viam, como falavam e agiam. É, portanto, um testemunho valioso do que nossos antepassados, do final do primeiro milênio ao início do segundo, viram como os limites do poder papal. “A principal obrigação e a qualidade mais distinta de um novo papa”, como resume o bispo Athanasius Schneider, era “sua inabalável fidelidade à Tradição, conforme lhe foi transmitida por todos os seus predecessores”. O juramento “nomeava, em termos concretos, fidelidade à lex credendi (a Regra de Fé) e à lex orandi (a Regra de Oração)”.

De acordo com o Juramento, o papa jura:

"Eu, (nome), pela misericórdia de Deus diácono, eleito e futuro bispo, pela graça de Deus, desta Sé Apostólica, juro-te, beato Pedro, príncipe dos Apóstolos. . . e à vossa Santa Igreja, que hoje assumi para governar sob a vossa proteção, que guardarei com todas as minhas forças, mesmo para entregar o espírito ou derramar o meu sangue, a fé justa e verdadeira que, tendo sido transmitida por Cristo seu autor e transmitido por seus sucessores e discípulos até minha pequenez, encontrei em sua Santa Igreja; e com sua ajuda suportarei pacientemente as dificuldades dos tempos; Preservarei o mistério da sagrada e individual Trindade que é um Deus, bem como a dispensação segundo a carne do unigênito Filho de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, e os outros dogmas da Igreja de Deus, assim como eles são depositados pelos concílios e constituições universais dos pontífices apostólicos e pelos escritos dos doutores mais aprovados da Igreja, isto é, tudo o que diz respeito à justeza da vossa e da nossa fé ortodoxa transmitida por vós; Eu, também, guardarei inalterado, mesmo por um til, os conselhos sagrados e universais. . . e eu pregarei tudo o que eles pregaram e condenarei em coração e palavra tudo o que eles condenaram; Devo, além disso, diligente e cordialmente confirmar e salvaguardar inalterados todos os decretos dos pontífices apostólicos meus predecessores, e tudo o que eles promulgaram e confirmaram no sínodo e individualmente, e os manterei em vigor inabalável assim como meus predecessores os estabeleceram, e condenarei com uma sentença de autoridade igual todas as coisas e pessoas que eles condenaram e rejeitaram; Devo manter inviolados a disciplina e o ritual da Igreja tal como os encontrei e recebi transmitidos pelos meus predecessores [disciplinam et ritum Ecclesiae, sicut inueni et a sanctis predecessoribus meis traditum repperi, inlibatum custodire], e preservarei a propriedade da Igreja inalterada e cuidar para que ela seja mantida inalterada; Não subtrairei nem alterarei nada da tradição que meus mais estimados antecessores salvaguardaram e recebi, nem devo admitir nenhuma novidade, mas devo guardar e venerar fervorosamente com todas as minhas forças tudo o que eu encontrar transmitido como verdadeiro discípulo de meus predecessores e seguidor; mas se acontecer algo contrário à disciplina canônica, devo corrigi-lo e guardar os cânones sagrados e as constituições de nossos pontífices como mandatos divinos e celestiais, sabendo que no juízo divino prestarei contas estritas de tudo o que professo tu cujo lugar ocupo por condescendência divina e cujo papel cumpro com a ajuda da tua intercessão."[11]

Da mesma forma, o Concílio de Constança do século XV (1414-1418) “pronunciou-se sobre o papa como a primeira pessoa na Igreja que está vinculada pela Fé e que deve guardar escrupulosamente a integridade da Fé”[12]:

"Visto que o Romano Pontífice exerce um poder tão grande entre os mortais, é justo que ele seja vinculado ainda mais pelos vínculos incontestáveis da fé e pelos ritos que devem ser observados em relação aos sacramentos da Igreja."

De acordo com esta trigésima nona sessão de Constança, o papa recém-eleito deveria fazer um juramento de fé que incluía esta passagem:

"Eu, NOME, eleito Papa, com o coração e a boca, confesso e professo a Deus Todo-Poderoso, cuja Igreja eu comprometo com sua ajuda a governar, e ao beato Pedro, príncipe dos apóstolos, que enquanto eu estiver nesta vida frágil Vou acreditar firmemente e manter a fé católica, de acordo com as tradições dos apóstolos, dos conselhos gerais e de outros santos padres. . . e preservarei esta Fé inalterada até o último ponto e a confirmarei, defenderei e pregarei até a morte e o derramamento de meu sangue, e da mesma forma vou seguir e observar de todas as maneiras o rito transmitido do eclesiástico sacramentos da Igreja Católica. "[13]

Esses textos não são discrepantes bizarros, mas refletem um consenso comum da vinculação do papa à tradição, tanto que canonistas e teólogos eminentes poderiam sustentar que um papa merece resistência se for culpado de ferir a tradição ou o povo cristão que confia nisso.

O cardeal Juan de Torquemada (1388-1468) afirma que se um papa deixar de observar "o rito universal do culto eclesiástico" e "se separar com pertinácia da observância da igreja universal", ele é "capaz de cair em cisma" e não deve ser obedecido nem “tolerado” (non est sustinendus).[14] O conhecido comentarista de São Tomás, Cardeal Cajetan (1469-1534), aconselha: “Você deve resistir, na cara dele, a um papa que está abertamente destruindo a Igreja. Um caso de simonia, mesmo cometido por um papa, deve ser denunciado. ” [15] Cajetan está falando sobre simonia, a compra ou venda de ofícios eclesiásticos, que era obviamente um problema enorme nos séculos passados; mas está longe de ser o pior pecado ou o maior problema. Falando objetivamente, a imposição de disciplina prejudicial, como a promulgação de uma liturgia válida, mas inadequada e inautêntica, ou um ataque à integridade da doutrina, é certamente pior do que a simonia. Francisco Suárez (1548–1617) declara: “Se o Papa dita uma ordem contrária aos bons costumes, não é necessário obedecê-lo; se ele tenta fazer algo manifestamente oposto à justiça e ao bem comum, seria lícito resistir a ele; se ele ataca pela força, pode ser repelido pela força, com a moderação característica de uma boa defesa”. [16] Suárez alega ainda que o papa poderia ser cismático “se quisesse derrubar todas as cerimônias eclesiásticas baseadas na tradição apostólica.” [17] Observe que ele diz “baseadas”, apostolica traditionale firmatas: ele está falando sobre toda a estrutura que foi erguida sobre as origens apostólicas. Isso significaria algo como o Missale Romanum de 1570.) O dominicano Sylvester Prierias (1456–1523 ), uma figura importante na resposta inicial a Martinho Lutero, explica que se o papa está destruindo a Igreja por meio de ações más,

"ele certamente pecaria; ele não deveria ter permissão para agir dessa maneira, nem deveria ser obedecido no que era mau; mas ele deve ser combatido com uma repreensão cortês. (…) Ele não tem o poder de destruir; portanto, se houver evidência de que ele está fazendo isso, é lícito resistir a ele. O resultado de tudo isso é que se o Papa destrói a Igreja por suas ordens e atos, ele pode ser resistido e a execução de seu mandato impedida. O direito de resistência aberta ao abuso de autoridade dos prelados também decorre da lei natural."[18]

Francisco de Vitoria (1483-1546) também diz: “Se o Papa por suas ordens e seus atos destrói a Igreja, pode-se resistir a ele e impedir a execução de seus comandos.” São Roberto Belarmino (1542–1621) concorda:

"Como é lícito resistir ao papa, se ele agrediu a pessoa de um homem, então é lícito resistir a ele, se ele agrediu almas ou perturbou o estado, e muito mais se ele se esforçou para destruir a Igreja. É lícito, eu digo, resistir a ele, não fazendo o que ele manda, e impedindo a execução de sua vontade; ainda assim, não é lícito julgá-lo, puni-lo ou mesmo depo-lo, porque ele nada mais é do que um superior." [19]

Observe - e este é um ponto crucial - que todas essas autoridades presumem que somos capazes de reconhecer que o papa está atacando almas ou destruindo a Igreja em um determinado momento ou com uma determinada política. Em outras palavras, o papa não é o único juiz se está ajudando ou prejudicando a Igreja, como se esperássemos que ele anuncie: “Irmãos e irmãs, agora estou ajudando a Igreja, então vocês devem obedecer me perfeitamente ”ou“ Ai de mim, agora estou prejudicando a Igreja, então você tem permissão para resistir a mim ”. Há algum papel que nossa razão e fé informadas desempenham na avaliação de suas palavras e ações. Os fiéis de Cristo não estão simplesmente em uma postura passiva aos mandamentos, decretos ou ações papais; sua obediência é inteligente, livre e conscienciosa.

Claro, a “posição padrão” para um católico é assumir o melhor, desejar obedecer e seguir; de modo que a pessoa teria de ser, por assim dizer, compelida a uma postura diferente, especialmente uma postura de resistência; mas mesmo dizer isso é admitir que é possível para um papa agir tão erradamente que pode ser visto como algo que está prejudicando a Igreja e como merecedor de resistência. Resumindo: o direito de resistir a um abuso de poder logicamente implica o direito de julgar que algo é um abuso de poder.  [20] Esta capacidade de reconhecer os abusos é inseparável da adesão louvável e normativa dos fiéis aos costumes imemoriais e à tradição venerável. Para que o "sistema imunológico" da Igreja funcione em tempos de crise, deve haver católicos que não sejam tão intimidados pela autoridade, seja secular ou eclesiástica, que deixem de se apegar ao que receberam. Isso, de fato, é exatamente o que a primeira geração de tradicionalistas fez na esteira da reforma litúrgica pós-conciliar. [21]

Para ver que a posição que estou defendendo aqui não é extravagante, devemos considerar um famoso defensor dela nos últimos tempos: ninguém menos que Joseph Ratzinger. Em O Espírito da Liturgia (2000), Ratzinger escreve:

"Depois do Concílio Vaticano II, surgiu a impressão de que o papa realmente poderia fazer qualquer coisa em questões litúrgicas, especialmente se estivesse agindo sob o mandato de um concílio ecumênico. Eventualmente, a ideia de que a liturgia é dada, o fato de que não se pode fazer com ela o que se quer, desapareceu da consciência pública do Ocidente. Na verdade, o Concílio Vaticano I de forma alguma definiu o papa como um monarca absoluto. Pelo contrário, apresentou-o como fiador da obediência à Palavra revelada. A autoridade do papa está vinculada à Tradição de fé, e isso também se aplica à liturgia. Não é “fabricado” pelas autoridades. Até mesmo o papa só pode ser um servo humilde de seu desenvolvimento legítimo e integridade e identidade permanentes ... A autoridade do papa não é ilimitada; está a serviço da Sagrada Tradição."

Bento XVI retoma o mesmo tema em 2005, em sua primeira homilia papal em São João de Latrão:

"O poder que Cristo conferiu a Pedro e aos seus sucessores é, em sentido absoluto, um mandato para servir. O poder do ensino na Igreja envolve um compromisso com o serviço da obediência à fé. O papa não é um monarca absoluto cujos pensamentos e desejos são lei. Pelo contrário: o ministério do papa é uma garantia de obediência a Cristo e à sua Palavra. Não deve proclamar as suas próprias ideias, mas antes comprometer-se constantemente a si e à Igreja na obediência à Palavra de Deus, face a todas as tentativas de a adaptar ou diluir e a todas as formas de oportunismo. ... O papa sabe que em suas decisões importantes, ele está vinculado à grande comunidade de fé de todos os tempos, às interpretações vinculantes que se desenvolveram ao longo da peregrinação da Igreja. Assim, seu poder não está acima da Palavra de Deus, mas a serviço dela. Incumbe-lhe fazer com que esta Palavra continue presente na sua grandeza e ressoe na sua pureza, para que não seja despedaçada pelas contínuas mudanças de uso."[22]

Observe que Ratzinger reconhece a liberdade do papa de agir ou não de acordo com sua natureza; ele não é um autômato que nunca deixará de fazer a coisa certa, mas alguém que recebeu um dever solene que deve cumprir, para não prejudicar a Igreja.

Se tivermos essa compreensão verdadeiramente católica do papado - que o vê como um ofício a serviço de uma herança sagrada a ser recebida, protegida, defendida, exposta e transmitida - segue-se que a abolição dos ritos litúrgicos imemoriais está absolutamente fora do pergunta. Como Joseph Ratzinger observou em um discurso em 1998: “É bom lembrar aqui o que o Cardeal Newman observou, que a Igreja, ao longo de sua história, nunca aboliu nem proibiu as formas litúrgicas ortodoxas, se fizesse isso seria totalmente alheio ao Espírito da Igreja .”[23]  Já podemos ver o germe de sua conhecida declaração na carta aos bispos que saiu com Summorum Pontificum: “O que as gerações anteriores consideravam sagrado, permanece sagrado e grande também para nós, e não pode ser tudo de repente totalmente proibido ou mesmo considerado prejudicial. Cabe a todos nós preservar as riquezas que se desenvolveram na fé e na oração da Igreja, e dar a elas o seu devido lugar. ” Lembre-se da declaração impressionante que o Cardeal Ratzinger fez em uma entrevista em 1996: “Uma comunidade está questionando seu próprio ser quando de repente declara que o que até agora era sua posse mais sagrada e mais elevada é estritamente proibida, e quando faz o anseio por ela parecer totalmente indecente. Pode-se confiar mais nele sobre qualquer outra coisa? Não vai proibir amanhã o que prescreve hoje? ”[24]

Como vimos há pouco, Ratzinger se refere ao cardeal Newman como testemunha. Vamos dar uma olhada na passagem pertinente no grande Oxford don. Em um sermão chamado "Cerimônias da Igreja", St. John Henry Newman explica que tão grande é a reverência que devemos ter para com as formas litúrgicas herdadas que até o próprio Nosso Senhor e Seus Apóstolos, em vez de criar a liturgia cristã de novo, continuaram a seguir os ritos judaicos de culto, que foram elaborados e transformados por eles nos ritos apostólicos da Missa, os sacramentos, o Ofício Divino, bênçãos e consagrações:

"Questões de fé, de fato, Ele nos revela por inspiração, porque são sobrenaturais: mas questões de dever moral, por meio de nossa própria consciência e da razão divinamente guiada; e questões de forma [isto é, maneiras de orar], por tradição e uso prolongado, que nos vinculam à sua observância, embora não sejam prescritas nas Escrituras. As formas de devoção são partes da devoção. Quem pode, na prática, separar sua visão do corpo e do espírito? por exemplo, que amigo seria para nós se nos tratasse mal, negasse comida ou nos aprisionasse; e dizer, afinal, que foi o nosso corpo que ele maltratou, e não a nossa alma? Mesmo assim, ninguém pode realmente respeitar a religião e insultar suas formas. Admitindo que as formas não são imediatamente de Deus, o longo uso as tornou divinas para nós; pois o espírito da religião os penetrou e vivificou de tal maneira que destruí-los é, em relação à multidão de homens, desestabilizar e desalojar o próprio princípio religioso. Na maioria das mentes, o uso os identifica tanto com a noção de religião, que um não pode ser extirpado sem o outro. 

Os serviços e ordenanças da Igreja são a forma externa em que a religião tem sido representada para o mundo há muito tempo, e sempre foi conhecida por nós. Lugares consagrados à honra de Deus, clérigos cuidadosamente separados para Seu serviço, o dia do Senhor piedosamente observado, as formas públicas de oração, as decências da adoração, essas coisas, vistas como um todo, são sagradas em relação a nós, mesmo que eles não foram, como são, sancionados divinamente. Ritos que a Igreja nomeou, e com razão, - pois a autoridade da Igreja vem de Cristo -, sendo usados ​​por muito tempo, não podem ser abandonados sem causar dano às nossas almas."[25]

Wolfram Schrems comenta esta passagem:

"A Igreja nunca abole as orações costumeiras santificadas pelo uso prolongado…. É sempre um sacrilégio e severamente prejudicial para a Fé quando um antigo e santificado costume de oração é abolido. O Papa São Pio V, cuja reforma tridentina do missal foi tudo menos revolucionária, declarou que a partir de então todos os ritos na igreja latina foram proibidos, exceto aqueles que tivessem mais de 200 anos. Pio V conhecia os limites do poder papal."[26]

Quando Ratzinger fornece uma definição de "rito", ele a vincula imediatamente à tradição, ao conteúdo da fé e ao ato de transmissão (que é o que a palavra latina traditio e a palavra grega paradosis significam):

"O "rito", a forma de celebração e oração que amadureceu na fé e na vida da Igreja, é uma forma condensada de Tradição viva em que a esfera que usa esse rito expressa toda a sua fé e sua oração, e assim ao mesmo tempo, a comunhão de gerações umas com as outras torna-se algo que podemos experimentar, comunhão com as pessoas que oram antes de nós e depois de nós. Assim, o rito é algo de benefício que se dá à Igreja, forma viva de paradosis, transmissão da Tradição."[27]

Em outras palavras, mais uma vez: lex orandi, lex credendi, lex vivendi. O rito desenvolve-se ao longo do tempo no seio da Igreja como expressão de quem ela é, do que crê, da forma como reza e, por isso, é sempre entregue à Igreja nos tempos sucessivos. O papa não pode e não deve interromper esta transmissão ou fazer com que ela se desvie, mas antes aquele “servo dos servos de Deus” que auxilia em sua fiel realização. 

É por isso que o Cardeal Ratzinger foi capaz de escrever estas palavras poderosas sobre o que deu errado no período após o Concílio:

"A reforma litúrgica, em sua realização concreta, se distanciou ainda mais de sua origem. O resultado não foi uma reanimação, mas uma devastação. No lugar da liturgia, fruto de um desenvolvimento contínuo, eles colocaram uma liturgia fabricada. Eles abandonaram um processo vital de crescimento e devir para substituir uma fabricação. Não quiseram continuar o desenvolvimento, o amadurecimento orgânico de algo que viveu ao longo dos séculos, e o substituíram, à maneira da produção técnica, por uma fabricação, produto banal do momento".[28]

Ratzinger favoreceu uma reforma litúrgica gradual e conservadora. Embora sempre tenha reconhecido a validade sacramental do Novus Ordo, ele entendeu a ruptura que ocorreu devido a um papa que, ao contrário de centenas de seus antecessores, não agiu como jardineiro e preferiu atuar como mecânico ou fabricante , resultando em uma forma de liturgia romana tão diferente de sua tradição anterior que deveria ser vista como um ano zero, o início de uma nova “tradição” e não a continuação da antiga tradição. É por isso que Bento XVI poderia chamá-las de duas “formas” e propor sua coexistência; ele não conseguia pensar em outra forma papalmente responsável de sair do impasse, mas permitir que o que ele considerava os pontos fortes de cada "forma" passasse para a outra, para seu "enriquecimento mútuo". Por mais complicada que tenha sido sua solução, devemos notar que ela foi escolhida (ironicamente, talvez) porque era mais coerente com uma visão tradicional do papado: o papa, preocupado acima de tudo em transmitir o que havia recebido - mesmo que algo do que ele havia recebido era problemático! - promove processos graduais e orgânicos em vez de impor "soluções" repentinas que ameaçam mais caos. [29]

Acho que agora estamos em uma posição melhor para ver por que o primeiro e mais básico erro que os apologistas papais cometem é presumir que a liturgia é meramente "disciplinar", [30] e que a jurisdição "universal e imediata" do papa o dota com o poder de mudar qualquer coisa - exceto as chamadas "formas dos sacramentos". [31] Eles podem citar textos-prova para esse efeito, mas, ao fazê-lo, os removem do contexto da tradição viva, ao mesmo tempo diacrônica e sincrônica , que estabelece os limites para o exercício desse poder. Sebastian Morello expressa este ponto extremamente bem:

"O governo existe per se para a proteção da sociedade e seu modo de vida, de modo que a sociedade possa alcançar os fins para os quais as comunidades humanas foram formadas; o governo não é o criador da sociedade. Da mesma forma, o papa e os bispos têm o mandato de guardar e transmitir a tradição que foi transmitida a eles (2 Tess. 2:15), e não devem repudiá-la ou revogá-la, nem inventar sua própria nova versão. A tradição da Igreja, tanto crença quanto prática, não é deles, com a qual eles podem fazer o que quiserem. A tradição da Igreja pertence a todos os fiéis. Desta tradição, os bispos (incluindo o papa) são os guardiães e servos. Eles nunca podem ser os criadores nem os donos da doutrina, prática ou vida litúrgica da Igreja, mas são encarregados de proteger e promulgar a herança religiosa comum de todos os fiéis. O fato de papas e bispos se comportarem como se a tradição da Igreja fosse sua pertença, com a qual podem fazer o que quiserem, com o resto dos fiéis apenas tendo que aceitá-lo, marca a forma mais crua de clericalismo." [32]

Como John Henry Newman reconheceu, a autoridade papal faz sentido precisamente dentro do contexto da tradição comunal: ela serve a um propósito óbvio de prevenir a corrupção e resolver as dificuldades que possam surgir. Não é uma abstração flutuante, mas um serviço a um determinado depósito, que antes de tudo é o depósito revelado da fé, mas também um depósito de tradições eclesiásticas e costumes que cresceram com ele, expressivos e protetores dele. Esta soma total é confiada ao papa para custódia e transmissão. Sim, todos nós sabemos que pequenos acréscimos ou modificações são possíveis e às vezes desejáveis, mas o consenso geral entre canonistas e teólogos é que estes devem ser de natureza a permanecer em harmonia e com respeito ao que já está lá.

Dizer que só o papa pode determinar quando e como ele exerce sua autoridade disciplinar é dizer que não há como o papa abusar dela - ou abusar de alguém ou de alguma coisa. Quer dizer que ele tem direitos, mas não tem deveres; poder, mas sem limites - natural, divino, eclesiástico - ao seu poder. Aqueles que afirmam que o papa tem autoridade para revogar ou abolir um rito litúrgico imemorial e substituí-lo por uma nova construção mostram que abandonaram o catolicismo confessional histórico em favor de uma caricatura. É uma reductio ad absurdum do papado, que faz o jogo dos protestantes, e assim ortodoxos estariam inteiramente certos em se opor a ela. [33]

Para manifestar mais plenamente o absurdo a que o catolicismo seria necessariamente reduzido seguindo as consequências lógicas da linha hiperpapalista, consideremos quatro conjuntos de questões que podem ser colocadas. [34]

1. O papa pode remover partes inteiras da Missa - por exemplo, decretar que a Missa é apenas a Missa dos Fiéis ou Liturgia da Eucaristia, e não junto com a Missa dos Catecúmenos ou Liturgia da Palavra?

2. Que discrição o papa tem para mudar as datas das festas e épocas litúrgicas? Ele pode mudar a data do Natal? Ele poderia remover o Natal ou a Páscoa do calendário litúrgico? Ele poderia remover a Quaresma e o Advento do calendário?

3. O papa pode mudar o rito bizantino, determinando que seja oferecido apenas em latim (ou em esperanto)? Ele pode suprimir completamente o rito bizantino? Ele pode forçar uma Igreja de rito sui juris bizantino a usar o rito armênio?

4. O papa pode criar um rito litúrgico inteiramente novo, sem precedentes? Ele poderia criar um rito amazônico que não tenha nenhuma semelhança com o rito romano? Ele poderia mudar o rito da Igreja latina para o rito amazônico ou, nesse caso, o rito bizantino? Essa adoção faria do rito bizantino o rito romano, visto que é literalmente o rito da Igreja em Roma?

A todas essas perguntas, um papal de estrita observância teria que responder "sim". O que está em jogo não é se o papa fará tal coisa, mas se ele pode e pode. E existem duas possibilidades sozinhas. Ou ele tem o poder para fazer isso - ele poderia emitir um decreto com força de lei - mas ele não tem autoridade (moral) para fazê-lo; ou ele não tem, de fato, tal poder: ele pode fazer um decreto procedimentalmente válido que deixaria de ser legalmente válido por causa de seu conteúdo (como os advogados naturais dizem que é possível). No primeiro cenário, ele faz um decreto procedimentalmente válido e juridicamente vinculativo que era moralmente errado de se fazer; neste último cenário, ele comete um ato que é nulo e sem efeito, não tendo a razão de lei. [35] Em qualquer dos casos, a lei resultante ou a aparência de lei trariam graves danos à Igreja e o próprio legislador seria culpado de pecado grave. [36] Se for uma lei ruim, estaríamos certos em trabalhar e orar por sua revogação ou modificação e buscar mitigar seus efeitos tanto quanto possível; se for uma lei injusta e, portanto, nenhuma lei, poderíamos legitimamente ignorá-la e agir livremente contra suas disposições. 

Questões como as mencionadas acima nos ajudam a ver os limites implícitos ou explícitos que existem antes de um papa chegar ao poder e que existem abaixo e além de seu cargo. As realidades litúrgicas são concretas e definidas; são regras ou regras genuínas para a Igreja. É por isso que Massimo Viglione está certo em dizer:

"A lex orandi da Igreja, de fato, não é um “preceito” do direito positivo votado por um parlamento ou prescrito por um soberano, que sempre pode ser retratado, alterado, substituído, melhorado ou piorado. A lex orandi da Igreja, além disso, não é uma “coisa” específica e determinada no tempo e no espaço, mas é o conjunto coletivo das normas teológicas e espirituais e das práticas litúrgicas e pastorais de toda a história da Igreja, desde tempos evangélicos - e especificamente do Pentecostes - até hoje. Embora obviamente viva no presente, está enraizado em todo o passado da Igreja. Portanto, não estamos falando aqui de algo humano - exclusivamente humano - que o último chefe pode mudar a seu bel-prazer. A lex orandi compreende todos os vinte séculos da história da Igreja, e não há homem ou grupo de homens no mundo que possa mudar este depósito de vinte séculos. Não há papa, concílio ou episcopado que possa mudar o Evangelho, o Depositum Fidei ou o Magistério universal da Igreja. Nem pode a Liturgia de todos os tempos ser [decisivamente] mudada." [37]

Lembre-se de um fato que parece surpreendente para nós hoje, mas não teria surpreendido ninguém durante a maior parte da história da Igreja: a liturgia da Igreja ocidental ou de rito latino existiu em suas muitas variedades por 1.500 anos - por quinze séculos completos - antes de qualquer papa exercer autoridade papal para codificar ou definir um livro litúrgico. Em resposta à revolta protestante, São Pio V deu o passo grave de estabelecer uma edição definitiva ou editio typica de um rito que tinha sido usado século após século como um costume oficial. Longe de “criar seu próprio missal” (como alguns continuam a dizer ignorantemente), Pio V tomou a atitude mais conservadora possível nas circunstâncias: agiu precisamente para conservar a tradição em face de um massivo ataque herético com suas inúmeras inovações.

O cardeal Raymond Leo Burke, um dos mais eminentes canonistas da Igreja Católica e durante anos o canonista-chefe do Vaticano, assume a mesma posição, em uma passagem que resume todas as nossas considerações até este ponto.

"O Romano Pontífice pode revogar juridicamente o usus antiquior? A plenitude do poder (plenitudo potestatis) do Romano Pontífice se faz para defender e promover a doutrina e a disciplina da Igreja. Não é um “poder absoluto” que incluiria o poder de mudar a doutrina ou erradicar uma disciplina litúrgica que está viva na Igreja desde o tempo do Papa Gregório o Grande e até antes. . . . Nosso Senhor, que deu o maravilhoso dom do usus antiquior, não permitirá que seja erradicado da vida da Igreja."

          É preciso lembrar que, do ponto de vista teológico, toda celebração válida de um sacramento, pelo próprio fato de ser um sacramento, é também, além de qualquer legislação eclesiástica, um ato de culto e, portanto, também uma profissão de fé. Nesse sentido, não é possível excluir o Missal Romano, segundo o usus antiquior, como expressão válida da lex orandi e, portanto, da lex credendi da Igreja. Trata-se de uma realidade objetiva da graça divina que não pode ser mudada por um simples ato da vontade mesmo da mais alta autoridade eclesiástica. [38]

Assim, quando os apologistas dizem alegremente: “O papa pode mudar a liturgia como quiser”, podemos interromper para expressar nossa discordância polida. O Papa, ou outros na hierarquia, podem legislar para a liturgia, no sentido das condições que a cercam, as edições impressas dela, as qualificações dos ministros para ela, etc., mas eles não legislam liturgia per se. Plenitude de poder significa poder para fazer tudo o que pode (legalmente) ser feito, não poder para fazer o que quer que o portador queira. [39] Se a afirmação “o papa pode mudar a liturgia como quiser” for aceita sem qualificação, então a tradição não significa essencialmente nada. E esta não é uma visão católica (e nunca foi), mas nominalista e voluntarista. [40] O padrão católico é formulado com veemência pelo pe. John Hunwicke:

"Santa Tradição, é claro, tem a Sagrada Escritura como uma de suas estruturas governantes. Santa Tradição, cuja manifestação principal, no dia a dia, está na Liturgia. A Sagrada Tradição é nossa verdadeira Senhora. A Sagrada Tradição é a auctoritas definitiva e dominante na vida da Casa de Deus. Nenhuma auctoritas pode subsistir em atos que subvertam manifestamente a Sagrada Tradição." [41]

Nesta palestra, não explorei em profundidade as disposições específicas do Traditionis Custodes ou o relato que o Papa Francisco dá de sua decisão na carta que o acompanha. [42] Mas isso está na mente de todos e, portanto, parece adequado abordá-lo de forma mais direta.

O cardeal Walter Brandmüller escreveu um breve artigo no qual assinalava que uma lei que não é recebida ou aprovada, isto é, deixada de lado na prática e não cumprida, é reconhecida na Tradição canônica como carente da plena natureza do direito. Afirma, ainda, que há situações em que o direito consuetudinário pode suspender a obrigatoriedade de uma nova lei contrária a ele; a lei canônica prevê costumes que anulam a legislação contrária. Por último, Sua Eminência nos lembra que uma lei duvidosa não vincula, ou seja, se a relevância, aplicabilidade ou compatibilidade da lei com outras leis não é clara ou problemática, ela carece de toda a força da lei. E isso certamente é verdade para esse motu proprio cheio de erros e canonicamente desajeitado. Eu iria mais longe e afirmaria que o motu proprio carece de legitimidade jurídica - em outras palavras, é ilícito ou ilegítimo porque se baseia em múltiplas falsidades demonstráveis ​​e contém contradições e ambigüidades que tornariam sua aplicação arbitrária e incerta. [43]

Mesmo se, para fins de argumentação, admitíssemos que o documento tem força legal (pelo menos na medida em que seja inteligível) e que suas disposições se enquadram no que o papa pode fazer, ainda teríamos o direito e o dever de lutar por sua revogação e por resistir a ela de todas as maneiras que se abram para nós. Pois ainda seria um uso tirânico do poder pelo qual um hierarca domina seus súditos e os despoja do que lhes pertence e, de fato, busca em última instância a liquidação de uma minoria na Igreja, como o Partido Comunista Chinês , com quem o Vaticano tem uma aliança secreta, reúne minorias étnicas e religiosas e as coloca em “campos de reeducação”, onde podem aprender a ser cidadãos chineses exemplares.

Como chegamos a este ponto, onde em vez de um papa que recebe, guarda, promove e pratica a tradição, temos um papa que tentou desencadear uma guerra global contra os católicos, contra padres, religiosos e leigos, que estão fazendo o que ele deveria estar fazendo? Essa é uma grande questão para a qual outra palestra seria necessária, mas deixe-me dar um esboço de uma resposta. Existem duas causas principais.

A primeira causa é o que chamei de “o espírito do Vaticano I” - Vaticano I, veja bem. Esse concílio deu uma definição estreita de infallibilidade papal, juntamente com uma ampla descrição da posição única do papa como vigário de Cristo no corpo visível da Igreja na Terra. Tragicamente, em vez de ser aceita em sua modéstia e entendida em continuidade com a compreensão mais plena da relação do papado com a tradição que resumi nesta palestra, a constituição Pastor Aeternus foi considerada por muitos como um endosso de um hiperpapalismo que concentra toda autoridade, toda verdade, toda lei e a soma total da “identidade católica” no ofício papal e na própria pessoa do papa, como se então emanasse dele para todas as outras autoridades. Embora os ultramontanos mais extravagantes tenham perdido no concílio, seu culto ao Pontífice Romano não apenas sobreviveu, mas prosperou, levando ao longo do tempo ao fenômeno do papa superstar, cujas palavras e ações são transmitidas instantaneamente por todo o mundo para um público palpitante que aguarda orientação. Isso tende a enfraquecer o instinto católico de receber a verdade da Fé de uma rica rede de fontes pelas quais ela chega até nós: Sagrada Escritura, Sagrada Tradição, os monumentos da tradição eclesiástica (o maior dos quais é a Sagrada Liturgia), os Padres e Doutores da Igreja, os grandes santos místicos e ascéticos, devoções e costumes populares. Além disso, substituiu um novo tipo de epistemologia ou teoria do conhecimento em que nosso acesso à verdade é obtido não tanto pelo exercício da virtude da fé e do poder da razão em seus próprios objetos, mas pela subjugação de alguém. intelecto e vontade para o intelecto e vontade de um superior hierárquico, tidos como única e suficiente medida da verdade. A obediência é então reinterpretada como a evacuação de seu próprio conhecimento e julgamento a fim de ser preenchido com qualquer conteúdo preenchido, sem perguntas sobre como ele está ou não em harmonia com qualquer outro conteúdo de qualquer outra fonte. Bem, o catolicismo é inerentemente sobre a submissão hierárquica, e a virtude da obediência é preciosa para nós; mas, como sabemos, corruptio optimi pessima, a corrupção do melhor é o pior: existe uma submissão legítima e outra ilícita, uma obediência verdadeira e uma falsa, e a diferença pode ser dramática. Essas distinções raramente são feitas porque estamos todos sob a influência de uma noção exageradamente jesuíta de obediência cega (que não vou culpar a Santo Inácio de Loyola, cujo aniversário para a vida eterna celebramos hoje, mas sim a seus sucessores [44]). e, conseqüentemente, perdemos um sensus Catholicus mais rico das normas que governam a vida e o pensamento cristão. Voltando então ao ultramontanismo, vemos nele uma confluência de vários fatores: uma tendência crescente da Igreja a imitar o absolutismo do Estado moderno, juntamente com o colapso das estruturas jurídicas intermediárias, subsidiárias e dos centros culturais de gravidade que funcionavam como “freios e equilibra ”, por assim dizer, sobre a autoridade centralizada e as idéias monopolizadoras; [45] uma espécie de clericalismo e triunfalismo que não é absolutamente a mesma coisa que celebrar a dignidade do sacerdócio e o reinado de Cristo Rei; e, como mencionei, uma noção jesuíta de obediência cega à autoridade religiosa. Se você colocar todas essas coisas juntas, você tem uma visão de que a Igreja é governada por um monarca absoluto [46] cujas idéias são corretas, cuja vontade é a lei, cujo poder ultrapassa sem limites a história, o costume, a tradição, ou mesmo o anterior ensino magisterial. Ele é um oráculo délfico, um deus mortal, uma imagem da onipotência divina, uma concentração de todo o catolicismo. Isso, desnecessário dizer, não é e não pode ser o que o papado é. [47]

A segunda causa da nossa crise é o Modernismo, que surgiu na segunda metade do século XIX, atingindo seu primeiro apogeu durante o reinado de Pio X, e então, tendo passado à clandestinidade, ressurgiu com maior força durante o pontificado de Pio XII, após que fluiu para o Concílio Vaticano II e exerceu uma influência inquestionável na formulação dos documentos, bem como na sua implementação. Todo o programa de “modernização” recebeu não só uma dimensão pastoral ou prática, que pode ter sido inocente, mas também teológica, que se tornou ideológica: uma conformação da Igreja aos ideais e valores do mundo liberal produzidos por a era das revoluções, em perfeita contradição com as condenações do Syllabus of Errors de Pio IX. [48] Até João XXIII, os papas foram mais ou menos resolutamente antimodernistas. Depois de João XXIII, a situação torna-se mais ambígua, confusa e anárquica, com os papas parecendo falar dos dois lados da boca: às vezes reafirmam o ensino tradicional, enquanto outras vezes parecem contradizê-lo ou misturá-lo com o estrangeiro idéias, ou simplesmente evitá-lo, condenando-o ao silêncio. [49] Com o Papa Francisco, entretanto, passamos para uma nova fase, onde o modernismo, em um grau ou outro, está misturado a quase tudo que ele diz e faz; nem é difícil provar. Assim, no pontificado de Francisco, as duas correntes se uniram: ele une em uma pessoa o espírito do Vaticano I e o espírito do Vaticano II, uma visão ultramontanista da liderança papal e uma orientação teológica modernista. [50] Verdadeiramente uma combinação monstruosa e a maior provação que a Igreja já enfrentou, embora a maioria dos católicos esteja tão obcecada pela modernidade e tão impressionada com a autoridade papal que tendem a pensar que seria pior para o papa ter uma amante ou praticar simonia. Como gosto de lembrar às pessoas, o Papa Alexandre VI - um Borgia que teve pelo menos sete filhos por meio de duas amantes que também eram mulheres casadas e que generosamente esbanjaram cargos em seus parentes - não resistiu a seus apetites de luxúria e ambição, mas nunca se atreveu a tocar na liturgia da Igreja Católica, em sua doutrina, ou mesmo em seus ensinamentos morais que ele mesmo violou. [51] Ele não suprimiu, por exemplo, textos litúrgicos que falam de pecado, julgamento, morte e a realidade do inferno, [52] ou a necessidade de desprezar os bens terrenos e desejar os celestiais. [53] Ele não declarou que a pena de morte era errada ou que católicos divorciados e recasados ​​civilmente podiam receber os sacramentos sem arrependimento. Esses atos flagrantes contra a natureza, o propósito e os limites do papado foram deixados para Paulo VI e Francisco cometerem.

Tendo aberto essas enormes perspectivas, devo encerrar esta palestra. Qual deve ser a nossa resposta como católicos a uma situação verdadeiramente catastrófica na Igreja? A resposta é tão simples quanto antiga: ora et labora, reze e trabalhe. Foi assim que os monges e monjas beneditinos mantiveram a luz da fé acesa na Idade das Trevas e lançaram as bases para a era gloriosa que se seguiu, a cristandade em seu apogeu. Nós caímos em uma nova Idade das Trevas, mas nossas ferramentas devem ser as mesmas que as deles. Parte de nosso trabalho deve ser o trabalho de estudo: precisamos ler livros - não apenas livros espirituais - que nos ajudarão a compreender, pensar com clareza, agir bem e dar boas explicações aos outros. Nem todo mundo é chamado para ser um estudioso, mas todos podem reservar um tempo diário para dez ou vinte páginas. Quero recomendar quatro livros em particular que se relacionam com o meu tema.

1. Bishop Athanasius Schneider’s Christus Vincit: Christ’s Triumph Over the Darkness of the AgeQuando as pessoas me perguntam: “O que devo ler para entender a crise atual da Igreja, como chegamos aqui e como saímos dela?”, Sempre recomendo este livro, que é escrito com a clareza, a firmeza, a bondade , e a ortodoxia pela qual o Bispo Schneider é famoso.

2. Roberto de Mattei’s Love for the Papacy and Filial Resistance to the Pope in the History of the ChurchPrecisamos saber sobre os tempos da história em que os papas erraram, doutrinariamente ou prudentemente, e foram legitimamente resistidos pelos membros da Igreja. É reconfortante - tanto no sentido atual da palavra (consolar, tranquilizador) quanto em seu sentido antiquado (fortalecer, galvanizar) - saber que existem precedentes para tal resistência e saber como eram. A Providência Divina cria as pessoas certas no momento certo.

3. Defending the Faith Against Present Heresies, edited by John Lamont and Claudio Pierantoni. A melhor crítica em um volume da teologia do Papa Francisco e do governo da Igreja. Como eu disse antes, o contexto é muito importante para alcançar o entendimento, e este livro fornece um contexto rico e completo para compreender o significado e a função do Traditionis Custodes.

4. Lastly, Are Canonizations Infallible? Revisiting a Disputed Question. Muitos católicos tradicionais ficaram incomodados com a canonização rápida do trio de papas do Concílio Vaticano II, a saber, João XXIII, Paulo VI e João Paulo II. Esta coleção oferece uma excelente introdução à história da canonização, as mudanças feitas no processo em vários pontos, a natureza e os objetos da infalibilidade papal e, finalmente, razões para questionar a infalibilidade das canonizações - em outras palavras, que algumas canonizações podem estar em erro, e que esta é uma postura que os católicos estão autorizados a tomar.

O que fazemos então? Eu gostaria de fazer eco a uma declaração recente do Dr. Joseph Shaw: “A melhor maneira de responder a Traditionis Custodes é continuar com o trabalho de restauração da Tradição,” de todas as formas disponíveis para nós. Shaw continua falando sobre o treinamento do servidor do altar e como remendar as vestimentas.

Agora e sempre, apegue-se à fé. Ensine a fé. Viva a fé com amor e zelo. Deus cuidará do resto.

NOTAS (Referências)

[1] See the following aggregations at New Liturgical Movement: Roundup of Major Reactions to Traditionis Custodes,” July 22; “Continuing the List of Articles on Traditionis Custodes,” July 23; “Further Articles on the Motu Proprio Traditionis Custodes,” July 28.

[2] For more on the question of context, see my article “Sun, Moon, and Stars: Tradition for the Saints,” OnePeterFive, February 3, 2021.

[3] It is worth pointing out that the word ritus (translated here as “rites”) is not at all self-evident; in fact, it is a term of almost notorious vagueness, that can refer to anything from a particular ceremony (the “rite of communion,” i.e., how communion is distributed, whether under one or two species) to a full liturgy (the “rite of Mass” or the “rite of baptism,” i.e., the entire thing with all its elements) to an entire rite with all its many liturgies (“the Roman rite,” “the Byzantine rite”) to a particular use within that rite (“the Dominican rite,” which would more properly be called “the Dominican use”). Pope Pius XII would not have meant: “I can make up a Pacellian Rite, to stand alongside the Liturgy of St John Chrysostom and the Roman Mass,” but rather something like “the supreme authority of the Church can withdraw the chalice from the non-celebrants.” For that matter, would not a patriarch have an analogous power over his ritual church?

[4] John A. Monaco, “Was the Sacred Liturgy made for the pope, or the pope for the Sacred Liturgy?,” Catholic World Report, July 28, 2021.

[5] All authorities recognize that liturgy is a locus theologicus unto itself. This implies that it is not simply the product of a handful of theologians in a committee rubber-stamped by the Church’s legislative authority.

[6] Fr. John Hunwicke, “Does Traditionis Custodes possess Auctoritas?,” Fr Hunwicke’s Mutual Enrichment, July 17, 2021. William of Ockham famously argued that divine omnipotence should be understood as not “limited” in any way by logically prior commitments of what God owes to His own goodness or to the nature of His creatures according to His wise design. For a full exposition, see my article “William of Ockham and the Metaphysical Roots of Natural Law,” The Aquinas Review (2004): 1–84 (available here).

[7] For a critique of the Pian formulation, see Fr. Christopher Smith, “Liturgical Formation and Catholic Identity,” in Liturgy in the Twenty-First Century: Contemporary Issues and Perspectives, ed. Alcuin Reid (London/New York: Bloomsbury, 2016), 260–86. Fr. Smith quotes Aidan Kavanaugh: “To reverse the maxim, subordinating the standard of worship to the standard of belief, makes a shambles of the dialectic of revelation… The law of belief does not constitute the law of worship. Thus the creeds and the reasoning which produced them are not the forces which produced baptism. Baptism gave rise to the Trinitarian creeds. So too the Eucharist produced, but was not produced by, a scriptural text, the Eucharistic prayer, or all the various scholarly theories concerning the Eucharistic presence. Influenced by, yes. Constituted or produced by, no” (261–62).

[8] And in fact, the potential falsehood in Pius XII’s reformulation ends up being actualized by Paul VI’s deconstruction and reconstruction of the feast of Christ the King: see Michael P. Foley, “A Reflection on the Fate of the Feast of Christ the King,” New Liturgical Movement, October 21, 2020; idem, “The Orations of the Feast of Christ the King,” New Liturgical Movement, October 23, 2020; Peter Kwasniewski, “Should the Feast of Christ the King Be Celebrated in October or November?,” Rorate Caeli, October 22, 2014; “Between Christ the King and ‘We Have No King But Caesar,’” OnePeterFive, October 25, 2020.

[9] If one objects that the pope couldn’t make such changes because he couldn’t teach the doctrines behind them, I would note that my three examples need not be taken as actually asserting heresies: to be against possession of weapons is not to say self-defense is immoral; to remove miracles from the readings is not, in itself, a denial of their truth or of divine inspiration; to suggest certain sinners should be permitted to attend Mass is not necessarily an endorsement of their lifestyle—although all three would imply errors and promote their flourishing. The absurdity of such papal innovations would not be exclusively doctrinal, but simultaneously liturgical, theological, and moral.

[10] Contrary to what some have claimed, this Papal Oath is certainly authentic, although many spurious versions of it circulate on the internet. There are two modern critical editions of the Liber Diurnus, the one published in 1869 by Marie Louis Thomas Eugène de Rozière, and another published in 1889 by Theodor E. von Sickel. According to Sickel, the three versions that survive to-day (the Vatican, Clermont, & Milan MSS; in 1958 Hans Foerster published diplomatic editions of all three) represents its state of development during the reign of Hadrian I (late 8th to early 9th centuries). The papal oath is formula 83, and although Gottfried Buschbell argued in 1896 that it stopped being used after 787, in his 1948 book on the Photian schism Francis Dvornik makes an excellent case for its continued use in the 11th century, when Cardinal Deusdedit wrote a compilation of canon law and included the papal oath therein. It appears that the papal oath ceased to be used sometime after the 11th century; it is tempting to connect its fall into desuetude with the expansive views of papal power held by St Gregory VII and his reformist successors.

[11] Translated by Gerhard Eger and Zachary Thomas, from the Vatican MS text as edited by Hans Foerster (1958, pp. 145–48). For the full Latin text and additional notes, see “‘I Shall Keep Inviolate the Discipline and Ritual of the Church’: The Early Mediæval Papal Oath,” Canticum Salomonis, July 31, 2021.

[12] See Bishop Athanasius Schneider, “On the question of a heretical pope,” Gloria Dei, March 28, 2019.

[13] This and the preceding text are from the thirty-ninth session of Constance, held October 9, 1417, and subsequently ratified by Pope Martin V and Pope Eugene IV, with the implicit or explicit caveat (to quote the words of the latter) “absque tamen præjudicio juris dignitatis et præeminentiæ Sedis Apostolicæ” (see “The Council of Constance”; cf. T. Shahan, s.v. Council of Constance, in The Catholic Encyclopedia [New York: Robert Appleton Company, 1908]). Although the text of this oath was copied from a forged oath attributed to Boniface VIII, it nevertheless expresses a properly Catholic attitude toward the papacy, at a time when many were scandalized by an office that was failing, in practice, to secure unity of faith and governance. See Phillip H. Stump, The Reforms of the Council of Constance (1414–1418) (Leiden: Brill, 1994), 115 (citation: https://bit.ly/3C06Ug3). My citing of approved passages of Constance should not be taken in any way as an esoteric hint that I embrace conciliarism, which I reject as much as I reject hyperpapalism. In a healthy ecosystem every organism depends on every other one doing its own thing in its proper place. When one species takes over, or an foreign species is introduced, the whole ecosystem suffers harm.

[14] Summa de ecclesia, lib. IV, pars Ia, cap. xi, § Secundo sic (fol. 196v of the 1489 Roman edition, p. 552 of the 1560 Salamanca edition, and p. 369v of the 1561 Venice edition). For the full text in Latin and in English, see “‘Beyond Summorum Pontificum: The Work of Retrieving the Tridentine Heritage’: Full Text of Dr. Kwasniewski’s Roman Forum Lecture,” Rorate Caeli, July 14, 2021, note 13.

[15] Cajetan, De Comparatione Auctoritatis Papae et Concilii. For a remarkable example of opposition to a papal command, see the account of what was done by Robert Grosseteste, recounted in Paul Casey, “Can a Catholic Ever Disobey a Pope?,” OnePeterFive, July 17, 2020.

[16] Suárez, De Fide, disp. X, sect. VI, n. 16; De Fide, disp. X, sec VI, no. 16. Compare a statement by the SSPX on July 19, 2021: “The traditional Mass belongs to the most intimate part of the common good in the Church. Restricting it, pushing it into ghettos, and ultimately planning its demise, can have no legitimacy. This law is not a law of the Church, because, as St. Thomas says, a law against the common good is no valid law” (“From Summorum Pontificum to Traditionis Custodes, or From the Reserve to the Zoo”).

[17] De Caritate, disp. XII, sect. 1: “si nollet tenere cum toto Ecclesiae corpore unionem et conjunctionem quam debet, ut si tentaret totam Ecclesiam excommunicare, aut si vellet omnes ecclesiasticas caeremonias apostolica traditione firmatas evertere.” It is important to note here that, when it comes to the oldest elements of liturgical rites, we very often don’t have any way to know (and may never have the ability to know) which of these are of merely human institution and which are not, which makes it all the more crucial not to eliminate them.

[18] Prieras, Dialogus de Potestate Papae, cited by Francisco de Vitoria, Obras, pp. 486–87. For a good discussion of this point of Catholic doctrine, see José Antonio Ureta, “The Faithful Are Fully Entitled to Defend Themselves Against Liturgical Aggression—Even When It Comes From the Pope,” The American Society for the Defense of Tradition, Family and Property, July 25, 2021. See also the superb Appendix II, “The Right to Resist an Abuse of Power,” in Michael Davies, Apologia pro Marcel Lefebvre (Kansas City: Angelus Press, 1979, repr. 2020), 379–419.

[19] Bellarmine, De Romano Pontifice, Bk 2, Ch. 29, seventh reply. “Judge” here means “bring to judgment” or issue a formal judicial sentence; it obviously does not exclude making a judgment of his words or acts.

[20] Nor can this be excluded as Protestant “private judgement.” Private judgement is, rather, the claim to be the final arbiter about what is contained in the word of God. A pope does not lay claim to be such a final arbiter unless he makes an ex cathedra declaration and anathematizes those who refuse to embrace it as part of the deposit of faith, or unless there is a teaching on a matter of faith and morals that is part of the universal ordinary Magisterium. Here, with papal disciplinary decisions and policies, we are in the realm of practical and prudential matters that can be evaluated by all who are involved, and where the pope’s own mind and will enjoy no guarantee of inerrancy or even of probity.

[21] See my article “It’s Time to Imitate Our Forefathers: Never Give Up!,” OnePeterFive, July 28, 2021.

[22] Homily for the Mass of Installation as the Bishop of Rome (May 7, 2005).

[23] Cardinal Joseph Ratzinger, “Ten Years of the Motu Proprio Ecclesia Dei,” a lecture given at the Ergife Palace Hotel, Rome, October 24, 1998.

[24] Joseph Ratzinger, Salt of the Earth (San Francisco: Ignatius Press, 1996), 176–77.

[25] Someone may object that Newman spoke these words as an Anglican. However, the truth they express is not specifically tied to Anglicanism but is part of that common Catholic inheritance that Newman first recognized and then later consistenly followed back to its root and home in the Catholic Church, whose traditional liturgy he so eloquently praised. See my articles “St. John Henry Newman, the Traditionalist,” part 1 and part 2, published at New Liturgical Movement on October 14 and 21, 2019.

[26] Wolfram Schrems, “The Council’s Constitution on the Liturgy: Reform or Revolution?,” Lecture given in Vienna on April 2, 2017, published at Rorate Caeli on May 3, 2018.

[27] Alcuin Reid, The Organic Development of the Liturgy, second ed. (San Francisco: Ignatius Press, 2005), Preface, 11.

[28] The original quotation is from an article in the German publication Theologisches 20.2 (February 1990): 103–4, referring to Ratzinger’s contribution to the book Simandron—Der Wachklopfer. Gedenkschrift für Klaus Gamber (1919–1989) (see http://www.theologisches.net/files/20_Nr.2.pdf). It has been quoted many times in many languages and forms: for a full history, see Sharon Kabel, “Catholic fact check: Cardinal Joseph Ratzinger and the fabricated liturgy,” June 19, 2021.

[29] As Traditionis Custodes makes manifest, Pope Francis does not have the same vision of the papacy, the same patience, or the same trust in the capacity of the “holy people of God” to be drawn toward that which is sacred and great, that which is traditional. For a more critical take on Summorum Pontificum, see my lecture “Beyond Summorum Pontificum: The Work of Retrieving the Tridentine Heritage,” Rorate Caeli, July 14, 2021.

[30] The quotation from Cardinal Burke, below, will make the point most explicitly: a liturgical act is a profession of faith and an exercise of the virtue of religion, so liturgical legislation cannot be divorced from the Church’s dogmatic teaching or her customary (and anthropologically grounded) exercise of justice toward God.

[31] A more fundamental problem, as Tracey Rowland has pointed out, is that neither then nor now has the Church developed an adequate theological language to talk about “culture.” There is law (we can talk about liturgy as a “discipline”) and sacramentology (we can talk about its validity, etc.), but for some reason we haven’t cognized what all the canonists and theologians of earlier ages took for granted, which is the sanctity of inherited custom as constitutive of the Catholic way of life.

[32] Sebastian Morello, “Reflections on Pope Francis’s Motu Proprio ‘Traditionis Custodes,’” The European Conservative, July 21, 2021.

[33] For the sake of strict accuracy we would have to distinguish between the act of creating and imposing on nearly everyone a different rite than the patrimonial one (which would be an act of violence and bad enough) and the act of abolishing or abrogating an immemorial liturgical rite (which is very much worse). Paul VI did the former but not the latter, whatever his practical intentions may have been; St. Pius V, St. John Henry Newman, and Joseph Ratzinger all suggest that it wouldn’t be easy to abrogate an immemorial liturgical tradition and that the Church has never actually done so—not even Traditionis Custodes directly attempts to do this. May we draw the conclusion that it is impossible in principle? I think we may.

[34] These questions were inspired by John A. Monaco’s “Some Questions on Traditionis Custodes,” OnePeterFive, July 20, 2021.

[35] See St. Thomas, Summa theologiae I-II, q. 96, a. 4: “The like [unjust laws] are acts of violence rather than laws; because, as Augustine says (De Lib. Arb. i, 5), ‘a law that is not just, seems to be no law at all.’ Wherefore such laws do not bind in conscience…”

[36] As Fr. Zuhlsdorf recently reminded us, Karl Rahner (Studies in Modern Theology [Herder, 1965], 394–95) discussed exactly this scenario: “Imagine that the Pope, as supreme pastor of the Church, issued a decree today requiring all the uniate churches of the Near East to give up their Oriental liturgy and adopt the Latin rite….The Pope would not exceed the competence of his jurisdictional primacy by such a decree, but the decree would be legally valid. But we can also pose an entirely different question. Would it be morally licit for the Pope to issue such a decree? Any reasonable man and any true Christian would have to answer “no.” Any confessor of the Pope would have to tell him that in the concrete situation of the Church today such a decree, despite its legal validity, would be subjectively and objectively an extremely grave moral offense against charity, against the unity of the Church rightly understood (which does not demand uniformity), against possible reunion of the Orthodox with the Roman Catholic Church, etc., a mortal sin from which the Pope could be absolved only if he revoked the decree.
       “From this example one can readily gather the heart of the matter. It can, of course, be worked out more fundamentally and abstractly in a theological demonstration:
       “1. The exercise of papal jurisdictional primacy remains even when it is legal, subject to moral norms, which are not necessarily satisfied merely because a given act of jurisdiction is legal. Even an act of jurisdiction which legally binds its subjects can offend against moral principles.
       “2. To point out and protest against the possible infringement against moral norms of an act which must respect these norms is not to deny or question the legal competence of the man possessing the jurisdiction.”

[37] See “‘They Will Throw You out of the Synagogues’ (Jn 16:2): The Hermeneutic of Cain’s Envy against Abel,” Rorate Caeli, July 23, 2021.

[38] See the “Statement on the Motu Proprio Traditionis Custodes.” In a similar vein Martin Mosebach writes: “Pope Benedict did not ‘allow’ the ‘old Mass,’ and he granted no privilege to celebrate it. In a word, he did not take a disciplinary measure that a successor can retract. What was new and surprising about Summorum Pontificum was that it declares that the celebration of the old Mass does not need any permission. It had never been forbidden because it never could be forbidden. One could conclude that here we find a fixed, insuperable limit to the authority of a pope. Tradition stands above the pope. The old Mass, rooted deep in the first Christian millennium, is as a matter of principle beyond the pope’s authority to prohibit. Many provisions of Pope Benedict’s motu proprio can be set aside or modified, but this magisterial decision cannot be so easily done away with. Pope Francis does not attempt to do so—he ignores it. It still stands after July 16, 2021, recognizing the authority of tradition that every priest has the moral right to celebrate the never forbidden old rite” (“Mass and Memory,” First Things, July 30, 2021).

[39] “[A]t the [first] Vatican Council the idea that the Pope could govern the Church arbitrarily was dismissed as an absurdity by the majority of Fathers. Fr Cuthbert Butler, the historian of Vatican I, relates that when Bishop Verot of Savanna (USA) proposed a canon to this effect: ‘If anyone says that the authority of the Pope in the Church is so full that he may dispose of everything by his mere whim, let him be anathema,’ the response was that the Council Fathers had not assembled in Rome ‘to hear buffooneries’” (Geoffrey Hull, The Banished Heart: Origins of Heteropraxis in the Catholic Church [London: T&T Clark, 2010], 148).

[40] For a full exposition of why it is not and cannot be a Catholic view but is, in fact, anti-Catholic, see Fr. Chad Ripperger, The Binding Force of Tradition (n.p.: Sensus Traditionis Press, 2013) and Topics on Tradition (n.p.: Sensus Traditionis Press, 2013); Roberto de Mattei, Apologia for Tradition. A defense of Tradition grounded in the historical context of the Faith (Kansas City, MO: Angelus Press, 2019).

[41] “Traditionis Custodes,” Fr Hunwicke’s Mutual Enrichment, July 16, 2021.

[42] See my interview at The Remnant published on July 21 and my interview with Cameron O’Hearn.

[43] “Given its foundational falsehoods, does Traditionis Custodes lack juridical standing?,” LifeSite News, July 20, 2021.

[44] See John Lamont, “Tyranny and sexual abuse in the Catholic Church: A Jesuit tragedy,” Rorate Caeli, October 27, 2018.

[45] See Bronwen McShea, “Bishops Unbound,” First Things, January 2019.

[46] Contrary to the interpretation of Vatican I that Pius IX himself confirmed to a number of concerned parties.

[47] For more, see “My Journey from Ultramontanism to Catholicism,” Catholic Family News, February 4, 2021.

[48] We are all familiar with Joseph Ratzinger’s comment that Gaudium et Spes represents a “counter-syllabus,” as well as his claim, in the famous Christmas 2005 speech on the hermeneutic of reform-in-continuity, that the Church must sometimes repudiate certain teachings in order to remain faithful to others that are more fundamental.

[49] See my lecture “Modernism: History, Method, Mentality,” available at www.ApostasyConference.com/Lifetime.

[50] I say a “theological orientation” because it is difficult to think of Francis as a theologian; he is rather a product of the great modernists who came much earlier, and inconsistently parrots their views. He also may seem to lack a Pio Nono conception of the papacy, since he refuses to wear pontifical vestments, goes on about synodality, and in general presents himself as a manager rather than a ruler (so that Traditionis Custodes stands out starkly for its sweeping use of papal prerogatives); and yet he is treated like an absolute monarch by the people for whom this is useful, and he knows it. It is, in the end, his view of things that synodality is supposed to endorse, which makes him still the “be all and end all.” It’s a more confusing version of ultramontanism than the straight-up one seen in earlier pontificates, but it would be unimaginable without it, and its capacity for damage is proportionate to the continuing hold of this false view of papal authority. Something similar was true about Paul VI as well: he wouldn’t discipline dissidents against Humanae Vitae and wouldn’t say the magic words even to attempt to abrogate the Old Mass, but he was treated as an absolute monarch by ultramontanists around him and the liturgy was the one area in which he wielded his power atypically.

[51] It seems Alexander VI had more mistresses and children than the ones mentioned here, but historians cannot pinpoint all the details. 


[52] See the work of Pristas, Cekada, Bianchi, and Fiedrowicz, inter alia.

[53] See Daniel van Slyke, “Despicere mundum et terrena: A Spiritual and Liturgical Motif in the Missale Romanum,” Usus Antiquior: A Journal Dedicated to the Sacred Liturgy, 1.1 (2010): 59–81, https://doi.org/10.1179/175789409X12519068630063.



9 comentários:

Isac disse...

QUE ÁRDUO TRABALHO LHE DEU PARA MONTAR ESSE POST DESSA MAGNÍFICA AUTORIDADE, KWANIEWSKI, HEM? PORÉM, VALEU A PENA!
" A Tradição até Cristo respeitou-a Tradição´e Leis, caso do NT a alguns conteúdos dele, como as Tábuas da Lei e outros excelentes costumes, os quais não veio abrogar, mas aperfeiçõar, como o " dente por dente...
"O Catolicismo se diferencia do protestantismo em muitas coisas (transubstanciação, contra sola fide, Nossa Senhora, santos, imagens de santos, purgatório...), mas uma que é muito importante é a doutrina católica de que a Tradição tem o mesmo peso magisterial que a Bíblia ou em outras palavras o catolicismo não é "sola scriputura" e que os relativistas e alienados protestantes com a livre interpretação, além das objeções acima, o pashtor não passa de "unus inter pares", como na cismática Igreja Ortodoxa, cujo patriarca entre bispos é-lhes igual - autoridade apenas fictícia, como nas seitas protestantes, e aquela além de nem tanto "doxa" como se propõe, porém, falta-lhe muito para chegar lá!
Para piorar o que já está péssimo, cada diocese é independente; imagine que celeuma anti cristã católica de Miguel Cerulário resultou em dezenas ou centenas de sub cismas: outro modelo de protestantismo, embora mais catolicizado!
Um super post: valeu a pena! Parabéns, Dr Pedro, título merecido de PhD da ciência e sabedoria católicas!

Pedro Erik disse...

Obrigado, meu amigo Isac.

Realmente esse deu trabalho. Mas o texto é fantástico e completo.

Abraço

Anônimo disse...


Eighty two years back Pope Pius XII allowed doctrine and dogma to be changed in the Catholic Church in exchange for peace and security. He did not defend Fr. Leonard Feeney and allowed the Letter of the Holy Office 1949 to say that unknown cases of the baptism of desire and invincible ignorance were known exceptions to the centuries old strict interpretation of the dogma extra ecclesiam nulla salus(EENS). EENS was based upon the Bible teachings in John 3:5 and Mark 16:16.

So the New Theology was outside the Church there is salvation.
This meant the teachings on ecumenism, other religions, Social Reign of Christ the King in all political legislation and exclusive salvation would have to change.The Zionists could be present in 1960-1965 at Vatican Council II.The Church had surrendered.
Then non Catholics were allowed to be professors at the pontifical universities in Rome, beginning with the John Lateran University.
In 1949, the time of surrender, the popes Benedict, John Paul II and Francis were young.They became cardinals in a Church, which was separated from the State because of a change in doctrine in 1949.
Now if that doctrine is restored to its original, with a rational premise, we have an ecumenism of return, 16th century EENS, the Social Reign of Christ the King in all political legislatioin and the non separation of Church and State based on the there being exclusive salvation in the Catholic Church. So the priority would be that all be formal members of the Catholic Church to avoid Hell.
It means we do not not reject Vatican Council II but re interpret it in harmony with the pre-1949 Catholic Churh. We undo what was lost 82 years back.The Council is no more an ally of the liberals. -Lionel Andrades
http://eucharistandmission.blogspot.com/2021/08/eighty-two-years-back-pope-pius-xii.html

Anônimo disse...


Eighty two years back Pope Pius XII allowed doctrine and dogma to be changed in the Catholic Church in exchange for peace and security. He did not defend Fr. Leonard Feeney and allowed the Letter of the Holy Office 1949 to say that unknown cases of the baptism of desire and invincible ignorance were known exceptions to the centuries old strict interpretation of the dogma extra ecclesiam nulla salus(EENS). EENS was based upon the Bible teachings in John 3:5 and Mark 16:16.

So the New Theology was outside the Church there is salvation.
This meant the teachings on ecumenism, other religions, Social Reign of Christ the King in all political legislation and exclusive salvation would have to change.The Zionists could be present in 1960-1965 at Vatican Council II.The Church had surrendered.
Then non Catholics were allowed to be professors at the pontifical universities in Rome, beginning with the John Lateran University.
In 1949, the time of surrender, the popes Benedict, John Paul II and Francis were young.They became cardinals in a Church, which was separated from the State because of a change in doctrine in 1949.
Now if that doctrine is restored to its original, with a rational premise, we have an ecumenism of return, 16th century EENS, the Social Reign of Christ the King in all political legislatioin and the non separation of Church and State based on the there being exclusive salvation in the Catholic Church. So the priority would be that all be formal members of the Catholic Church to avoid Hell.
It means we do not not reject Vatican Council II but re interpret it in harmony with the pre-1949 Catholic Churh. We undo what was lost 82 years back.The Council is no more an ally of the liberals. -Lionel Andrades
http://eucharistandmission.blogspot.com/2021/08/eighty-two-years-back-pope-pius-xii.html

Anônimo disse...

John Henry Weston had a good program recently on the subject outside the Church there is no salvation.He can now work for creating unity in the Catholic Church.
The Society of St. Pius X(SSPX) accepts extra ecclesiam nulla salus(EENS) with exceptions and the St. Benedict Centers(SBC) accept EENS with no exceptions.
Both groups are Catholic.
For the SSPX, the baptism of desire(BOD) and invincible ignorance (I.I) are exceptions for EENS and for the SBC they are not exceptions.
If you discuss this issue with either of them they will go into their specific theology, defending the founders of their communities.
How can we create unity betweem these two groups ?One of them has to be wrong on doctrine.

The SSPX will cite the present two popes who project the BOD and I.I as exceptions to EENS. The SBC will cite the past popes, many of them, who did not project BOD and I.I as exceptions to EENS.
Now after Vatican Council II(1965) and the Fr. Leonard Feeney case in Boston (1949) we know that there are no physically visible cases of the BOD and I.I in our reality.We cannot see or meet any one saved outside the Church with BOD and I.I. So BOD and I.I could not have been practical exceptions to EENS in 1949 or 1965.Someone made a mistake.
It was only be confusing what was speculative (BOD and I.I) as being non speculative and objective, that practical exceptions ( visible cases of being saved with BOD and I.I) were created for EENS.In this way the past ecclesiocentrism of the Church was made obsolete.Ths is the point that John Henry Weston, Editor in Chief at Life Site News, must bring out in questions and discussions with the SSPX and SBC.

It will have a direct bearing on how he personally will interpret Vatican Council II.Will LG 8, LG 14, LG 16, UR 3, NA2, GS 22 etc in Vatican Council II be exceptions for EENS or will they not be exceptions, for him ?
http://eucharistandmission.blogspot.com/2021/08/john-henry-weston-had-good-program.html

Anônimo disse...



John Henry Weston ha avuto recentemente un buon programma sull'argomento al di fuori della Chiesa non c'è salvezza. Ora può lavorare per creare unità nella Chiesa Cattolica.

La Fraternità San Pio X (FSSPX) accetta extra ecclesiam nulla salus (EENS) con eccezioni e i Saint Benedict Centers,USA(SBC) accettano EENS senza eccezioni.
Entrambi i gruppi sono Cattolici.
Per la FSSPX, il battesimo del desiderio (BOD) e l'ignoranza invincibile (I.I) sono eccezioni per EENS e per SBC non sono eccezioni.
Se discutete di questo problema con uno di loro, entreranno nella loro teologia specifica, difendendo i fondatori delle loro comunità.
Come possiamo creare unità tra questi due gruppi? Uno di loro deve essere sbagliato sulla dottrina.
La FSSPX citerà gli attuali due papi che proiettano il BOD e l'I.I come eccezioni all'EENS. La SBC citerà i papi passati, molti di loro, che non hanno progettato BOD e I.I come eccezioni all'EENS.
Ora, dopo il Concilio Vaticano II (1965) e il problema sul p. Leonard Feeney a Boston (1949) sappiamo che non ci sono casi fisicamente visibili di BOD e I.I nella nostra realtà. Non possiamo vedere o incontrare nessuno salvato al di fuori della Chiesa con BOD e I.I. Quindi BOD e I.I non avremmo potuto essere eccezioni pratiche all'EENS nel 1949 o nel 1965. Qualcuno ha commesso un errore.
È stato solo confondendo ciò che era speculativo (BOD e II) come non speculativo e oggettivo, che sono state create eccezioni pratiche (casi visibili di essere salvati con BOD e II) per EENS. In questo modo è stato reso il passato ecclesiocentrismo della Chiesa obsoleto. Questo è il punto che John Henry Weston, redattore capo di Life Site News, deve far emergere nelle domande e nelle discussioni con la FSSPX e la SBC.
Avrà un impatto diretto su come interpreterà personalmente il Concilio Vaticano II. LG 8, LG 14, LG 16, UR 3, NA 2, GS 22 ecc. nel Concilio Vaticano II saranno eccezioni per EENS o non saranno eccezioni, per lui ?
http://eucharistandmission.blogspot.com/2021/08/john-henry-weston-had-good-program.html

Horácio Ramalho disse...

Saudações Professor Pedro! Primeiramente, parabéns pelo esforço em trazer este artigo para nosso conhecimento. Uma pena que palavras tão valiosas não serão vistas pela maioria do episcopado brasileiro e de muitos leigos. Os primeiros, arrogantes e prepotentes teólogos da libertação e os últimos, vítimas de uma fraca catequese e produtos de um sistema educacional imperfeito, com preguiça de lerem mais de cinco linhas, sem a capacidade de entender o quê leram.
É realmente um texto magistral e que não precisaria existir, se ao menos as pessoas entendessem como São Pedro, o primeiro Papa, passou de pedra fundacional da Igreja para pedra de tropeço e satanás em poucos versículos ou quando à ele o Senhor encarrega de apascentar as ovelhas e cordeiros do Seu redil. Nosso Senhor Jesus Cristo é claro, "edificarei a MINHA Igreja"; "apascenta MINHAS ovelhas". O limite ao poder de São Pedro e seus sucessores fica claro: só será legítimo, só estará ligado ou desligado o céu com a terra se aquele que exerce o poder tiver o subsídio sobrenatural, a marca do Espírito Santo, sob as formas das Escrituras, da Tradição e do Magistério. Como nos exorta o autor, continuemos rezando, trabalhando e estudando, guiados pelo Espírito Santo e auxiliados pela Santíssima Virgem Maria, Rainha e Sede da Sabedoria, dos santos Padres e Doutores da Igreja, além dos santos mártires e confessores.

Pedro Erik disse...

Obrigado, caríssimo amigo Horácio.

Continuemos no ora et labora.

Abraço

Rafael Pauli disse...

Belíssima colocação.